Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Entrevista: Mayer Hawthorne

26 de janeiro de 2012 0

Em 2011, Mayer Hawthorne até que tentou ganhar parte das atenções dedicadas à Amy Winehouse e Janelle Monáe durante a passagem dos três pelo Brasil no Summer Soul Festival, mas sua presença se fez discreta. Tendo como “concorrentes” a maior cantora dos anos 2000, Amy, que naquele verão tropical tentava restabelecer sua vida/carreira pouco antes de morrer, e Janelle, a nova promessa da música negra norte-americana, convenhamos, a tarefa era difícil.

O fato é que, se o destaque de Hawthorne na mídia foi pequeno, sua performance no evento em Florianópolis foi inversamente proporcional. Apesar do pouco alcance da voz ao vivo, o que desfavorece qualquer cantor branco de black music, o vocalista e músico de neo soul e new R&B deu um show de inspiração, liderança e presença de palco. Entertainer nato, ele esteve muitíssimo à vontade no papel de crooner de sua big band.

Em seu primeiro disco, A Strange Arrangement, Hawthorne chamou atenção pela facilidade com que compôs músicas claramente inspiradas pelos grandes clássicos do R&B e da soul music, mas ainda assim com algum toque contemporâneo, reforçado pela proximidade quem tem com o hip hop e o rap – e melhor, tudo isso excepcionalmente reproduzido e ampliado ao vivo pela sua incrível banda.

Na verdade, rap e hip hop foram o ponto de partida na carreira de Andrew Cohen, o verdadeiro nome de Hawthorne. O alter ego Mayer Howthorne somente existe porque Andrew foi, um dia, MC, DJ e produtor musical nerd-retrô dos coletivos Athletic Mic League e Now On. Com o tempo, foi fazendo música para poder samplear e reutilizar em faixas de hip hop. Até que Mayer Hawthorne tomou maiores proporções em sua vida. Se a história em si já é boa, sua música não fica atrás.

No segundo disco, How Do You Do, mais sólido e com participação de Snoop Dogg cantando (e não fazendo rap!) em Can’t Stop, Hawthorne volta ainda mais romântico e focado no R&B, amparado não apenas pela vitalidade existencial do soul, mas também pelo frescor da disco music. Como disse na entrevista abaixo, ele se inspirou em Barry White, mestre da mellow music, para compor o álbum:

– Ele era muito “sex music”. Quem está fazendo este tipo de música em 2012? Eu.

Leia e entrevista realizada por e-mail:

Sua música é claramente inspirada no R&B e na soul music dos anos 60 e 70, mas também tem conexões com rap hip hop. Quando você começou a misturar esses estilos e como isso aconteceu?
Rap foi o meu primeiro verdadeiro amor. Ainda escuto rap a toda hora. Mayer Hawthorne surgiu de fazer música para samplear e usar em hip-hop. É maluco porque agora se fechou um círculo em que produtores de hip-hop estão me sampleando.

Você também tem amigos skatistas, indie rockers, DJs… Você acha que sua música consegue atingir tanta gente diferente?
Minha única regra ao fazer música é que ela deve ser divertida. Diversão é universal. Todos querem se divertir.

Seu primeiro show no Brasil ocorreu há exato um ano, quando você,Janelle Monáe e Amy Winehouse se apresentaram no Summer Soul Festival. Muitas pessoas não sabiam o que esperar porque não conheciam sua música, mais ao fim do show boa parte do público pareceu ter gostado da sua música. O que você lebra dessa experiência?
Fomos a última banda a fazer turnê com Amy. Ele foi um doce, e sempre vou ser grato por aquele momento. Fiquei muito surpreso com a reação do público no Brasil. Foi muito positiva. Mal posso esperar para fazer festa aí de novo.

Vi seu show. Você é muito falante. Você é sempre assim no palco?
Hahaha. E tenho muito a dizer, eu acho!

Amy morreu alguns meses após o festival no Brasil. Ela foi uma influência para sua música? Você tem ídolos que influenciaram sua carreira?
Amy foi a maior voz de nossa geração, na minha opinião. Ela também entendia a importância da boa composição e ajudou a trazer isso de volta para a música popular. Ela abriu muitas portas para artistas como eu. Também tenho muita influência de Barry White. Ele era muito “sex music”. Quem está fazendo este tipo de música em 2012? Eu.

O que você está fazendo agora? Algum novo álbum?
Estou sempre trabalhando em novas músicas, mas o foco está em How Do You Do neste momento. Vou rodar o mundo e comer as melhores comidas!

E sobre seu show no Meca Festival? O que está planejando?
Estivemos trabalhando em um novo set especial. Não posso contar surpresas, mas certo que vai ser uma festa!


Mayer Hawthorne se apresenta no M/E/C/A Festival 2012, no dia 28 de janeiro em Xangri-lá, no litoral gaúcho, com The Rapture, CSS, Breakbot, Boy e Penguim Prison. O lance rola das 17h às 4h no Hotel Fazenda Pontal (RS-407, Km 2.5, Maquiné – Acesso Morro Alto/Capão). Ingressos: R$ 50,00 (primeiro lote) e R$ 70,00 (segundo). Saiba mais neste link.

Veja a programação completa do M/E/C/A:

17:00 Abertura dos portões (Juli Baldi + Fran Piovesan DJ set)
18:00 Wannabe Jalva
18:45 Pulp DJ set
19:15 Penguin Prison
20:15 Mycool decaDANCE DJ set
20:45 The Rapture
21:55 Voodoo DJ set
22:25 Mayer Hawthorne
23:35 Popismo DJ set
00:05 CSS
01:15 Neon DJ set
01:35 Breakbot
02:50 The Twelves
04:00 Encerramento

>>>>> Leia sobre o show de Mayer Hawthorne no Summer Soul Festival 2011

Envie seu Comentário