Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts com a tag "arte"

Shepard Fairey recria logo dos Rolling Stones para marcar os 50 anos da banda

28 de junho de 2012 2

Os Rolling Stones divulgaram uma versão atualizada de seu logotipo oficial para marcar os 50 anos da banda. A marca foi recriada pelo artista Shepard Fairey, um dos mais conhecidos nomes da arte de rua.

Fairey, que começou a ganhar reconhecimento em 1990 com a série de stickers Andre the Giant e com as posteriores gravuras e roupas OBEY, ficou mundialmente famoso em 2008 com o cartaz de Barack Obama em azul e vermelho com os dizeres “Hope” e “Progress”. Controverso, o artista é celebrado por ser ativista da guerrilha cultural e, ao mesmo tempo, criticado por novos street artists por ser um mercantilista das artes. Essa dualidade é comentada no seu livro – altamente recomendável – Supply & Demand.

No caso dos Stones, Fairey não modificou a figura dos lábios e da língua. Apenas repaginou a marca da banda. A imagem foi criada em 1970 pelo estudante John Pasche depois que os Stones desaprovaram todas as imagens criadas pelo então selo do grupo, Decca. O logo foi usado pela primeira vez no álbum Sticky Fingers, um anos depois. Em 2008, a ilustração original virou peça de museu ao ser adquirida pelo Victoria and Albert Museum, de Londres. Leia sobre isso neste link.

Uma exposição fotográfica dedicada à história dos Stones será inaugurada no dia 13 de julho na Somerset House, na capital inglesa.

>>>>> Mais Rolling Stones

Projeto Kino Beat apresenta live act sobre Glauber Rocha em POA

23 de maio de 2012 0

O projeto Kino Beat ao Vivo apresenta a perfomance Kynorama Glauber Machine neste sábado em Porto Alegre. O live act audiovisual realizado pelo filho de Glauber Rocha, Pedro Paulo Rocha, em parceria com o coletivo paulista de arte Afactory Transmidia verte para o mundo eletrônico parte da obra do cineasta a partir de cenas e sons de seus filmes.

Além dos fragmentos dos longas de Glauber, também fazem parte do projeto textos, poemas, sobras de filmagens e roteiros inéditos do cineasta. Pedro manipula as imagens ao vivo enquanto Fernando Falcoski e Caleb Mascarenhas, do Transmidia, executam o som ao vivo. Após a apresentação, Pedro fará uma explanação com debate sobre a obra e o legado de Glauber Rocha.

O Kino Beat ao Vivo é um desdobramento da Mostra Kino Beat, o festival com curadoria de Gabriel Cevallos que trouxe à Capital gaúcha vários filmes relacionadas à música eletrônica em 2009 (leia aqui). O Kino Beat ao Vivo também tem produção e curadoria de Cevallos e vai rolar ao longo do ano com apresentações regulares e itinerantes.

Serviço:
Kino Beat ao Vivo
26/05, às 17h
Sala P.F Gastal da Usina do Gasômetro
Porto Alegre
Entrada Franca
> Saiba mais sobre o Kino Beat ao Vivo

Sónar São Paulo 2012 terá transmissão ao vivo

09 de maio de 2012 0

O Youtube e a MTV transmitirá ao vivo os principais shows do Sónar São Paulo 2012 neste final de semana, nos dias 11 e 12 de maio. Oba! A edição paulista é a maior realizada fora da Espanha, com 48 artistas, sala de cinema e debates sobre arte e tecnologia.

A etapa brasileira desse que é um dos principais eventos de música do mundo terá shows de Kraftwerk (substituindo Björk), Cee Lo Green, Justice, Chromeo, Mogwai, James Blake, Squarepusher, Modeselektor, Jeff Mills, Four Tet, Austra, Flying Lotus, além dos brasileiros Gui Boratto, Marky, Patife, Criolo, Emicida, The Twelves, Zegon, M.Takara e do meu amigo Tahira, entre outros.

O lance rola na TV e no site. No dia 11, terá início às 19h. No dia 12, a programação começa às 16h. Saiba mais no site oficial. E a MTV tá fazendo um aquece. Veja aqui.

Show do Pearl Jam em Porto Alegre foi rock em estado de arte

12 de novembro de 2011 40

Atualizado dia 14.11, 12h

Fotos: Jean Schwarz


O show do Pearl Jam Porto Alegre ontem, 11.11.11, foi um espetáculo de rock em estado de arte. Uma das bandas mais coesas do mundo, o grupo de Seattle encerrou a turnê brasileira repassando boa parte de seu repertório de 20 anos de estrada em aproximadamente 2h40min de música – o show mais extenso do giro nacional.

Como se dissesse que não queria ir embora do Brasil, o Pearl Jam abriu a noite com Why Go. E, sabendo que não poderia ficar, encerrou o segundo e último bis com Yellow Ledbetter e seu refrão “I don’t wanna stay”.

Entre o início e o final, a banda apresentou um setlist gigante no Estádio do Zequinha, abrangendo as diversas fases pelas quais os músicos passaram. Assim como a longa discografia, a lista de músicas transitou entre rock puro, grunge, hardcore, hard rock, metal, punk e baladas pop, com mais ou menos intensidade.

Durante todo o show, a banda se entregou ao público sem amarras, mas também sem exageros. Discretos, focados na música e na parceria com os cerca de 20 mil fãs, os caras mostraram que rock’n’roll se faz mais com guitarras, baixo e bateria do que com estrelismo vazio de rock star. It’s all about music, it’s all about art.

Houve momentos grandiosos, como a interpretação visceral na voz rouca de Eddie Vedder, os solos de guitarra verborrágicos de Mike McCready (no melhor estilo Neil Young/Jimmy Page, como em Alive, já no fim do show) e a bateria marcante de Matt Cameron.

Também houve tempo para intervenções de Eddie em um português cômico e adorável, parabéns coletivo a sua mulher, Jill, que estava de aniversário ontem, homenagem à Johnny Ramone, fãs no palco e a tradicional louvação ao público brasileiro: “Este é o nosso último show no Brasil. Foram shows incríveis. Agora vamos lembrar que o público brasileiro é o melhor do mundo”.

Entre os muitos pontos altos da apresentação estiveram Do the Evolution, Got Some, Even Flow, Black, Daughter, Just Breathe, The Fixer, Oceans (de arrepiar), Given to Fly, Light Years, Better Man, Wishlist, I Belive in Miracles (cover dos Ramones), e a parte final com Rearview Mirror (totalmente inesquecível), Last Kiss, Jeremy, Alive, Rockin’ in the Free World (cover da obra de arte de Neil Young) e Indifference. Resultado? Galera vibrando, braços ao alto e garganta ardendo!

Seis anos após sua primeira passagem por Porto Alegre, o Pearl Jam fez indiscutivelmente um dos shows do ano na cidade. Uma noite rock histórica neste histórico 11.11.11. E a banda prometeu voltar em breve. Que seja no 12.12.12!

Setlist

Why Go

Do The Evolution

Severed Hand

Corduroy

Got Some

Low Light

Given To Fly

Elderly Woman Behind The Counter In A Small Town

Even Flow

Unthought Known

Present Tense

Daughter/Blitzkrieg Bog (cover dos Ramones)/It’s Okay

1/2 Full

Wishlist

Rats

State Of Love And Trust

Black


Bis 1

Just Breathe (para Jill)

Oceans

Comatose

Light Years

I Believe In Miracles (cover dos Ramones)

The Fixer

Rearviewmirror


Bis 2

Last Kiss (cover de Wayne Cochran)

Betterman/Save It For Later (cover de The English Beat)

Crazy Mary (cover de Victoria Williams)

Jeremy

Alive

Rockin’ In The Free World (cover de Neil Young)

Indifference

Yellow Ledbetter/Little Wing-Hendrix


> A imprensa foi proibida de gravar vídeos. Veja o show em POA no Youtube. Agora, o Pearl Jam segue para a Argentina, Chile, Peru, Costa Rica e México.

> Mais fotos do show em POA clicadas pelo Fábio Codevila

> Mais Pearl Jam

Projeto itinerante MCD LAB #3 mistura arte e música em POA

10 de agosto de 2011 0

O projeto itinerante de arte e música MCD LAB#3 – Fake Sunset será realizado em Porto Alegre de 14 de agosto a 11 de setembro na Galeria Fita Tape (José Bonifácio, 485, Bom Fim). A mostra conecta galerias de arte e artistas visuais nacionais e estrangeiros a um conceito clássico de endless summer: o pôr-do-sol, o mar e as palmeiras da Califórnia. O cenário está no imaginário coletivo e também estampado em fotos, filmes, vídeos, shapes e camisetas (eu mesmo tenho umas quatro assim).

A exposição começou no dia 30 de julho, na galeria LOGO, em São Paulo, exibindo 10 serigrafias exclusivas do evento criadas pelos artistas Sesper (SP), Lucas Cabu (SP), Fabio Bitão (SP), Talita Hoffmann (Porto Alegre), Anthony Nathan (Curitiba), Lucas Torres (Belo Horizonte), Alberto Monteiro (Rio de Janeiro), Aiyana Udesen (EUA), Matt Furie (EUA) e Jeremy Fish (EUA).

Em POA, a mostra terá presença da Talita, artista do naïf contemporâneo que vem ganhando destaque entre a novíssima geração. A abertura rola no próximo dia 14 a partir das 15h. Veja os detalhes da programação abaixo e leia uma entrevista com Talita no site oficial do evento.

Matt Furie joga Return of the Quack

Em SP, a mostra contou com duas performances de imagem e som: show do duo paulista Vallejo x Sunset, projeto musical lo-fi de guitarras e bases eletrônicas de Sesper e do beatmaker Slop, influenciado por sonoridades californianas (as composições foram criadas após viagem a San Francisco e Los Angeles em 2009), e discotecagem 80′s bizarra do artista Matt Furie (ouça aqui) com projeções do game Return of the Quack (jogue aqui).

Veja o clipe Sunset, de Vallejo x Sunset.


Programação

> São Paulo – 30 de julho – Galeria Logo


> Porto Alegre – 14 de agosto até 11 de setembro

Galeria Fita Tape (José Bonifácio, 485, Bom Fim)

Instalação de Talita Hoffmann, a partir das 15h

Horário: quarta à domingo, das 13h30 às 18h.


> Curitiba – 27 de Agosto – Galeria Lúdica

> Rio de Janeiro – 16 de Setembro – Homegrown

> Belo Horizonte – 8 de Outubro – Galeria Desvio

Obras de arte de Sid Vicious vão a leilão

08 de abril de 2011 0

Um livro com pinturas e desenhos assinados por Sid Vicious quando ele tinha entre 15 e 16 anos irá a leilão na próxima segunda-feira, em Londres. A obra editada pelo biógrafo Alan Parker exibe peças que não remetem ao imaginário punk.

As imagens são marcadas por um certo lirismo cru, como a que representa uma flor amarela, ou pelo surrealismo, como a de uma cabeça sobre pernas gigantes andando em um deserto. Outra exibe uma forma indefinida cercada por fungos, aranhas e cogumelos.

Além do livro, o Daily Mail publicou que também serão leiloados o último contrato assinado por Vicious, uma lista de canções que ele curtia (como Wild World, de Jimmy Cliff, Ride a White Swan, de T-Rex, e It’s Wonderful to be Loved by You, de Jimmy Ruffin), e uma corrente que ele costumava usar.

As obras pertencem ao acervo da mãe de Vicious, Ann Beverly, que morreu em 1996. O livro poderá atingir um lance de 4 mil libras (cerca de R$ 10,4 mil). O contrato pode ser leiloado por 3,5 mil libras (cerca de R$ 9 mil). As peças irão à venda na casas de leilões The Fame Bureau.

Sid Vicious ingressou nos Sex Pistols após a gravação do álbum Never Mind The Bollocks Here’s the Sex Pistols, em substituição ao baixista Glen Matlock. O ícone punk teria assassinado sua namorada, Nancy Spungen, com uma facada em 1978. Ele morreu de overdose de heroína um ano depois.

>>>>> Mais Sid Vicious

>>>>> Mais Sex Pistols

Who da fuck are you?

04 de novembro de 2010 0