Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Marcão e Romário

22 de fevereiro de 2008 5

Marcão e Romário: decisões opostas nos julgamentos?/Mauro Vieira e EFE
Lamentei esta semana que o STJD tivesse tido decisões opostas nos julgamentos de Marcão e Romário no caso %22remédio para cabelo%22, lembram?

Publico, a seguir, e-mail do advogado Norberto Flach que esclarece, definitivamente, a questão:

%22 Caro Wianey,

Com o interesse que sempre dedico aos teus escritos, li os comentários feitos na Zero Hora de hoje (21.02) sobre as decisões da Justiça Desportiva nos casos do Marcão e do Romário. Pois tendo sido o advogado que atuou na defesa do Marcão, a convite do Jurídico do Inter, nas pessoas dos Drs. Lopes e Daniel Cravo, gostaria de dividir contigo algumas questões.

Depois do julgamento do Marcão, em outubro do ano passado, houve uma mudança importante na lista das substâncias proibidas elaborada pela Associação Mundial Antidoping (WADA): algumas drogas freqüentemente encontradas em medicamentos comuns (como a finasterida, que os dois atletas tomavam para evitar a queda de cabelo) passaram a ter um tratamento diferenciado e menos rigoroso, permitindo-se aos atletas a oportunidade de tentar provar de que a sua utilização não tinha finalidade antidesportiva. Isso porque, no caso da finasterida, foram desenvolvidas análises laboratoriais mais precisas, capazes de apurar se ela foi usada junto com esteróides anabolizantes, para mascarar o uso destes, ou não. Posso te dizer, inclusive, que a adoção deste critério mais justo contou com a relevante participação do Dr. De Rose, que integra a WADA.

Esta mudança tem enormes conseqüências jurídicas, repercutindo diretamente nos processo de doping. No julgamento do Marcão, até tentamos trazer alguns argumentos jurídicos que iam nessa direção, mas como a mudança legal ainda não tinha se operado, foi difícil. E a composição do STJD, naquela ocasião, era diferente desta que julgou o Romário, notoriamente mais branda.

Sendo julgado em segunda instância agora, depois da entrada em vigor da nova lista, o Romário naturalmente se beneficiou disso. E para quem acompanhava de perto o assunto, não foi surpresa. No início de dezembro eu cheguei a dar entrevista para o Divino Fonseca, do Lance, antecipando que o Baixinho iria ser absolvido.

Encerrando: não quero aqui aliviar o critério de %27pesos e medidas%27 do STJD, que às vezes é bem controvertido, no que tens inteira razão. Mas penso que talvez não tenha havido parcialidade nestes casos do Marcão e do Romário.

Grande abraço,
NORBERTO FLACH%22

Tudo esclarecido. Melhor assim. É muito mais agradável saber que o STJD não foi parcial nos seus julgamentos. Muito obrigado, doutor Norberto Flach.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Comentários (5)

  • silvio jaime fernandes diz: 22 de fevereiro de 2008

    Eu fui um dos que criticaram a absolvição do Romário e a condenação do Marcão. Até afirmei que faltaram duas coisas para o Marcão ser absolvido:….chorar e pertencer à CBF. Visto a declaração do Sr. Norberto Flach, o quadro do julgamento é outro.As leis existem para serem cumpridas e foi o que aconteceu. Errei.

  • alcides diz: 22 de fevereiro de 2008

    O tempo dira se houve parcialidade ou não, mais caso de pessoas que estão perdendo o cabelo e fazem uso desse medicamento vão ter seus exames acusados esse tipo de substancia e como o Dr. diz não faz mais parte da lista de substancias condenadas ou dopantes, esses atletas não vão ser punidos.
    Vai ser assim Wianey, esperamos que assim seja.
    E o caso do piloto que acusou o uso de drogas ilicitas antes das corridas vai ser feita uma sindicancia pela policia federal, para comprovação desses fatos!

  • Alexandre Coelho Santos diz: 22 de fevereiro de 2008

    Oportuno e elucidativo o comentário informativo do colega Norberto Flach; inclusive, sugiro que ele peça a reprodução no site do Inter, porque a maioria colorada, com certeza, desconhece o fato.
    Alexandre Coelho Santos
    Advogado
    Ex Diretor Jurídico do Inter junto aos Tribunais Especial e Superior da Justiça Esportiva da CBF no RJ.

  • JOÃO CARLOS BREMER diz: 22 de fevereiro de 2008

    O INTER deve entrar com medida para que o Marcão volte a ser considerado como “primario“ fazendo o mínimo de justiça.Também repudiei a absolvição do Romario.Posso ter sido apenas “notadamente mais rigoroso“.Não errei.Apenas aprendi mais uma que se juntou a “não foi o que eu disse“ e “foi uma bravata“.Melhor sorte para na próxima pegar “os brandos“.

  • Luciano Delfino diz: 22 de fevereiro de 2008

    Tudo bem, nobre advogado. Mas continuo achando que traduz-se a expressão “notoriamente mais branda” por “notadamente vascaína”.

Envie seu Comentário