Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.

X-Men - Primeira Classe tem pano de fundo histórico

02 de junho de 2011 4

O filme X-Men – Primeira Classe, que estreia nos cinemas nesta sexta-feira, dia 03 de junho, retoma os acontecimentos anteriores aos filmes X-Men já lançados a partir de um ponto de vista histórico. É o que entre movie addicts se chama “prequência”, ou seja, uma “sequência anterior” aos outros filmes.

Com forte ênfase em períodos históricos relativamente recentes, como a II Guerra Mundial e a consequente Guerra Fria, que polarizou o mundo entre Estados Unidos e União Soviética, a história volta aos anos 40 para explicar a origem de Erik Lensherr (Magneto, Michael Fassbender) em um cenário nazista e sua busca por vingança contra o carrasco Sebastian Shaw (Kevin Bacon), algo que o levará até o professor Charles Xavier (James McAvoy) e à primeira turma de mutantes X-Men, já nos anos 60.

De uma forma geral, X-Men – Primeira Classe tem muito menos cenas de batalha e muito mais pano de fundo histórico e reflexivo. Assim, ao desacelerar a pancadaria comum aos outros filmes, o filme explica a origem da amizade e a “separação” entre Magneto e Xavier, estabelece as relações intrincadas entre alguns personagens e toca no assunto que vai permear todos os filmes da série: a eterna luta dos mutantes por aceitação e respeito em um mundo liderado por humanos – e como eles estão a ponto de se sobrepor a nós na cadeia evolutiva do planeta. Além disso, ao fim da história, ficamos sabendo de que forma Xavier ficou paraplégico e como o racha entre os mutantes liderados por Magneto e Xavier se tornou irreversível.

Dirigido por Matthewl Vaughn, o filme aposta alto nos conflitos intelectuais entre os personagens, deixando em segundo plano as espetaculares batalhas repletas de efeitos especiais que sempre foram o ponto alto dos filmes anteriores (que, sim, tinham um orçamento muito maior que este).

A mudança de foco resultou em um filme um pouco mais lento, mas muito interessante não só pelo roteiro (que propõe uma revisão fictícia da crise dos mísseis de 1962 em Cuba – na qual americanos e soviéticos tornam-se eventuais parceiros contra os mutantes e contra uma ameaça terrorista de teor genético), mas também pela caricata reconstituição de época e pelo uso de cores, tonalidades e filtros na captação de imagens, que fazem lembrar os filmes e seriados de TV dos anos 60, 70.

Comentários (4)

  • Denilson diz: 2 de junho de 2011

    Tive a oportunidade de ver a pre estreia e adorei. Excelente filme. Quem eh fan de x men naum pode perder.

  • Paulo diz: 3 de junho de 2011

    Pretendo ir ver. Quem é fã de x-men não pode perder ( é assim que se fala no português correto).

  • Francisco Carlos diz: 3 de junho de 2011

    Perfeito Paulo……..

  • Dione B.Goode diz: 3 de junho de 2011

    Estou ansioso para assistir essa mega produção! Mandou bem Paulo, ri muito…

Envie seu Comentário