Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Resultados da pesquisa por "Friends"

Friends lança o clipe da música Mind Control

16 de maio de 2012 0

A banda nova-iorquina Friends lançou o clipe de Mind Control, faixa que aposta alto em groove rock e percussão. Em estilo seriado de TV, com produção futurista retrô discreta e efetiva, o clipe cita filmes clássicos como Scanners (1981), Total Recall (que em breve ganha remake com Colin Farrell no papel que foi de Arnold Schwarzenegger em 1990) e faz referência ao Coríntio, do Sandman, de Neil Gaiman.

Em outubro passado, a banda havia lançado o excelente clipe de I’m His Girl, em que fez uma ótima representação oitentista (veja nas Tracks 18). Você já havia escutado Mind Control nas Tracks 38 e A Thing Like This nas Tracks 28 e o clipe de Friend Crush nas Tracks 4.

Ringo Starr, with a little help from my friends

11 de novembro de 2011 4

Fotos: Mauro Vieira

Por Fernanda Scur

O ex-Beatle Ringo Starr deu início ontem à primeira turnê  brasileira de sua All Starr Band no ginásio do Gigantinho, em Porto Alegre, frente a um público bastante variado, de crianças a idosos, que tinham em comum a adoração pelos Fab Four.

>>>>> Veja a galeria de fotos do show

Ringo, 71 anos, entrou todo de preto e óculos escuros em um palco decorado com um painel de flores gigantes com uma estrela mais gigante ainda no centro, cantando uma de suas músicas mais famosas, It don’t come easy, de 1971.  As palmas e os gritos na plateia demoraram a cessar e Ringo engatou com Honey Don’t, de 1964 – música cantada por ele quando ainda era dos Beatles. Mas foi pouco depois, quando sentou na bateria, que a platéia realmente veio abaixo.

Das 22 músicas do show, somente 11 foram cantadas por Ringo, que deixou os sete integrantes da banda protagonizarem o restante. Em um momento da apresentação, inclusive, o músico deixou o palco para uma longa pausa. Das músicas cantadas por Ringo, seis foram faixas eternizadas pelos Beatles e o restante eram músicas de sua carreira solo, tanto do início, como Back off Boogaloo (1972) ou mais atuais como a The Other Side of Liverpool de seu disco último disco, Y Not de 2010. No entanto, deixou alguns fãs desapontados por deixar de fora clássicos como Octopus’s Garden.

Ringo tem no currículo músicas para fazer um show solo de qualidade, apesar de ser o Beatle mais apagado e considerado por muitos um grande sortudo. Ao invés disso, optou por montar um show onde ele não é a atração principal.

Mesmo assim, ficou claro que os pontos altos do show eram as participações de Ringo. A reação da platéia esfriava um pouco quando os outros integrantes tomavam as rédeas. O ponto mais alto do show foi quando Ringo cantou Yellow Submarine, com direito a balões amarelos lançados sobre a plateia fazendo um bonito show visual.

O show terminou em alto estilo com Photograph, música escrita para Ringo por George Harrison, e With a Little Help From My Friends, que foi emendada com Give Peace a Chance. Depois, Ringo se despediu da platéia.

Agora, ele segue para São Paulo, onde se apresenta sábado e domingo, e depois vai para o Rio e outras capitais brasileiras.

Veja abaixo o setlist do show:

It Don’t Come Easy
Honey Don’t
Choose Love
Hang On Sloopy
(com Rick Derringer)
Free Ride
(com Edgar Winter)
Talking in Your Sleep
(com Wally Palmar)
I Wanna Be Your Man
Dream Weaver
(com Gary Wright)
Kyrie
(com Richard Page)
The Other Side of Liverpool
Yellow Submarine
Frankenstein
(com Edgar Winter)
Back off Boogaloo
What I Like About You
(com Wally Palmar)
Rock & Roll, Hoochie Koo
(com Rick Derringer)
Boys
Love Is Alive
(com Garry Wright)
Broken Wings
(com Richard Page)
Photograph
Act Naturally
With A Little Help From My Friends
Give Peace a Chance

>>>>> Mais Beatles no Volume
>>>>> Mais Beatles no blog do Grings

Tracks Volume #47

06 de julho de 2012 0

Matthew DearHer Fantasy
David Bowie vive nesse poderoso synth disco pop lançado pelo Matthew Dear. Her Fantasy tem uma concepção house ácida inserida na psicodelia glam do superastro britânico. Ao mesmo tempo, há um eco gótico eletrônico que garante densidade ao som. Com autoria, Matthew faz uma homenagem personalíssima ao cantor e compositor inglês. Mas, se a música é totalmente excelente, o clipe deixou a desejar. O disco Beams sai no dia 28/7. Olho nele!

Matthew Dear participou do álbum Life Beyond Mars: Bowie Covered em 2008, lançou em 2011 o ótimo single Headcage (num esquema Bowie-electro-groove; Tracks 26) e fez um remix incrível para Me And The Moon, do The Drums (ouça aqui). Em janeiro passado, saiu o EP experimental Headcage, que você escuta abaixo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

JakwobPlease
O multi-instrumentista britânico James Edward Jacob, conhecido como Jakwob, liberou há algum tempo a incrível música Please, com participação do rapper inglês Kano nos vocais. O som mistura minimal beats, left-field hip-hop e piano delicado. A faixa está no disco The Prize.


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


THE-DRUM/SYS
Ambient etéreo com traços etno-dub do duo de Chicago THE-DRUM (não confundir com The Drums). A faixa /SYS é o primeiro single do disco Sense Net.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


BwanaNami Swan
Aqui também tem etno beats, mas com mais groove.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Santigold The Keepers
Santigold lançou um clipe cabeça/piada sobre a ilusão americana para a música The Keepers. É médio…

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Azealia BanksNathan (feat. Styles P)
A cantora mais hypada do hypeland vem liberando faixas e clipes nas últimas semanas. Em Nathan, parceria com o rapper Styles P, Azealia manda ver em gangsta rap left-field turbinado por beats e synths do underground. Hip hop lado B total. O som está na mixtape Fantasea.

Mais Azealia aqui.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


The PresetsYouth In Trouble
Se você tem mais de 30 e curtiu techno raves ácidas ao som de Derrick May, Juan Atkins, 808 State, Altern 8, Orbital (…) nos 90, a faixa Youth In Trouble, do Presets, não será novidade – mesmo sendo atualíssima. E se você assistia ao Dance MTV na mesma época, o clipe da música não vai te surpreender – apesar de ser tipo temmmmdêmmmmcia. Mesmo assim, curta o som, veja o vídeo e surpreenda-se com o duo de Sydney, que faz tudo o que você já conhece, mas do jeito deles.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Bloquinho Remix

Friends - I’m His Girl (AlunaGeorge Remix)
O duo britânico AlunaGeorge fez um remix downbeat bem calminho, inteligente e elegante para o hit underground I’m His Girl, da banda Friends. E o melhor: conserva o baixo original do música. Nas Tracks 28 tem um remix de Born To Die, da Lana Del Rey, assinado pelo AlunaGeorge. Já a banda new yorker Friends é uma das prediletas do Volume entre a novíssima geração. Você viu o excelente clipe I’m His Girl nas Tracks 18, o vídeo de Friend Crush nas Tracks 4 e a participação deles no Maida Vale Sessions da BBC Radio 1 nas Tracks 29. Escute o remix:

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Teen FlirtPromises (Paul Marmota Remix)
A faixa Promises, do mexicano Teen Flirt, ganhou uma boa carga electro groove no remix assinado por Paul Marmota. O som é etéreo e pé no chão ao mesmo tempo. Superou a versão original.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Rock

Nesta semana rolou pouco lançamento rock realmente bom…

JEFF The BrotherhoodSixpack
Clipe WTF! da semana, incontestável. E provavelmente um dos melhores do ano. Festa forte entre amigos no countryside à base de muito rock’n’roll. E eu quero luzinhas verdes agora. Como faz?

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The VaccinesBlow Your Mind
Vazou hoje na rede Blow Your Mind, o B-side do novo single do Vaccines, No Hope, que você escutou neste link. Dessa vez, quem assume os vocais no lugar de Justin Young é o baixista Árni Hjörvar. Daqui pra frente, os novos singles da banda sempre terão como Lado B alguma música escrita e cantada por algum integrante da banda. The Vaccines Come Of Age, o novo disco da melhor nova banda britânica, está marcado para 04 de setembro.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Future TwinLockits
Bubblegum punk pegado, com vocal feminino potente + guitarra e bateria em alta velocidade. Muito bom. O Future Twin Deluxe Edition sai no dia 31 de julho.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Woods - Cali In A Cup
Balada indie de alma folk com vocal em falsete. A faixa do duo Woods está no disco Bend Beyond, marcado para 18 de setembro.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

#ficadica @MarcosTesser

The AikiuPieces Of Gold
Lembram quando a Diesel lançou esse clipe tornando a pornografia Safe For Work? Então! Os franceses do The Aikiu acabaram de lançar um vídeo com um conceito semelhante. Os caras dividiram a tela entre uma cena pornô e um artista da banda tocando a track beeem morninha Pieces of Gold. Apesar da música ser chatinha, é um bom trabalho de edição com um resultado bem divertido. A lição: o bom-humor é a melhor ferramenta a para falarmos sobre qualquer assunto :O)

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Tracks: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10
Tracks: #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20
Tracks: #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30
Tracks: #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37, #38, #39, #40
Tracks: #41, #42, #43, #44, #45, #46

Tracks Volume #45

22 de junho de 2012 0

BeirutThe Rip Tide
A bela canção The Rip Tide, com bateria quase marcial, letra melancólica e harmonia introspectiva, é a faixa título do disco lançado pelo Beirut em 2011. O clipe assinado por Houmam Abdallah acaba de sair. Mostra um barco em alto mar, sem capitão, deslizando sobre ondas em alusão à letra da canção. A surpresa, de uma beleza pictórica marcante, ficou para a parte final do clipe.

Ao lançar o vídeo, o músico Zach Condon, líder da banda de folk alternativo e indie rock, divulgou um texto no qual disse que sempre sentiu necessidade de um clipe que exprimisse toda a “ambição musical” de The Rip Tide. Como poucas imagens são tão naturalmente poéticas quanto um barco navegando em alto mar, acho que Abdallah atingiu a meta de Condon. Em fevereiro, Beirut lançou o clipe de Vagabond, que também ganhou destaque no Volume. Veja nas Tracks 33.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Dirty ProjectorsDance For You
Singela balada lírica indie, baseada em guitarras, palmas e batera, do novo disco do Dirty Projectors, Swing Lo Magellan, marcado para 10 de julho.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Future Of WhatBack To The City
Doce e cristalino dream pop melódico da banda Future Of What. O som está no EP de estreia do grupo, Moonstruck, previsto para 26 de junho.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

AncestorsRunning in Circles
Pós-rock pegado, com linhas de guitarra e bateria bem estudadas, e claras influências de heavy metal, rock progressivo e psicodelia. A banda de Los Angeles rotula seu som como “psychedelic prog-rock”. Running in Circles está no novo disco dos californianos, In Dreams And Time.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Beach BoysThat’s Why God Made the Radio
Legal, bonitaço, linda homenagem, mas muito fake. Leia sobre o lançamento do novo disco da banda neste link.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Eletrônica

ZambriAll You Maybes
All You Maybes é um electro-goth sintético industrial do álbum House Of Baasa, do Zambri. O clipe de Johnny Woods é um dos mais legais do ano. Aposta tudo em computação gráfica primária (ou wannabe) para criar uma história mística, cheia de efeitos, distorções, sobreposições, focos alterados e cores chapantes. Psicodelia dark side forte.

Você escutou Hundred Hearts, também do disco House Of Baasa, nas Tracks 39.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

BaioSunburn Modern
O som é ótimo, eletrônico percussivo, e o vídeo, genial. Clipe WTF! da semana.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Crystal Castles – sem título
Disco inferno esse novo som do Crystal Castles! O trecho dessa faixa, ainda sem nome, foi gravado no Parklife Festival, em Manchester. É pesado, claustrofóbico e fantasmagórico. Massa.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

YeasayerHenrietta
Há dias, o Yeasayer lançou o viajandão clipe de Henrietta, um dance pop psicotrópico sintético, de alma trip hop, batida uptempo e alma dub climática. O som você já escutou nas Tracks 42. A faixa é do disco Fragrant World.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

El Perro Del MarInnocence is Sense
Neste single, a artista sueca Sarah Assbring, que também atende por El Perro Del Mar, deixa de lado o esquema lounge/indie lo-fi do disco Love Is Not Pop e aposta em indie beats e witch house. Lembra muito a também sueca Fever Ray.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The MynabirdsBody Of Work
Ótimo som indie pop dançante, solar, cheio de groove, percussão e calor da banda The Mynabirds. O vocal gostoso da cantora e compositora Laura Burhenn tem tonalidades que sugerem um híbrido maluco de Sioxsie e Lana del Rey. O som, no entando, está longe de uma ou de outra. Body Of Work é do disco GENERALS, que saiu depois do debut What We Lose In The Fire We Gain In The Flood.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

ZuluKwame e I.N.C.L.E.H.
Tribal beats, bass roots e deep house feelings nesses dois sons maneros Kwame e I.N.C.L.E.H., do produtor britânico Zulu. África para inglês ver, mas não ficou ruim.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

SINAHNobody Knows
A faixa Nobody Knows, da cantora inglesa SINAH, é um jazzy eletrônico uptempo experimental. É legal, mas não chega a impressionar.


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

#ficadica @MarcosTesser

D E N ACash, Diamond Rings, Swimming Pools
D E N A é uma búlgara que já fez algumas participações nos álbuns do The Whitest Boy Alive e chegou a lançar os singles Boyfriend e Games, que são bem morninhos. Porém, Cash, Diamonds Rings, Swimming Pools parece ter acertado em cheio o gosto de vários blogueiros mundo afora. Ela está ganhando bastante reconhecimento com seu som, que parece uma mistura de M.I.A. com Friends.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloquinho Remix

RAC – Hollywood feat. Penguin Prison (The Magician Remix)
Bem pop, mas bem bom esse remix de The Magician para Hollywood, o som de André Anjos (aka RAC) lançado em parceria com Penguin Prison. Você viu o clipe de Don’t Fuck With My Money, do Penguin Prison, nas Tracks 21.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Gossip – Move In The Right Direction (CSS Remix)
Remix farofa de Move In The Right Direction, assinado pelo CSS para o Gossip. Se diferencia muito pouco do som original (você escutou e viu o clipe aqui). CSS já dá sinais da falta que Adriano Cintra faz?

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Little BootsHeadphones (Dimitri From Paris Extended Remix)
Outro remix inocente, que só contribui com algo realmente novo em relação à música original a partir dos 5min, basicamente o momento em que o single de Little Boots ‘acaba’ e Dimitri from Paris ‘assume’.


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Tracks: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10
Tracks: #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20
Tracks: #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30
Tracks: #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37, #38, #39, #40
Tracks: #41, #42, #43, #44

Tracks Volume #43

01 de junho de 2012 0


The Black KeysGold On The Ceiling
Bi-zar-ro o clipe dirigido por Harmony Korine para Gold On The Ceiling, do Black Keys. Korine, como você já leu aqui, é o geniozinho white trash que escreveu nada menos que os roteiros dos filmes cult Kids (com Larry Clark), Gummo (ele também assina a direção) e Ken Park (também com Clark), entre outros.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Thieving IronsPoison
O rock vital, químico, envenenado e acelerado Poison, do músico Nate Martinez no projeto Thieving Irons, é como uma espiral supersônica. Ou com um rotor sonoro que só ganha velocidade. Play já.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Ty SegallI Bought My Eyes
Psychobilly experimental, fuzzy, garageiro e longe de fórmulas dá o tom de I Bought My Eyes, da Ty Segall Band. A faixa estará no disco Slaughterhouse, que sai no dia 26 de junho.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Morning ParadeUs & Ourselves
Já aqui o lance é mais tradicional. Indie rock britânico calminho, básico, que ganha corpo no decorrer do som. É bom, mas nada muito especial.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

WATERSMickey Mantle
Genial o clipe da balada Mickey Mantle, do WATERS, feito em 48 horas pelo líder Van Pierszalowski (o cara do vídeo) e pelo diretor Peter Ruecktenwald para a Music Video Race. Você já leu, viu e ouviu sobre WATERS nas Tracks 14 e 22.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Permanent CollectionIt’s Alright
Indie rock pegadinho posicionado entre o shoegaze dissonante guitarrístico e a surf music hardcore com vocal pós-punk. OMG! Vale muito o play!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

FriendsHome
Mais um som cheio de percussão e balanço do Friends, banda New Yoker da irresistível vocalista Samantha Urbani. Baixo pulsante e batuque dos trópicos. Lembra algumas coisas do !!! e do Rapture. Mais músicas legais do Friends neste link.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Icky BlossomsPerfect Vision
Rock atmosférico com elementos shoegaze/dream pop marcam o som do trio Icky Blossoms. Guitarras ácidas e vocais tipo sonho compõem um espectro dissonante árido, mas melódico. Ficou bom.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloc PartyFour
A banda em estúdio gravando o novo disco Four.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Eletrônica

Purity RingBelispeak
Synth pop new age gótico eletrônico no som de Purity Ring, da vocalista Megan James. O clipe cinematográfico é lúgubre, inquietante e muito bom.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

ChromaticsThese Streets Will Never Look The Same
A energia da noite, das ruas e das luzes registradas no clipe da música These Streets Will Never Look The Same contrasta com as imagens difusas, cinzentas e sobrepostas do vídeo lançado pelo Chromatics. A faixa que reúne batidas bem marcadas e ambientação dream disco/trip house está no disco Kill For Love. Ao final, uma elegante homenagem à Donna Summer.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

SmileEating Dirt
A trip eletrônica inspirada em Kraftwerk foi criada por Joakim Ahlund e Björn Yttling (do Peter Björn & John). O vídeo é muito simples e bem bom.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Daughn GibsonTiffany Lou
Beats esparsados, clima aquecido por cordas e um vocal grave, empostado, enquadram a faixa de Daughn Gibson, que está no disco All Hell.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

DntelStill (Feat. Baths)
Se me dissessem que esse vídeo é de uma banda ou produtor que bombava no Dance MTV em 1990 eu diria: OK. O som é típico da época, e o clipe parece muito com qualquer coisa feita no início das técnicas de computação gráfica. Clipe WTF! da semana, incontestável.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Divine Fitspreview
Bem bom o som desse teaser da banda que Britt Daniel, do Spoon, montou com Dan Boeckner e Sam Brown. Até agora, só liberaram isso.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloquinho Remix


Sebastien TellierCochon Ville (The Magician Remix)
The Magician criou um ambient techno ótimo, cheio de synth e inspiração disco, para Cochon Ville, do Sebastien Tellier.


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Tracks: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10
Tracks: #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20
Tracks: #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30
Tracks: #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37, #38, #39, #40
Tracks: #41, #42

Tracks Volume #38

13 de abril de 2012 0

CrocodilesSunday (Psychic Conversation #9)
O indie rock garageiro da banda Crocodiles é vigoroso, energético, guitarrístico e algo pop. Em Sunday…, o quinteto faz uma linha Ash/Jesus and Mary Chain. E o clipe dirigido por Sam Macon ficou bem legal!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

FeistBittersweet Memories
O novo clipe da Feist é massa. Foi feito com base no espetacular projeto Back To The Future, da fotógrafa Irina Werning, no qual ela recria fotos antigas com as mesmas pessoas nos dias de hoje, mais velhas, com as mesmas roupas e nos mesmos lugares. Bittersweet Memories está no disco Metals.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

HologramsHidden Structures
Clash vive.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

CapsulaHit ‘N’ Miss
O garage rock com senso psycho-glam do trio argentino Capsula lembra o som de muita bandas boas que você conhece. O lado bom é que não lembra as ruins!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

MogwaiHudson River (soundtrack)
O Mogwai fez a delicada trilha sonora do projeto/filme ecológico Hudson River, do cineasta Antony Crook, no qual o atleta James Bowthorpe desce o maior rio de Nova York em um caiaque reciclado.

Hudson River Project on Nowness.com.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

PulpCommon People
Common People sempre :)

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The ShinsThe Rifle’s Spiral (preview)
The Shins liberou a íntegra de uma animação obscura em stop-motion 3D para a faixa The Rifle’s Spiral apenas no Nintendo DS. O preview você vê abaixo. Parece ótimo! O clipe deve ganhar outras mídias em breve.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

OpossomBlue Meanies
A psicodelia trash mística do vídeo de Blue Meanies, do Opossom, é o clipe WTF! da semana. No som, Stereolab encontra Air.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

FriendsMind Control
Aquela banda ótima de Nova York, Friends, liberou o single Mind Control. Muito groove, inspiração funk forte, percussão cool e o vocal delícia de Samantha Urbani. Outras faixas tem uma pegada mais indie-post-disco, algo entre !!! e The Rapture. Você já escutou Friends nas Tracks 4, 18 e 28.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

#ficadica @MarcosTesser

tUnE yArDsMy Country
Assim como já fez com Bizness, tUnE yArDs chamou um monte de crianças para gravar o seu novo clipe, My Country. O bacana é que são as crianças do San Francisco Rock Project, um projeto sem fins lucrativos que dá aula de música para os pequenos.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Eletrônica

Simian Mobile DiscoSeraphim
Mais um excelente clipe do Simian Mobile Disco sobre a experiência humana. A nova Seraphim, um electro house lento e muito cool, está no novo disco Unpatterns, marcado para 14/5.

Veja outros clipes do SMD aqui.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

SquarepusherDark Steering
O que era um dubstep bem robótico, com IDM groove (se é que isso é possível), na faixa Dark Steering, virou uma espécie de electro-drum’n’bass pegado com alma house. Mas para isso você precisa chegar pelo menos até os 3’30” do vídeo. O clipe, apesar de repetitivo, é genial.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

James Murphy @ Boiler Room
Murphy fez um set de 50min na Boiler Room, em Londres. Massa. Lembra do show do LCD Soundsystem em POA?

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Southmen @ Cafe De La Musique
O DJ uruguaio Southmen toca neste sábado no Cafe De La Musique, em Porto Alegre. No set, diversas vertentes da house music. O cara já foi citado no Top 100 da revista Electro M.A.G e tocou em clubs de países como Estados Unidos, Inglaterra e Espanha (lá, foi ao lado de Pet Shop Boys e Deep Dish). A noite começa às 23h30min. O Cafe De La Musique fica na Avenida Senador Tarso Dutra, 135.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloquinho Remix

Doe PaoroBorn Whole (Kokyo Remix)
Kokyo fez um sexy dance pop para a faixa Born Whole, da cantora Doe Paoro. Bom, você sabe, é sexy, dance e pop.

Tracks: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10
Tracks: #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20
Tracks: #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29, #30
Tracks: #31, #32, #33, #34, #35, #36, #37

Lollapalooza Brasil é marcado por Arctic Monkeys, Skrillex, Peaches, Manchester Orchestra, Foo Fighters e Joan Jett

10 de abril de 2012 5

A primeira edição do Lollapalooza no Brasil teve pontos positivos no que diz respeito à música e negativos na parte de serviço. O ponto alto foi o acerto na escolha do local: o Jockey Club, perto do centro de São Paulo, barbadinha de chegar de metrô e com estrutura adequada, já havia sido palco de outros eventos bem-sucedidos, como o último Free Jazz Festival, em 2001.

O grande problema mesmo foi a volta para quem dependia do metrô. Total absurdo a estação Butantã fechar por volta da meia-noite, já que os shows acabavam pelas 23h, e taxistas cobrarem valores  acima da tabela. Não sei se existe fiscalização em SP, mas se existe está falha. Isso rola sempre, seja em turnês próprias de bandas ou em festivais de grande porte. Sem noção!

Já dentro do evento, apesar da grande quantidade de caixas por todo Jockey, as filas para compra de bebidas eram quilométricas no primeiro dia. No segundo, o lance melhorou. O público (cerca de 135 mil pessoas entre sábado e domingo) deve ter aprendido a lição e comprado toneladas de PillaPaloozas (a moeda do evento) já ao chegar no local. Havia funcionários “avulsos” vendendo pillas durante a tarde (e quebrando o maior galho), mas à noite era quase impossível achá-los. Merecem uma equipe maior.

Outro ponto fraco: os banheiros, como sempre um desastre horroroso. Insalubre. Uma falta de respeito com o público. E isso, claro, não é exclusividade do Lollapalooza. Banheiro químico é o fim do mundo em qualquer lugar. Enfim…

Mesmo assim, a organização do Lolla ganhou muitos pontos no que diz respeito à música – o que, apesar dos contratempos acima, é o que realmente importa. Com um sistema de som praticamente perfeito (MGMT teve problemas, é verdade, mas a banda ao vivo é um problema em si…), o festival teve, no geral, som nítido e alto. Não pude conferir todos os shows, mas lembro de pelo menos um espetáculo vazando e prejudicando outro: o som do Pretty Lights, projeto do norte-americano Derek Vincent Smith, incomodou parte do público do Friendly Fires.

Comments sobre os shows que vi:

07/04


Daniel Belleza e os Corações em Fúria
Garage rock cortante, furioso, com alto teor glitter punk. Quando a banda surgiu no início dos anos 2000 ficou claro o poder de performance de Daniel, agora atenuado, mas ainda garantindo um bom rock show. A banda ganhou aplausos merecidos.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨
Rhythm Monks
O trio eletrônico mascarado de Berlim parecia ter descido de alguma nave espacial. Com um figurino tipo messias das galáxias, os caras tocaram um hardcore trance não muito inspirado e abusaram de coreografias minimalistas toscas. Não foi muito legal. Parecia uma paródia pobre do clipe de Around the World, do Daft Punk. Com tanta gente legal podendo ganhar espaço a programação eletrônica do Palco do Perry, Rhythm Monks foi um erro de casting.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

O Rappa
Os cariocas estavam espertos e fizeram um grande show no Palco Cidade Jardim. Já vi algumas apresentações da banda, inclusive em festivais, mas nunca encontrei os caras com tanta energia. Conseguiram reunir quase todo público presente naquela tarde. O resultado foi um poderoso espetáculo que teve como climax Homem Amarelo e o discurso de Falcão a favor do multirracialismo e multiculturalismo. O palco quase veio abaixo com o cover de Killing in the name, do Rage Against the Machine, e seu riff perfeito. Falcão sugeriu que a banda toque no Lolla. A banda foi acompanhada por um quinteto de violinistas.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Perryetty x Chris Cox
Enquanto o Rappa bombava, Perry Farrel tentava levantar seu pequeno público do seu projeto eletrônico no palco que leva seu nome dentro do seu próprio festival. Tipo incrível. Cantava e gritava palavras de ordem sobre bases pré-gravadas e discotecagem de Cox. Dançava fora do ritmo e atravessava beats na pilotagem do soundsystem. A todo momento, perguntava “are you happy São Paulo?”. No som, farofada eletrônica para quem entende pouco do assunto. A animação e a energia provaram que Perry é mesmo um dos caras mais carismáticos do rock, mas que na eletrônica ainda precisa ser equalizado.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Band of Horses
Logo ao lado, no palco Butantã, a banda de Ben Bridwell apresentava de folk rock tatuado. Os longos duelos autorais de guitarra, baixo e bateria que não me chamaram muita atenção, apesar do grande público presente estar curtindo muito. E a culpa foi da Peaches e minha expectativa pelo show dela. Fiquei totalmente bloqueado para qualquer outra coisa. Antes do espetáculo, na área de imprensa, a cantora que eu havia entrevistado em 2003 me disse que, muito melhor do que tentar explicar o show seria eu vê-lo. Canadense maldita, me deixou no suspense, kkkkk! Enfim, Band of Horses fica pra próxima!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Peaches
A cantora canadense provou que é uma das grandes artistas do século 21. Depois de ter feito um grande show em Porto Alegre em 2004, no qual fez de tudo entre cantar, dançar e escalar a estrutura do teatro, Peaches apresentou um espetáculo focado não só em electro beats sujos, mas também em liberdade sexual e em performance teatral cômica. Cantando, comandando pick-ups e sequenciadores e com o apoio de duas dançarinas (e muita champanhe), a canadense subiu ao palco usando um colante cor da pele adornado com seios cenográficos de diversos tamanhos. A imagem resume o conceito por trás do show: ativismo feminista eletrônico festivo e sem pudores. Nenhuma novidade, e mesmo assim atual. Peaches decadente? Jamais! No set, não faltaram músicas potentes e dançantes, que ao vivo ganharam ainda mais peso para reforçar o poder hedonista das canções. Do electroclash tradicional ao dubstep aliado a techno beats experimentais, Peaches é diversão garantida.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

TV on the Radio
Só peguei o final do show, que contou com a participação do guitarrista Dave Navarro, do Jane’s Addiction, em Repetition. Você sabe, culpa da Peaches

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Joan Jett & The Blackhearts
Foi ótimo ver ao vivo uma das grandes figuras do rock mundial. O espetáculo de Joan Jett não se destacou apenas por seu valor histórico, mas também pela energia da banda e pelo rock’n’roll tradicional. A abertura explosiva foi com Bad Reputation (reconfigurada por Peaches no disco Fatherfucker), seguida da clássica Cherry Bomb, de sua antiga banda, The Runaways. Joan também arrancou aplausos para You drive me wild, sua primeira canção escrita, e apresentou duas novas composições, T.M.I. e Hard To Grow Up. Outros pontos altos? I Love Rock and Roll, óbvio, e I Hate Myself For Loving you.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Foo Fighters
O Lollapalooza trouxe ao Brasil uma das maiores bandas do rock contemporâneo em uma de suas melhores fases. A turnê de Wasting Light vem rodando o mundo desde há tempos e causando muito em todos lugares pelos quais passa. A fórmula da banda é simples: rock instantâneo, bombástico, eficaz e extremamente energético liderado por um vocalista carismático aliado a um baterista foda (Taylor Hawkins). Fácil. Mas nem isso libera a banda para fazer um show curto ou descompromissado. Muito pelo contrário – até porque era a principal banda do line-up do evento. Por isso, os caras fizeram um show de quase três horas lotado por toneladas de hits roqueiros e baladas de sucesso, assim como no Rock in Rio 3, em 2001. Entraram no set list All my life, Times like these, Rope, Breakout, Long road to ruin, Big me, Everlong, The Pretender, Cold Day in the Sun e White Limo, entre outras. O show teve a participação de luxo de Joan Jett em Bad Reputation e I Love Rock ‘n’ Roll. A não ser em faixas mais obscuras, a banda obteve resposta imediata do gigantesco público. Sim, porque a banda reuniu praticamente todas pessoas que estavam no evento. E a voz de Dave Grohl? Falhou sim. Afinal, o cara não é de ferro, pô.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Calvin Harris
Quem não viu Foo Fighters optou por conferir o set de Calvin Harris, queridinho da eletrônica gringa. Abusando do deep house e de techno beats, o produtor eletrônico levantou mesmo a galera ao tocar um remix poderoso de Never Be Alone, de Justice vs. Simian Mobile Disco.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

08/04

Thievery Corporation
O trip hop/downbeat elaborado com elementos exóticos da banda norte-americana atraiu um bom público no palco Cidade Jardim, no segundo dia de shows do Lolla. Com banda completa, composta por guitarra, baixo, bateria, percussão, cítara, trompete e sax, além dos sequenciadores de Rob Garza (cabeça da banda ao lado do guitarrista Eric Hilton) e de um time de cantores, o grupo confirmou sua groove reputation despejando um set inspirado por dub, reggae, dance hall e até música brasileira – com apoio de berimbau eletrônico e de uma cantora nacional que, por sinal, não se apresentou ao subir no palco e deixou as pessoas com cara de “quem é essa?”. Apesar da bela voz, não foi ela quem levantou a galera, mas sim uma dupla de vocalistas rastaman e um rapper vestido no melhor estilo gangsta. Thiervery fez um show de altíssima qualidade musical, apostando em música dançante orgânica sem fórmulas fáceis ou padrões estipulados.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨


Friendly Fires
O indie rock dançante da banda britânica é bastante dependente do animado vocalista Ed Macfarlane. Dançando muito e requebrando o quanto podia, ao melhor estilo desengonçado britânico, Ed e banda bombaram com Jump In The Pool, Skeleton Boy, Paris e o superhit Hawaiian Air. Friendly Fires nunca me chamou muito a atenção, mas é inegável a entrega da banda ao vivo e a paixão que provoca sobre seus fãs – alguns deles muito de cara com o vazamento do som Pretty Lights, que tocava logo ao lado, no Palco do Perry. Leia mais sobre isso abaixo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Pretty Lights
O produtor eletrônico despejava beats robóticos com DNA hip hop no Palco do Perry enquanto o Friendly Fires se apresentava no palco Butantã, ao lado. O set do norte-americano foi tão pesado que o som vazou, atrapalhando parte do público da banda britânica. Por outro lado, vi muita gente deixando a platéia do Friendly Fires para ver o que estava ocorrendo na pista eletrônica, o que pode ser considerado algo positivo para Pretty Lights. Afinal, roubar público dos britânicos não é pra qualquer um.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Manchester Orchestra
A banda britânica foi a grande surpresa do Lollapalooza Brasil. O rock pesado, posicionado entre o pós-rock estridente e o indie metal livre de clichês, cheio de guitarras altas e bateria galopante, foi uma pancada sonora de primeira. Manchester Orchestra é como se Mogwai e Mastodon dessem origem a uma banda híbrida. Teve gente correndo do Palco Butantã, onde Friendly Fires havia acabado seu show, até o Palco Cidade Jardim, do oooooutro lado do Jockey, para ver de perto o explosivo espetáculo dos caras. Não devem ter se arrependido. Foi algo realmente especial. O som, cristalino, estava tão alto e nítido que deve ter sido ouvido nos Jardins. Nota 10.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

MGMT
Show fraco do duo que lançou um dos melhores discos de 2008, Oracular Spectacular. Sem inspiração, sem tesão, sem saco total e com alguns problemas de som. Claro que a chuva que caiu desanimou a todos, mas a banda não pode se deixar levar por isso. De qualquer forma, a banda nunca faz um show 100% mesmo. Os melhores momentos foram os três maiores hits da banda: Electric Feel, Time to Pretend e Kids, todos de Oracular. A inédita Alien Days, baseada em violão, passou batida. Verdade: os relâmpagos ganharam mais gritos e aplausos que a banda. Lamentável.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Skrillex
O DJ mais celebrado do mundo hoje fez sua estréia no Brasil já ocupando um posto de super estrela dentro de um megafestival. Foi o cara que, pela primeira vez no evento, realmente lotou o Palco do Perry. O ex-roqueiro emo norte-americano começou seu set com uma faixa experimental e quebrada, nada convencional. Em seguida, sob poderosos canhões de laser (guardados especialmente para ele e utilizados pela primeira vez pela produção do evento, ampliando ainda mais a experimentação sensorial) mandou ver em um dubstep mais degustável, inspirado por dirty beats em geral e remodelado por diversas vertentes como techno, jungle, drum’n’bass, reggaeton, dub e gangsta hip hop. Os sons jamaicanos, por sinal, estiveram em alta no Lollapalooza, presentes também (em maior ou menor grau) nos shows do Rappa, do Jane’s Addiction e do Thievery Corporation. Os pontos mais altos do show foram um remix maluco de Internet Friends (You blocked me on Facebook) e o superhit Ruffneck, momento em que a bandeira do Brasil surge no telão atrás de Skrillex, causando histeria coletiva (veja abaixo). O show do cara já está marcado na história eletrônica brasileira. Quem viu viu, que não viu… pode ver a íntegra do set aqui.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Foster the People
Ao mesmo tempo em que Skrillex botava abaixo o Palco do Perry, Foster the People entregava seu rock básico aditivado por discretos elementos eletrônicos no Palco Cidade Jardim. Trocar Skrillex por Foster the People sempre foi algo impensável por mim. Por isso, cheguei no final e vi apenas o megahit Pumped Up Kicks com seu magnífico loop final, criando uma ótima versão overextended da faixa. Como ainda considero Foster the People uma banda de um hit só, pra mim foi o que bastou.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Jane’s Addiction
A psicodelia roqueira independente e compulsiva da histórica banda de Perry Farrel é algo para poucos, definitivamente. Que o diga o discreto e silencioso público que acompanhou o show do grupo. Sem muita animação, a plateia viu Perry, o guitarrista Dave Navarro (na foto, ao fundo) e cia executarem alguns clássicos do indie rock global como Jane Says, Ocean Size, Mountain Song e Been Caught Stealing. E pior: não era comum Perry encerrar suas vocalizações xamânicas fazendo pose de superstar esperando ovação e amargar um silêncio constrangedor. Uma pena. Algumas músicas novas do disco The Great Escape Artist (2011) ganharam apoio de performers no palco, mas também não levantaram a galera.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Arctic Monkeys
Uma das bandas mais esperadas do festival entregou um rock show praticamente perfeito. Composições autorais de primeira, guitarras e bateria incríveis (Alex Turner e Matthew Helders são foda), presença de palco, postura rock e parceria com o público. Ao que parece, nada deu errado pra eles. Don’t Sit Down ‘Cause I’ve Moved Your Chair, Brianstorm, When the Sun Goes Down, I Bet You Look Good on the Dancefloor, The View From the Afternoon, Crying Lightning, R U Mine? e a ótima Brick by Brick (com Matt no vocal) jogaram a animação lá pra cima. Fluorescent Adolescent (incrível) e 505 fecharam os trabalhos. O show no Lollapalooza mostrou que a banda amadureceu muito desde a primeira passagem deles pelo Basil, em 2007, durante o Tim Festival. Deixaram de lado a insegurança de moleques para protagonizar um dos grandes momentos do festival. Que voltem logo!

* Todas fotos deste post: Divulgação Lollapalooza Brasil

Tracks Volume #30

27 de janeiro de 2012 0

Cloud NothingsNo Future/No Past
Agonia é uma boa palavra pra descrever a sensação que gera o incrível clipe da música No Future/No Past, da banda Cloud Nothings. A passagem pela qual passa o personagem do filme é poeticamente elaborada pelo diretor John Ryan Manning. A faixa começa tranquila, num ótimo duelo triplo de guitarra, bateria e vocal, até que ganha proporções guitarrísticas épicas. A banda Cloud Nothings você conheceu nas Tracks 29 com a ótima No Sentiment.

Cloud Nothings – “No Future / No Past” Official Video from Urban Outfitters on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

HospitalityFriends Of Friends
Sen-sa-cio-nal essa faixa indie-pop do trio norte-americano Hospitality, composto por Amber Papini (vocal, guitarra, piano), Nathan Michel (bateria, flauta, harmônica) e Brian Betancourt (baixo, vocal). Destaque para a letra esperta, pra guitarra simples e cortante e para a bateria indie jazzy free style. O disco de estreia sai no dia 31 de janeiro.

Hospitality – “Friends Of Friends” from stereogum on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Wet NunsHeavens Below
Trashy, heavy e rocky. Precisa de algo mais pra ser bom? NÃO! O exato meio termo entre os lances pesados do Foo Fighters e os sons mais leves do Mastodon, tudo com guitarras que podem te fazer lembrar de Queens of the Stone Age.

Heavens Below by Wet Nuns

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Sleigh BellsComeback Kid
O heavy-electrorock Comeback Kid, de guitarras cortantes sobre drum machine, você já escutou nas Tracks 29. Agora saiu o clipe, numa vibe oitentista.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Arctic MonkeysYou and I [ft. Richard Hawley]
Lançado há alguns dias, o novo clipe do Arctic Monkeys segue a linha road dos anteriores.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Wilco & PopeyeDawned On Me
OMG! Wilco, Popeye, Olívia, Brutus e toda galera juntos!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

We Have BandWhere Are Your People?
O vídeo de Where Are Your People?, dirigido Alex Turvey para We Have Band, foi inspirado no filme cult The Holy Mountain, lançado por Alejandro Jodorowsky em 1973. É kitsch e enigmático, por isso é também o clipe WTF! da semana. A faixa está no disco Ternion, que teve o streaming liberado.

We Have Band – Where Are Your People? (Official… por naiverecords

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Museum MouthBlood Mountain
Garage rock sujo e cru, soterrado por camadas de guitarra e bateria convulcionadas. A faixa está no novo disco do trio, Sexy But Not Happy.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Die AntwoordTen$ion trailer
Bizarro OMG! WTF! mutha fucka fucking shit o teaser do novo disco do Die Antwoord, Ten$ion. Very very sick! Goste você ou não, o grupo de rap-rave sul-africano tem personalidade. O álbum sai dia 07 de fevereiro. Você conheceu Die Antwoord nas Tracks 20.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

JusticeOn’n’On
Extraordinário este vídeo de On’n’On, do Justice. Tipo Islands, do The xx, encontrando Seven Nation Army na estética neo-new-age inaugurada por MGMT em Time To Pretend e levada adiante pelo proprio Justice em Civilization. Nota 10. Do novo Justice, além de Civilization, você já tinha conferido o clipe de Audio, Video, Disco aqui

Veja um remix de On’n’On no bloquinho abaixo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Miike SnowPaddling Out e Black Tin Box
Miike Snow se joga no dance pop dos anos 90, abusando de beats for the floor e de teclados house em Paddling Out. A faixa, lançada há dias, podia ter sido escrita em 1992. Se Devil’s Work, do novo disco, é um som pras pistas de show, Paddling Out foi feita pras pistas de dança. E nesta semana, a banda lançou Black Tin Box, uma faixa bem mais introvertida, entre o trip hop viajandão e o indie eletrônico cabeça. Muito boa.

Ouça Black Tin Box aqui

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The DrumRun You
Som completamente fora dos padrões, quando o trip hop encontra o drum’n’bass o IDM.

Run You by THE-DRUM

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Ernest GonzalesThe Voice of Fate (I ♥ You)
A projeção mapeada no apartamento que serve de cenário para o clipe da música The Voice of Fate (I ♥ You), de Ernest Gonzales, é legal, mas não chega nem perto do absurdo vídeo criado para a faixa Dandelion, de Stay+. The Voice of Fate (I ♥ You) é um chill-in eletrônico ok, sem muita personalidade.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The InternetFastlane
Versão teen de Bonnie and Clyde (ou Mickey and Mallory) neste clipe altamente controverso dirigido por Matt Alonzo. O vídeo tem citação a Pulp Fiction na cena do restaurante. A excelente faixa, um new R&B aditivado por hip hop beats, está no disco Purple Naked Ladies, que você pode escutar aqui.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloquinho remix

JusticeOn’n’On (Rick Rubin Remix)
A original você escutou (e viu o clipe) acima. Agora, o remix cheio de groove de Rick Rubin.

JUSTICE “ON’N’ON” RUINED BY RICK RUBIN by edbangerrecords

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Mayer HawthorneA Long Time (Chromeo Remix)
Chromeo reformulou A Long Time, do Mayer Hawthorne, mas não arriscou em nada. Criou um electro disco pop oitentista genérico. Já que o cara toca aqui neste finde (leia entrevista com ele), #ficadica.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Tracks: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10
Tracks: #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20
Tracks: #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27, #28, #29

Tracks Volume #28

13 de janeiro de 2012 0

Royal BathsBlack Sheep
A psicodelia rock sessentista com acento dark contemporâneo da banda Royal Baths está diretamente ligada a Jefferson Airplane, Doors, Tom Waits, Velvet Underground, Jesus and Mary Chain e Interpol. Em Black Sheep, as reverberações guitarrísticas ácidas são garantidas. A poesia urbana e o vocal dopado também. O clipe é simples e cai como uma luva pro som.

Royal Baths – Black Sheep from Royal Baths on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

My Best FiendCracking Eggs
A banda de Nova York My Best Fiend criou uma sinfonia noisy dissonante e robusta, recheada por guitarras distorcidas e bateria pulsante, nesta Cracking Eggs. A faixa faz a linha space rock psicodélico. Começa calma e termina de forma catártica, implorando um replay. Nota 10. Ideal pra quem curte Spiritualized, Explosions in the Sky e Mogwai. Por muito pouco não roubou da banda Royal Baths a posição de destaque das Tracks desta semana. Tem mais sons de My Best Fiend no site oficial e no selo Warp.

My Best Fiend – Cracking Eggs by mybestfiend

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The KillsThe Last Goodbye
Allison Mosshart e Jamie Hince passam todo o clipe da balada triste The Last Goodbye dentro de uma cabine de fotos instantâneas trabalhando caras, bocas e cabelos. É bem chato. A direção é da atriz Samantha Morton. O vídeo lembra aquele clipe de Hang You From the Heavens, da banda The Dead Weather (Jack White + Allison Mosshart + amigos), mas não tem o mesmo (bom) resultado.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

A Place To Bury StrangersSo Far Away
O clipe de A Place To Bury Strangers para a música So Far Away foi feito com Instagrams e outras ferramentas online. Imagens vintage tipo Polaroid bem editadas na batida do som. O EP Onwards To The Wall sai dia 07 de fevereiro.

A Place to Bury Strangers “So Far Away” from Secretly Jag on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Caged AnimalsAll The Beautiful Things In The World
O delicioso psycho-indie da banda Caged Animals chega a níveis extremos de dream pop com guitarras etéreas na faixa All The Beautiful Things In The World, que ganhou um clipe vintage cheio de garotas nuas nadando no mar e correndo em campos floridos. Inocência voyer de uma época que não volta mais.

Caged Animals – “All The Beautiful Things In The World” from stereogum on Vimeo.
Escute outras faixas de Caged Animals neste link.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

FriendsI’m His Girl e A Thing Like This
A banda Friends, uma das preferidas do Volume da novíssima geração, apresentou uma versão mais “limpa” da ótima música I’m His Girl e a nova faixa A Thing Like This na BBC Radio 1. O disco de estreia dos nova-iorquinos sai no verão gringo. Confira a participação deles na rádio britânica no player abaixo. E lembre: você viu o excelente clipe I’m His Girl nas Tracks 18 e o vídeo de Friend Crush nas Tracks 4.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Arctic MonkeysBlack Treacle
E segue o road movie videoclíptico norte-americano do Arctic Monkeys, tendo o baterista Matt Helders como ator principal e, dessa vez, com o vocalista Alex Turner participando das cenas. Os clipes anteriores nesse clima foram The Hellcat Spangled Shalalala (Tracks 4), Suck It And See (Tracks 14) e Evil Twin (aqui).

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Way YesImportant
Indie pop melódico de alma roots, cheio de percussão linha world beat + guitarra nítida e compassada, com inspiração em Paul Simon, Talking Heads, Vampire Weekend e Animal Collective. O EP da banda Way Yes sai dia 27 de março.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Avalanche CityLove Love Love
Aqui, o indie pop é bem mais acessível do que o da banda Way Yes na faixa acima. O combo do músico Dave Baxter fez uma balada folk fofa, de fácil digestão, com refrão grudento e apelo radiofônico. Sabe música pra propaganda de carro no verão? Tipo assim.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Prince RamaSummer Of Love
Nesta Summer Of Love, o duo Prince Rama faz um som psicodélico experimental hipnótico com traços indianos. Somente pra quem curte o lado B da música.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Black DicePigs
O clipe WTF! da semana vai para Black Dice. Não vou comentar.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Litanic Mask – demos
O duo norte-americano de electro-goth introspectivo Litanic Mask ainda não lançou nem EP nem disco, mas liberou essas demos abaixo. É um som denso, cheio de synths gélidos e ambientações lúgubres, ideal pra um dia chuvoso como o de hoje aqui em Porto Alegre, mas EVITE escutar se você apresenta o mínimo traço de depressão :) Eu avisei…

LITANIC MASK -/-/– DEMO–\-\- by litanic mask

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

#ficadica @MarcosTesser

Nicolas Jaar - With Just One Glance ft. Scout LaRue
Quem curte James Blake vai amar Nicolas Jaar, dono de um minimal auto-intitulado “blue-wave”. Um dos seus primeiros singles conta com o vocal da Scout LaRue Willis, filha de Demi Moore e Bruce Willis.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloquinho Remix

Dances With White GirlsIt’s About The House (Cubic Zirconia Remix)
Muito bom esse remix electro-funky-tech-house de Cubic Zirconia para a música It’s About The House, de Dances With White Girls. Festa forte em apenas 4 minutos de som.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Lana Del ReyBorn To Die (AlunaGeorge Remix)
O duo britânico AlunaGeorge fez um remix intrincado e disconexo para Born To Die, de Lana Del Rey. IDM light com um pé no slow dance e outro no pop autoral.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Tracks: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10
Tracks: #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20
Tracks: #21, #22, #23, #24, #25, #26, #27

Tracks Volume #25

16 de dezembro de 2011 1

Sleigh BellsBorn To Lose
O duo de rock eletrônico Sleigh Bells liberou ontem Born To Lose, single repleto de guitarras metálicas e cortantes de Derek Miller + drum machine vintage em segundo plano. O vocal doce de Alexis Krauss (tipo girl group anos 50) casa perfeitamente com o peso da música. Na semana passada, lancei nas Tracks 24 aquele teaser sobre Reign Of Terror, o segundo disco dos norte-americanos, marcado para 14 de fevereiro. Deve sair coisa boa!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Arcade FireSprawl II (Mountains Beyond Mountains)
O Arcade Fire acaba de lançar o ótimo clipe da música Sprawl II (Mountains Beyond Mountains) em duas versões: uma “tradicional” e outra interativa, em que é possível alterar os movimentos dos personagens do vídeo via webcam ou mouse. A versão interativa está no site oficial e a faixa, no álbum The Suburbs.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

PlayloungeOrange Friends
Fast rock, white noisy, guitarreira nerd, bateria zunindo na orelha e vocal calminho (na medida do possível). Sim, em Orange Friends a dupla londrina Playlounge segue à risca a fórmula básica do indie rock pesado e mostra que de lounge eles não tem nada! Laurie destrói a guitarra e Sam detona a bateria enquando canta. Excelente! Aumente o som e dê o play no EP Kitten Frenzy, abaixo. Além de Orange Friends, tem mais três pancadas das boas.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Fucked UpTurn The Season
O combo canadense Fucked Up, que mistura pós-hardcore, punk e indie rock como nenhum outro, liberou o clipe de Turn The Season, faixa do álbum duplo David Comes to Life – um dos melhores do ano. O vídeo é menos impactante do que os ótimos clipes de The Other Shoe e de Queen Of Hearts (veja nas Tracks 10), mas também é bom. Mais uma vez, a banda foge ao ideário imagético comum ao som pesado.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Thieving IronsSo Long
O pós-punk leve de So Long, do guitarrista Nate Martinez (Thieving Irons), gruda.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

WU LYFKrusty (Papa M Cover)
A banda britânica WU LYF, que você conheceu nas Tracks #21 com o incrível clipe de We Bros, fez um cover de Krusty, faixa do músico norte-americano lo-fi David Pajo, também conhecido como Papa M. Nas mãos de WU LYF, o folk instrumental de Papa ganhou clima pós-rock.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Carter TantonFake Pretend
Belas linhas de guitarra ajudam a compor o clima shoegaze onírico de Fake Pretend, art song de Carter Tanton com vocais da cantora Marissa Nadler, sua parceira há alguns anos. Ambos têm vozes incríveis. No vídeo, colagens caleidoscópicas, fractais não evidentes e psicodelia em geral. A faixa está no disco Freeclouds.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The CureClose To Me e A Forest @ Bestival
A clássica banda britânica acaba de lançar o álbum duplo Bestival Live 2011. Os clipes ao vivo, abaixo, saíram das já históricas 2 horas e meia de show como headliner no Bestival 2011. Classe absoluta. Cure precisa voltar a Porto Alegre com urgência.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Skream & Benga – EP
Como o dubstep não vive apenas do mago Skrillex (você ouviu o cara nas Tracks 8 e 11), segue abaixo o primeiro EP do duo londrino Skream & Benga (que juntos são duas partes do trio Magnetic Man, aquele da ótima I Need Air; você escutou a banda há quase um ano aqui no Volume). Ok, situando quem ainda está por fora: dubstep é a vertente eletrônica que faz referências a robot techno, breaks, dum’b’bass, jungle, dub e electro, geralmente numa vibe pesada. Enfim, Skream & Benga deram um excelente primeiro passo no formato duo com este EP totalmente instrumental e autoral. A não ser pela nervosa Nefariousa, todas as outras faixas são mais cadenciadas e bem menos porrada do que as de Skrillex, se diferenciando do maior nome do dubstep atual – o que é ótimo! Skream & Benga chegaram causando. Dubsteppers, uni-vos!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

High PlacesBanksia
Som excelente para quem curte uma pegada eletrônica anos 90, com resquícios de prog-house, electro-indie, dance e trip hop lunático. Lembra GusGus e Everything But the Girl juntos.

High Places – Banksia from Thrill Jockey Records on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

#ficadica @MarcosTesser
Jonas Rathsman é um produtor sueco (uma dos caras do duo Uniforms) que acabou de lançar seu primeiro e fantástico EP pelo selo French Express. Uma mistura de house dos anos 90 com referências tropicais. Faixa convidativa pra pista! O clip da deliciosa Tobago foi gravado durante uma surf trip no Brasil.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloquinho remix

MobyThe Right Thing (Kleerup Remix)
O curioso no remix de Kleerup para a música The Right Thing, do Moby, é que ele faz uma releitura da faixa a partir de elementos muito comuns ao universo sonoro do compositor nova-iorquino. Usando bateria ‘real’, Kleerup cria algo que poderia ter sido assinado pelo próprio Moby. Ótimo pro chill-in.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Charli XCXNuclear Seasons (Balam Acab Remix)
Há algum tempo, a cantora britânica Charli XCX vem ganhando destaque devido ao single Nuclear Seasons. A faixa é dance pop inglês em grau máximo, o que é perigoso, pois pode ultrapassar a linha do bom gosto e se tornar facilmente algo beeeeem jeca. E é exatamente o que acontece! Pense nas Spice Girls. Agora reduza o grupo a apenas uma cantora, tirando toda a produção mainstream das meninas e trocando isso por toneladas de indie hype tosco. Pasme! O resultado é praticamente o mesmo: uma canção dançante fraca, cheia de vocais chatos e pretensão sonora abundante. Mas, para o nosso bem, Balam Acab fez um incrível remix da música. Criou várias camadas, reverberações, manipulações vocais e reedições de som, o que nos ajuda a esquecer a inofensiva versão de Charli XCX.

Ouça aqui!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bird Peterson and OcelotSoul Survivor (RUN DMT Remix)
Mais um pouquinho de dubstep neste remix de RUN DMT para a música Soul Survivor, de Bird Peterson and Ocelot.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Tracks: #1, #2, #3, #4, #5, #6, #7, #8, #9, #10
Tracks: #11, #12, #13, #14, #15, #16, #17, #18, #19, #20
Tracks: #21, #22, #23, #24