Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de abril 2011

Senhores e senhoras, Jai Paul!

27 de abril de 2011 0

Antes de sair em férias, deixo vocês com a incrível BTSTU, de Jai Paul.

Muito bom!

James Blake que se cuide!

Volto dia 22 de maio.

Arctic Monkeys liberam novo clipe

15 de abril de 2011 1

O rock não precisa ser salvo, mas os caras do Arctic Monkeys fazem isso por nós mesmo assim em Don’t Sit Down ‘Cause I’ve Moved Your Chair. A faixa que estará no novo disco, Suck it and see, já estava rodando as interwebs há alguns dias, mas o clipe saiu só ontem.

Claro que “só ontem”, atualmente, já é quase o século passado. Mas o bicho tá pegando nessas minhas semanas pré-férias. O tempo é curto merrrrrmo!

E alguém aí sente cheiro de Oasis? Eu sinto, mas não importa. E, talvez até por isso, o Arctic Monkeys se encaminhe pra ser a grande banda de rock dos nossos dias. Claro que pra isso temos que fechar os olhos pro grande Arcade Fire. Mas se as duas bandas ocupassem sozinhas um único planetóide, cada uma delas estaria em um pólo diferente. Uma não derrubaria a outra…

Play it loud!



Suck it and see tem produção de James Ford, do Simian Mobile Disco. A lista de músicas é:


She’s thunderstorms

Black treacle

Brick by brick

The hellcat spangled shalalala

Don’t sit down ’cause I’ve moved your chair

Library pictures

All my own stunts

Reckless serenade

Piledriver waltz

Love is a laserquest

Suck it and see

That’s where you’re wrong

>>>>> Mais Arctic Monkeys


Porto Alegre volta ao passado no embalo dos sucessos do Roxette

13 de abril de 2011 33

Fotos: Ricardo Duarte

Quando os primeiros acordes de Dressed for Success foram disparados do palco do Pepsi on Stage, por volta das 21h40min desta terça, dia 12, o público experimentou uma sensação de viagem no tempo. Era como se Porto Alegre tivesse sido jogada para o começo dos anos 1990, quando as músicas de uma banda sueca estouraram nas rádios brasileiras, enquanto na pista uma multidão enlouquecida de adultos voltava à adolescência para curtir uma última reunião dançante de uma era marcada pelo som do Roxette.

>>>>> Veja a galeria de fotos

O “yeah yeah yeah” de Marie Fredriksson foi a deixa para a transformação. Ainda que acompanhada por um breve momento de estranheza. Marie já não se move como antes, já não solta agudos como antes. Mas a vocalista, que sobreviveu à retirada de um tumor do cérebro em 2002, supera qualquer obstáculo imposto pela doença e esbanja simpatia durante as quase duas horas de apresentação.

O guitarrista e compositor Per Gessle toma a frente ao final da segunda música, Sleeping In My Car, para disparar um “obrigado” ao emocionado público. Aos 52 anos, posando de garotão, ele é o fiel escudeiro de Marie e cuida dela no palco para que tudo saia bem. A fórmula é fácil: ele agita, canta e toca bem, troca sorrisos com a parceira e com a platéia, distribui palhetas, e dá espaço para que os demais companheiros de banda façam parte do show. Ela canta com sua voz doce, seu sorriso sincero e sua dança esforçada. Aliás, Marie cativa tanto que em alguns momentos, quando se tem uma ligeira sensação de playback, todos relevam. Ela é maior que tudo.

Às 21h54min, com todos aquecidos após The Big L, surge o primeiro hit lento: Wish I Could Fly. Era o convite para casais e amigos, após delírio geral, deixarem o palco em segundo plano para uma rápida dança com rosto colado, cena repetida com Perfect Day (tocada após Only When I Dream e She’s Got Nothing On) e depois em outras baladas. Em seguida, sem bateria e teclado, saiu Things Will Never Be The Same. E, então, mais um clássico: It Must Have Been Love.

As duas músicas tocadas a seguir, Opportunity Nox e 7Twenty7, foram para agitar o público, que fez tremer o local. Foi quando os demais integrantes da banda ganharam espaço, mostrando que não estavam lá só para fazer figuração da dupla principal.

Mas era hora de voltar ao passado de novo e a escolhida foi Fading Like a Flower (Every Time You Leave), música que Marie terminou com uma rosa em mãos. Em seguida, Stars preparou o terreno para outros dois grandes sucessos: How Do You Do! e Dangerous. E após breve pausa para apresentar a banda – tempo em que o guitarrista solo levantou a plateia com a execução do hino do Rio Grande do Sul –, a primeira parte do show terminou com Joyride.

Mas foi muito rápido. Um minuto depois eles já estavam de volta, mas com funções trocadas: tecladista assumiu o violão, vocalista apareceu nos teclados. Tudo para desempenhar Watercolours In The Rain. Depois, com cada um na sua novamente, foi a vez de outro hino (agora, um sueco): Spending My Time, entoado em peso pela massa. E The Look fechou o primeiro bis.

As últimas três músicas foram Way Out, o sucesso Listen To Your Heart e a acústica Church of Your Heart, que teve Gessle na harmônica.

Às 23h26min, acabava a viagem no tempo aos embalos do Roxette.

– Foi o melhor show da minha vida – resumiu Marcos Franz, 32 anos, que saiu de Chapecó às 13h e encarou seis horas de estrada com o amigo Rafael da Luz para ver o show na capital gaúcha.

Obras de arte de Sid Vicious vão a leilão

08 de abril de 2011 0

Um livro com pinturas e desenhos assinados por Sid Vicious quando ele tinha entre 15 e 16 anos irá a leilão na próxima segunda-feira, em Londres. A obra editada pelo biógrafo Alan Parker exibe peças que não remetem ao imaginário punk.

As imagens são marcadas por um certo lirismo cru, como a que representa uma flor amarela, ou pelo surrealismo, como a de uma cabeça sobre pernas gigantes andando em um deserto. Outra exibe uma forma indefinida cercada por fungos, aranhas e cogumelos.

Além do livro, o Daily Mail publicou que também serão leiloados o último contrato assinado por Vicious, uma lista de canções que ele curtia (como Wild World, de Jimmy Cliff, Ride a White Swan, de T-Rex, e It’s Wonderful to be Loved by You, de Jimmy Ruffin), e uma corrente que ele costumava usar.

As obras pertencem ao acervo da mãe de Vicious, Ann Beverly, que morreu em 1996. O livro poderá atingir um lance de 4 mil libras (cerca de R$ 10,4 mil). O contrato pode ser leiloado por 3,5 mil libras (cerca de R$ 9 mil). As peças irão à venda na casas de leilões The Fame Bureau.

Sid Vicious ingressou nos Sex Pistols após a gravação do álbum Never Mind The Bollocks Here’s the Sex Pistols, em substituição ao baixista Glen Matlock. O ícone punk teria assassinado sua namorada, Nancy Spungen, com uma facada em 1978. Ele morreu de overdose de heroína um ano depois.

>>>>> Mais Sid Vicious

>>>>> Mais Sex Pistols

Dia, mês, ano

07 de abril de 2011 0


Para momentos de fúria, raiva, stress, depressão e síndrome do pânico, recomendo a banda canadense porrada DD/MM/YYYY. Art rock abstrato, cerebral, ruidoso, desconexo e tenso ideal para despenhadeiros pessoais, histerias coletivas e catarses diárias.

Os caras tocam na primeira edição do festival I’ll Be Your Mirror, ligado ao All Tomorrow’s Parties, em julho, em Londres, com Portishead, PJ Harvey, Grinderman, Beak>, Doom, Liars, Caribou, Swans, Beach House, Godspeed You! Black Emperor e mais.

>>>>> Mais DD/MM/YYYY