Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Horários dos jogos, voltou o bom senso

10 de fevereiro de 2010 15

Em iniciativa digna de um verdadeiro magistrado, o juiz do Trabalho, Rafael da Silva Marques convocou a Federação Gaúcha de Futebol e o Sindicato dos Atletas e instou-os para, em 24 horas, entrarem em acordo sobre os horários dos jogos. Não precisou tanto tempo. Meia hora foi o suficiente para as partes se entenderem.

Sábado, com a concordância dos atletas, os jogos serão às 16h. Depois, até o fim do horário de verão, às 17h, como era antes da polêmica. Dali para frente, 16h. O termômetro estreia e se despede neste sábado. Se, às 16h, a temperatura estiver acima dos 35ºC, o árbitro terá que esperar que baixe. Mas será a primeira e a última vez que o termômetro será usado.

A CLT, em dois artigos, prevê questões de insalubridade e periculosidade. Nos casos definidos, o trabalhador deve receber um adicional financeiro, mas NUNCA se negar a trabalhar. Jogador de futebol não recebe este adicional porque não exerce uma atividade considerada insalubre. Restaria, ainda, portaria do Ministério do Trabalho que criou normas de proteção à saúde do trabalhador. Entre elas, a que prevê atividade laboral sob altas temperaturas.

Mas, importante, só se aplica a quem trabalha, CONTINUADAMENTE, sob forte calor. Digamos, todos os dias, oito horas por jornada. Não é o caso do futebol. O jogador pode, eventualmente, trabalhar sob alta temperatura, mas não ultrapassa as duas vezes por semana, normalmente, durante 90 e poucos minutos.  O Sindicato dos Atletas pode, até, reivindicar que o Ministério do Trabalho inclua o futebol entre as atividades insalubres. O Ministério criará uma comissão para analisar o pedido e dirá sim ou não. Mas, enquanto isso não for feito, o futebol continuará sendo uma atividade normal.

A questão, claro, admite outros desdobramentos jurídicos. Não sou advogado, apenas busquei informações para saber se era legal o pedido dos atletas. Descobria que não existia amparo na legislação. Apenas isso. Porém, importa que tenha voltado o bom senso. Doravante, os internautas que escreveram inconformados com a posição do blogueiro podem direcionar suas inconformidades para o Sindicato dos Atletas, que concordou com o recuo. Eu dou opinião, apenas. Eles é que decidem.

Bookmark and Share

Comentários (15)

  • BETO diz: 10 de fevereiro de 2010

    O que tinha que mudar era o horário das 21:50. Isso não é horário pra jogo, ainda mais se o cara vai no estádio: sai meia-noite, vai dormir duas da manhã e por aí vai… Tinha que ser, no máximo, às 20:30. Horário perfeito! O cara sai tranquilo do trabalho, chega em tempo no estádio, sai num horário bom e era isso. O PROBLEMA É QUE A NOVELA DAS OITO MANDA NO BRASILLLLLLLLLLL! UAUAHUHAUAHU! E DALE GRÊMIO QUE NÃO JOGA NADAAAA! MESMO ASSIM EU TE AMO!

  • elio miguel diz: 10 de fevereiro de 2010

    Pois é. Mesmo assim, o juiz teve o seu momento de glória.

  • Thiago diz: 10 de fevereiro de 2010

    Só porque não existe legislação disciplinando como atividade insalubre, não quer dizer que, de fato, não seja. Tem que ter uma visão geral e ser menos “legalista”, até porque existem lacunas nas leis, as quais podem ser solucionadas pelo Judiciário no caso concreto, antes que se tornem dispositivos legais. Pessoa que não entende nada de Direito fica dando pitaco errado, como se fosse um absurdo a decisão correta do Juiz de impedir jogos em horário em que o sol e o calor são inclementes, numa atividade que demandada grande esforço físico, muitas vezes em ritmos intensos durante o jogo. Favor, antes de escrever sobre Direito, interpretação e aplicação da legislação, leia, ao menos, um livro de Introdução ao Estudo do Direito. Dessa forma, informará melhor teus leitores.

  • Anderson diz: 10 de fevereiro de 2010

    E diz que “Voltou o bom senso” quem é comandado pela TV, que é quem manda nesse país de … Ou será que os Atletas não recuaram com medo de perder o dinheiro da TV.

    Se dizes que voltou o bom senso, então apoie uma Licitação aberta para transmitir os jogos de futebol e vamos ver como fica.

  • Roberto diz: 10 de fevereiro de 2010

    Sou contra, mas faz sentido. Se o boxe, que é seguramente prejudicial à saúde dos lutadores, causando a morte de vários por ano e deixando seqüelas na maioria, senão em todos, tem a conivência das autoridades, porque o futebol teria qualquer tipo de regulamentação em favor dos jogadores? Se o Sindicato aceitou é porque tem muitos mais jogadores dispostos a correr riscos por dinheiro do que preocupados com a própria saúde. Importante é alimentar a família.
    Na verdade, a vida de jogador de futebol é tão cheia de sacrifícios (começa que saem de casa ainda meninos pra morar em concentrações, normalmente sem os luxos proporcionados pelos grandes clubes, sem estudar direito, etc.) que jogar no calor é apenas mais um obstáculo a ser superado para alcançar o sonho de ficar ricos ou pelo menos sustentar a si próprios e à família. Se estes objetivos só podem ser alcançados trabalhando no sol a pino, que seja então.

  • Claudio Colorado diz: 10 de fevereiro de 2010

    De que adianta trazerem de volta ao Brasil o Adriano, Ronaldo, Robinho entre outros se é fato que o rendimento deles e dos demais não será o mesmo debaixo de um sol escaldante das 16h? Eles até podem estar preparados para jogar nessas condições, mas o fato é que vão correr menos, e o que poderia ser um jogão se transforma num jogo comum prejudicando a todos, os torcedores do estádio e o da TV. E por falar em TV quando o jogo é transmitido debaixo de um forte sol muitas vezes a bola chega a sumir da tela por causa do reflexo. Tanto é verdade que um tempo atraz tentaram resolver isso adotando as ridículas bolas laranjas que só pioraram a situação!

  • adriano diz: 10 de fevereiro de 2010

    Poxa, chiaram um monte por causa dessa mudança de horario, mas nao falam nada do horario nobre né? Bah, é inaceitavel um jogo ser realizado as 22h por causa de uma novela. Eu acompanho meu time sempre, mas esse horario esta me prejudicando, pois eu vou aos jogos de onibus. Chego quase 2 da manhã em casa e no dia seguinte acordo as 7h para trabalhar. Eu entendo que voces, jornalistas, defendam a emissora que paga seus salários, mas pensem pelo menos uma vez na vida nagente. Grato

  • Adriano diz: 10 de fevereiro de 2010

    E aí Wianey, mais tranquilo agora que as coisas estão como você quer? Vai parar de perseguir e zoar o juiz do trabalho? hehehe. Fala de futebol agora Wianey. Abraço.

  • DireitoeTrabalho.com » Blog Archive » Calor e futebol: a conciliação. diz: 10 de fevereiro de 2010

    [...] câmaras. No entanto Wianey Carlet diz ter ao seu lado a legislação. Na sua opinião, expressa hoje no seu blog diz o seguinte: A CLT, em dois artigos, prevê questões de insalubridade e periculosidade. Nos [...]

  • Cleber Sana diz: 10 de fevereiro de 2010

    Wianey, o que parece que não conseguistes entender, é que a revolta dos leitores não era apenas pela questão em si, e sim pela forma desrespeitosa(com a nossa inteligência) com que tu tratastes o assunto! Com o fato de a Televisão ditar os horários dos jogos, sem nenhum limite de bom senso por parte dos negociadores, na busca de proteger os interesses dos torcedores. “Só” isso!

    Acho que poderias usar o “caso criado”, dar uma olhada com calma nos comentários dos teus leitores, e repensar a tua forma de atuação neste blog. Dê uma conversada com o Mário Marcos, repense a forma como usas essa ferramenta para interagir com os leitores, assim podes recuperar em parte o respeito que perdeste de muitos de nós.

  • Rodrigo diz: 10 de fevereiro de 2010

    Esse assunto já rendeu além do que devia, na verdade um monte de gente usou o assunto para se auto promover, tais como sindicatos , FGF, justiça do trabalho ….. resumindo , continuará tudo como está….. E seguimos na nossa medicridade de Brasil.

  • Raukores diz: 10 de fevereiro de 2010

    Bom senso, ou sua opinião?
    Pra mim tinha que repensar gauchão e outros estaduais, longos demais, deixar os caras fazerem pré temporada adequadamente, e ai que joguem no calor ou frio. Agora seu argumento de dois jogos por semana, não me convenceu. Se não o fator altitude também pode ser desconsiderado, pois os atletas jogarão somente 90 min em ar rarefeito, sem problemas então? Também tenho curiosidade em por que defendes ferrenhamente uma questão onde me parece óbvio que o resultado será sempre o “menos pior” ao invés do certo. É obvio que todos vão puxar a sardinha pra sua brasa, a TV querendo seu horários (definidos em contrato), os jogadores não querem se matar sob sol de 40°, os clubes estão preocupados com lesões e desgaste, e o pobre torcedor esta preocupado com o fato de fazer um calor do cão e não poder tomar sua cerveja no estádio (ao meu ver a maior injustiça com o torcedor que NÃO FAZ BADERNA).

  • marcelo diz: 10 de fevereiro de 2010

    Sr. Beto.
    Acredito que o Sr. more em POA.
    Mas uma boa porcentagem do público que vai ao estádio vem do interior.
    Nem às 21:50 h é “tranqüilo” para chegarmos ao estádio.
    Imagine que saimos direto do trabalho, não temos tempo de tomar banho ou comer alguma coisa, chegamos “em cima do laço” para os jogos muitas vezes e chegamos em casa lá pelas 4:00 h da manhã. Não estou nem mencionando os gastos que temos para com cada jogo. E ainda assim vamos freqüentemente ao estádio.
    Um abraço e gostaria que o senhor refletisse sobre isso.

  • naneds diz: 10 de fevereiro de 2010

    graças a TV temos de ir aos estadios as 22h para assistir a um jogo que acaba as 00h00, pegar um onibus lotado e chegar em casa a 1h30 para se levantar no dia seguinte as 7h para mais um dia de trabalho. Agradecemos a novela!

  • andre diz: 10 de fevereiro de 2010

    Ok. Passou os 15 min. de fama desse tal juíz. Mas uma coisa é certa e até o presidente do Araguaia sabe muito bem. Veja as palavras dele: “– É uma bagunça organizada. Nem nós sabemos direito qual é o horário. Cada hora é um horário. Eu estou achando que a televisão manda mais que qualquer coisa neste país.”

Envie seu Comentário