Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

O futebol como meio de inclusão social

17 de abril de 2009 3

Pouco é divulgado sobre as ações sociais dos Irmãos Maristas, embora estejam sediados nesta organização religiosa, voltada para a educação e formação do cidadão, os mais importantes projetos de inclusão social existentes no país.

Na Grande Porto Alegre e Interior, cerca de 30 mil crianças, jovens, adultos e idosos são acolhidos nos 28 Centros Sociais Maristas existentes, onde são resgatadas a auto-estima, dignidade, senso de justiça, espírito cidadão e, principalmente, recebem educação e formação profissional para encarar o competitivo mercado de trabalho. Milhares de crianças e adolescentes estariam jogadas ao desamparo absoluto se não existissem os SASEs.

Na próxima quinta-feira (23 de abril) às 9h, na sede do Cerâmica Atlético Clube, Gravataí, acontecerá o lançamento do Projeto Futuro de Campeão, uma parceria firmada entre o Cerâmica e o Cesmar (Centro Social Marista), instalado no Bairro Mário Quintana, que oferece oficinas de artes e de geração de trabalho e renda. Nas dependências desse centro, funciona o Centro de Recondicionamento de Computadores, que recupera máquinas, encaminhando-as para telecentros, entidades e escolas de todo o país.

Esse projeto envolverá cerca de 480 jovens de 10 a 17 anos, usando o futebol como agente de inclusão social. Os educandos beneficiados pela parceria assistirão a palestras, participarão de treinos e aulas ministradas por professores de educação física, terão assistência médica, nutricional e escolar. A expectativa é formar seleções de categorias para estimular a busca do crescimento, da competitividade, da disciplina, da força de vontade e fomentar a importância da família por meio de atividades com pais e alunos.

Para quem não conhece a obra social Marista, recomendo uma visita ao Cesmar ou a qualquer SASE. Um contato valiosíssimo com a realidade que não vemos, sabemos que existe mas, muitas vezes, desconsideramos. São crianças miudinhas, subnutridas, vestidas pobremente, mas que chegam a estes locais exibindo amplos sorrisos, pois ali encontrarão educação, alimentação, formação e, principalmente, carinho dos irmãos, assistentes sociais, psicólogas, educadoras e funcionários.

Essa gigantesca obra social é mantida por doações e verbas que chegam de empresas estatais, privadas, poder público e de alguns políticos de boa sensibilidade social. Muitas vezes, os responsáveis por esse trabalho de enorme relevância social são sobressaltados por boatos de que as doações vão terminar, as verbas oficiais serão cortadas e tudo terá que ser abandonado. Sou testemunha da amargura aterrorizante que recai sobre todos nestas ocasiões.

O Projeto Futuro de Campeão está entre muitos que são desenvolvidos pelos centro sociais maristas. Pergunto: o que seria destas 30 mil pessoas, de 7 a 80 anos, se não existissem estes centros? E o que fazemos para ajudar a mantê-los em funcionamento? Existem muitas maneiras de colaborar. Para começar, já seria satisfatória uma visitinha. Vislumbrar um brilho de esperança nos olhos daquelas crianças e jovens pode ser motivo para se ir adiante de um simples momento de comoção.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Comentários (3)

  • madeira diz: 17 de abril de 2009

    Parabens wianey pela materia sobre o cesmar,abra mais espaços de divulgação na midia p/o Cesmar. Aquela comunidade carente sobrevive graças a obra dos irmãos maristas, trabalhei um ano na instituição, e vc quando retorna a noite para casa se sente gratificado de poder ter ajudado o teu semelhante.
    Que Deus ilumine o Irmão João, Irmão Miguel, Irmão Tarcisio,e o corpo docente que são escolhidos para a missão marista seguir os ideais de Marcelino Champagnat e nunca desampare o Cesmar.

  • Cassiano diz: 17 de abril de 2009

    Não entendi o comentário: “bem que ele poderia ser poupado desse constrangimento”. Não deveriam ter dado o nome da taça para ele? Ele não deveria se prontificar a entregar a taça? Ou o Grêmio deveria ter vencido o segundo turno para evitar que isso acontecesse? Afinal, o Grêmio perdeu todos os Grenais, se chegasse na final do segundo turno é bem provável que perdesse outro. Aí o constrangimento do homem poderia ser ainda maior.

  • lauro julio koch diz: 20 de abril de 2009

    Não enxuguem gelo.Fechem as torneiras.Ao longo do tempo,tenho acompanhado as ações dessa e de outras entidades.São louváveis.Mas temos que atacar o foco em outros extremos.Donde vem esses meninos?E onde estão as meninas?.Se as instituições conseguirem chegar nessas respostas,o futuro nos esperará bem melhor.

Envie seu Comentário