Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de julho 2009

Parte da torcida não gosta de treinador educado

31 de julho de 2009 111

Diego Vara e Tadeu Vilani

Rubens Minelli costumava dizer que, tendo que escolher entre dois jogadores de igual nível técnico, elegeria o mais alto e mais forte. Transportemos o conceito de Minelli para a área dos treinadores. Eu diria assim: entre dois treinadores de conhecimentos semelhantes, fico com o mais educado.

No passado, havia treinadores como Yustrich e Paulo Amaral, dois verdadeiros trogloditas no trato com os jogadores, imprensa, torcedores, etc. Inscreveram-se na história do futebol como “homens maus”,  mas acho não alinham na galeria dos grandes vencedores.

Grêmio e Internacional contam com dois treinadores que primam pela civilidade. Ambos não alteram o tom de voz nem quando são colocados diante de questões, às vezes, impertinentes e provocativas. Sabem que não existem perguntas ruins, apenas respostas inconvenientes.

Paulo Autuori e Tite são pessoas educadas. Educadíssimas, pode-se dizer. Entretanto, já recebi inúmeros e-mails de gremistas e colorados reclamando do discurso de ambos. Tite é chamado de “padre” porque costuma ser didático nas suas explicações. Autuori ainda não recebeu apelido. Afinal, está no Olímpico há pouco tempo e o time anda funcionando bem. Mas, apostem, bastará o Grêmio alinhar alguns resultados negativos e a fala de Autuori será pauta de cobranças.

Confesso que não admito esta rejeição por treinadores gentis e bem educados. Já convivemos com profissionais fanfarrões, debochados, espertalhões, marqueteiros e grosseiros, muito grosseiros. Estes, estranhamente, são verdadeiros ídolos de boa parcela da torcida gaúcha. Esta claque do bico na canela se diverte e aplaude manifestações que desconsideram os mais elementares princípios de convivência social civilizada. É difícil entender.

Paulo Autuori é um treinador consagrado. Tite, um profissional com trabalhos vitoriosos em vários clubes. Outro dia, ele precisou elencar algumas campanhas bem sucedidas sob o seu comando porque as menos luzidias a maioria dos torcedores não esquece.

Não me atreveria a dizer que Autuori e Tite são treinadores que nunca erram e, por isso, não podem ser criticados. Erram, sim, como qualquer profissional em qualquer atividade. E, quando acontece, cabe-lhes receber a crítica com naturalidade. É o que acontece.

Tite, por exemplo, jamais contra-atacou em nome de alguma crítica que tenha recebido. Pelo contrário, repete a todo o instante que não comenta avaliações de outras pessoas. Chega a ser comovedora a sua humildade. Não é diferente o comportamento de Autuori. Mas, para parte da torcida gaúcha, Tite é o “padre” e Autuori, certamente, ainda será chamado de “orador de velório”.

Pô, mas que importância tem o tom das falas dos treinadores? Até parece que relinchos são mais bem vindos.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Mago prevê empate do Grêmio contra o Cruzeiro

31 de julho de 2009 7

Reprodução

MAGO DA BOLA
Paulo Ledur

Mais uma vez, ninguém acertou os 14 jogos da Loteca. O prêmio pode chegar a R$ 800 mil neste final de semana. No último concurso, 17 magos acertaram 13 jogos e cada um levou pouco mais de R$ 3.500. Certamente a derrota do Atlético Mineiro, em casa, para o Goiás, derrubou muita gente, exceto aqueles que seguiram a dica do Mago. Ah! A vitória do Flamengo sobre o Santos também surpreendeu, já que o Urubu jamais havia vencido o Peixe na Vila Belmiro. Boa Sorte!!  

1 — SPORT X PALMEIRAS

O Sport já parte para o seu 3º técnico no Brasileirão e começa a se complicar na zona do rebaixamento. O Palmeiras também já está no 3º treinador, mesmo tendo ciclo de vitórias com todos. Vencer na Ilha do Retiro é sempre uma missão bastante complicada. Coluna do meio! 

2 — VITÓRIA X SÃO PAULO

O São Paulo parece ter reencontrado o caminho das vitórias, e, agora, bate de frente com o Vitória. Jogando no Barradão, o clube baiano tem atropelado quem passa na sua frente. O São Paulo voltou a vencer, mas ainda não convenceu. Coluna 1!!

3 — BOTAFOGO X BARUERI

O Botafogo não perde faz tempo, são 6 rodadas sem derrotas (e de poucas vitórias, também é verdade). O Barueri perdeu apenas 3 jogos, sendo 2 deles nas últimas rodadas. Juntas, as duas equipes já empataram 14 vezes no Brasileirão. O Mago não poderia sugerir outro resultado. Coluna do meio!  

4 — FORTALEZA X BAHIA

O Fortaleza tem que vencer para deixar a zona de rebaixamento. O Bahia precisa da vitória para se aproximar do G-4. O time baiano certamente não vai ficar de cara feia se buscar um pontinho fora de casa. Coluna do meio!!

5 — JUVENTUDE X VASCO DA GAMA

É o grande teste do Juventude na Série B. Se vencer, mostrará que tem condições de buscar uma vaga; se perder, confirma a falta de qualidade que tem demonstrado até aqui. E o Vasco necessita de uma vitória dessas para deslanchar na competição. Coluna 2!

6 — BRASILIENSE X PONTE PRETA

O Brasiliense há muito tempo não sabe o que é vencer. Começou bem na segundona, mas depois não parou de tropeçar. A Macaca faz uma boa campanha e se vencer pode chegar no G-4; depende de resultados paralelos. Coluna do meio!!

7 — RIO BRANCO-AC X ÁGUIA-PA

O grupo A da Série C é o mais equilibrado. Todos da chave chegaram na última rodada com chances de classificação. Com um empate, o Águia carimba a classificação e elimina o Rio Branco, que precisa vencer e ainda ficar de olho nos outros jogos. Coluna do meio!!

8 — MARÍLIA X CRICIÚMA

O Criciúma já está eliminado! O Marília precisa vencer, mas o mais difícil será mesmo torcer por um tropeço do Caxias, contra o lanterna Marcílio Dias, para seguir adiante na competição. Ah! Esse jogo vale pela Série C do futebol brasileiro. Coluna 1!

9 — FERROVIÁRIO-CE X TREZE-PB

Esse jogo vale pela Série D! É a partida que define o 2º classificado do grupo 3; o Alecrim, de Natal, já carimbou passagem à próxima fase. O Treze tem que, no mínimo, empatar para ficar com a vaga; já o Ferroviário busca uma vitória simples para seguir adiante na competição. Coluna 1!

10 — SANTO ANDRÉ X GOIÁS

O Goiás atravessa uma fase espetacular no campeonato! Os melhores resultados do time goiano foram conquistados longe do Serra Dourada. O Santo André é imprevisível. Coluna 2!!

11 — ATLÉTICO-PR X FLUMINENSE

Juntaram nesta partida a fome e a vontade de comer. Quem vencer… seguirá na zona do rebaixamento. Eita jogo ruim de ver! Fator local pode ser decisivo. Coluna 1!!

12 — FLAMENGO X NÁUTICO

O Náutico é, sem dúvida, o pior time do Brasileirão. O Flamengo ainda vai lutar por vaga na Libertadores. Podem cravar coluna 1!!

13 — ATLÉTICO-MG X CORITIBA

O Coritiba não lembra, nem de perto, o que jogou na Copa do Brasil. Está muito abaixo do rendimento; luta apenas para não cair. O Galo segue na briga pela liderança e já esgotou a cota de pontos perdidos no Mineirão. Coluna 1!!

14 — GRÊMIO X CRUZEIRO

Teremos um repeteco da semifinal da Libertadores. Os dois clubes já superaram o tombo sofrido na competição sul-americana. Mas lembrar os duelos é inevitável e os dois times almejam repetir o confronto na Libertadores de 2010. Coluna do meio!

LOTOGOL

A Lotogol corresponde aos 5 primeiros jogos da Loteca. Para ganhar é preciso acertar em cheio os placares. Mais informações podem ser obtidas no site da Caixa.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Grêmio light perde mais uma fora de casa

30 de julho de 2009 109

Gaspar Nóbrega, VIPCOMM
O Grêmio perdeu o jogo sem tentar parar o São Paulo. Sei não, mas Autuori tanto falou que queria terminar a partida sem expulsões que o time, simplesmente, quase não marcou o adversário. Fazer menos de cinco faltas jogando fora de casa, ora, este não é o Grêmio.

Mesmo assim, o empate esteve pronto para acontecer. Os últimos minutos foram de terror puro para o time paulista. E o crescimento do Grêmio deu-se após a entrada de Douglas Costa no lugar de Adilson.

Desta vez, ninguém apontará o dedo para Tcheco. Ele comandou o Grêmio em uma reação empolgante. Também a troca de Herrera por Jonas foi benéfica para o time.

Se não fossem as vacilações defensivas, o Grêmio poderia ter saído do Morumbi com um resultado satisfatório. Porém, não foi desta vez. A primeira vitória fora de casa ficou transferida para outra oportunidade. O aproveitamento longe do Olímpico é de míseros 4,8%.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Com atitude, Inter supera o Barueri e a pressão

30 de julho de 2009 46

Diego Vara

O Inter precisava vencer com desempenho convincente. Cumpriu a primeira parte e esteve perto de realizar a segunda. O resultado apertado, 3 a 2, não foi reflexo ajustado do jogo. A vitória colorada poderia ter sido mais folgada. O quarto gol, pelo menos, esteve muito perto de acontecer quando o Inter entrou tabelando na área do Barueri e Giuliano, livre, bateu alto. Ainda houve um lance na área do time paulista que a arbitragem considerou normal mas que, na verdade, ficou caracterizado como pênalti não marcado em favor do Inter. Acontece. No vestiário colorado, aliviado com os três pontos ganhos, ninguém reclamou. O Inter voltou a sofrer dois gols mas, desta vez, não foi por fragilidade do time. Em duas bolas paradas, Michel Alves rebateu e das suas falhas técnicas resultaram os gols do Barueri. Importante, para os colorados, foi que o time não se entregou e foi em busca do gol da vitória, que acabou saindo aos 40 minutos da etapa final.

Andrezinho, que substituiu D´Alessandro, foi o melhor jogador da partida. Marcou um gol, teve participação direta nos outros dois e ainda assumiu a liderança técnica da equipe. Considerando o baixo desempenho de D´Alessandro, nos últimos tempos, a presença de Andrezinho foi inequívoca vantagem para o time.

Giuliano entrou na função de Magrão e o time ganhou em saídas rápidas de trás, marcação e dinâmica. Mesmo que não tivesse tido uma atuação deslumbrante, Giuliano foi um acréscimo considerável. Guiñazu, que vinha sendo sacrificado com as atuações apáticas de Magrão, pode concentrar o seu trabalho pelo lado esquerdo, ofereceu boa cobertura para Kleber, de ótima performance ofensiva, e acabou sendo beneficiado, também, pela presença de Giuliano. O time inteiro melhorou e teve atitude forte, o tempo inteiro. Ainda falta muito para o Inter ter uma equipe que seja candidata real ao título. Bolívar, mais uma vez, jogou menos do que o necessário e o lado direito, defensivo, continua esperando por melhor solução. O ataque precisa ser ajustado ao time. Taison assumiu envolvimento com o jogo, tentou marcar mas produziu muito menos do que o time precisa. Alecsandro marcou o primeiro gol, reafirmou a sua condição de jogador participativo mas precisa ser melhor explorado, principalmente por jogadas de flanco. Enfim, o time precisa crescer mas é imperioso considerar que, ontem, enfrentava um adversário qualificado, melhor ataque do campeonato, e uma imensa pressão formada pelos maus resultados que resultaram em forte crise no vestiário. Com a vitória, Tite ganha fôlego para reconstituir o time. A viagem ao Japão, quem sabe, poderá significar o resgate do futebol coletivo, de marcação e qualidade técnica, que o Inter já mostrou que pode jogar.

Postado por Wianey Carlet

Bookmark and Share

Direção colorada não deve entregar o vestiário

29 de julho de 2009 53

Daniel Marenco

Tite já sabe que substituir determinados jogadores pode significar dor de cabeça para o treinador. Foi assim com Bolívar e Magrão meses atrás, e agora com D`Alessandro. É difícil aceitar com naturalidade as reações negativas de jogadores que, mesmo jogando mal, não admitem ceder lugar para um companheiro.

Dizem até que haveria uma conspiração contra Tite no vestiário colorado. Não creio, mas não duvido. Já vi muito lobo vestido de cordeirinho, calçando chuteira e vestindo calção. Mas, se houver um grupo de amotinados, os dirigentes do Inter não podem lhes entregar o comando do vestiário.

Se cometerem este erro, Tite será derrubado agora e o próximo treinador irá pelo mesmo caminho, desde que contrarie os interesses destas lideranças. Repito que não acredito em boicote, mas sempre é conveniente reafirmar quem manda e quem obedece. Nunca vi a bagunça levantar taça e fazer volta olímpica.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Falta velocidade para o Grêmio no contra-ataque

29 de julho de 2009 5

Daniel Marenco


Tulio não erra quando garante que o Grêmio não levará para o campo a proposta de jogar em contra-ataques contra o São Paulo. Esta estratégia exige atacantes velozes, e o Grêmio não tem no seu elenco jogadores com esta característica. É uma pena, pois fica emperrada uma das qualidades de Tcheco: o lançamento longo.

Para este jogo, seria conveniente ao Grêmio se posicionar no seu campo e especular em jogadas longas para o ataque. Como não é possível pela ausência de velocistas na frente, caberá ao time fechar os caminhos para o São Paulo e, quando estiver com a posse da bola, atacar triangulando, virtude coletiva que vem sendo desenvolvida por Paulo Autuori.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

D`Alessandro não tem pavio curto. Falta-lhe pavio

29 de julho de 2009 56

Daniel Marenco, Banco de Dados ZH - 09/03/2009

Levantei a questão no Sala de Redação de ontem: jamais Fernando Carvalho puniria D`Alessandro por estar fora de forma. Seria um inaceitável exagero. Aliás, para Carvalho punir alguém, teria que ser por efeito de grave transgressão. Trata-se de um dirigente conciliador, amigo dos jogadores e, por estas razões, a sua decisão de dar publicidade para o castigo de D`Ale teria que ter boa justificativa.

Sabe-se, agora, que havia. A reação do argentino diante da informação de que não voltaria para disputar o segundo tempo do jogo contra o Botafogo foi de desatino puro. D`Alessandro, no vestiário, repetiu o que tem feito dentro do campo: um jogador explosivo, que não mede as conseqüências das suas atitudes.

Mas, assim como se irrita por um palito de fósforos, D`Alessandro já demonstrou que tem excelente caráter e o que chamam de “boa cabeça”. Ninguém no Beira-Rio, deixa por menos: é boa gente. Ele já começou a treinar separado do grupo e, apostem, brevemente estará de volta, reconciliado com Tite e, talvez, com o bom futebol que extraviou em alguma curva de junho.

Fica claro, entretanto, que a decisão de Fernando Carvalho foi do tamanho da infração. D`Alessandro, contrariando algumas interpretações, não pagou sozinho pela derrota. Nada disso. Ele foi punido pela atitude desrespeitosa com Tite. E vai aproveitar para fazer uma pré-temporada particular, esfriar a cabeça e voltar ao time quando estiver apto a dar a contribuição qualificada que já deu.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Com as finanças equilibradas, Grêmio não vende

28 de julho de 2009 48

Valdir Friolin

Para a torcida gremista, a notícia não poderia ser mais agradável. Segundo o diretor de futebol, Luiz Onofre Meira, Victor e Réver não sairão do Olímpico pela janela de agosto. As finanças do clubes estariam equilibradas até dezembro e, até lá, não haveria a necessidade de fazer caixa com receita extra.

A informação soa quase inverossímil. Mas se a direção gremista, que tem o controle sobre as finanças do clube, anuncia que não está precisando de dinheiro, aleluia! Em dezembro, segundo Meira, um deles ou ambos poderão sair. Porém, sempre haverá a possibilidade de Papai Noel trazer surpresas positivas. Não acredite muito, torcedor gremista. Apenas se deixe embalar por este doce sonho.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Time que Tite deveria escalar mas não escala

28 de julho de 2009 86

Valdir Friolin

Qualquer torcedor, mesmo o mais distraído, sabe que a principal providência que deveria ser tomada por Tite seria aquela capaz de estancar os gols que o time vem sofrendo. Uma equipe começa de trás para frente, e é exatamente do meio para trás que se localizam os principais problemas do Inter.

Na verdade, todo o conjunto está falho. Porém, precisando começar por um lugar, teria que ser pelo sistema defensivo. Se Tite, como qualquer treinador, não se dispõe a substituir todas as peças que andam avariadas, pelo menos deveria robustecer o time no meio-campo.

D`Alessandro saiu e Magrão deveria sair também. Glaydson, jogador médio, similar ao Túlio do Grêmio, deveria assumir a primeira posição do meio-campo, avançando Sandro para a função de Magrão. Guiñazu e Andrezinho completariam o setor. Sandro é um jogador qualilficado que nem os mais ideologizados analistas tático negariam ao volante condições técnicas e físicas para ser um elemento flutuador, capaz de defender e chegar na área adversária com igual frequência.

Com Glaydson, Sandro, Guiñazu e Andrezinho, o Inter formaria um meio-campo consistente e organizado. Guiña, por exemplo, não precisaria correr desatinadamente, cometendo faltas e saindo do lugar a todo o instante. Poderia se posicionar pelo lado esquerdo, cobrar o flanco, interrompendo as subidas do lateral-direito adversário, liberando Kléber para avançar.

O time começaria a funcionar ordenadamente. O lado direito também seria arrumado. Sandro tem condição atlética para cair pelo flanco, como Souza faz no Grêmio, deixando Bolívar mais dedicado às funções defensivas. Mudando o Magrão por Glaydson melhoraria o desempenho do meio-campo e, por efeito, o ataque também seria melhor abastecido.

Depois, bastaria Tite substituir quem, mesmo assim, continuasse apresentando deficiências técnicas. Penso que este é o time que Tite deveria escalar. Mas não escala.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Para vencer fora, Grêmio precisa ser diferente

28 de julho de 2009 17

Daniel Marenco

Amanhã em São Paulo, o Grêmio desfrutará uma daquelas oportunidades especiais para alcançar ampla reabilitação em jogos longe do Olímpico. E a grandeza do adversário poderá facilitar a tarefa gremista, por mais paradoxal que possa parecer.

Seguinte: Paulo Autuori tem reiterado que o seu time precisa jogar fora de casa da mesma maneira que joga no Olímpico. Penso diferente. Qualquer equipe, quando joga diante da sua torcida, sente-se motivada a agredir o adversário, a impor o ritmo do jogo, a ditar a cadência do confronto. Fora de casa, inverte-se a situação. Neste caso, quem é visitante precisa se colocar em posição de surpreender o adversário, aproveitando-se da sua volúpia para atacar.

Proteger-se atrás, esperando o melhor momento para contra-golpear, é a melhor estratégia para se dar bem em território adversário. Autuori quer o Grêmio igual, em casa ou fora. Mas, como se trata do São Paulo, é possível que o time, naturalmente, seja mais previdente e procure não se expor demasiadamente.

Em outras palavras: acho que o Grêmio não marcará o São Paulo a partir do seu campo defensivo. Vai esperar para, matreiramente, contra-atacar. O único obstáculo para que esta estratégia tenha chance de ser bem sucedida é a ausência de jogadores velozes no ataque. Mesmo assim, será jogo para, primeiro, tentar não sofrer gols. Depois, se possível, fazê-los.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Afastamento de D`Alessandro é recado do clube

28 de julho de 2009 70

Daniel Marenco

Poucos meses atrás, D`Alessandro derramava juras de amor pelo Inter e pela torcida colorada. Estava tão empolgado que se dispunha, até, a fazer um novo e prolongado contrato. Hoje, é um dos jogadores mais bem pagos, no Beira-Rio, afastado do grupo principal. Vai treinar, separadamente, do elenco principal. Fernando Carvalho justificou a decisão destacando que D`Ale está fora de forma e jogando mal.

Por que estaria forma de forma? D`Ale tem faltado aos treinamentos? Não tem se empenhado nos trabalhos? A imprensa não pode oferecer resposta para estas perguntas porque no Inter os treinamentos são fechados, simplesmente. Sabe-se o que se vê, nos jogos: D`Alessandro parece emburrado, desmotivado, sem vontade.

Que Tite anunciasse que D`Alessandro irá para a reserva, seria a atitude mais convencional. Mas, quem comunicou o afastamento do argentino foi Fernando Carvalho, responsável pelo futebol colorado. Logo, não se trata de uma decisão, puramente, técnica. É punição.

Como não tenho respostas convincentes, arrisco uma especulação. D´Alessandro foi punido por duas razões:

Para servir de exemplo, principalmente para Taison, seu melhor amigo. Afinal, se uma das estrelas do time recebe tão grave castigo, por que não poderá acontecer, também, como outros jogadores, menos coroados?

2 — D`Ale corre sério risco de ter sua punição de 60 dias confirmada pelo STJD. Neste caso, ficaria afastado, de qualquer maneira. O Inter pode ter aproveitado para mandar um recado para o elenco.

Seria complicado demais tirar do time todos os jogadores que estão comprometendo. Como a direção tirou D`Alessandro, Tite está autorizado a tirar mais um ou dois. Estaria começando a reconstrução do time.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Douglas Costa não consegue vislumbrar seu futuro

27 de julho de 2009 51

Carlos Edler

Luiz Onofre Meira, após o jogo contra o Santo André, assumiu atitude que, dificilmente, dirigentes assumem. Questionado sobre o incidente que envolveu Douglas Costa, detido por estar dirigindo sem habilitação, Meira foi claro e direto:

 Nós já conversamos com o Douglas sobre este e outros problemas.

Ficou nítido o desconforto do dirigente diante da teimosia e indiferença de Douglas Costa com relação aos conselhos que recebe. O garoto tem apenas 18 anos. Está em plena adolescência. Muitos jovens nesta idade julgam-se intocáveis. Pensam que podem tudo e que a ninguém devem ouvir.

A afirmação de Douglas Costa tarda, exatamente, por esta sua rebeldia juvenil. Como tem recebido bons conselhos e ignorado todos, o jogador se submete a possibilidade de vir a ser mais um caso de talento desperdiçado. O menino não consegue vislumbrar o seu futuro. Se conseguisse, identificaria as imensas diferenças entre uma vida de dificuldades financeiras e outra marcada por realização profissional e alentado saldo bancário.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Torcedor colorado está mirando no alvo errado

27 de julho de 2009 181

Diego Vara, Banco de Dados ZH - 28/05/2009
Pergunta ao torcedor colorado que, na sua inconformidade, vê na demissão de Tite a única solução para os problemas do Inter:

— Você afastaria do time titular Índio, Álvaro, Bolívar, Magrão, D´Alessandro e Taison, simultaneamente?

Se a resposta for positiva, você é mais do que um valente. É, no mínimo, um aventureiro desatinado. Mas, você pode pensar que todos estes jogadores estão tendo rendimento de segunda divisão por culpa do treinador. Então, neste caso, a substituição de Tite seria aconselhável. Mas, será que Índio perdeu explosão por causa do treinador? Será que Álvaro não consegue mais marcar, nem quando usa as mãos, por culpa de Tite? Porventura Magrão se arrasta em campo, há dois meses, por decisão do treinador? D´Alessandro afundou em trágica crise técnica e a responsabilidade é do treinador? E Taison, que só aceita críticas de quem já jogou futebol, tem sido figura decorativa, também, por causa de Tite? Todos estes jogadores, por motivos variados, estão enterrando o Inter. Se alguém pensa que a simples substituição do treinador os faria render melhor, está apontando para o alvo errado. Os verdadeiros responsáveis pela crescente crise colorada calçam chuteiras e estão no campo. Ainda que Tite venha cometendo os seus pecados como, por exemplo, manter no time quem está em péssima fase. E, aí voltamos a questão inicial: como substituir meio time, de uma só vez?

O Inter fez dois gols, no Engenhão. A derrota para o Botafogo, portanto, não passou pelo ataque e a falta de Nilmar. Dois gols marcados, jogando fora de casa, é boa produção ofensiva. Sofrer três gols é o problema. A propósito, os “três volantes” não estão jogando.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Grêmio cresce e Inter desce a ladeira

25 de julho de 2009 70

Daniel Marenco e Maurício Val, VipComm

O Grêmio fez a torcida esquecer a derrota para o Avaí. Não concedeu tempo para lamentações. No jogo seguinte, reabilitou-se derrotando o Santo André a avançando na pontuação.

Não foi uma atuação esplendorosa. A defesa sofreu dois gols, sempre um fator de preocupação. Mas o ataque fez três, sem contar com Maxi López. Souza, mais uma vez, foi o destaque da partida. Marcou um golaço inesquecível. É o jogador mais regular do Grêmio.

Mario Fernandes confirmou que Paulo Autuori faz muito bem mantendo-o na lateral-direita. Desta vez, além de desempenhar as funções básicas de marcação, Mário esbanjou categoria em várias subidas para o ataque. O Grêmio mereceu vencer.

Já o Inter continuou desabando. O primeiro tempo foi trágico. O Botafogo, equipe média ou menos, dominou o jogo, fez 2 a 0 e não concedeu chance alguma ao Inter. Mais uma vez, o quarteto fantasticamente ineficiente formado por Álvaro, Bolívar, Magrão e D`Alessandro, deixou o time na mão. Pobre do Sorondo e do Sandro, tentando compensar a mediocridade dos quatro.

Álvaro rende cada vez menos. Já não consegue, sequer, segurar os adversários com as mãos, o que tentou fazer no primeiro gol do Botafogo, sem sucesso. O adversário ganhou na bola e saiu o gol. Bolívar é zagueiro e não consegue ser lateral. Mas Fernando Carvalho insiste que ele cumpre o que manda Tite.

Magrão já vai fechar dois meses de total inoperância, e D`Alessandro parece ser o único jogador argentino preguiçoso. Inexplicável. No Intervalo, Tite substituiu D`Ale por Giuliano. O Inter mudou. Adquiriu vivacidade, passou a atacar, até Andrezinho melhorou de rendimento. Foi assim que o Inter reagiu e empatou.

A outra mudança, que chega com quase 60 dias de atraso, foi colocar Marcelo Corseiro no lugar de Magrão. O time melhorou ainda mais, mas a defesa, que não garante nada, sofreu mais um gol. Nova derrota do Inter. Mais alguns metros ladeira abaixo.

Fernando Carvalho, desta vez, mostrou que a sua paciência acabou. E Tite, tudo indica, já está com o bisturi na mão para fazer a indispensável cirurgia que deve extirpar do time jogadores que mais tem sido turistas em campo do que competidores.

Postado por Wianey

Bookmark and Share

Nilmar, venda anunciada e confirmada

24 de julho de 2009 82

Genaro Joner

Nilmar foi vendido por cerca de 15 milhões de euros. Foi a venda mais anunciada dos últimos tempos. O Inter estava diante de uma sinuca de bico: ou vendia Nilmar agora, ou enfrentava o risco de vê-lo sair mais tarde, sem deixar um centavo nos cofres do clube.

Em 2007, o Inter trouxe Nilmar. Em 2008, para manter o atacante no Beira-Rio, o Internacional fez um grande investimento em parceria com o empresário Nelcir Sonda. Adquiriu do próprio jogador a parcela que lhe cabia dos seus direitos econômicos (passe). Com a transação, o Inter passou a ser proprietário de 78% do “passe” de Nilmar, sendo os 22% restantes de Sonda. Clube e jogador firmaram contrato até setembro de 2011.

Sempre que um clube celebra um contrato longo com um jogador, a duração do compromisso, na verdade, é inferior ao prazo estipulado. A explicação é simples: se o contrato expira em 2010, por exemplo, o clube tratará de negociar o jogador, no máximo, um ano antes. Isto porque, à medida que se aproxima o final do compromisso, o jogador pode preferir não ser negociado já que, encerrado o contrato, ele será dono de 100% do negócio.

No caso de Nilmar ainda faltavam dois anos para expirar a sua relação com o Inter. Está noticiado que o Villarreal pagou em torno de 15 milhões de euros ao Inter. Ora, Nilmar sabe que se continuasse no Inter até setembro de 2011 embolsaria 100% do que obtivesse com a venda dos seus direitos econômicos. Nesta data, o negócio poderia estar avaliado pelos mesmos valores de hoje, menos ou até mais, dependendo da sua performance nos próximos dois anos. O Inter, neste caso, nada ganharia com sua saída.

Cabe lembrar, e aí é que reside a singularidade da situação, que Nilmar já tinha vendido sua parte no negócio chamado passe. Se decidisse esperar por 2011, venderia pela segunda vez o mesmo produto. E o Inter, que teria adquirido 78% do “passe“, perderia integralmente o seu investimento, que passaria a ser apenas pagamento pelo empréstimo de três anos.

E o parceiro, Nelcir Sonda, como ficaria na história sendo proprietário de 22% de nada? Obviamente, o Inter teria que indenizar o seu parceiro. Nilmar passaria a ser o mais caro empréstimo de um jogador na história do futebol brasileiro e, provavelmente, sul-americano. Porém, Nilmar aceitou ser vendido. Não se repetirá o “caso Ronaldinho” ou Kaká, que deixou o São Paulo por US$ 8 milhões, uma ninharia, porque o final do seu contrato já estava irremediavelmente próximo. A legislação é predadora dos clubes. Lição: contrato de cinco anos nunca dura mais do que quatro anos. Ou menos.

Postado por Wianey

Bookmark and Share