Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de março 2010

Social Distortion toca em POA dia 15 de abril

22 de março de 2010 2

Divulgação
A banda punk californiana Social Distortion fará sua primeira turnê brasileira em abril. Os caras tocam em Porto Alegre (Casa do Gaúcho, 15/04), Rio de Janeiro (Circo Voador, 16/04), São Paulo (Via Funchal, 17/04) e Curitiba (Master Hall, 18/04).

A banda foi formada em Orange County em 1978 por Mike Ness, que está à frente do grupo até hoje. Os produtores divulgaram a seguinte declaração do cara:

– A banda e eu estamos muito ansiosos por essa turnê na América do Sul. A contar pelos milhares de e-mails que recebemos de nossos fãs sulamericanos, é loucura pensar que demoramos tanto tempo para confirmar esses shows. Não poderíamos estar mais emocionados em anunciar que finalmente isso vai acontecer e esperamos encontrar pela primeira vez todos os nossos fiéis fãs no Brasil e na Argentina. Esperamos também voltar pra casa com novos fãs!

Em POA, os valores dos ingressos são:

Pista:
1º lote (promocional/limitado): R$ 60,00
2º lote: R$ 80,00
3º lote: R$ 90,00

Camarote:
1º lote (promocional/limitado): R$ 80,00
2º lote: R$ 100,00

Camarote open bar (bebida liberada):
1º lote: R$ 120,00
2º lote: R$ 140,00

Vendas: Lojas Trópico dos shoppings Total, Bourbon Ipiranga, Praia de Belas, Moinhos de Vento, Iguatemi e BarraShopping.

Venda oficial de ingressos online: www.ticketbrasil.com.br

A Casa do Gaúcho fica na rua Otavio F. Caruso da Rocha, 301. O show terá início a partir das 21h.

Postado por Danilo Fantinel

Veja o novo clipe do Morrissey

22 de março de 2010 0

Reprodução
Saiu há alguns dias o clipe de Ganglord, faixa do Morrissey que está em Swords, disco de b-sides lançado em 2009. O material reúne lados-B dos três últimos álbuns de estúdio do inglês: You Are the Quarry (2004), Ringleader of the Tormentors (2006) e Years of Refusal (2009).

No vídeo, nada de mais. Cenas do ex-vocalista dos Smiths nas ruas de Los Angeles alternadas com imagens de pessoas comuns. A música é mais legal. Ainda bem.

>>>>> Mais Morrissey

Postado por Danilo Fantinel

Raçaman e MPB no show do Natiruts

19 de março de 2010 4

Eduardo Cecconi

Com o Bar Opinião abarrotado de fãs, a banda Natiruts comandou o palco da madrugada regueira de Porto Alegre, no início desta sexta-feira. Em pouco mais de uma hora e meia de show, o grupo do Distrito Federal apresentou a turnê do álbum Raçaman, lançado em 2009.

E, se no consagrado DVD Natiruts Reggae Power a linha de trabalho foi direcionada aos velhos sucessos, o repertório atual prioriza a divulgação das músicas recentes. Alexandre intercalou, a cada música de Raçaman, composições dos álbuns mais antigos.

Entre as músicas de 2009, a massa cantou junto principalmente com a própria Raçaman e com a romântica Sorri, Sou Rei.

Mas os nostálgicos, entretanto, também saíram satisfeitos. Teve espaço para o coral e as palmas embalarem Naticongo, Leve Com Você, Natiruts Reggae Power, Quero Ser Feliz Também, Liberdade Pra Dentro da Cabeça, O Carcará e a Rosa, Eu e Ela, Meu Reggae é Roots, Deixa o Menino Jogar

MPB no repertório
O show começou por volta de 0h30min e se estendeu até pouco depois das 2h – incluindo o bis. E contou, também com homenagens a outros compositores e bandas. 

Alexandre cantou A Estrada, do Cidade Negra. E transformou a pista em um baile de carnaval com Taj Mahal, de Jorge Ben Jor, e Ô Nana Ê, comum nos shows do Chiclete com Banana.

Postado por Eduardo Cecconi

Franz Ferdinand faz show incrível em POA

19 de março de 2010 71

Alex Kapranos no início do show/Larissa de Oliveira

Atualizado às 03h50min

Você foi ao show do Franz Ferdinand em Porto Alegre ontem/hoje? Lucky, lucky, you`re so lucky! Foi uma das apresentações mais incríveis que POA viu nos últimos anos, não apenas pela excelência dos escoceses ao vivo, mas também pelo fato da passagem da banda por aqui ocorrer neste momento auge, algo importantíssimo para inserir ainda mais a cidade no plano de turnês de grupos de relevo no cenário de música atual, se opondo aos comuns giros gaudérios de bandas que tiveram seu ápice há 15 anos ou mais.

Metallica aqui de novo? Ótimo! Guns pela primeira vez? Perfeito! Oasis, Faith no More, R.E.M., Jerry Lee Lewis, Chuck Berry, Morrissey, Red Hot Chili Peppers, Pearl Jam, NOFX, Peter Murphy, Sisters of Mercy, B-52’s, Cult, Ben Harper, Echo & the Bunnymen e mais uma penca de “velhos”? Sim,vários ficaram pra história dos shows na capital. Porém, é raro ver nos palcos gaúchos bandas que estão em momento top – salvo raras exceções como Little Joy, The View, Matt and Kim, No Age, Steve Aoki, Owen PalletHives e DJs gringos (apenas pra ficar nos nomes que lembro agora…)

Franz Ferdinand é uma das mais importantes bandas do rock safra 2000. Os caras revitalizaram o rock britânico ao inserir ambientações dançantes, energéticas e quase marciais por meio da guitarra - mas não apenas através dela, como é explícito no último disco, Tonight, recheado de experimentações eletrônicas definidas pelo produtor Dan Carey.

E foi com uma parafernália de instrumentos que Alex Kapranos (frontman de primeira), Nick McCarthy (guitarrista e tecladista alucinante), Robert Hardy (baixista discreto, mas imprescindível) e Paul Thomsom (batera incansável) incendiaram Porto Alegre com músicas como Do You Want To?, Tell Her Tonight, Take Me Out, Die On The Floor, Can´t Stop Feeling, No You Girls (em uma homenagem aos “great guys” da Pública, que fizeram um show de abertura aplaudidíssimo pela galera), The Dark of the Matinée (com seus riffs fortes e marcantes), This Boy (“I want a car, I want a car”, em versão 100 km/h), Walk Away (o som mais Smiths do Franz; a música mais melancolicamente britânica da banda, que desacelerou a apresentação).

O ritmo do show voltou a subir com Ulysses (“Come on, let`s get high”…o hino primeiro de Tonight; a ressaca moral, a busca jovem noturna e constante por algo – qualquer coisa! – e o paralelo irônico com o herói grego de Odisséia que passa 20 anos em guerra longe de casa), Turn it On (funky) e 40’ (em versão pós-rock indie progressiva; virtuose absoluta), além de Michael (já clássica) e Outsiders (numa drum jam maluca com todos integrantes da banda socando tambores em alta sincronia – fazendo uma linha Stomp-Timbalada de brancos).

Versos de Jacqueline (“It`s always better on holiday; So much better on holiday; That`s why we only work when; We need the money”) abriram o bis, que seguiu com Darts of Pleasure (superphantastisch!), This Fire (a melhor pra mim! E, pelo jeito, também pra muita gente, já que o público pulou junto e cantou “There is a fire in me; A fire that burns…; This fire is out of control; I`m gonna burn this city; burn this city” aos berros).

O final catártico foi com Lucid Dreams, surpreendentemente nonsense, com uma letra hermética e seu incrível apêndice eletrônico (um space-rock, psycho-disco, disco-inferno-distortion ou algo que o valha). Foi uma `Party Anticonformiste` digna das melhores pistas. Total ruptura com o óbvio! Tão chapante ao vivo que deixou o povo quase paralisado. Ao fim da execução, o baterista Paul Thomsom ficou sozinho no palco numa espécie de Live PA apocalíptico. Encerramento nota 10 para um show memorável.

Confira o setlist (não seguido à risca):

>>>>> Veja outras resenhas de shows

Postado por Danilo Fantinel

Opinião pede retirada antecipada de tkts pra Franz

18 de março de 2010 0

Divulgação, Soren Solkaer Starbird

Atualizado às 11h14min

A Opinião Produtora informou nesta manhã que vendeu um volume maior de ingressos pela internet para o show do Franz Ferdinand, marcado para hoje em Porto Alegre, do que a média de venda online para outros espetáculos. Assim, recomenda ao público que retire seus bilhetes antecipadamente para evitar filas desnecessárias. A bilheteria do Pepsi On Stage abre às 14h.

>>>>> Já tem gente na fila! Quanta disposição!!

Os caras do Franz Ferdinand chegaram a Porto Alegre ontem à noite, quando receberam os produtores locais da turnê para uma reunião. A assessoria não repassou infos sobre a estrutura de palco da banda.

Franz toca a partir das 22h de hoje, com abertura da Pública. Amanhã a banda toca no Rio, dia 21 em Brasília e dia 23 em São Paulo. Veja a agenda da banda.

>>>>> Pública promete show profi antes de Franz hoje
>>>>> Descubra por que o show de Franz Ferdinand em POA é imperdível
>>>>> Confira o serviço do show
>>>>> Outras notícias relacionadas a Franz Ferdinand
>>>>> Veja o calendário de shows em POA

 

Postado por Danilo Fantinel

Pública promete show profi antes de Franz hoje

18 de março de 2010 6

Divulgação

A Pública prometeu fazer um show “profissional” na abertura para Franz Ferdinand, a partir das 22h de hoje, no Pepsi On Stage, em Porto Alegre. O motivo é simples: respeito não apenas pela banda principal da noite, mas também pelos fãs dos escoceses e pela própria escolha da Pública em um concurso nacional realizado a pedido dos britânicos.

No total, mais de 200 mil grupos se inscreveram no hotsite da turnê brasileira gerenciado pela produtora Day 1 Entertainment. Os candidatos teriam sido avaliados por Alex Kapranos e cia.

Além da Pública, os finalistas foram Moptop (Rio de Janeiro, para show no dia 19, na Fundição Progresso), The Pro (Brasília, dia 21, Marina Hall), e Anacrônica (São Paulo, dia 23, Via Funchal).

Nesta entrevista, o guitarrista e vocalista Pedro Metz fala sobre a expectativa para o show de hoje, relembra o encontro com Franz Ferdinand no VMB de 2009, comenta os preparativos para a mudança da Pública para São Paulo e diz que, antes da banda lançar um novo disco em 2011 (deverá ter 10 faixas e será o terceiro depois de Polaris – 2006 – e de Como num Filme sem um Fim – 2009), o grupo fará mais dois clipes ainda neste ano.

Como vocês receberam a notícia?

Ficamos sabendo na quinta passada, pela manhã, pelo nosso produtor. Mas a produção do Franz informou oficialmente apenas na sexta. Foi quando começamos a espalhar a notícia. Não queríamos falar antes do tempo. Sou bastante fã do Franz Ferdinand. Acompanho o trabalho da banda desde o primeiro disco. Temos até uma guitarra igual! É uma Telecaster Deluxe. É rara e, casualmente, a gente tem! Fiquei muito feliz não apenas por abrir pro Franz, mas em saber que a escolha passou por eles e pela produção nacional. Acho que vamos fazer um grande show.

E o que vocês devem apresentar no show? Alguma música nova?

Hoje à noite temos um ensaio final. Mas não teremos nada de surpresa e nenhuma música nova. A Pública fará um show de abertura. O show principal é do Franz. Estaremos lá como fãs. Mas queremos ser profissionais e mostrar respeito pela escolha da nossa banda. Queremos fazer algo empolgante, porque estaremos emocionados, mas também profissional, sem dúvida.

Bandas de abertura têm passado por momentos tensos antes dos shows principais em Porto Alegre nos últimos meses. Elas nem sempre são bem recebidas pelo público e, muitas vezes, o nervosismo dos músicos atrapalha. Vocês estão ansiosos? Como pretendem lidar com isso amanhã?

Acho que é algo natural, mas também acho que o público do show não é xiita. É aberto a novos sons. Acho que vão nos acolher bem. Quando ganhamos o prêmio de melhor banda de rock alternativo do VMB de 2009 (também indicados a videoclipe do ano por Casa Abandonada; foto acima) o Guri (Assis Brasil, guitarrista) conversou bastante com eles. Claro que ficamos nos perguntando sobre a recepção do público. Mas estamos preparando um show para não dar muito espaço para isso (uma possível má recepção). Temos uma boa equipe técnica. E, assim, fica tudo na nossa. Se fizermos um bom show, não teremos problemas. Mas tudo pode acontecer. De umas cinco mil que querem ver o show do Franz, algumas devem gostar de nós. Vaia é coisa de pessoas mais desequilibradas. Além, disso, não estamos lá por acaso. A produção do Franz se envolveu muito e temos que respeitar essa decisão. Queremos fazer um show pra cima, pra aquecer o show do Franz!

E quando rola a viagem pra São Paulo?

Até o meio de abril devemos nos mudar, mas ainda não temos uma data certa. Haverá um show de despedida neste domingo (21/03), no Monumento ao Expedicionário, na Redenção, às 18h. E, no dia 01 de abril, rola outro no Ocidente, que deve ser o último aqui antes da viagem (veja o calendário aqui). Mas só vamos até São Paulo. Não chega a ser uma despedida. Estaremos aqui a toda hora!

Previsão para um novo álbum? Ou novo clipe? Projetos pela frente?

Este ano ainda vamos trabalhar na divulgação do segundo disco (Como Num Filme Sem Um Fim, 2009). Este mês vamos gravar um clipe (a música será supresa, até porque ainda não escolhemos entre as faixas Quarto das Armas e 1996). Além, disso, faremos uma animação para Sessão da Tarde. E no ano que vem sai um novo disco, com certeza. Devemos trabalhar nas composições e arranjos agora durante a mudança para São Paulo. Já temos várias faixas prontas. O novo disco deverá ter 10 músicas. Pode ser que o disco seja lançado na internet antes do lançamento oficial, mas isso ainda não está certo.

Depois do Brasil, a turnê do Franz Ferdinand segue para Caracas, Bogotá, Lima, Punta Cana, Monterrey, Guadalajara, Cidade do México e Murcia, na Espanha.

>>>>> Descubra por que o show de Franz Ferdinand em POA é imperdível
>>>>> Confira o serviço do show
>>>>> Outras notícias relacionadas a Franz Ferdinand
>>>>> Veja o calendário de shows em POA

Postado por Danilo Fantinel

Clipe novo do Hot Chip

17 de março de 2010 0

WTF???? Hahahahaha! Sem palavras para o clipe de I Feel Better, do Hot Chip.

Postado por Danilo Fantinel

Dream Theater mostra excelência em POA

17 de março de 2010 0

Fábio Codevilla
Quer saber como foi o show do Dream Theater em Porto Alegre?

Então pula no blog do Codevilla!

Postado por Danilo Fantinel

Porto Alegre vira a noite para ver Guns N` Roses

17 de março de 2010 191

Axl Rose animou os fãs apesar do atraso/Félix Zucco

Atualizado às 10h37min

É difícil resenhar o último show da turnê brasileira de Chinese Democracy. Todo mundo já sabe das inúmeras trocas de figurino na apresentação, as pirotecnias do palco, ou mesmo está cansado de ouvir que o Axl 2010 já não é mais o vocalista sexy de outrora, e que seu rebolado já não tem mais aquela ginga. Mas, neste caso, resenhar o show desta terça-feira, 16 de março, é sobretudo resenhar o primeiro show do Guns N’ Roses em Porto Alegre. E aí a coisa muda de figura.

Mas vamos começar do princípio. O show atrasou assim como os anteriores realizados no país. E Tequila Baby, como mencionado no post anteiror, não tocou mesmo. Às 23h40min, a Rosa Tatooada subiu ao palco para avisar – sob vaias e palavrões do público – que há 20 minutos achava que nem ela, nem a Tequila, iriam tocar, mas que faziam questão de estar ali e representar o rock gaúcho. Seguiram-se 15 minutos de hostilidade e objetos jogados no palco até a platéia se solidarizar na terceira e última música, quando uma bandeira do Rio Grande do Sul foi puxada pelo vocalista.

Grata surpresa foi o show de Sebastian Bach que – no melhor estilo headbager – não só domou os fãs enfurecidos como conseguiu que gritassem repetidas vezes o seu nome. Com a cabeleira loira esvoaçando e o microfone girando loucamente, o ex-Skid Row bradou versos simpáticos de desculpas pelo atraso, um papo sobre os equipamentos terem sidos destruídos no Rio de Janeiro e etc (tudo em português).

Em resumo, o Bastião – como ouvi ser chamado por alguns fãs engraçadinhos – preparou muito bem o palco para Mr. Rose chegar. Era 1h50min quando, cheio das pirotecnias já mencionadas, o Guns N’ Roses entrou em cena. A banda pediu desculpas a POA pelo atraso via twitter:

Definitivamente, um fã do Guns precisa de “just a little patience”. Mas quem espera quase 15 anos pelo lançamento de um álbum (Chinese Democracy) espera algumas horas a mais para ouvir os clássicos que embalaram suas vidas. A prova é que a platéia foi à loucura já nos primeiros acordes da canção homônima.

O Axl que veio a Porto Alegre parecia ser um Axl mais tranqüilo do que aquele que excursionou por Brasília, Belo Horizonte e São Paulo. Não xingou ninguém nem reclamou de muita coisa. Só do chão que ainda estava um pouco molhado do suor do Bastião. Resultado: tocou quase todo o show com toalhas espalhadas pelo palco e gente dando uma ou outra secadinha aqui e ali.

Mesmo assim, o show seguiu até o fim de maneira empolgante, emocionada e cheia de vigor. Não podia ser diferente para quem tem uma carreira recheada de clássico. Só quem hibernou os últimos 20 anos nunca ouviu os acordes de Sweet Child O’mine.

Sinceramente, não sei dizer se a formação clássica do Guns faz falta. Eu, por exemplo, só a vi em vídeos de shows no youtube e em clipes da MTV. Brincadeira! Tem, sim, muita gente que sente falta do Slash. E, tanto ele faz falta, que o DJ Ashba não dá conta sozinho dos solos inventados pelo cara. É um revezamento só para suprir a falta do músico no grupo.

As pessoas estavam ali mesmo era para ver o Axl! Confesso que não identifiquei muitos fãs do Slash à primeira vista, mas com certeza vi milhares de fãs do vocalista (de bandana e tudo). Curioso é que ele ainda provoca delírios por ser simplesmente… Axl Rose. É por ele que os fãs ficaram horas na fila, aceitaram trocar suas cadeiras no Gigantinho por uma arquibancada de madeira na Fiergs, subiram nas instalações dos banheiros para ver melhor o show (retirados dali sem muita demora), passaram mal na platéia ou sofreram de outros dramas típicos de grandes aglomerações.

Axl continua sendo um grande frontman, que provoca emoção tantos nos momentos mais intimistas do show (November Rain é de chorar) quanto nos cheios de peso. Depois do bis, ele ainda tentou ser simpático com a platéia. Chamou uma menina que estava de aniversário para subir no palco, mas, em uma tentativa frustada de diálogo com quem estava na primeira fila VIP, o cantor não obteve ajuda na tradução e ficou bem irritadinho. No fim, fez a galera cantar um Happy Birthday e acabou tendo o rosto todo beijado pela aniversariante. Ainda assim saiu jogando microfone e mais do que irritado com a falta de um tradutor. Mostrou ainda ser o bom e velho Axl.

Confira abaixo o setlist do show:

Chinese Democracy
Welcome to the Jungle
It’s So Easy
Mr. Brownstone
Sorry
Better
Solo de Guitarra do Richard Fourtus
Live and Let Die
If the World
Shackler’s Revenge
Solo de Piano do Dizzy Reed
Street Of Dreams
Rocket Queem
Solo de Guitarra do DJ Ashba
Sweet Child O’Mine
You Could Be Mine
Solo de Piano do Axl Rose
November Rain
Solo de Guitarra do Bumblefoot
Knockin’ On Heaven’s Door
Nightrain

Bis:
Madagascar
Patience
Paradise City

Veja Guns N` Roses tocando Welcome to the Jungle em Porto Alegre:

Postado por Larissa de Oliveira

Abertura do show do Guns N` Roses atrasa

16 de março de 2010 1

Fãs na espera para ver Guns N` Roses/Félix Zucco

Atualizado às 09h

O último show da turnê Chinese Democracy no Brasil não está diferente das outras apresentações do Guns N’ Roses durante este mês no país.

Com a liberação do acesso à pista às 20h50min, os fãs começam aos poucos a se acomodar na estrutura montada no estacionamento da Fiergs.

A apresentação da banda Rosa Tatooada – uma das três que estão previstas para abrir o show da turma de Axl Rose, junto com Tequila Baby e Sebastian Bach – estava marcada para às 21h e não tem previsão de início.

Há boatos de que a própria Tequila Baby não faria mais seu show por conta da montagem atrasada do palco. A Assessoria de Imprensa não confirma nem desmente a informação.

São esperadas de 25 a 30 mil pessoas para apresentação do Guns N’ Roses em Porto Alegre.

ATUALIZAÇÃO: A produção da Tequla Baby informou nesta madrugada o seguinte:

“A decisão de cancelar o show não partiu da Tequila Baby e sim da produção do evento. Por volta das 23h, fomos comunicados por um representante da produção local, H4 Entretenimento, que a nossa apresentação estaria cancelada. O motivo seria atraso na chegada dos equipamentos do Guns, em função do acidente que ocorreu no palco do Rio de Janeiro.”

Postado por Larissa de Oliveira