Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Tecnologia e visão política acurada atualizam The Wall Live de Roger Waters

26 de março de 2012 53

A exibição do espetáculo The Wall Live ontem à noite no Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, comprovou que o álbum duplo personalista composto por Roger Waters há 33 anos e lançado pelo Pink Floyd em meio à Guerra Fria, tendo como pano de fundo uma conjuntura política mundial hoje inexistente, permanece incrivelmente atual.

Veja a galeria de fotos do show
Vídeo: veja trecho do show abaixo

A nova concepção do show, apresentado pela primeira vez em 1980, foi revitalizada por acontecimentos da história recente como conflitos políticos globais aprofundados pelo terrorismo, novos regimes autoritários e mobilizações populares de caráter democrático tanto em grandes centros econômicos ocidentais quanto no mundo árabe. The Wall Live aborda temas contemporâneos como insatisfação política, deslocamento social, capitalismo selvagem, ocaso socialista e a atual falência econômica global.

Apesar da densidade destas questões conceituais, o show não é enfadonho. A nova versão de The Wall Live se torna midiaticamente efetiva a partir de um suporte tecnológico de ponta, com um palco gigantesco, toneladas de equipamentos de luz e som e um muro cenográfico extraordinário de 137m de largura por 11 de altura que serve como (provavelmente) o maior telão de shows já utilizado por algum artista. A estrutura transformou o Beira-Rio no maior cinema ao ar livre que o Rio Grande do Sul já viu.

As imagens elaboradas tanto pelo artista que criou as ilustrações originais de The Wall, Gerald Scarfe, quanto pela equipe de produção são essenciais para dar rosto ao espetáculo de Waters. Se The Wall Live é uma das maiores operas rock já realizadas, parte se deve ao disco duplo lançado pela banda e parte, ao poder artístico tecnológico da atual turnê.

As imagens reúnem grafite, arte urbana, pichações, propaganda/protestos políticos, animações e takes ao vivo do show. O alto contraste é usado à exaustão, em preto, branco e vermelho, sempre com muito bom gosto. Trechos de letra, frases de efeito e palavras de ordem se alternam e ampliam o conceito e a identificação com o público. Bonecos infláveis gigantes do professor, da esposa e da mãe opressora, alguns dos personagens das músicas de The Wall, surgem no palco para completar a cena. O famoso porco voador paira sobre nossas cabeças. É tudo muito bem pensado, sem parecer ser um truque fácil.

A projeção mapeada desenvolvida para o show é incrível. Enquanto o muro cenográfico vai sendo construído pela equipe, os novos tijolos recebem imagens projetadas apenas quando estão em seu devido lugar. Antes disso, ficam às escuras, como se “ainda” não fizessem parte do espetáculo. Um pequeno exemplo do cuidado com que os shows desta turnê são realizados. E, se o muro completamente erguido impressiona pela separação que provoca entre banda e plateia, a destruição do mesmo é igualmente marcante.

Além do poder tecnológico de The Wall Live, outros grandes trunfos do espetáculo são o carisma e a capacidade de interpretação de Waters e banda. O músico não apenas toca nem apenas canta, mas também atua em seu show. Já as músicas casam perfeitamente com as cenas. Another Brick in the Wall (partes 1, 2 e 3), Mother, Goodbye Blue Sky, Goodbye Cruel World, Hey You, Comfortably Numb, Run Like Hell e Outside the Wall (com Waters ao trompete) foram os destaques.

O show, dedicado a Jean Charles de Menezes, o brasileiro da foto acima morto por engano pela polícia no metrô de Londres em 2005 e a todas vitimas do terrorismo de Estado, é totalmente roteirizado e encenado, dando pouco espaço a improvisações. Mesmo assim, soa fresco, atual, genial e milimetricamente perfeito.

Veja trecho do show gravado pelo Fábio Codevilla:

roger waters – the wall from fabio codevilla on Vimeo.

> Blog do Grings: Porto Alegre à sombra de um gigante! The Wall Live é um show para ficar na história

Comentários (53)

  • JB diz: 26 de março de 2012

    Além da música do Roger (Pink Floyd), que é uma obra maravilhosa, foi acrescentado um show de tecnologia inigualavel. Transformando-se em um espetáculo INESQUECIVEL.

  • evandro diz: 26 de março de 2012

    Baita Show,vai ser dificil de ser superado.

  • flavio casarin diz: 26 de março de 2012

    duvido show melhor que roger watters,foi epico,demais nao vejo nenhuma banda com esta estrutura de show,mas sempre digo roger sempre nos contempla com um baita show.foi demais mesmo que venha ano que vem de novo pois eu estarei lá.

  • ivo debon diz: 26 de março de 2012

    Inesquecível…

  • Jarbas Cruz diz: 26 de março de 2012

    Uma obra de ARTE!

  • andre diz: 26 de março de 2012

    Pena a organização do evento, que deixou muito a desejar… filas imensas, poucos banheiros, e atraso no início do show porque as pessoas ainda não tinham conseguido entrar! Se continuar assim, a copa vai dar o que falar!

  • Micael diz: 26 de março de 2012

    Um espetáculo maravilhoso, que dificilmente será superado (em termos visuais, ao menos) tão cedo! Pena a estrutura do palco ser tão baixa, prejudicando a visão de quem estava no gramado! Mas, tirando isso, estava tudo perfeito!

  • Regis diz: 26 de março de 2012

    Eu fui (oba!), e quem não foi perdeu um espetáculo que não há como expressar em palavras. Por muito tempo não veremos algo tão grandioso, bem elaborado e emocionante como este show. Como foi comentado antes, INESQUECÍVEL!!!!

  • Luísa Gardin diz: 26 de março de 2012

    Eu vi Roger Waters! Eu vi o muro cair! Show inesquecível. Tecnológico, performático, carismático, enfim, tudo ou nada além do que se poderia esperar. Demais

  • alex poersch diz: 26 de março de 2012

    além do show, aquele telão vai ficar na história.fantástico

  • tiagode carvalho leite diz: 26 de março de 2012

    o inter tem que contratar o roger ,construiu o muro em 20 min ,o show foiuma loucura pena que a estrutura não existiu.

  • André Felipe Rech diz: 26 de março de 2012

    A perfeição existe ! Roger Waters nos provou isso ontem ! Não existe nada nem sequer parecido com o que nos foi apresentado ontem ! Obrigado a quem o trouxe, obrigado a Roger Waters e sua equipe !

  • Jane diz: 26 de março de 2012

    è de arrepiar, dava vontade de chorar diante de tanto espetaculo.

  • Paulo Rodrigo Frassetto diz: 26 de março de 2012

    Espetáculo impressionante!!
    Dificilmente aparecerá um outro show para superar esse..
    Pena a esculhambação na entrada.. Longas filas, gente furando, falta de banheiros e informação… Mas o show compensou e muito qualquer inconveniente..
    Simplesmente demais!!

  • alana diz: 26 de março de 2012

    sem palavras para o que vi,unico, coisa de louco, nunca mais vai sai da cabeça de ninguem que estava presente!INESQUECIVEL ARREPIANTE!EU VIA DE NOVO!

  • Alexandre diz: 26 de março de 2012

    Tempo para lotar o estádio para 50 mil pessoas = 4 horas mínimo.
    Abertura dos portões de acesso = 3 horas.
    Tem algo errado nisto? Pontualidade inglesa? Não, desorganização brasileira!!!

  • Vaniomar diz: 26 de março de 2012

    Adorei o show…tava muito doido..fumacera…

  • Leandro diz: 26 de março de 2012

    Show de arte e carisma no palco!!! Show de desorganização e desrespeito por parte da produção do espetáculo….

  • Ricardo diz: 26 de março de 2012

    Foi incrível , é ótimo ver Porto Alegre incluída no roteiro dos grandes espetáculos com “toda’infra-estrutura apresentada em outros lugares, alem da obra em sí ser demais tivemos um show técnico de alta imaginação-organização-sincronia-criatividade.
    A parte ruim foi sofrer a improvisação do ‘em torno’do estádio, com filas e entradas mal pensadas , uma inacreditável separação de filas entre homens e mulheres, trãnsito e estacionamentos mal pensados e orientados, um lixo!Vivemos 2 mundos na mesma noite , o céu e o inferno

  • Darcimir T. Klein diz: 26 de março de 2012

    Show fantástico, inesquecível, com muita tecnologia bem usada. Pena a falta de organização para a entrada das pessoas. Tenho 58 anos e nunca fui num show tão mal organizado. Pela primeira vez vi um britânico atrasado.
    Muito chato as pessoas que agora vão para o show não para assistir e sim para filmar e bater fotos formando um mar de braços erguidos atrapalhando a visão, pelo menos de quem foi pra pista. Pena também que algumas pessoas não sabem o que é The Wall (sério e triste) e ficam gritando e pulando como se fosse uma rave.

  • Celio Ferrazza diz: 26 de março de 2012

    Como fã, estava louco para ver uma apresentação do Roger Waters, nem que fosse “banquinho, voz e violão”, felizmente, tive o privilégio de ver algo tão grandioso como o The Wall Live, que começa arrebatador desde a primeira música e segue assim até o fim. Belíssimo.

  • Gerson – fm engenharia diz: 26 de março de 2012

    Um show com musicas boas, produção magnífica e principalmente conteúdo, o que não se vê mais em nenhum espetáculo na categoria Show Biz. À todos meus parabéns, admiração e respeito pelo profissionalismo!

  • Carolina diz: 26 de março de 2012

    Um grande espetáculo, simplesmente perfeito, NÃO FOSSE A DESORGANIZAÇÃO na entrada. Enfrentamos isso no Paul, e se repetiu no Roger Waters. Porto Alegre está deixando a desejar no quesito ORGANIZAÇÃO. Já fomos em vários shows em São Paulo e nunca passamos por isso. Infelizmente não iremos mais aos shows em POA, somente em São Paulo. A falta de educação do povo foi incrível!!!

  • fernando moreira diz: 26 de março de 2012

    PILANTRAGEM,FALTA DE ORGANIZACAO ESTA ESPALHADO POR ESSE ´PAIS´AFORA. O QUE FOI MOSTRADO NO SHOW E QUE FOI SENSACIONAL, MARAVILHOSO , JAMAIS VEREI ALGO DE TAMANHA LOUCURA. OBRIGADO ROGER.

  • Maurício diz: 26 de março de 2012

    O espetáculo deixou a desejar em relação à sonorização de frente. Poderia ter sido melhor se tivesse mais caixas de som no estádio. Faltou potência, pressão sonora, e principalmente frequências de agudo pra quem estava na arquibancada superior (meu caso). Na minha casa consigo um volume mais alto e um som com mais qualidade. Realmente a equipe de sonorização deixou a desejar, assim como acontece na maioria dos grandes shows.

  • Athos Rocha diz: 26 de março de 2012

    Impressionante a desorganização da produção do show. A abertura dos portões, programada para as 16h somente ocorreu por volta das 17h. Resultado: filas enormes que estendiam-se até além do viaduto da Padre Cacique e o consequente atraso no início do show. Não havia indicação visual dos acessos e a aglomeração foi inevitável. Difícil aceitar que Porto Alegre não está à altura da grandeza de músicos como Roger Waters.

  • Fábio Ribeiro diz: 26 de março de 2012

    Organização fora do estádio nota zero… show nota 100000000…

  • Marcio Matias diz: 26 de março de 2012

    Espetacular! Roger Waters superou-se mais uma vez. Tecnologia, arte e música foram genialmente combinados para tratar de temas essenciais. The Wall é uma verdadeira ópera rock que trata de temas humanos muitas vezes bem pesados, mas que são apresentados com sensibilidade e com música pungente de primeiríssima qualidade.

  • leandro diz: 26 de março de 2012

    Baita SHOW (em letras maiúsculas), inesquecível! Baita DESORGANIZAÇÂO (em letras maiúsculas também), igualmente inesquecível! A pior organização que já vi em um show em Porto Alegre!O que salvou esta produtora (em letras minúsculas) foi o público que se auto organizou e evitou a ocorrência de problemas que poderiam manchar o espetáculo de forma irremediável.

  • Micael diz: 26 de março de 2012

    Darcimir T. Klein, realmente é irritante aquele mar de gente com os braços levantados atrapalhando quem quer ver o show para fazer uma filmagem que na maioria das vezes fica uma porcaria e eles nunca mais vão ver. Maldita inclusão digital.

    E sobre quem não sabe o que é The Wall, acreditas que um grupinho começou a bater papo em voz alta perto de mim bem no meio do solo de “Confortably Numb”? Vê se pode isso…

  • Alamiro Coelho de Sá Júnior diz: 26 de março de 2012

    O maior espetáculo da Terra. Não tem Circo de Soleil, não tem Disney, não tem nada que bata um espetáculo desses. Simplesmente espetacular. Nos meus 58 anos, apaixonado pelo Pink Floyd desde os 18, recebi o maior presente do mundo ontem, assistir esta Obra de Arte juntamente com minha família . Foi de arrepiar……

  • José Ronaldo diz: 26 de março de 2012

    Juntando desorganizacao com falta de educacao do povo, deu no que deu na entrada do show de Roger Waters, mas em compesacao quando foram dados os primeiros acordes do contra baixo do Artista, o que ficou nunca mais sera esquecido. Ainda esta em minha retina e nos meus ouvidos aquela obra prima de um senhor de quase 70 anos de idade. Parabens Roger Waters e banda.

  • Kamila diz: 26 de março de 2012

    Perfeito perfeito perfeito…Fiquei pensando tb que não tem Circo de Soleil que bata o que vimos ontem…Nada contra o Circo ou quem gosta mas o Roger superou qualquer espetáculo…Será dificil ver outro igual…Acho que impossível…Chorei quando começou pq é emocionante…Só vendo para pensar assim…Perfeito perfeito perfeito…Quando vi o Show em 90 pela TV já amei…Agora amei mais ainda…Perfeito!!!
    Mas realmente sobre a organização…Eu uso muleta(definitivo)…Comprei cadeira por não poder ficar em pé muito tempo…Em nem um momento disseram que tinha lugar para pessoas com alguma deficiência…Claro que não fiquei na fila mas tive caminhar a rampa e aquelas escadas que para quem usa muleta é dificil…Só quando estava perto do show começar é que avisaram pelo microfone qual era o lugar para pessoas com deficiência…Aí não ia descer tudo de novo…seria pior…Podiam ter avisado lá embaixo e sinalizado com placas…Se tinha placas não vi onde.
    O show perfeito…
    A organização do estádio nem tanto!

  • Carlos Fröhlich diz: 26 de março de 2012

    Engarrafaento? Filas? NÃO ME LEMBRO DE NADA disso. Somente lembro daquele ESPETÁCULO inimaginável. Vivemos a história do rock, ontem em Porto Alegre. Foi épico. Inesquecível!

  • vladimir Nicoletti diz: 26 de março de 2012

    Simplesmente uma obra prima, se os valores dos ingressos fossem mais baixos estaria lotado. Vai ser difícil que outro espetáculo supere este aqui em Porto Alegre.

  • Luciano d’Avila diz: 26 de março de 2012

    O show, FANTÁSTICO! A organização local, UM HORROR. Era previsível que iria “chover” gente, carros e ônibus. A EPTC foi de EmPuTeCer qualquer um. O ingresso informava a abertura dos portões às 17:00 e abriu às 17:30, sendo que, em muitos meios de comunicação, era informado que abriria às 16:00! As filas tiveram que ser organizadas pelos próprios espectadores, porque só havia uma fita curta para formar a fila só no início, mas a dita fila se estendeu até a Fundação Iberê Camargo. Havia 3 ou 4 funcionários (e, com o devido respeito) baixinhos para tentar enxergar o que acontecia e esboçar alguma reação inútil. E já dentro das dependências do Internacional, mas fora ainda do estádio, havia espaço livre e tranqüilo. Incrível! Por que não fizeram filas com fitas separando em zigue-zague? Também não observei algum segurança sobre pedestal que, com um simples binóculo e um rádio, poderia repassar informações importantes para os colegas para ajudar na organização (só falta eles mentirem que estavam usando câmeras de vigilância). Tive a nítida impressão que o pessoal da organizadora que estava lá próxima às filas havia sido recrutado no dia interior sem alguma experiência anterior e largado a esmo pelas filas. É o clássico método empresarial brasileiro de faturar muito mais gastando muito menos. O Tio Patinhas deve morrer de inveja de nossos empresários!

  • Edilson Ivanir dos Reis Leal diz: 26 de março de 2012

    INDESCRITIVEL!!!

  • Romildo diz: 26 de março de 2012

    Simplesmente inesquecivel o show ,sem palavras p/ explicar o que senti ,foi de arrepiar.
    Mas inesquecivel também é a falta de capacidade dos organizadores ,horrivel , pessimo,deveriam fazer cursinho p/tentar organizar um show deste tipo,nota 0.

  • paulo diz: 26 de março de 2012

    The Wall in Porto!!!

  • Carol diz: 26 de março de 2012

    Sempre tem algém pra reclamar de alguma coisa. O show tava perfeito, mesmo que tenha sido com atraso, depois que começou…o resto não importou mais. Foi o melhor show da minha vida.

  • Tiago diz: 26 de março de 2012

    Com todo o respeito a opinião do Sr. Darcimir T. Klein, mas o enredo de The Wall ser triste e sério não torna o show assim, uma coisa é a história de The Wall, outra é o show, na minha humilde opinião sério e triste é o filme, agora eu jamais sairia de casa para ver um show “sério e triste”, como não cantar com ele Mother, Run Like Hell e outras ???????. Quanto ao pessoal gravando eu também acho que exageram, mas você deveria estar preparado para isso já que pelo que escreveu seu setor era pista, fica a dica, no próximo show compre ingresso de cadeira, e assista bem mais confortavelmente e pague mais barato.

  • Elizabet diz: 26 de março de 2012

    Maravilhoso,show para nunca mais esquecer.
    Organização ZERO,horas na fila,uma vergonha.

  • Renata diz: 26 de março de 2012

    Nós chegamos as 18:00, estacionamos, caminhamos, não entramos em fila alguma, porque as placas para cadeira coberta indicavam o outro lado do Beira Rio, chegamos lá não tinha fila, ainda encontramos um cara da produção que estava distribuindo 1000 pulseiras gratuitas para a pista prime porque as torres de som poderiam atrapalhar o visual de quem sentava nas cadeiras cobertas. Então para nós, meu marido e eu foi MARAVILHOSO, PERFEITO, IMENSURÁVEL E INESQUECÍVEL, mesmo que nosso carro tenha desaparecido quando chegamos ao estacionamento, sendo guinchado, e tivemos que dormir na casa de amigos para hoje resgatá-lo as 07 da manhã e voltar para a serra acabados, mas muito felizes.

  • Ricardo Ferrari diz: 26 de março de 2012

    Simplesmente fabuloso o show do estadio para dentro
    Mas chama atenção da incompetencia geral da organização do lado de fora
    Seja empresa que contratou, a EPTC culpada diretamente pelo engarrafamento gigantesco , estando a menos de 50 metros da causa do engarrafamento , não foi capaz de solucionar o problema, tão simples que era a entrada do estacionamento proximo ao gigantinho, a fila não permitia a entrada dos carros no estacionamento lamentavel, a brigada de braços cruzados diziam que não eram com eles , a EPTC dizia que era com a brigada, a casa de informações montada não tinha ninguem
    E dizer que temos uma copa pela frente , ah tem muito o que melhorar

  • Juliana diz: 26 de março de 2012

    Sobre o show, com certeza o melhor que ja vi e certamente verei em minha vida. EPICO.
    E quanto a organizaçao que muitos aqui reclamam, a culpa é do POVINHO que se acha superior a tudo e a todos. Gente furando fila, por se achar “esperto”, gente empurrando pra tentar chegar na grade, e por aí vai. As filas nao andavam pq a cada minuto chegavam grupinhos e se aglomeravam no meio daqueles que estavam torrando no sol desde cedo.. É a famosa malandragem que estraga um evento como esse. Falta RESPEITO.

  • alexandre diz: 26 de março de 2012

    O show foi impressionante ,mas o serviço é pessimo.O publico ,gente com poder aquisitivo bom ,pela faixa etaria ,é totalmente ignorado ,com um atendimento precario a la partida de futebol de antigamente .É incrivel o dinheiro que ” fica na mesa ” quando se pensa no que poderia ser oferecido de bebida e alimentação e com um certa ” mordomia ” para quem pagou um ingresso a preço internacional .

  • Flávio diz: 26 de março de 2012

    Sobre o show nada a acrescentar: um show!

    Sobre a desorganização, lamentável é pouco, uma tremenda falta de respeito com o consumidor, um absurdo total, um despreparo, um amadorismo incrível. Parecia o primeiro espetáculo organizado por essa gente. Um lixo!

  • Alexandre Costa Guimaraes diz: 26 de março de 2012

    Esse foi o melhor SHOW que já fui, bateu e com folga o show do U2 360º, simplesmente espetacular, acho que vamos demorar a ter um show dessa grandeza em Poa novamente, se eu pudesse iria novamente, em SP. Muito obrigado Roger!
    OBS. Não existiu organização alguma para o publico ter acesso ao estádio, nunca vi algo tão desorganizado, sem informação, os funcionários contratados não davam a mínima para o publico, pessoal se vocês não têm capacidade de organizar um show, deixa para quem sabe. Nunca vi colocar os banheiros de frente um para os outros, parecia que os homens estavam indo para um brete.

  • Ritchie Blackmore diz: 26 de março de 2012

    Não pude ir, infelizmente… Mas imagino que tenha sido um show inesquecível. Porém, pra gurizada que está desbundada, achando que “nunca mais vai ter nada igual”, preciso dizer que, tendo visto bandas como Van Halen, no auge, em 1983, no gigantinho, além do Deep Purple, em 3 ocasiões (COM Blackmore, depois com Gillan, enfim, pura história)…E pra finalizar, o show que EU reportaria como “perfeito, insuperável, etc…”.. RUSH em porto alegre, no Olímpico…Nada contra Roger Waters, muito pelo contrário… Mas creio que o Rush ainda segue como Show insuperável aqui…

  • Ygor Ferrão diz: 26 de março de 2012

    Achei que já tinha visto tudo na minha vida, mas não! O show The Wall Live me fez rever meus conceitos do que é possível fazer (ou refazer), do que é possível ler (ou reler), do que é possível ouvir (ou reouvir)! Tudo o que era esperado do show, foi reinventado nos mesmos tons, nas mesmas notas de 30 anos atrás, mas ao mesmo tempo tão novo e tão vibrante como se fosse inventado ontem. É um épico da literatura, da música e do cinema, tudo ao mesmo tempo, pois sendo fruto de uma crise existencialista de Waters, tornou-se de compreensão universal para a humanidade. Velho e atual ao mesmo tempo. Meu filho de 12 anos entendeu tudo, mesmo não tendo vivido no contexto do pós-guerra ou da guerra fria. Roger Waters é um Kafka da Música Progressiva; um Vangogh ao transformar as notas musicais em cenas espetaculares; um Luther King ou Gandhi ao fazer clamar justiça com sua ousadia visual e musical.
    Goodbye cruel word!!!

  • mara hermes diz: 26 de março de 2012

    Nada a acrescentar o que diz o leitor Luciano Dávila, só reforçar, quanto a organização. Mas o show, bem este MEMORÁVEL !!!!

  • nelsonely@gmail.com diz: 28 de março de 2012

    Ler os comentários em sites confirma o que vi: o show quase escapa da linha da Realidade. The Best!

  • André R. E. diz: 29 de março de 2012

    Assisti The Wall no cinema a trinta anos, nunca imaginei que um dia veria Roger Waters na minha frente, um show emocionante e absolutamente perfeito. Uma equipe de produção esmerada e experiente, tudo no espetáculo funciona, nada deixa a desejar, mas termina, como tudo que é bom deixa saudades,deixou, vou guardar para o resto da vida na memória. Vale cada centavo gasto no ingresso, não percam, é uma explosão de genialidade!

Envie seu Comentário