Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts de novembro 2010

SÓ POR HOJE NÃO VOU MURMURAR NEM ME LAMENTAR

25 de novembro de 2010 2

Tem coisa mais chata do que uma pessoa que vive se lamuriando, queixando-se da vida, lamentando-se? Se para nós é chato, é perigoso para a pessoa lamurienta, porque lamúrias e lamentações criam um estado de espírito negativo. Murmurar gera desesperoressentimentos e  leva à autopiedade.

Já se deu conta de como tendemos a murmurar? Murmurar contra o tempo que não está do jeito que gostaríamos… Murmurar contra o caixa do banco que hoje está uma lesma e eu estou hiperapressada…

Murmurar contra a droga desta vida porque dá tudo errado comigo…

Não devemos murmurar contra nada nem contra ninguém. O murmúrio gera o ressentimento, a fraqueza, torna a pessoa melindrada, magoada por qualquer coisinha. Todo pequeno obstáculo já vira uma montanha de problemas. Um coração ressentido acaba por fazer uma tempestade em copo d’água por qualquer coisinha. Só de ouvir falar na possibilidade de um problema já se desespera.

É preciso dar-se conta da força que temos dentro de nós e não apenas ficar olhando para o tamanho do obstáculo. O ressentimento leva-nos sempre a essa atitude pessimista. Não vamos conseguir! Somos fracos! Eles são maiores do que eu! Tenho muitos problemas! Sou sempre a vítima!

Buscamos sempre nos comparar com quem está melhor do que nós e acabamos nos deprimindo.

Para evitarmos o murmúrio é preciso ter a força de vontade de jamais nos compararmos com qualquer outra pessoa.

O murmúrio gera os descontentes e frustrados, daqueles que se sentem de fora ou que se colocam de fora da festa da vida. Não vivem, ficam só murmurando e reclamando sem fazer nada para mudar as situações de que não gostam.

É preciso resistir ao hábito de lamuriar-se e murmurar contra os desafios que a vida nos apresenta.

Aceitar em paz a sua vida, as condições em que se encontra, perdoar sempre: aos outros, à vida, aos fatos, a si mesmo. E escolher não se magoar, escolher não se incomodar, escolher “levar numa boa”.

E reagir, enfrentar os desafios com confiança, mudar o que desagrada, porque ficar murmurando não leva à nada!

esperançaÉ preciso mudar o olhar: aprender a ter um coração agradecido. Aprender a dar valor ao que a vida lhe dá. E então a esperança voltará a brilhar e a alegria de viver despontará mais uma vez. Acredite!

Com disciplina e empenho acabamos conseguindo nos livrar das lamúrias. Que tal adotar o”só por hoje não vou murmurar nem me lamentar”? “A cada dia basta as suas preocupações”. Foi o Mestre quem ensinou.

DIÁRIO DE FÉRIAS

21 de novembro de 2010 3

As férias em família não decepcionaram. Corresponderam às expectativas.

praia de carneirosLindo lugar. Praias maravilhosas. Águas do mar de cor quase turquesa.

Muitos almoços de frutos do mar.

olinda

Passeio à Olinda e Recife. O Palácio do Bonecos gigantes que saem no carnaval de Recife.

Passeio à Praia de Maragogi em Alagoas.

Uma linda pousada à beira-mar.

Brincadeiras na piscina. A alegria da netinha brincando na água.

Passeios no calçadão de Porto de Galinhas quase todas as noites para experimentar restaurantes e visitar as lojinhas locais.

É, parece muito bom, não é mesmo?

palácio dos bonecos gigantes

piscina natural na praia de maragogiPOUSADA


E foi! Difícil foi voltar para o dia-a-dia e recomeçar a trabalhar muito, porque estamos no final do ano com as costumeiras correrias de encerramento de atividades, planejamento do próximo ano etc. etc. etc.

Agora as lembranças ajudam a querer mais e já estou sonhando com a próxima viagem em família.

NETA NA PISCINA

POPOUSADA MARAMBAIAUSADA MARAMBAIA

VIAJAR EM FAMÍLIA É TUDO DE BOM!

05 de novembro de 2010 1

Féria adiantadas! Que delícia!

Amanhã estaremos em Pernambuco, Porto de Galinhas, por sete dias todos muito bem aproveitados.

E o melhor? Vamos em família! E minha neta também vai.

Há a expectativa dos preparativos, que já é muito bom, não é?

E depois o evento em si, que é muito melhor, mas também a volta e a partilha com os amigos.

Será nossa experiência particular de Comer, rezar e amar.

Toda viagem é, por si só,  gastronômica, mas nossa fome por coisas diferentes atinge todas as áreas: do estômago ao espírito.

E uma paisagem tão linda nos leva a ficar em paz e alegria conosco, com os outros e com Deus.

Mesmo porque meu relacionamento com Deus já está tão incorporado em minha maneira de ser, que viaja comigo por onde eu for.

Só está faltando a última parte do livro. Se a autora encontrou um brasileiro em Bali, quem eu poderia encontrar em Porto de Galinhas? Um indiano? Um australiano? (Hum! A idéia deste último me remete aos romances lidos na adolescência, onde os melhores galãs eram australianos, espanhóis, escoceses…)

E agora fiquei deprimida, porque lembrei-me de que foi com  minha mãe que peguei o gosto de ler romances bem adocicados…

E isso me fez lembrar, com o dia de finados ainda tão próximo,  de que este vai ser o primeiro Natal sem ela e que a família está se programando de ir cada um para um lado no ano novo. Tristeza chegando a galope…

E a vida continua assim, como sempre, em altos e baixos: alegrias e tristezas se intercalando e preenchendo nossos dias de luzes e sombras.

Outro dia uma grande sombra encheu meu dia! A sorte que era uma quinta-feira, dia de cuidar da Ana Laura, minha neta,  à tarde e à noite.

E a sombra teve que ceder seu lugar à luz irradiada pela alegria e afeto vindos dela.

E pronto, já mando a tristeza embora e me concentro nas alegrias que virão nesta semana!

Que todas as vovós tenham mais luzes do que sombras em sua vida. Que sejam capazes de mandar suas tristezas embora e busquem os relacionamentos que trarão as luzes para a sua vida.