Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Francesa radicada em Floripa e consultora do Springboard Brasil, Corinne Giely-Eloi fala sobre a necessidade do empoderamento feminino nas organizações

17 de setembro de 2015 0

LIDE SC_Corinne Giely-Eloi (1)

Foto: Fernando Willadino, divulgação 

Consultora do Springboard no Brasil, programa de empoderamento feminino, a francesa radicada em Floripa Corinne Giely-Eloi é formada em Marketing Internacional e trabalhou por 20 anos em funções de destaque na França e na Inglaterra. Na terça, ela participou de um bate-papo realizado pelo Lide Mulher, falando para empresárias catarinenses sobre diversidade e igualdade de gênero nas organizações.

Que conselhos daria para as mulheres que querem alcançar cargos de gestão?
Primeiro, aprimorar sua assertividade para adquirir mais confiança em suas capacidades. Segundo, sair da zona de conforto superando seus limites, medos e ansiedades. Terceiro, identificar seus valores e prioridades e finalmente conseguir manter um equílibrio profissional e pessoal. Esse é o melhor coquetel para o sucesso!

 Em alguns países foi implementada aplicada uma cota mínima de mulheres nos conselhos/direções de empresas. Algumas empresárias, como Luiza Trajano, defendem a implantação da regra no Brasil. Você é a favor?
Apoio, com certeza! A política já atinge toda a Europa. É modificando as leis que os países conseguem fazer com que as empresas aumentem o número de mulheres em seus conselhos administrativos (CA). Esse intervencionismo pode incluir medidas disciplinares, como é o caso da França hoje. Um estudo do banco de investimentos Credit Suisse publicado em setembro de 2014 apontou que os benefícios das empresas crescem à medida que a diversidade dos CA aumenta.

 De que forma a sociedade pode colaborar para que haja mais mulheres nas mesas de decisão?
Começando em casa, valorizando o trabalho das mulheres, responsabilizando todos os membros da família com tarefas domésticas e, na mídia, respeitando a sua imagem. Todas essas pequenas ações estão ligadas a uma maior representação feminina em todos os setores e níveis de hierarquia.

Envie seu Comentário