Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Resultados da pesquisa por "Mick Jagger"

Alabama Shakes apresenta Hang Loose ao vivo e libera bonus track

28 de maio de 2012 0

O blues rock sulista cheio de soul e vitalidade de Hang Loose, do Alabama Shakes, ecoou no Studio Q, em Toronto. A banda ao vivo é ainda mais surpreendente do que no álbum. As canções têm vida em disco e eles, alma ‘no palco’. Heath Fogg e a genial Brittany Howard mandam bem nas guitarras. E poder vocal dela é furioso. Um híbrido radical de Ella Fitzgerald, Mick Jagger e Jack White.

O clipe de Hold On sai há algum tempo:

Abaixo, Hold On e a explosiva bonus track Heavy Chevy, que não está no disco Boys & Girls:

Aqui tem uma entrevista em áudio com a banda e aqui, o Rock and Blues do Cagê, que destacou Boys & Girls na edição do dia 13.

Patti Smith libera a nova música April Fool

11 de maio de 2012 0

Patti Smith liberou a audição da balada April Fool, o primeiro single do novo disco Banga, marcado para 05 de junho. Presta atenção nas lindas linhas de guitarra de Tom Verlaine, do Television, que fez um elaboradíssimo show em Porto Alegre em julho de 2011.

Caso não consiga ver o embed, ouça April Fool aqui

Banga tem participação de Johnny Depp, autor da faixa Nine, um presente de aniversário dele para a grande poeta do rock, e uma homenagem a Amy Winehouse na canção This Is The Girl (leia mais aqui). Já Fuji-san trata sobre as vítimas dos terremotos e do tsunami que devastaram parte do Japão em 2011.

O último disco com canções próprias foi Trampin’, de 2004. Em 2007, ela lançou o disco de covers Twelve, no qual regravou músicas de Jimi Hendrix, Neil Young, Mick Jagger e Keith Richards, George Harrison, Bob Dylan, Stevie Wonder e Kurt Cobain.

Procurando fotos de Patti achei este vídeo dela apresentado My Blakean Year ao vivo em uma livraria:

>>>>> Mais Patti Smith


Livro sobre Exile on Main Street, dos Rolling Stones, vai virar filme

23 de abril de 2012 0

O empresário Richard Branson, dono da Virgin Records, comprou os direitos de Exile on Main Street: A Season in Hell with the Rolling Stones, o livro de Robert Greenfield sobre o turbulento período em que os Rolling Stones gravaram o álbum Exile on Main Street no Sul da França, em 1971, para fazer um filme. O livro é espetacular e faz um retrato fiel daqueles dias.

Conforme o Deadline, o filme não será um documentário, mas sim um drama. O foco deverá ser a espinhosa relação pessoal e profissional entre Mick Jagger e Keith Richards naquela época.

Livro
Como você já leu neste post, o livro Uma Temporada no Inferno com os Rolling Stones foi lançado em 2006 nos Estados Unidos e dois anos depois no Brasil. Resgata o período conturbado pelo qual a banda passou em Villa Nellcote, uma mansão em Nice, no sul da França, um dos lugares mais belos do mundo.

A publicação aborda um momento histórico dos Stones, uma época pós-sonho hippie, pós-Altamont, pós-mortes de Jimi Hendrix, Janis Joplin e Jim Morrison, e marcado pelo caos que foram as gravações do álbum no porão de Nellcote. Leitura altamente recomendável.

Em 2010, os Stones lançaram o vídeo de Plundered My Soul, sobra da edição original de Exile on Main St.

Naquele ano, a Amazon liberou trechos de 30 segundos das dez faixas extras da reedição de Exile…, com Keith Richards nos vocais de Soul Survivor.

Documentário
Outro filme sobre a banda está em produção, este sim um documentário. Com direção de Brett Morgan, o longa está dentro das comemorações dos 50 anos da banda. O lançamento deverá ocorrer em setembro.

>>>>> Mais Rolling Stones

Tracks Volume #20

11 de novembro de 2011 0

Die AntwoordFok Julle Naaiers
O rap-rave trash-sexual-extremo dos sul-africanos Die Antwoord gerou este clipe furioso da música Fok Julle Naaiers – que do africâner para o inglês seria “Fuck You All”. A faixa e o clipe são menos irônicos do que o material anterior, mas o lance é igualmente nervoso, cru, feio, sujo e malvado. Muito bom! Tá por fora de Die Antwoord e do que eles chamam de ZEF rap? Então te situa neste vídeo ou no site oficial. O álbum $O$ você escuta aqui, mas o single Fok Julle Naaiers estará no próximo disco, TEN$ION.

FOK JULLE NAAIERS from Die Antwoord on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

The History Of Apple PieMallory
Mudando total de gênero: a bandinha britânica teen shoegaze History Of Apple Pie lançou esse clipe lesado para a ótima música Mallory. Guitarra suja, vocal doce e melodia fofa. Adoro. Som perfeito pra My Bloody Valentine/Lush/Slowdive lovers.

The History Of Apple Pie – “Mallory” from stereogum on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Gung HoTwin Rays
Tá ae o som do verão que eu estava esperando. O single Twin Rays foi lançado em agosto pela banda australiana Gung Ho. Surf music lo-fi, com guitarra esperta e vocal manero. Summer feelings NOW! Ouça Twin Rays abaixo e outras faixas (mais rock, menos surf; meio Rapture, meio Gang of Four) aqui.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

LautmusikMai
A banda Lautmusik, um dos grupos gaúchos preferidos do Volume, lançou o clipe da música Mai, do primeiro álbum da banda, gravado em 2011 com produção de Eduardo Suwa e masterizado na Flórida no Black Dog Studio. A letra da música é em alemão, mas o destaque vai mesmo pras linhas de guitarra, no limite entre pós-punk e shoegaze. A ótima Bury my Heart in Warsaw você escutou no Disco Virtual Volume # 1. Veja o clipe de Mai abaixo:

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

S.C.U.M.Faith Unfolds
E se o revival pós-punk não é novidade há anos, essa mistura de Joy Division, Bauhaus, Echo and the Bunnymen, Jesus and Mary Chain e Nick Cave proposta pela banda S.C.U.M., que você conheceu nas Tracks #13, surpreende. No post anterior, você escutou Whitechapel (e viu aquele clipe incrível). Agora, eles voltam com o vídeo de Faith Unfolds. O clipe é bem mais simples do que o anterior, mas a música é boa igual. Play it loud!

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Tom WaitsSatisfied
Jesse Dylan, filho de Bob, filmou Tom Waits no clipe de Satisfied, na qual ele cita Mick Jagger e Keith Richards. Não preciso dizer mais nada…

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Mister HeavenlyBronx Sniper
O clipe WTF da semana vai para Bronx Sniper, do Mister Heavenly. Som foda, clipe bizarro! Ah, cadê minha jaqueta manwolfs???

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Cold SpecksLay Me Down
A voz rascante de Cold Specks reforça sua postura de intérprete arrojada. Blues dolorido e intenso, mas belo e livre de convenções.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Pyyramids – EP Human Beings
Se o astral caiu com a sofrida canção de Cold Specks, dá o play no EP Human Beings, da banda Pyyramids. Rockinho new wave, com beats assinados por Tim Nordwind, do OK Go (que vem ao Brasil em novembro/dezembro). Não vai mudar a vida de ninguém, mas se você é sound addicted vale escutar as faixas, ou pelo menos Animal.

Human Beings by PYYRAMIDS

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Zola JesusVessel
O single Vessel, da cantora Zola Jesus, você ouviu primeiro nas Tracks #3. Nesta música, Zola parece Siouxsie Sioux cantando trip hop etéreo e sombrio. Agora, saiu o clipe da música. É um lance telúrico.

ZOLA JESUS “VESSEL” MUSIC VIDEO from FUTURE PRIMITIVE FILMS on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

O F F LOVEClose to u, I’m not
Fogpop, slow beats, electro r&b, downtempo e similares me interessam. MUITO. Você sabe… sensações. Em Close to u, I’m not, assim como no EP Disenchanted Fairytale, lançado em fevereiro, O F F LOVE se aproxima da desconstrução eletrônica cool de James Blake. Escute também o EP de remixes Let Us Know A Secret, neste link.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

JontiHornets Nest
Experimentações eletrônicas retrôs, da linha Stereolab e Looper.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Glass CandyWarm In The Winter
Vintage video para vintage synths.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Omar SWho’s in Key
Sin-te-ti-za-dor e early digital graphics. Pra você que ama 8-bit!

Omar S – Who’s In Key (Scion AV) from Scion A/V on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Bloquinho remix

King Midas SoundOne Ting (Dabyre Rework)
Vale ouro esse electro dub de clima lisérgico criado por Dabyre para a música One Ting, de King Midas Sound. Baixo quente, sexy synths, vibe disco 2000.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

CFCFIt was Never Meant to be (Games Remix)
Like we were in 82.

CFCF – It was Never Meant to be (Games Remix) from Franck Deron on Vimeo.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Factory FloorTwo Different Ways
Like we were in 92.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Tom VekSomeone Loves You (Teen Dream Remix)
Like we were in 2002.

¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

Star EyesThe Night (Deathface Remix)
Like we were in 2012.


¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨¨

#ficadica @MarcosTesser

A dica da semana é o clip do segundo single de La Liberación, terceiro álbum de estúdio do CSS. Com referências tarantinescas, clima oitentista e uma estética pop cheia de clichês deliciosos, Lovefoxxx protagoniza a história literal da música num clipe bem produzido, ambientado numa NY de 1985. Cody Critcheloe, vocalista da Ssion, participa do vídeo em estado espiritual guiando a heroína na sua busca pelo hedonismo na cidade grande, onde “nothing hurts”.


> Tracks #1
> Tracks #2
> Tracks #3
> Tracks #4
> Tracks #5
> Tracks #6
> Tracks #7

> Tracks #8
> Tracks #9
> Tracks #10
> Tracks #11
> Tracks #12
> Tracks #13
> Tracks #14
> Tracks #15
> Tracks #16
> Tracks #17
> Tracks #18
> Tracks #19

Tracks Volume #9

12 de agosto de 2011 0

No CeremonyHurtlove
Coisa boa a música Hurtlove, da banda No Ceremony. Vintage electronic cool temperado com piano e vocal gélido, mas meigo, com um leve e elegante efeito vocoder. A banda é novíssima. Ainda não há muitas informações sobre eles. Mas o som é bom pra quem curte experimentações na linha de Ladytron, Stereolab, Stereo Total, Avalanches, Air France, Pepe Deluxé, Cut Copy, Fantastic Plastic Machine. Eu tô viciado! A faixa tá no repeat há dias! Ouça já abaixo ou no site!

SuperHeavyMiracle Worker
Good vibrations multiculturais no primeiro clipe da banda SuperHeavy, formada por Mick Jagger, Joss Stone, Damian Marley, A. R. Rahman, Dave Stewart (do Eurythmics) e outros. A música é boa, mas o vídeo é muito fake. Muita produção impecável, muito filtro nas imagens, muita cor em cenários e figurinos, muito gente com muito estilo. Enfim, tudo muito plástico. O lance só fica um pouco mais verdadeiro ao final, quando tudo vira um show com captação de som ao vivo (ao menos parece… dá pra sentir uma alteração no áudio). O álbum homônimo sai no dia 19 de setembro.

Sigur RósInni
A banda pós-rock experimental/espacial/boreal prepara sua volta após o disco Með suð í eyrum við spilum endalaust (ou Med Sud I Eyrum Vid Spilum Endalaust), de 2008 . O vídeo Inni, postado no site do grupo islandês, mostra cenas de show, ruídos e música, hããã, incidental. Ainda não se sabe detalhes sobre o novo disco, ou mesmo se o material será um concert movie, doc ou DVD simples. Vamos aguardar… E quem lembra da incrível apresentação deles no Free Jazz Festival em 2001 (que também teve os ótimos Aphex Twin, Grandaddy, Belle & Sebastian e Roni Size & Reprazent), durante a turnê do álbum Ágætis Byrjun? Eu lembro! MUITO!


FeistHow Come You Never Go There
Acaba de sair a nova música da cantora Feist, How Come You Never Go There. A balada doce, com vocal aquecido, tem aura soul lo-fi delimitada por piano e guitarra. Uma delícia. O novo disco, Metals, sai dia 04 de outubro. Feist foi destaque das Tracks #6, quando ela liberou o primeiro de uma série de teasers que já estão sendo lançados no www.listentofeist.com e no canal FeistMusic do Youtube.


HellaYubacore
A banda californiana de noise rock Hella, do guitarrista Spencer Seim e do baterista Zach Hill, aposta tudo no caos sonoro com melodia. É um lance artsy mesmo. Dá um nervoso, mas é legal. Proibido para virgens em Lados B. O novo disco, Tripper, sai dia 20/08.


The NationalExile, Vilify
O Portal 2 fez um concurso de vídeos para a música Exile, Vilify, do National. A banda escolheu como vencedor o clipe abaixo. Muito bem filmado. And very sad. Perfeito pra música.


Alex WinstonVelvet Elvis
Lembra da música Velvet Elvis, de Alex Winston, destaque das Tracks #6? Naquela época só tinha um mp3 e um vídeo tosco ao vivo. O clipe saiu agora.


JusticeAudio, Video, Disco
O duo francês anunciou que o novo álbum, Audio, Video, Disco, sai dia 25 de outubro. Será o segundo registro de inéditas depois da estreia forte com . Xavier de Rosnay, parceiro de Gaspard Augé, disse que o material será “progressivo em proporções aceitáveis”. Menos mau. Progressivo é um saco! Participações: Ali Love, Morgan Phalen e Vincenzi Vendetta (todos nos vocais). O ótimo vídeo do single Civilization você viu aqui em maio.

The Sorry ShopThank You Come Again
Lembra de The Sorry Shop, a banda gaúcha que você ouviu primeiro nas Tracks #5? Eles acabaram de liberar o streaming e o download do EP Thank You Come Again. Indie rock com um pé no shoegaze e outro no dreampop. Não perde tempo e dá play ae!

Thank You Come Again by The Sorry Shop


A partir de hoje, o super @MarcosTesser, da área de marketing das rádios do Grupo RBS, começa a participar das Tracks do Volume. #ficaadica dele!

Flight FacilitiesForeign Language

O Flight Facilities é daquelas bandas que preferem permanecer anônimas e ainda confundem a galera afirmando no Facebook e MySpace que são de Trindade e Tobago. Mas a gente sabe que é uma dupla da Austrália. Os caras estrearam ano passado com o hit Crave You, considerado por vários blogs uma das mais dançantes músicas indies de 2010. Agora, eles chamaram a conterrânea Jess Higgs para lançar seu segundo single, a deliciosa Foreign Language. O clip, que é feito de cenas do filme Roller Boogie (1979), é puro groove anos 70. Uma disco music com roupagem super moderna, cheia de ginga, com vocais aveludados e dançantes.


Lazy KissFesta NEON
O duo Lazy Kiss, formado no começo do ano em Porto Alegre por Marco Kothe e Pedro Floriani, faz releituras variadas em minimal, soul, disco, italo house, house music, indie e rock para faixas de outros artistas. Eles farão seu primeiro live act na festa NEON, do Lucio Kahara e do Gabriel Cevallos, dia 13 de agosto, no Cabaret, em POA. Ingressos a R$ 25,00 ou R$ 15,00 com nome na lista até a 1h. Escute a versão deles para Twilight Galaxy, do Metric, abaixo e ouça mais no SoundCloud.

Lazy Kiss – Twilight Galaxy by Lazy Kiss

E o Lucio deu a letra: a NEON selecionou o produtor e DJ Munk (o cara por trás da Gomma Records) para ser um dos cinco participantes do concurso organizado pelo Goethe Institut, o Vote Festa. Se você está em Porto Alegre, Curitiba ou São Paulo e quer ver Munk na sua cidade, vote nele neste link. Conheça Munk abaixo:

Munk “Mis Labios” (OFFICIAL VIDEO) from Leroy Hanghofer on Vimeo.

> Tracks #1
> Tracks #2
> Tracks #3
> Tracks #4
> Tracks #5
> Tracks #6
> Tracks #7

> Tracks #8

<!–[if !mso]>










Liam Gallagher produzirá filme sobre os Beatles

12 de maio de 2010 1

Oasis no show em Porto Alegre em 2009/Diego Vara

A produtora In 1 Productions, de Liam Gallagher, anunciou que está elaborando um documentário sobre os últimos anos dos Beatles antes da separação em 1970. O filme será baseado no livro The Longest Cocktail Party: An Insider`s Diary Of The Beatles, Their Million Dollar Apple Empire And Its Wild Rise And Fall, de Richard DiLello, publicado em 1972. Um porta-voz da produtora avisou que o doc terá humor e será uma visão sobre negócios de música, celebridades e o fim da swinging London dos anos 60.

DiLello foi funcionário da Apple Records, a gravadora fundada pelo quarteto em 1968. O filme de Liam se passará entre 1967 e 1970 e deverá contar detalhes sobre os problemas pessoais e financeiros enfrentados por John Lennon, Paul McCartney, George Harrison e Ringo Starr.

Liam ainda estaria procurando um diretor e um roteirista para o longa. A escolha do elenco será feita após a definição do roteiro. A In 1 Productions e a parceira Revolution Films apresentarão o projeto oficialmente no Festival de Cinema de Cannes, que rola entre 12 e 23 de maio.

Com isso, o roqueiro amplia seu escopo de atuação: além da música, ele já atua com moda e com provocações em geral.

Zumbis

Ontem, foi anunciado que em breve será lançado um filme baseado no livro Paul is undead, de Alan Goldsher, no qual os Beatles são zumbis. Na história, Lennon criança é transformado em zumbi e, 15 anos depois, mata e transforma Paul, Ringo e George.

O quarteto comerá cérebros dos fãs pelo mundo, combaterá a ninja Yoko Ono e será perseguido pelo caçador de zumbis Mick Jagger. O projeto é da produtora Doublé Feature.

>>>>> Oasis fazia show em Porto Alegre há exatamente um ano
>>>>> Músicas do Oasis são eleitas as 3 melhores do Reino Unido

>>>>> Mais Oasis

Postado por Danilo Fantinel

Documentário proibido sobre Stones vaza na rede

21 de agosto de 2009 14

Mick Jagger e Keith Richards/Reprodução, Robert Frank
O polêmico documentário Cocksucker Blues, gravado durante a turnê de 1972 dos Rolling Stones pelos Estados Unidos, vazou na internet nesta quarta, mas já foi removido da rede.

A exibição em larga escala do filme de Robert Frank havia sido proibida pela banda por mostrar os músicos consumindo drogas (e não apenas isso) no backstage dos shows. Há anos, os Stones conseguiram na Justiça uma liminar que determinava a projeção do doc em público apenas com a presença do diretor.

No entanto, o Flavorwire divulgou fotos e o link dos vídeos, que foram publicados pelo site Wat. O problema é que as imagens já foram deletadas. Perdi!

O guitarrista Keith Richards já havia dito que se alguém visse o filme nos Estados Unidos eles nunca mais poderiam entrar no país…

>>>>> Livro de fotos revela Rolling Stones em 1965

Postado por Danilo Fantinel

Livro de fotos revela Rolling Stones em 1965

20 de junho de 2009 3

Mick Jagger em seu apartamento próximo à Oxford Street/Reprodução, Rolling Stones - O Começo

A editora Larousse lançou no Brasil o livro Rolling Stones – O Começo, em que Bent Rej registra a banda em 1965, ano em que os ingleses gravaram Satisfaction, conquistaram fama mundial, ficaram ricos, compraram carros de luxo e também suas primeiras casas.

Naquele ano, o fotógrafo dinamarquês clicou os Rolling Stones durante os shows e nos bastidores de apresentações em Copenhague, e também retratou os músicos em Londres, onde exibiram suas residências.

Em entrevista à Folha de S.Paulo, Rej, hoje com 68 anos, contou que “mostrá-los como pessoas normais foi algo inédito na época” já que “roqueiros eram como deuses e sua vida privada era secreta”.

Eu até hoje não sei como eles me deixaram fazê-lo – disse Rej na entrevista em que ele também comenta sua amizade com os músicos (especialmente com Brian Jones) e seus encontros com Paul McCartney, George Harrison e Eric Burdon (cantor do The Animals).

 

 

Entre outras coisas, o fotógrafo contou que Keith Richards não tinha casa.

– Ele morava com os pais. Então, reservamos uma suíte no Hilton Hyde Park e fingimos que ele vivia ali. Ele gostou tanto que resolveu ficar. E morou lá alguns meses, o que fez nossa história virar autêntica!

Postado por Danilo Fantinel

12 casais inesquecíveis da música internacional

12 de junho de 2009 37

A influência que músicos sofrem de seus pares costuma ser determinante não só na vida pessoal de cada um, mas também na produção artística deles. Muitas vezes, as esferas amorosas e afetivas colidem com a profissional, causando desdobramentos imprevisíveis. Nesse Dia dos Namorados, confira 12 casais inesquecíveis da música pop internacional e algumas de suas histórias.

John Lennon e Yoko Ono – o eterno casal da música 

John conheceu Yoko em Londres em 1966. Dois anos depois, começaram um relacionamento amoroso. Na época, John era casado com Cynthia Powell (com quem teve um filho, Julian Lennon). Ela pediu o divórcio. Assim, artista plástica japonesa passa a ocupar um maior espaço na vida do músico, apesar da desaprovação dos Beatles e dos fãs. O casamento ocorre em 1969. Em 1970, a banda chega ao fim e John parte para a carreira solo. A relação dele com Yoko torna-se mais forte, apesar de muitos a verem como manipuladora, aproveitadora e causa principal da separação da banda. Yoko chega a participar de alguns álbuns de John. 

Com o tempo, os ideais pacíficos e o ativismo contra a Guerra do Vietnã tornam-se ainda mais presentes na pauta do casal. Porém, os dois se separam em 1973, pouco antes do lançamento de Mind Games. Ele vai morar em Los Angeles. Sean Lennon nasce em 1975, após a volta do casal. Ele deixa a carreira de lado por um tempo para dedicar-se ao filho e volta aos estúdios apenas em 1980, para gravar um novo álbum, Double Fantasy. Porém, John é assassinado em Nova York em 8 de dezembro daquele ano, por Mark David Chapman, em frente ao Dakota, na West 72nd St em NY.

Paul McCartney e Linda – amor, meu grande amor 

Paul conheceu Linda Eastman, fotógrafa norte-americana, antes do fim de seu noivado com Jane Asher, em 1967. Ela estava em Londres para fotografar músicos ingleses ligados à “swinging London”. O casamento ocorreu em março de 1969. Tiveram teve três filhos: Mary (em 1969), Stella (1971) e James (1977). Após a separação dos Beatles, Linda passou a tocar com Paul. Ela morreu de câncer em 1998.

Keith Richards e Anita Pallenberg – sexo, drogas e rock’n’roll 

 

A atriz e modelo Anita Pallenberg passou de mão em mão entre os Rolling Stones. Namorou Brian Jones, casou-se e teve filhos com Keith Richards e teve um rolo com Mick Jagger. Com Keith, os casos de abuso de drogas não foram poucos. Por vezes, ela turbinava as bebidas dele com Valium. Durante uma fase pesada dos dois, o guitarrista comprou uma casa na Jamaica. Diz a lenda que eles mantinham um grande suprimento de drogas por lá. Quando Keith estava fora do país, os vizinhos chamaram a polícia. Anita foi presa por porte ilegal de drogas. Na prisão, teria sido espancada e abusada por presos e policiais. Com Keith, Anita teve três filhos: Marlon, Dandelion e Tara, que morreu dias após o nascimento. A separação deles ocorreria em 1979, após a morte de um cara de 17 anos na cama dela em um apartamento que era de Keith.

Kurt e Courtney – “stress, depressão e síndrome do pânico” 

 

A relação entre Kurt Cobain e Courtney Love foi vulcânica. Courtney viu Kurt tocar pela primeira vez em 1989, em Portland, mas eles foram propriamente apresentados apenas em 1991, em Los Angeles. O casamento ocorreu em fevereiro de 1992, em Waikiki Beach, Hawaii. Os dois já eram viciados em heroína. Em entrevista à revista Sassy, Kurt comentou sua felicidade e o profundo amor que experimentava na época. A filha deles, Frances Bean Cobain, nasceu em agosto daquele ano. Courtney não era bem vista pelos fãs do Nirvana. Muitos acreditavam que ela se aproveitava dele para ficar famosa. As comparações com Lennon e Yoko eram constantes. Há quem até diga que Live Through This, o disco de estreia da banda de Courtney, Hole, foi composto por Kurt. Não há provas disso. 

Em entrevista à Vanity Fair, Courtney disse que usou heroína durante a gravidez. O escândalo levou a Justiça a determinar que Frances deveria ficar com a irmã de Courtney por semanas. A bebê voltou a eles mais tarde. Na época, Kurt chega a processar um jornal inglês que publicou que a menina teria nascido viciada em heroína. Durante uma discussão, em agosto de 93, Kurt enche Courtney de pancadas. Ela vai à polícia, que acha diversas armas na casa do casal. A queixa é retirada. Com o passar do tempo, o uso de heroína pelo casal se torna excessivo. Houve overdoses e internações.

Em março de 94, Kurt entra em coma depois de ingerir altas doses do calmante Rohypnol com champanhe. Os shows da turnê européia que o Nirvana faria são cancelados. Em abril de 94, o fim do Nirvana é anunciado. Chris Novoselic e Dave Grohl dizem que só voltam depois de Kurt se livrar das drogas. Kurt foi encontrado morto em uma casa em 8 de abril de 1994. Um bilhete atribuído a ele foi deixado para Courtney, explicando o suposto suicídio. Acredita-se que Kurt se matou, mas o caso é um mistério até hoje. Há quem acredite que ele foi morto a mando de Courtney – incluindo o pai dela – mas isso nunca foi provado.

Serge Gainsbourg e Jane Birkin – “Eu te amo você, já não dá prá esconder, essa paixão”

 

A carreira de Jane começou na “swinging London”, nos anos 60, quando atuava como modelo. Ela foi convidada para participar de Blow-up (1966), de Michelangelo Antonioni, e tornou-se a primeira atriz a fazer nu frontal em um filme não-erótico. Em 1969, já casada com Gainsbourg, gravou o dueto Je t’aime… Moi non plus, que escandalizou conservadores devido à clara alusão ao sexo. A música foi proibida em diversas rádios, mas acabou fazendo sucesso. Depois, eles lançaram mais dois discos em parceria, fizeram filmes e estrelaram campanhas publicitárias. O casal se divorciou em 1980, mas a amizade perdurou até a morte de Gainsbourg, em 1991. Ainda hoje, Jane canta sucessos dele. A filha do casal, Charlotte Gainsbourg também é cantora.

Phil Spector e Ronnie Spector – neurose, psicose e outros distúrbios 

 

O casamento maluco entre o produtor musical (recentemente condenado a 19 anos de prisão pelo assassinato da atriz Lana Clarkson) e a cantora líder das Ronettes, entre 1968 e 1974, foi um show de horrores. Entre muitas histórias malucas, uma das mais trash é a prisão dela na mansão dele por meses. Ronnie só conseguiu fugir com ajuda da mãe. Depois da separação e de um embate legal, Phil pagou a ela US$ 2,6 milhões em royalties, mas conseguiu manter os direitos sobre as músicas e a proibição de ela regravar as canções do trio.

Mark Smith e Brix Smith – odeio te amar 

 

Mark e Brix se conheceram em um restaurante em abril de 1983. Em setembro, estavam casados e tocando na mesma banda: The Fall. O casamento acabou em 1989, quando ela deixou o grupo. Mais tarde, Mark disse que se irritava com a mania de Brix de dizer que todas as ideias da banda eram dela. Brix voltou para o Fall em 1994, mas saiu novamente em 1996. Brigas entre os dois nunca faltaram. Ela deixou a música de vez para dedicar à moda. Mark segue com a banda.

Ike e Tina – entre tapas e beijos 

 

O casal trilhou um caminho tortuoso (e revoltante) repleto de crises, sexo, drogas, violência, despotismo, paranóia, abuso físico e emocional. Entre 1960 e 1970, Ike e Tina atingiram o sucesso e encararam o fracasso. Com o tempo, Ike passou a desenvolver seu perfil dominador. Comandava a banda, era diretor de palco, produtor do grupo, empresário de todos. Passou a consumir bebidas e drogas em excesso e se tornou ainda mais agressivo. Foi deixado pelos músicos. Tina era freqüentemente agredida por Ike, que a acusava pelo fracasso de suas músicas no final da carreira. A separação ocorreu após 18 anos de casamento. Tina partiu para uma carreira solo ainda mais consistente.

Sid e Nancy – tragédia passional? 

Sid Vicious e Nancy Spungen. O romance mais trágico e a tragédia mais romântica do rock. Após se conhecerem em 1977, Sid adquiriu o vício de Nancy em heroína. O namoro explosivo foi marcado por brigas, abuso de drogas e pela dominação que ela exercia sobre ele. Nancy foi encontrada morta a facadas em outubro de 1978 no hotel Chelsea, em Nova York. Sid foi acusado pelo assassinato e acabou preso. Há outras versões para a morte de Nancy, como a que envolve um traficante. Sid teve uma overdose fatal de heroína em fevereiro de 1979 em uma festa organizada pela mãe após sua libertação de uma outra prisão (ele havia sido detido por briga com Todd Smith, irmão de Patti Smith). Há rumores de que ele tenha se matado por não conseguir viver sem Nancy.

Fred `Sonic` Smith e Patti Smith – “amor, sublime amor” 

 

A eterna musa punk Patti Smith conheceu Fred “Sonic” Smith, guitarrista do MC5, em uma festa em Detroit durante a turnê do disco Radio Ethiopia (1976). Os dois se casaram em 1980. Em 1988, lançaram o álbum Dream of Life, que tem a clássica People Have the Power. Dream of Life também é o nome do documentário sobre Patti dirigido em 2008 por Steven Sebring. A revista Mojo relacionou o título do álbum e do filme aos trágicos anos pelos quais Patti passou entre 1989 e 1994, quanto a poetisa do rock perdeu em curto espaço de tempo não apenas Fred, mas também seus grandes amigos e colaboradores Richard Sohl (pianista) e Robert Mapplethorpe (fotógrafo), além de seu irmão Todd. Patti é a legítima Dama de Ferro.

Andy Williams e Claudine Longet – o caso da viúva negra 

 

A história deles é quase um romance noir. Em 1960, a cantora francesa Claudine Longet, então com 18 anos, dirigia seu carro no deserto de Las Vegas quando teve problemas mecânicos. Andy Williams, 36, parou e ofereceu ajuda. O casamento entre os dois ocorreu em 1961. A carreira deles, calcada em easy listening, 60’s pop e soft rock, teve um impulso na época. O divórcio saiu em 1975. Um ano depois, Longet foi presa acusada de matar seu novo namorado, o esquiador Vladimir “Spider” Sabich, em Aspen. Ela foi condenada a apenas 30 dias de prisão, por “negligência”. Depois de liberada, casou com seu advogado de defesa, Ron Austin. Ainda viva, aparece em público raramente. Andy Williams também está vivo.

Thurston Moore e Kim Gordon – rock me, babe! 

 

Juntos desde 1980, os dois são o coração do Sonic Youth e a alma do underground norte-americano. Thurston já disse que é o homem mais sortudo do mundo por ter Kim ao seu lado. Alguém duvida? Que vivam felizes para sempre.

Prefere outro casal? Qual?

Postado por Danilo Fantinel

Livro de fã avalia trajetória dos Rolling Stones

11 de abril de 2009 2

Reprodução, New York Times

Assistir a um ensaio dos Rolling Stones no qual a música não é o mais curioso, e sim uma “disputa de flatulência” entre Keith Richards e Ron Wood, ou testemunhar a banda destruindo troféus do Hall da Fama do Rock e jogando os pedaços uns nos outros. Esses flagras da intimidade dos músicos foram presenciadas por um persistente fã americano da banda, Bill German, hoje com 47 anos. Viciado nos Stones desde criança, German lançou este ano um livro dedicado a seus ídolos.

Under Their Thumb – How a Nice Boy From Brooklyn Got Mixed Up With the Rolling Stones (and Lived to Tell About It) – “Sob o controle deles – Como um garoto legal do Brooklyn se entrosou com os Stones e viveu para contar sobre isso” – conta o empenho de German em perseguir o grupo em festas, shows e hotéis de luxo e publicar um folheto informativo sobre a banda por décadas sem ganhar um pila por isso. 

Segundo a resenha do New York Times, a obra é uma história sobre “reter a fé e manter uma chama ardendo com discos ruins e discussões da banda e até descobrir que seus heróis não são deuses dourados, mas pessoas reais”.

Sobre seus ídolos, o fã retrata histórias e detalhes que compõem a personalidade dos músicos mais ou menos como o grande público os imagina. Mick Jagger é ditatorial, Keith Richards é “louco e pé-no-chão”, Charlie Watts é mais reservado e Ron Wood seria inseguro e age como “o novo integrante” da banda.

Mais: o blog Stones Planet Brasil cita outras revelações interessantes do livro, como a de que o apelido de Mick Jagger era “Brenda”. Os outros músicos usavam isso quando queriam falar mal de Mick (Keith teve a ideia quando viu um livro de uma autora chamada Brenda Jagger).

O título da obra se refere a uma canção de 1966, “Under my thumb”, e ainda não tem previsão de lançamento traduzido no Brasil.

Postado por Camila Saccomori