Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de maio 2008

Estatísticas

30 de maio de 2008 22

Jogo entre Gêmio e Flamengo, no Olímpico, teve o maior público do Brasileirão até aqui/Ricardo Duarte, Banco de Dados - 18/05/2008

Passadas três rodadas do Campeonato Brasileiro, alguns números respeitáveis e outros nem tanto surgem nas estatísticas. O Grêmio, entre os 20 participantes, está em posição privilegiada, favorecido pelo fato de ter disputado dois dos três jogos na sua casa. O Inter jogou apenas uma partida, no Beira-Rio.

Vejamos os números:

- Dos 30 jogos já realizados, os visitantes venceram apenas quatro. Foram 15 vitórias dos anfitriões e 11 empates. O fator local, nesta arrancada de competição, tem sido decisivo;

- A média de público por jogo está em 13.257 torcedores. Esta média seria maior se não tivesse portões fechados o jogo entre Flamengo e Santos, no Maracanã. Um absurdo que não se repetirá, graças ao STJD que extinguiu a esdrúxula punição.

- Entre as equipes que já disputaram dois jogos nos seus estádios, a média de público do Grêmio é a melhor: 31.066 torcedores/jogo;

- Entre as equipes que foram mandantes em apenas um jogo, é do Coritiba a liderança, com 31.660 torcedores;

- O Inter disputou apenas a partida contra o Vasco no Beira-Rio, e teve 22.979 torcedores, o terceiro melhor público entre os times que só jogaram uma vez nos seus estádios;

- Aconteceu no Olímpico o jogo com o maior público nas três primeiras rodadas: 38.554 torcedores foram ver Grêmio e Flamengo;

- O menor público, até agora, dificilmente será batido: apenas 286 torcedores foram ao estádio ver Ipatinga e Atlético Paranaense. Isso que o Ipatinga estava fazendo o primeiro jogo da sua história pela Série A do Brasileirão. O que faz um clube com esta torcida no principal campeonato do país?

- A maior arrecadação financeira também é de Grêmio e Flamengo: R$ 762.851,25. É claro que os sócios foram contabilizados. O preço médio por ingresso foi estimado em R$ 19,79;

- A menor arrecadação também envolve jogo do Ipatinga, mas a partida foi realizada na Vila Belmiro, contra o Santos: R$ 28.410,00. Como se vê, o Ipatinga está sendo um fracasso de público dentro e fora da sua casa. Com tanto “apoio” é candidatíssimo a voltar para a Série B;

- Também se destacam presenças fraquíssimas de público em jogos envolvendo grandes clubes. O São Paulo fez apenas R$ 93 mil no seu jogo contra o Coritiba, no Morumbi. Em São Januário, o Vasco fez um pouco menos, R$ 92 mil, jogando contra a Portuguesa, e o Fluminense fez ainda mais feio: apenas R$ 63 mil contra o Náutico;

- Melhorou a presença de púbico em relação ao Brasileirão de 2007. Ano passado, as três rodadas iniciais apresentaram uma média de 12.642 torcedores por jogo. Este ano, a média subiu para 13.257, um crescimento pouco abaixo de 10%.

- Para empatar com o Grêmio em público médio, o Inter teria que contabilizar 39.553 torcedores neste jogo contra o Vasco da Gama.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Versão oficial

30 de maio de 2008 22

Eduardo Antonini, vice de Planejamento do Grêmio/Daniel Marenco, Banco de Dados - 22/02/2008

Recebi e publico a seguinte correspondência enviada por Eduardo Antonini, vice-presidente de Planejamento do Grêmio:

“Prezado Wianey,

A respeito do que escreveste quarta-feira no que se refere à Grêmio Empreendimentos, faço as seguintes considerações:

- Os recursos que o Grêmio Foot-Ball Porto Alegrense pode repassar à Grêmio Empreendimentos, de acordo com o que foi autorizado pelo seu Conselho Deliberativo, podem, no máximo, chegar a 20% das cotas de TV;

- Esses recursos servem para cobrir as despesas inerentes ao Projeto Arena, como, por exemplo, os honorários pagos à Amsterdã Arena Advisory pelo estudo de viabilidade da Arena e os honorários referentes à consultoria jurídica que a Navarro Advogados Associados tem prestado ao Grêmio. Ambos os serviços, como já exaustivamente explicado, são muito importantes para cercar o Grêmio de todas as garantias possíveis neste empreendimento;

- O total dos gastos no Projeto Arena, e que seriam (caso já estivesse criada) custeados pela Grêmio Empreendimentos, ao longo desses dois anos, não atingiram, sequer, 2% (dois por cento) do que o Grêmio recebeu a título de “televisionamento” no mesmo período;

- Na hipótese de que o Projeto Arena não siga adiante, em qualquer fase que o seja, estes recursos permanecerão no Grêmio, ou seja, não há qualquer comprometimento das receitas de televisionamento do clube na parceria que poderá ser firmada com o Consórcio TBZ-OAS.

Esperando ter prestado os esclarecimentos necessários, solicito que publiques essas informações.

Um abraço,
Eduardo Antonini
Vice-Presidente”

Agradeço o esclarecimento, mas persisto na dúvida: se o Conselho Deliberativo do Grêmio autorizou que sejam repassados para a Grêmio Empreendimentos até 20% da receita da televisão, como não haverá comprometimento em 1/5 desta fonte de recursos?

Postado por Wianey

Bookmark and Share

O elenco colorado

30 de maio de 2008 61

Giovanni Luigi culpou a imprensa novamente/Jefferson Botega

Falando sobre a qualidade do elenco colorado, Giovanni Luigi pecou por infidelidade com os fatos.

Resposta do dirigente do Inter:

— Quem disse que tínhamos um dos maiores grupos do país não foi o Inter, foi a imprensa.

Luigi foi traído pela velha mania de responsabilizar a imprensa por tudo o que de ruim acontece. As primeiras e autorizadas vozes enaltecendo a qualidade em boa quantidade do grupo de jogadores saíram do Beira-Rio. Quem primeiro falou foi o ex-presidente Fernando Carvalho — os colorados não conhecem ninguém mais habilitado para avaliações desta natureza — quando disse que o atual elenco era até melhor do que o do seu tempo de presidente. Em seguida, em várias ocasiões, foi o próprio treinador Abel Braga quem extravasou entusiasmo repetindo as mesmas louvações.

O Inter, justificando estes diagnósticos, rejeitou Diogo Rincón, que desejava voltar para o Beira-Rio, e não fez questão de ficar com um jogador que é seu e faz sucesso há dois anos no Figueirense: Claiton Xavier. Se tivesse interesse, bastaria ter oferecido ao jogador a possibilidade de ser bem aproveitado no Inter. Como não ofereceu, Xavier preferiu continuar em Florianópolis.

O grupo do Inter coloca-se, sim, entre os três melhores do país. O problema é que lesões e doenças mais decréscimos dramáticos de produtividade de alguns jogadores acabaram fragilizando o time enormemente. E ainda há o caso de “desaparecimentos” como o de Ederson, hoje chamado de Eder, meia-esquerda de qualidade, que se revelou na Copa São Paulo, voltou para Porto Alegre e, simplesmente, sumiu.

Falar em Valter e Guto é chover no molhado. Lembrar Tayson e Tales idem. Muitas vezes, é preferível ter no time um garoto inexperiente, mas cheio de vontade, do que um grande jogador apático e desinteressado.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Muda pouco

30 de maio de 2008 29

Roth irá manter a formatação tática para o jogo contra o Vasco/Ronaldo Bernardi

Celso Roth não poderá repetir a escalação dos três primeiros jogos, mas a preservação da formatação tática está garantida.

Para o lugar de Helder, joga Anderson Pico. Sai um lateral, entra outro lateral. A vaga de Perea será ocupada por Reinaldo, atacante por atacante. O rendimento individual dos jogadores é questão aberta, ninguém pode prever. Mas a obrigação do treinador foi cumprida: não alterar o esquema ao qual o time já está se ambientando. Mesmo que não seja apreciador do 3-5-2, Roth sabe que não convém brigar com os resultados. Se está dando certo, por que mexer?

E O TORCENAUTA GREMISTA, O QUE PENSA DAS SUBSTITUIÇÕES DE ROTH?

A hora de falar é agora, ANTES do jogo.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Portões fechados

30 de maio de 2008 23

Técnico Abel Braga treinou mais uma vez com os portões fechados/Valdir Friolin, Banco de Dados ZH

Abel Braga ontem orientou treinamento que avançou noite a dentro. Chovia, fazia frio e o time treinando, treinando. O estádio estava silencioso. Além dos muros, era possível ouvir a conversa do treinador com os jogadores. Torcedores e imprensa ficaram do lado de fora. Os portões foram fechados e assim permaneceram até todos se recolherem para o vestiário.

É bobagem, não ganha jogos, já está provado. Mas, é inarredável direito do treinador trabalhar sem ser visto. Assim tem sido feito nos últimos jogos. É verdade que os resultados não justificam tanta precaução mas, repito, é direito de Abel trabalhar em regime de isolamento.

O Inter amanhã enfrenta o Sport Recife, finalista da Copa do Brasil. Precisa ganhar, melhor se jogando bem. Como o adversário está voltado para a decisão e não contará com Romerito, o seu melhor jogador, são amplas as possibilidades de uma vitória colorada.

Teoricamente, o Inter é superior ao Sport em qualquer quesito. Se todos jogarem para merecer nota seis, não precisa mais, o Inter soma três pontos e pode começar uma virada de expectativas. O jogo é tarde, 18h20min, e a previsão é de temperaturas baixas. Resta saber qual será o tamanho da torcida colorada no Gigante.

O TORCENAUTA APOSTA EM PÚBLICO SUPERIOR A 20 MIL TORCEDORES AMANHÃ NO BEIRA-RIO?

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Discussão

29 de maio de 2008 70

Márcia Feitosa, VipComm

Concordo com o meu amigo Guerrinha: jogador bom não se discute. Jogadores ruins é que devem ser questionados.

Esta é a tese, o princípio. Entretanto, não existem dogmas e, eventualmente, jogador de bom conceito também pode, e deve, ser discutido. Principalmente quando este bom jogador atravessa longos períodos jogando mal.

Nem o jogador ruim prejudica a sua equipe tanto quanto o virtuoso que perde ou esquece onde deixou as suas virtudes. Porque do jogador ruim nada se espera, enquanto que do bom jogador é que depende o time. Só ele pode causar frustração. O ruim não decepciona, apenas confirma a sua ruindade. Porém, quando o jogador qualificado se nivela ao desqualificado, o time adoece, piora e afunda.

Uma equipe é boa quando os seus bons jogadores rendem o que podem. A diferença entre os dois tipos de jogadores é que o treinador substitui o ruim tentando melhorar o time, mas mantém o bom, mesmo estando ruim, na esperança de que ele melhore. E, quando esta recuperação demora, a vaca vai para o brejo com corda e tudo.

Um jogador é bom e útil quando a sua média é boa. Se, porém, ele tem bom rendimento em um jogo e passa vários outros jogando pouco, a sua média cai e ele mais prejudica do que contribui. Bom jogador não se discute, mas quando atravessa longas fases jogando mal, deve ser substituído, simplesmente.

Tese por tese, fico com esta.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Sobre jovens

29 de maio de 2008 50

Valter: apenas um entre os pouco valorizados no Beira-Rio/Valdir Friolin, Banco de Dados - 12/02/2008

Prezado Wianey: bem apreciável seu comentário de hoje (quarta-feira) na Rádio Gaúcha, às 12h40min, sobre algumas questões do Internacional. Essas mesmas questões, já as mencionei num e-mail enviado para a ouvidoria do Inter, sobre o atual time e sua comissão técinica.

Veja bem: sou sócio colorado há mais de uma década, mas apaixonado pelo clube desde criancinha. Hoje, tenho 49 anos, sou professor de Língua Portuguesa, mas também um estudioso dos fenômenos do futebol.

Muitos jovens torcedores, meus alunos de colégio e da Universidade me questionam sobre o comportamento do Internacional, não entendendo como um time com os bons valores que tem em seu elenco, consegue atuações tão fracas, ridículas e trágicas em muitas de suas atuais jornadas.

Sempre respondo a eles que comentarista de futebol é você, o professor Rui, o Nando e outros também respeitáveis de outros veículos de comunicação, mas que entendo ser o Internacional um fenômeno muitas vezes incompreensível! Na década de 70, com aquele excelente time comandado por Figueroa, as conquistas ficaram restritas aos títulos nacionais, porque na Libertadores o fiasco foi bem grande. Agora, ocorre mais ou menos a mesma coisa.

O elenco atual deveria estar se preparando para a conquista da Copa do Brasil, e não estar humilhantemente em 13º lugar no Campeonato Brasileiro. Isso ocorre porque a acomodação é geral, a falta de tesão para ir em busca de novos grandes títulos está instalada no Beira-Rio, muito pior que o vírus da hepatite.

Sou muito grato ao Fernandão e até ao Abel pela bonita página já escrita na história colorada, mas é hora de mudar, de energias novas e fortes, dinâmicas, jovens, para podermos não apenas sonhar, mas chegarmos a novas conquistas. Por isso, concordo plenamente com sua análise.

O Inter tem um manancial de jovens jogadores que estão ansiosamente à espera de sua vez no time principal, mas eles estão vendo o tempo passar e suas chances ficarem reduzidas quase a zero! A direção também tem culpa por isso. Penso, então, que se essas mudanças não acontecerem em futuro bem próximo, a torcida colorada vai amargar muitas decepções. Estou muito errado, caro comentarista?

Atenciosamente,
professor Odilon Machado

Claro que não, meu caro professor Odilon.

No citado comentário que fiz na Rádio Gaúcha, comparei a disposição de Celso Roth em promover jovens promessas e a relutância de Abel Braga para com os emergentes do Beira-Rio. E até disse que o Inter precisaria de um treinador com o perfil do Celso — lançador de garotos — para melhor valorizar a sua prata da casa.

Existem garotos de muita qualidade no Beira-Rio, mas o que se vê, por exemplo, é Valter sendo preterido por Gil, que está louco para ir embora. Como Valter, existem outros vários exemplos de bons jogadores que não são devidamente valorizados, no Beira-Rio.

Enquanto isso, percebe-se que o time entrou em fase de estagnação, pedindo alguma oxigenação que não está sendo feita por Abel Braga.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Vendas

29 de maio de 2008 7

Sidnei: não é hora para vendê-lo/Mauro Vieira

Está noticiado que Alex e Sidnei deverão deixar o Beira-Rio na metade do ano, vendidos para o Exterior.

Com relação a Alex, nenhuma novidade. O meia já está no Inter há vários anos e é a bola da vez. Mas, no que diz respeito a Sidnei, o momento é totalmente prematuro e impróprio. Este jogador ainda nem completou a sua formação técnica e emocional.

Sequer é titular do Inter, o que implicará em venda por valor muito inferior ao que poderia ser obtido dentro de seis meses ou um ano.

É compreensível que os clubes precisem vender seus craques para se manter. Mas, existe uma boa distância entre a necessidade de negociar e rasgar dinheiro. É o caso de Sidnei.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Sugestão

29 de maio de 2008 15

Mauro Vieira, Banco de Dados - 15/11/2007

Os árbitros valem-se do cartão amarelo, advertência verbal, utilizam tinta degradável em um tubo de spray para sinalizar o local aonde deve ficar a bola e a posição da barreira, nas cobranças de faltas.

Mesmo assim, quase nunca são obedecidos e o resultado é o encurtamento do espaço entre a bola e a barreira, o que diminui o ângulo do cobrador, beneficiando o infrator.

Qual seria a solução para conter esta rotineira manifestação de indisciplina?

Um torcenauta apresenta uma sugestão bem interessante:

“Por que será que a CBF não adota, de vez, uma regra para o problema da barreira em cobranças de falta?

O juiz poderia retirar um jogador da barreira cada vez que esta se movesse. Por exemplo: o juiz autoriza a cobrança de falta. Se a barreira andar, ele retira um jogador que está fazendo parte dela. Então o juiz autoriza novamente a cobrança e, se a barreira se mover de novo, ele retira mais um jogador até não restar ninguém. Acho que esta solução resolveria de vez o problema da barreira nos jogos.

Arthur Rocha Kolbetz

Porto Alegre – RS”.

Só precisaria ficar definido que jogador retirado da barreira não poderia ser substituído. Acho que deveria ser testado.

Os cobradores de faltas são sempre prejudicados pela insolência dos adversários que, muitas vezes, contam com a complacência dos árbitros.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Substituição

29 de maio de 2008 46

Quem é o jogador mais importante do time colorado?/Jefferson Botega, Banco de Dados - 04/05/2008

Durante muito tempo, Fernandão foi considerado o melhor e mais importante jogador do Internacional. Durante o último Campeonato Gaúcho, a honrosa condição passou a ser de Alex, o melhor jogador em atividade no Brasil naquele período. Hoje, todas as mesuras vão para Magrão.

O próprio Abel Braga faz questão de reiterar a importância do volante para o time. O peso de Magrão no time, diferente de Alex e Fernandão, foi descoberto pela sua ausência. Desde que deixou a equipe, o Inter viu-se privado da sua combatividade, saída de bola qualificada, chegada no ataque e eficiência na bola alta sobre a área do próprio Inter.

No entendimento do torcenauta colorado, quem é o jogador mais importante do Inter?

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Não inventa, Roth

29 de maio de 2008 43

Aposto em Reinaldo para substituir Perea/Arivaldo Chaves, Banco de Dados - 31/03/2008

Celso Roth dispõe de várias alternativas para substituir Helder e Perea. Já discorreu sobre todas, incluída a que inverte o lado para Paulo Sergio e inclui Felipe Mattioni na lateral direita. Esta, é a única decisão que Roth não deve tomar.

A lembrança da eliminação imposta pelo Juventude, quando escalou Paulo Sergio na lateral-esquerda, poderia derrubar o treinador em caso de tropeço, sábado, diante do Vasco da Gama, repetindo o equívoco daquele jogo. Roth não precisa e tudo indica que não está disposto a inventar.

Se não pode contar com Helder, existem Ânderson Pico e Bruno Telles, para a lateral-esquerda. É só escolher. Felizmente, o treinador não cogitou escalar Roger como segundo atacante. Esta alternativa também já foi testada com péssimo resultado. E nem há a necessidade de improvisar no ataque.

Reynaldo, Marcel e Jonas, qualquer um deles poderá substituir Perea. Este blogueiro apostaria em Reinaldo, que vinha sendo o centroavante predileto de Roth, até se lesionar.

Com Soares e Reinaldo, o Grêmio continuam sem um centroavante de referência mas, em compensação, fica com dois atacantes de grande velocidade e movimentação. E, estas são virtudes essenciais para se jogar futebol, modernamente. Quais seriam as escolhas do torcenauta gremista para os lugares de Helder e Perea?

BRUNO TELLES OU ÂNDERSON PICO, PARA A LATERAL ESQUERDA

JONAS, REINALDO OU MARCEL, PARA O COMANDO DO ATAQUE

Não esqueçam que o jogo será contra o Vasco da Gama, no Rio de Janeiro. O Vasco foi eliminado, ontem, pelo Sport Recife, na Copa do Brasil.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Pay per view e os clubes

28 de maio de 2008 38

Ricardo Chaves, Banco de Dados

Existem quase 6 milhões de assinantes de TV a cabo no Brasil. Mas estão vendidos, até hoje, apenas cerca de 400 mil pacotes de jogos. O potencial de vendas é, no mínimo, de 1 milhão de pacotes.

A partir do ano que vem, a Globo vai fidelizar o pay per view. Significa que os clubes receberão da televisão uma quantia proporcional ao número de torcedores que adquirirem os pacotes. Na hora da compra, o consumidor indicará o clube para o qual torce, que receberá uma parcela do pacote adquirido.

Grêmio e Inter estão fidelizando os seus torcedores através dos seus quadros de sócios. Grande parte de não-sócios não conseguem acesso aos jogos mais importantes, e o pay per view acabará sendo a única saída.

Se Grêmio e Inter estimularem os seus torcedores a comprar os jogos, oferecendo-lhes, quem sabe, um brinde, esta poderá se tornar mais uma expressiva fonte de receitas. A hora de pensar é agora.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Justas reclamações

28 de maio de 2008 46

“Prezado Wianey Carlet:

Venho informar a situação constrangedora que tive de passar no sábado, quando resolvi levar meu filho pela 1ª vez a um jogo do Grêmio. Recentemente, resolvi associar-me na modalidade de sócio-torcedor do Grêmio, por alguns motivos que julgava serem importantes, tais como: mostrar ao meu filho que o seu papai `era gremista de carteirinha`; eventualmente poder ir assistir uma partida de futebol, com a facilidade de compra do ingresso via internet; mais eventualmente ainda, poder levar o meu filho a determinados jogos (os de menor `potencial de risco` para se levar uma criança), ensiná-lo a ser gremista, etc. Ou seja, os motivos da minha associação também estão vinculados ao meu filho.

Ocorre que resolvi estrear esse plano no sábado, contra o Náutico, por ser um time pequeno, com pouca probabilidade de acontecer alguma confusão. Efetuei todo o procedimento de compra de ingresso (cadeira central), fiz aquela propaganda do programa de sábado para ele e quando cheguei lá no estádio Olímpico, surge o problema, ele não podia me acompanhar, a menos, que portasse o ingresso de cadeira central também.

É óbvio que um adulto, ou até mesmo um adolescente tem que pagar ingresso para assistir ao espetáculo, mas o meu filho tem apenas três anos e passou o jogo inteiro sentado no meu colo, pois se ficasse em uma cadeira não poderia assistir ao jogo (qualquer pessoa sentada na cadeira da frente, tapa a visão dele).

CONCLUSÃO: Eu, sócio-torcedor, além diversos outros pais que pensaram e agiram como eu (lá também tinha um pai com seu filho de menos de 1 ano de idade e outro com o filho com a mesma idade do meu), e ficamos tentando argumentar com um sujeito na roleta, que só sabia dizer: `passem na ouvidoria, ou então entrem na geral que criança não paga`. Acabamos todos tendo que que ir para a fila da bilheteria e comprar outro ingresso de R$ 50 para eles poderem entrar no estádio e assistir ao jogo. O meu filho, de três anos, passou o jogo no meu colo; imagina então aquele pai que estava com o filho de 1 ano, o que será que aconteceu?

Isso está correto?

O lugar mais apropriado para levar uma criança de três anos não é na geral e sim nas cadeiras, onde é mais seguro. Não adianta o cara da bilheteria me dizer que eu deveria ir para a geral, pois eu jamais levaria o meu filho para lá, onde a maconha rola solta e qualquer correria pode acabar em tragédia.

Para quê ser sócio, se cada vez que o Grêmio enfrentar um time pequeno e eu tiver coragem de levar o meu filho ao estádio terei que ir para a bilheteria e pagar um valor absurdo para ele sentar no meu colo?

Para mim, essa direção está pensando errado. Eu duvido que a direção do Inter aja assim com o seu associado; a criança de hoje é o sócio de amanhã, se o clube quiser.

Um grande abraço e peço desculpas pelo desabafo, mas a ouvidoria do Grêmio só repete a frase do cara da roleta.

Márcio Seligman,
Arquiteto e estudante de direito”.

MAIS UMA:

“Caro Wianey,

Meu nome é Alexandre Luzardo, consultor de Segurança, Sócio Patrimonial do Grêmio desde 1989 e fui a Tóquio em 1995.

Leitor assíduo de tua coluna, gostaria de reclamar minha indignação e repúdio. Estive presente ao jogo Grêmio x Náutico. Comprei duas cadeiras centrais mesmo sendo sócio em dia, eu e minha esposa, pois estávamos levando pela primeira vez ao estádio meu filho de 18 meses, Pedro Luzardo. Fui barrado no portão 12 pois Pedro, mesmo sendo de colo, precisaria pagar uma cadeira integral. Questionei e fui mandado para a Ouvidoria. Lá, não me deram a mínima, mandaram eu deixar escrito uma reclamação que iriam entrar em contato. Pedi apenas que me mostrassem esta norma escrita, pois meu filho viaja de avião no colo, foi ao Circo de Solei, que custa R$ 360 o ingresso, no colo, e no Grêmio tem que pagar uma cadeira integral, e nas arquibancadas e nas sociais, até 12 anos entram de graça, um absurdo.

Quando resolvi não ir mais ao jogo, e registrar uma ocorrência aproveitando o Estatuto do Consumidor, Lei. Federal 8.078 / 1990, pois eles informam este procedimento, mas não escrevem, e não tem cartaz nenhum divulgando, pois é uma arbitrariedade inadmissível, e seria com certeza mais uma ação para o condomínio do Olímpico pagar, encontrei o Cel. CEDENIR, ex- responsável pela segurança do Grêmio que me escutou, e chamou um diretor, que providenciou o ingresso para o Pedro assistir o jogo.

Mesmo assim, caro Wianey, eu disse a eles que iria lutar para derrubar este absurdo, pois teve pessoas menos dispostas a reivindicar seus direitos e foram obrigadas a pagar este ingresso extra com crianças de menos de dois anos no colo.

Wianey, sei da tua personalidade e de teu caráter e tenho a certeza que irá fazer minha voz ser ouvida, pois grito pelos PEDROS.

Desde já, muito obrigado!

Alexandre Luzardo”

E MAIS UMA:

“Tudo bem com você, Wianey?

Faço questão de te passar esta historia que aconteceu com um filho meu, VITOR, e seu amigo ALEX, que tentavam entrar no Olímpico, sábado passado, com uma faixa que dizia: SEMO BEM LOUCO,LOUCO DE BUENO! — trecho de uma música gaúcha interpretada pelos músicos CESAR OLIVEIRA e ROGERIO MELLO.

Depois de serem devidamente revistados pelo brigadianos, foram perguntados: BRIGADIANO — Vocês são da ALMA CASTELHANA?
GURIS — Não, não somos.
BRIGADIANO — O que está escrito aí nesta faixa?
GURIS — Diz: SEMO BEM LOUCO, LOUCO DE BUENO.
BRIGADIANO — Não pode entrar. Podem voltar.
GURIS — Mas por quê? Nós viemos a todos os jogos e entramos sempre com essa faixa.
BRIGADIANO — Não vão entrar porque não está ESCRITO EM PORTUGUÊS.
GURIS — Mas, como assim?
BRIGADIANO — BUENO não é português. Podem voltar pois NÃO VÃO ENTRAR E PRONTO — já com cara de autoridade brava.

E os guris lá se foram para o portão 13, por onde entraram sem nenhum problema, pois no portão 10 tinha um brigadiano, sem identificação, que estava zeloso pela LÍNGUA PORTUGUESA.

TCHÊ, esse é um pequeno problema de quem tenta acessar o Olímpico em dia de jogo. Agora estão fazendo umas barreiras nas bocas de rua de acesso ao MONUMENTAL. Se o PAI, FILHO, AMIGO já estão dentro do complexo do GRÊMIO e levou junto o ingresso, quem ficou para trás não pode chegar, no minimo, até o PÓRTICO para se comunicar e pegar o seu ingresso.

Vocês da IMPRENSA precisam viver este desconforto para só assim denunciar esses abusos. Até os moradores da própria rua ficam de fora, se não tiverem ingresso, acreditam nisso?? Não? ENTÃO VIVAM ESSE MOMENTO NO PRÓXIMO JOGO DO GRÊMIO no Olímpico.

UM ABRAÇÃO
JORGE LUIZ UMINSKI
RUA OLAVO BILAC,PORTO ALEGRE — RS”.

A cobrança de ingressos de bebês caracteriza um absurdo inaceitável. O Grêmio precisa rever esta questão. As queixas do Umimski, me perdoe, me fizeram chorar de tanto rir. A parte do brigadiano zeloso com a língua portuguesa é engraçadíssima. Quanto aos problemas de acesso ao Olímpico, a Brigada Militar está enfrentando graves dificuldades com bagunceiros que, agora, se embriagam nas imediações dos estádios porque o álcool está proibido no seu interior.

Acho recomendável que as pessoas que não querem se envolver com confusão, tratem de chegar ao Olímpico com o seu ingresso no bolso e entrar, pacificamente. Quem assim fizer, garanto que não terá problema algum.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Em teste

28 de maio de 2008 18

Grêmio treina para chegar ao ponto ideal/Valdir Friolin

Celso Roth tem alertado: o Grêmio ainda não está consolidado, o número de jogos disputados é muito pequeno para se medir as verdadeiras possibilidades da equipe.

É essencial que o torcedor não se iluda imaginando que a seqüência do campeonato será uma repetição de bons resultados, como está acontecendo na largada da competição.

Qualquer equipe nova, e a do Grêmio é novíssima, recém está sendo formada, toma-se de extraordinária motivação quando está buscando afirmação. Porém, apenas esforço e mínima organização tática são elementos insuficientes para garantir grandes campanhas. É preciso jogar bem, render muito, se impor. E estes valores só são alcançados com a seqüência de jogos, 10, 15 ou 20.

Para o confronto com o Vasco da Gama, sábado, Celso Roth já não contará com dois titulares: Perea e Helder. São perdas que precisarão ser compensadas por quem entra, o que nem sempre acontece.

O Grêmio tem demonstrado boa organização, interesse dos jogadores e exemplar acatamento de todos às idéias do treinador. É importante, mas ainda falta muito para que os gremistas sintam que já possuem um bom time. É preciso que todos estejam preparados para aceitar os maus resultados que, inevitavelmente, virão, não os transformando em crises que ajudam a afundar qualquer trabalho.

Passo a passo, jogo a jogo, é assim que uma equipe se estrutura e se afirma. O Grêmio está no rumo certo. Mas ainda está longe da chegada. O período é de testes.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Angústias coloradas

28 de maio de 2008 70

Abel anda de mau humor/Valdir Friolin, Banco de Dados - 11/05/2008

Os maus resultados estão atrapalhando a vida familiar de Abel Braga. O próprio treinador informa que anda de mau humor na sua vida privada e, sequer, tem conseguido dormir direito.

Mesmo sentimento aparece nas manifestações de torcedores, ansiosos por alguma explicação razoável para tantos insucessos. Leiam:

“Wianey,

O que está acontecendo com o Internacional e que nenhum colunista esportivo consegue explicar?

Como escuto e leio diariamente sobre futebol percebo, eu e toda a crônica esportiva, que os jogadores do Internacional estão completamente desinteressados nas entrevistas, ou seja, não há qualquer tipo de indignação por parte de absolutamente nenhum jogador.

Com base nesse contexto todo, está ficando muito evidente que há algo de errado. Fico no aguardo de seus comentários sobre este assunto.

Grato.

Um abraço.

Rafael Cappelletti”.

Algumas razões, Rafael, são visíveis: lesões e doenças desmancharam o time colorado. O Inter tem um bom grupo de jogadores, recursos humanos suficientes para eventuais substituições. O problema é que, no Beira-Rio, os problemas médicos estão acontecendo em larga escala.

E não são lesões e enfermidades de rápida recuperação. Quando se diz que existem bons reservas é errado entender que é possível substituir meio time de uma só vez, sem conseqüências.

Existem, também, casos de jogadores em péssima má fase técnica. O mais notável de todos é o de Fernandão. Excetuando-se dois ou três jogos, nos demais o capitão colorado tem se mostrado apático, desinteressado, improdutivo. Alex, passado o Gauchão, também decaiu. Marcão, então, nem se fala.

Somem-se titulares ausentes aos que estão em crise técnica e já dá quase um time completo. Considerem-se, ainda, algumas escolhas e decisões equivocadas do treinador e o quadro de infortúnios se completa. As razões são várias.

Em momentos assim, comissão técnica, jogadores e dirigentes devem se reunir e, feitos os corretos diagnósticos, buscar as soluções. Ao torcedor cabe esperar e confiar. Não virá da imprensa a explicação completa.

Muitos problemas são da intimidade do vestiário, conhecidos apenas por quem a ele tem acesso. Para que tenhamos uma idéia do números de causas possíveis para a má fase do Inter, os torcenautas deste blog estão convidados a comparar os comentários que, neste post, serão registrados para esta singela questão:

O QUE ESTÁ ACONTECENDO COM O INTER?

Postado por Wianey

Bookmark and Share