Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Posts do dia 27 outubro 2008

A defesa do Grêmio está fazendo a diferença

27 de outubro de 2008 26

Ricardo Chaves

Repete-se este ano o que já tinha acontecido em 2007: sofrer poucos gols está sendo mais importante do que fazer muitos.

Em 2007, o São Paulo teve o 9º ataque do Brasileirão, mas foi campeão com a defesa menos vazada: apenas 19 gols sofridos.

Em 2008, o Grêmio se encaminha para o título tendo o 4º ataque do campeonato, mas desfrutando a defesa que menos gols sofreu, até agora.

Trata-se de uma nova realidade. É possível que resulte da carência de bons atacantes, mas também pode contemplar aqueles treinadores que começam os seus times de trás para frente. Primeiro uma sólida defesa, depois um meio-campo produtivo e, por fim, um bom ataque.

Nesta nova verdade do futebol brasileiro, cabem todas as teorias. Nenhuma delas, contudo, terá força suficiente para apagar a realidade.

O Grêmio tem um time equilibrado, razoavelmente. Mas, se alguém quiser simplificar, pode dizer que a liderança é efeito do trabalho retranqueiro de Celso Roth. Tanto faz. Não tirará o Grêmio da posição em que se encontra.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Confusão: Grêmio torce pelo Boca e pelo Inter

27 de outubro de 2008 35

Se tivesse derrotado o Atlético, sábado passado, o Inter estaria diante de um dilema/Divulgação

Ainda que seja mínima a possibilidade do Inter conseguir uma vaga para a Libertadores, a matemática insiste que a chance existe. Vencer os últimos sete jogos, sendo que um deles será no Morumbi, contra o São Paulo, é missão que colorado algum acredita que seja possível de realizar. Mas, a chance existe. E o Grêmio, tanto quanto o próprio Inter, gostaria que esta esperança permanecesse viva, no Beira-Rio, afinal, o Inter enfrentará Cruzeiro e São Paulo que são concorrentes diretos do Grêmio. Sempre haveria a possibilidade de o Inter arrancar pontinhos destes adversários, desde que esteja motivado para tanto.

No Brasileirão, portanto, o Grêmio torce pelo Inter.

Mas, para que o time de Tite esteja concentrado, exclusivamente, nos jogos do campeonato nacional, seria indispensável que saísse da Copa Sul-Americana, que aconteceria se o Boca Juniors vencesse o jogo da volta, na Bombonera, por escore suficiente.

Na Copa Sul-Americana, pois, o Grêmio torce contra o Inter.

E o Inter, o que fará? Bem, parece claro que a partir desta semana o Inter terá que decidir: ou se concentra, apenas, na Copa Sul-Americana ou segue dividindo esforços nas duas competições. Mesmo assim, parece óbvio que poupará titulares no dia dois de novembro, contra o São Paulo, já que enfrentará o Boca, quatro dias depois.

Se tivesse derrotado o Atlético, sábado passado, o Inter estaria diante de um dilema: seguir acreditando em vaga para a Libertadores, com alguma chance de ser bem sucedido, ou abandonar este projeto e dedicar-se, apenas, a Sul-Americana. Como não ganhou, mas ainda respira, o que fará?

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Quadrilha da bola: Brasileirão 2008

27 de outubro de 2008 33

Por Fabrício Carpinejar

Uma equipe perde para outra que perde para outra, infinitamente. Acredito que nunca teve um campeonato tão parelho em quedas, sem um time constante, compacto e realmente com postura de campeão. Ganhará o menos pior.

Vai dizer que o Brasileirão 2008 não virou o poema Quadrilha (“Alguma Poesia”), de Carlos Drummond de Andrade?

“João amava Teresa que amava Raimundo
que amava Maria que amava Joaquim que amava Lili
que não amava ninguém.
João foi para os Estados Unidos, Teresa para o convento,
Raimundo morreu de desastre, Maria ficou para tia,
Joaquim suicidou-se e Lili casou com J. Pinto Fernandes
que não tinha entrado na história.”

Inter perdeu de 4 a 2 do Coritiba que perdeu de 5 a 0 para o Flamengo que perdeu de 3 a 0 para o Atlético Mineiro que perdeu de 4 a 0 para o Grêmio que perdeu de 2 a 0 da Portuguesa que perdeu de 4 a 1 do Ipatinga que perdeu de 4 a 0 do Santos que perdeu de 4 a 1 do Goiás que perdeu de 4 a 2 do Vasco que perdeu de 4 a 0 do São Paulo que perdeu de 3 a 1 do Fluminense que perdeu de 3 a 1 do Cruzeiro que perdeu de 5 a 2 do Palmeiras que perdeu de 2 a 0 do Sport que perdeu de 3 a 1 do Figueirense que perdeu de 4 a 0 do Vitória que perdeu de 3 a 1 do Botafogo que perdeu de 3 a 0 do Náutico que perdeu de 2 a 0 do Atlético Paranaense que perdeu de 2 a 1 do Inter que não entrará na Libertadores.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Solidão de Nilmar é falso dilema

27 de outubro de 2008 44

Diego Vara, Banco de Dados - 23/10/2008

Olha-se para o Inter, dentro do campo, e Nilmar está lá na frente, sozinho, enfrentando os defensores adversários.

O jogo começa e com ele as dificuldades coloradas para fazer gol. Imediatamente vem o diagnóstico: Nilmar está isolado no ataque.

Prossegue a partida e o Inter marca o primeiro gol. Mais algum tempo e vem o segundo. Nilmar continua isolado?

O ataque do Inter é pura contradição. O time joga com apenas um atacante, Nilmar, mas o artilheiro é Alex, o meia-esquerda que foi transformado por Abel Braga em segundo atacante. Bem, mas se o Inter tem um primeiro e um segundo atacantes, então joga com dois atacantes, ou não?

Sim, o Inter joga com dois atacantes e, mesmo assim, persiste a solidão de Nilmar? Aonde estará a solução para esta charada?

O problema não está no esquema tático, tampouco em Alex. Nilmar é o problema. Trata-se de um atacante que não sabe jogar entre os zagueiros, na função de homem-referência. Nilmar é segundo atacante e como é muito veloz, precisa de espaço para explorar esta que é a sua principal virtude. Como não é atacante de tabelamentos com os seus companheiros, Nilmar só sabe jogar de uma maneira: vindo de trás, arrancando em alta velocidade e tentando ultrapassar os seus marcadores. O diabo é que, cada vez menos, Nilmar consegue vencer a marcação. Quase sempre perde a bola ou cai. E, sempre que acontece, lá se vai mais uma chance de ataque perdida. Os adversários já sabem como marcar Nilmar. Basta parar a sua frente e esperar pelo choque.

O problema é insolúvel. Para melhor aproveitar Nilmar e armar um ataque equilibrado, Tite teria que escalar o primeiro atacante que Nilmar não é. Se o fizesse, afastaria Alex da área, embora boa parte dos gols que marca o faz com chutes desferidos de média distância.

Haveria uma solução: substituir Edinho, o volante mais contestado, por um centroavante de área. Mas, seria recomendável proteger a defesa com Magrão que é lento e Guiñazu que não guarda posição?

Encontrar uma estruturação equilibrada para o Inter é tarefa quase impossível. As peças não se ajustam. Para fortalecer o ataque, seria preciso enfraquecer as defesa escalando o meio-campo com Magrão, Guiñazu, Alex e D´Alessandro. E, no ataque, Nilmar e Guto ou Luiz Carlos.

Porém, como este problema não foi resolvido durante o ano, não será faltando poucos jogos para terminar a temporada que Tite tentará outra solução.

Em 2009, ano do centenário, Nilmar e Alex não estarão no Beira-Rio, provavelmente. Caberá ao Inter buscar reposições com características apropriadas. Por enquanto, isolado ou não, o atacante é Nilmar e Alex o seu parceiro. Este beco não tem saída.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

O Grêmio só depende do Grêmio para ser campeão

27 de outubro de 2008 30

Ricardo Chaves

Devem silenciar os risos de celebração pelos resultados da rodada. Eles foram ótimos, afirmaram a liderança do Grêmio, mas a grande e intransferível tarefa do time esta prestes a começar. Faltam sete jogos, que poderão ser seis ou cinco, para o time de Celso Roth ser proclamado o campeão de 2008. É pouco e ao mesmo tempo é tudo.

A euforia dos resultados paralelos não pode mascarar o fraco desempenho do Grêmio no último jogo, contra o Sport. Para garantir o título, Roth terá que acertar o time. A hora não é indicada para acomodações. O Grêmio não tem um time povoado por craques, capazes de resolver jogos e garantir vitórias apenas com talento individual. A força coletiva que deu ao Grêmio invejáveis 72% de aproveitamento no primeiro turno, precisa ser recuperada. O Grêmio só depende do Grêmio para ser campeão.

Celso Roth não pode vacilar. Não precisa inventar soluções, apenas adotar aquelas que já deram certo. Quarta-feira, no Mineirão, o time gremista terá que contar com a eficiência defensiva que o coloca como o mais sólido sistema defensivo da competição. Se existe um setor que não deve ser mudado, é a sua defesa, principalmente o trio de zagueiros e os dois volantes. Inventar na ala-esquerda tampouco será recomendável. O pior jogador da posição será melhor do que uma improvisação. E se não existe mais convicção de que Felipe Mattioni não seja mais eficiente do que Paulo Sergio, talvez não seja o momento próprio para apostar em jogador que esteja sem jogar, faz tempo.

Resumindo: o Grêmio deve conhecer as razões pelas quais foi tão bem no turno inicial. E o que aconteceu para explicar a queda no returno.

A hora não é de inventar mas de repetir o que já foi aprovado.

Postado por Wianey

Bookmark and Share