Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros

Aditivo da arena gremista dá o que falar

31 de agosto de 2011 93

Peço aos torcenautas que prestigiam este blog, para que leiam com atenção o que dizem estes dois torcedores, um gremista e outro colorado, referindo-se a arena gremista e a reforma do Beira-Rio:

“Em ZH de hoje, no caderno de esportes, foi noticiada a ampliação do projeto Arena do Grêmio, com aumento da capacidade do estádio de 53 mil para 60.700 torcedores. Em troca, a empresa OAS passa a dividir a receita do estádio desde o seu início, enquanto o projeto original previa esta divisão a partir do sétimo ano.

Sempre fui simpático ao projeto. Todavia, esta notícia me causa muita preocupação. Primeiro, porque se divulga um aumento de 65 milhões no custo da obra. É relatado, ainda, que será o maior estádio do sul do país. Pergunto-me qual a necessidade de um estádio de 60 mil pessoas? Quantas vezes por ano será atingida esta capacidade? Ao que parece, esta alteração é mais um devaneio da rivalidade Gre-Nal. Justifica-se apenas para que possamos dizer que nosso estádio é maior que o deles.

Preocupa-me que dirigentes contraiam tamanha despesas para o clube, motivados por razões tão pequenas. Preocupa-me, ainda mais, que um projeto tão dispendioso, que consumirá tanta receita do clube, não tenha a devida atenção dos gremistas, a despeito das notícias veiculadas na mídia.

Espero que os dirigentes de hoje sejam lembrados pelo período em que o Grêmio precisar pagar esta conta (David Corrêa Dória)”.

Atentem, agora, para os cálculos apresentados por este torcenauta:

“Wianey, impossível não comentar: não é apenas nas obras públicas que se verificam absurdos e/ou descalabros, como o superfaturamento de obras. A única certeza que se tem, tratando-se de obras de grande porte no país, é que, independentemente da natureza pública ou privada da obra, as grandes construtoras sempre saem ganhando lucros exorbitantes, em detrimento de toda uma coletividade. O recém noticiado aditivo para Arena do GFPA é um exemplo: segundo as notícias publicadas nos meios de comunicação, a obra estaria orçada em R$450milhões de reais e a capacidade prevista para o estádio seria de 56.700 torcedores, o que significa, aplicando-se uma “regra de três simples”, que o Grêmio estaria arcando com um valor de R$7.936.507,93 ou aproximadamente oito milhões de reais para cada grupo de um mil torcedores, na proposta original.

Já pelo aditivo, o Grêmio estaria arcando com um valor de R$65milhões para mais 4mil novas vagas no estádio, o que significa, novamente aplicando-se uma “regra de três simples”, que cada grupo de um mil torcedores adicional custará ao GFPA o valor de R$16.250.000,00, ou seja, um pouco mais de R$16milhões.

Resumindo: as 4mil novas vagas no estádio custarão, proporcionalmente, mais do que o DOBRO do valor das vagas originais. Para ser mais preciso, as novas vagas custarão 204,75% [= (16.250.000,00 ¸ 7.936.507,93) X 100] a mais do que as antigas! É um absurdo!

Apenas para comparar, a variação acumulada do INPC desde fevereiro de 2007 (mês em que a OAS apresentou publicamente o projeto da Arena) totaliza um percentual de 28,08%! Isso significa que aludida variação percentual no valor das vagas da Arena equivale a 7,29 vezes (= 204,75% ¸ 28,08%) a variação da inflação cumulada desde a publicidade do projeto, medida pelo INPC-IBGE.

É por essa e outras que algumas notícias veiculadas na imprensa sobre a chamada “parceria estratégica” do Inter com outra grande construtora nacional têm me deixado apreensivo como colorado. Acho que seria de muito bom tom, se a Diretoria do SCI tornasse públicas as principais condições e exigências da empresa Andrade Gutierrez, antes de se comprometer contratualmente.

Em outro aspecto, creio que seria interessante se você publicasse algum comentário a respeito em sua coluna ou em seu blog, no intuito de alertar os gremistas mais incautos e desatentos para a dimensão do ônus que terão de arcar para possuir o maior estádio do Rio Grande do Sul por uma diferença de apenas 1.700 vagas, bem como para evidenciar a postura de tão “afável” e “despreendida” parceira estratégica (estou sendo irônico, é claro).

Atenciosamente, Tales Braun Pivatto”.

Bookmark and Share

Comentários (93)

  • Antonio Carlos diz: 31 de agosto de 2011

    Resta saber quem é o gremista e quem é o colorado! O colorado deveria se preocupar em pesquisar, fazer calculos e perguntas sobre a “reforma” do Beira Rio, que sairá os tubos para o Internacional sediar tres ou quatro jogos da Copa, sendo que na epoca da Copa já existirá um estadio novo, pronto e dentro das normas FIFA. Aí se pergunta porque gastar em outro estadio? Quanto a capacidade do estadio, o Beira Rio, em projeto original não era estadio para 55.000 expectadores?

  • JOÃO diz: 31 de agosto de 2011

    Não, tá errada a informação. O aditivo de R$ 65 milhões se refere, sim às 2.000 cadeiras, MAS TAMBÉM À CONSTRUÇÃO DE UMA SUB-ESTAÇÃO DE ENERGIA ELÉTRICA E À CERTIFICAÇÃO LEED (CERTIFICAÇÃO AMBIENTAL).

  • Matheus diz: 31 de agosto de 2011

    Mais uma vez vejo desinformação.

    O valor de R$ 65 milhões do aditivo não são apenas para expandir em 4 mil lugares a Arena.

    Antes de mais nada, vale a pena ressaltar que a OAS fica responsável por TODO E QUALQUER PREJUÍZO QUE A SUPERFICIÁRIA TENHA, GARANTINDO ASSIM OS VALORES MÍNIMOS A SEREM RECEBIDOS PELO GRÊMIO.

    As melhorias no projeto feitas no aditivo foram dadas pelo Carlos De La Corte.

    São basicamente 3 melhorias: nova sub-estação de energia, selo LEED e o aumento da capacidade.

    São duas mil cadeiras DO GREMIO (é uma espécie de reserva técnica, e o Conselho Deliberativo irá definir o que será feito com elas). As outras 2 mil ficarão no setor gold e pertencerão à superficiária (não à OAS). Ou seja, estas duas mil cadeiras também gerarão receitas para o clube.

    O custo do aumento da capacidade é de R$ 27 milhões. A implantação desta mudança representa pro clube um ganho líquido no valor PRESENTE de R$ 18 milhões.

    - Certificação LEED: pode representar uma economia de cerca de R$ 3 milhões por ano, sendo 50% deste valor referente à reutilização da água da chuva. O investimento é de 5% do valor total da obra (R$ 25 milhões). Seis estádio da Copa estão sendo construídos com esta certificação e, no mundo, existem apenas outras 84 arenas com esta certificação.

    Alguns benefícios do selo LEED: aumento da área comercial do estádio e valorização dos naming rights.

    - Sub-estação: é um pedido do Grêmio à OAS. É uma estação de uso EXCLUSIVO DA ARENA. Existe no contrato original a construção de uma sub-estação de 13 KvA. Esta sub-estação vai continuar existindo.

    O aditivo é para se construir, ALÉM DESTA ESTAÇÃO DE 13 KVA, uma OUTRA estação de 69 KvA, por dois motivos:

    * segurança no fornecimento de energia
    * para comprar energia mais barata

    Custa R$ 14,2 milhões instalada e gera uma economia anual de 2 milhões. A valor presente, gera uma economia para o Grêmio, nos 20 anos, de algo em torno de R$ 13 milhões (lembrando, valor PRESENTE).

    Todas essas informações são do conselheiro Giuliano Vieceli.

    Então Wianey peço que esclareça isto em seu blog, assim como deu voz as críticas.
    Obrigado

  • Airton diz: 31 de agosto de 2011

    O aditivo não contempla apenas as 6 mil vagas, mas também uma substação de energia elétrica, por isso os cálculos do colorado são inválidos. Mas seria realmente interessante que ouvesse o detalhamento deste aditivo pra informar o torcedor e principalmente o sócio gremista.

  • Cristian diz: 31 de agosto de 2011

    Pelo que li na reportagem a respeito, esse valor não é somente para o aumento da capacidade do estádio, há outros fatores inclusos. Vale lembrar, que a arena não vai ser usada exclusivamente para jogos. Em grandes shows se atinge facilmente 60000 pessoas. Para os colorados, se preocupem com seu remendão.

  • cesar diz: 31 de agosto de 2011

    Tem toda a razão Tales. Isso é só perfumaria para ficarem se vangloriando que um estádio é maior do que o outro. Sou Sócio Colorado e desde o início das obras do Beira Rio sou contra o padrão Fifa só para receber dois ou três jogos de segundo escalão. Sou a favor sim, de cobrir o estádio e colocar cadeiras em todos os locais, mas, quanto a levantar arquibancada ou rebaixar gramado só para atender o padrão Fifa e entregar o estádio para uma construtora por 20 anos sou totalmente contra. Falastes com propriedade e acho que é o que a maioria pensa.

  • rafael diz: 31 de agosto de 2011

    mas para esses valores deve-se levar em contas muitos fatores nao apenas o dos”lugares”

  • José diz: 31 de agosto de 2011

    Obs: esqueceram de que o aditivo não contempla apenas aumento da capacidade da Arena…, segundo o que se tem noticiado na imprensa, incluiria a construção de centro de treinamento e sede administrativa do club….

  • John Mark Paganella diz: 31 de agosto de 2011

    Prezado Wianey.

    Em relação ao aumento da capacidade da Arena do Grêmio, essa rivalidade que temos entre os dois times do RS que faz os dois serem grandes.

    Quanto ao valor que será gasto a mais… Esses 65 milhões não serão somente para o estádio, será construído um centro de treinamento, sede administrativa do clube e outras melhorias no projeto no complexo da Arena.

    Saudações Tricolores!

  • Rafael diz: 31 de agosto de 2011

    - Aumento da capacidade: mais 4 mil cadeiras (ou seja, 56 mil com cadeiras na área da geral, 60 mil sem cadeiras na área da geral)

    São duas mil cadeiras DO GREMIO (é uma espécie de reserva técnica, e o Conselho Deliberativo irá definir o que será feito com elas). As outras 2 mil ficarão no setor gold e pertencerão à superficiária (não à OAS). Ou seja, estas duas mil cadeiras também gerarão receitas para o clube.

    O custo do aumento da capacidade é de R$ 27 milhões. A implantação desta mudança representa pro clube um ganho líquido no valor PRESENTE de R$ 18 milhões.

    - Não haverá mais fosso. Dos estádios da Copa, 9 não terão fosso (inclusive o Beira-Rio).

    - Certificação LEED: pode representar uma economia de cerca de R$ 3 milhões por ano, sendo 50% deste valor referente à reutilização da água da chuva. O investimento é de 5% do valor total da obra (R$ 25 milhões). Seis estádio da Copa estão sendo construídos com esta certificação e, no mundo, existem apenas outras 84 arenas com esta certificação.

    Alguns benefícios do selo LEED: aumento da área comercial do estádio e valorização dos naming rights.

    - Sub-estação: é um pedido do Grêmio à OAS. É uma estação de uso EXCLUSIVO DA ARENA. Existe no contrato original a construção de uma sub-estação de 13 KvA. Esta sub-estação vai continuar existindo.

    O aditivo é para se construir, ALÉM DESTA ESTAÇÃO DE 13 KVA, uma OUTRA estação de 69 KvA, por dois motivos:

    * segurança no fornecimento de energia
    * para comprar energia mais barata

    Custa R$ 14,2 milhões instalada e gera uma economia anual de 2 milhões. A valor presente, gera uma economia para o Grêmio, nos 20 anos, de algo em torno de R$ 13 milhões (lembrando, valor PRESENTE).

  • Rafael diz: 31 de agosto de 2011

    - CT

    A OAS disponibilizou para o clube R$ 5 milhões para construção do CT para os profissionais. O CT terá 2 campos (pelo que vi no projeto) e será construído PELA OAS (e não pela superficiária). O que exceder os R$ 5 milhões é custo do Grêmio.

    - Área administrativa

    OAS disponibilizou também R$ 5 milhões para a parte administrativa (desde cabeamento até mobiliário, memorial, etc). O que exceder os R$ 5 milhões é custo do Grêmio. A loja é por conta da fornecedora de material esportivo, sem custos para o clube.

    - Aumento de área

    Por contrato eram 8 mil metros quadrados de área pro Grêmio. Esta área aumentou para cerca de 12 mil metros quadrados.

    Aumentou a área da loja, memorial, camarote presidencial, aumento na área do vestiário do Grêmio (fica conectado ao auditório) e mais uma área VIP com 378 cadeiras na parte mais nobre do estádio (com um lounge de 1000 metros quadrados).

  • Everton Marra diz: 31 de agosto de 2011

    Para lembrar…
    os R$ 65 milhões de aditivo contempla tambem um centro de treinamento profissional e outras questões conforme foi noticiado.

  • Alexandre – NH diz: 31 de agosto de 2011

    Ao colorado que gosta de fazer regrinha de três, ele primeiro tem que saber que neste valor de 65 milhões, estão inclusos o CT a beira do guaiba no valor de 10 milhões e o certificado “verde” que custa 25 milhões, sobraram 30 milhões, que dá o valor de 7,5 milhões para cada mil lugares, ou seja, menos do que o restante dos lugares.
    Agora uma perguntinha para este mesmo colorado.
    O que você acha da obra do Beira Rio ter saltado de 150 milhões para 290 milhões, quase o dobro do valor inicial??
    Cada um que cuide do seu time, não precisa se preocupar com as obras da Arena Tricolor, elas estão indo muito bem, já as reformas no Beira Rio que estão paradas, merecem um acompanhamento muito maior, pois pelo que se sabe, a Copa 2014 será jogo do Beira Rio, isto se estiver pronto!!!

  • Fabio Zanella diz: 31 de agosto de 2011

    Esses comentários são de quem desconhece o projeto, eu também não conheço a fundo, mas o suficiente para saber que não foi uma simples ampliação de capacidade (tem substação de energia, ampliação de áreas comerciais do Grêmio entre outras benfeitorias). Leiam o contrato antes de criticar.

  • Gustavo Dettenborn diz: 31 de agosto de 2011

    Meu pai largou o futebol de mão, pois ele afirma que muitos dirigentes utilizam o amor dos torcedores para enriquecer!
    Eu AINDA sou sócio do Grêmio, até quando eu não sei pq a decepção é muito grande com a administração do clube.
    Estas pessoas procuram apenas a promoção pessoal, vide nosso atual presidente.
    Abraços e por favor, continue divulgando.

  • Daniel diz: 31 de agosto de 2011

    Até acho que deve ter algum superfaturamento aí…..mas essa conta do Tales Braun Pivatto está meio errônea pois destes 65 milhões:

    Existem pelo menos estes 3 itens no aditivo pelo que sei:

    - Aumento da capacidade do estádio para 60.700, o que tornará a Arena o maior do Estado;
    - Uma subestação elétrica de alta tensão, que custará 14 milhões de reais;
    - Certificado ambiental, que reduzirá gastos com água, no valor de 25 milhões de reais;

    Então…acho que sobram aí no máximo 26 milhoes para aumento da capacidade o que daria no máximo 6,5 milhoes para cada 1000 lugares.

  • Diogo diz: 31 de agosto de 2011

    Para os desavisados neste valor de R$ 65.000.000,0 estão inclusos um CT para os profissionais e tambem uma central de aproveitamento eletrico e aproveitamento da chuva, tornando a Arena auto sustentável, que darão uma economia mensal de R$ 170.000,00 de energia, não são só o aumento das cadeiras.

  • Charles diz: 31 de agosto de 2011

    Caro amigo tales, pelo que eu sei esse investimento de 65 milhoões não são unica e exclusivamente para estes 4mil novos lugares, a OAS também irá construir um centro de treinamento, e ceder algumas areas comercias.

  • Marcelo diz: 31 de agosto de 2011

    Caro Wianey,

    Esses dois torcedores estão muito mal informados!

    O Aditivo de R$ 65milhões não envolve somente o aumento de 4mil lugares na Arena, ele envolve:

    1- Construção do CT Profissional do Grêmio.

    2- Construção de uma segunda subestação de energia para a Arena.

    3- Aumento na Área destinada à parte administrativa, loja e memorial, acrescido de mobiliário completo.

    4- Selo Leed (melhorias no estádio visando sustentabilidade ambiental).

    5- Ampliação de 4mil cadeiras, alargamento da esplanada e rampas de acesso.

    Abraços

  • Alvaro diz: 31 de agosto de 2011

    Concordo em parte com os dois… 1º se o Gremio vai aumentar ou não o estadio é problema do Gremio.. e se vai pagar ou não é outro problema… a Vale deve R$ 4 bilhões de royalties.. e é considerada uma baita empresa… esse papo de se preocupar com grana é coisa de quem não entende nada de cosntituição… pois existem brechas em tudo ao nosso redor…
    e outra esse colorado não sabe que depois de um projeto aprovado qualquer modificação tem um custo maior… não é so matematica que explica… e vai cuidar do teu time.. que logo logog vai se atolar tbm…

  • Marcelo diz: 31 de agosto de 2011

    aditivo de 65 milhões envolvem um CT de treinamentos, aumento da area de administraçao do Grêmio na arena, Selo Leed (sustentabilidade), subestaçao de energia eletrica, e as cadeiras. Logo o cálculo do camarada é totalmente SEM SENTIDO e só serve pra causar discórdia em torcedor que não está atento ao projeto ARENA.
    Outro detalhe que cabe ressaltar é a divisão de valores, anteriormente seriam 7 milhoes ano + 100 lucro, se não me engano, para o Grêmio. Agora serão 65% + 7 milhões.
    Cabe ressaltar que o fator da sustentabilidade fará com que o Grêmio economize cerca de 170 mil reais mes.

  • Luis Eduardo Wurdig diz: 31 de agosto de 2011

    Estão esquecendo, no caso do aditivo da Arena, que boa parte desse valor é composto por correção monetária. Além disso, esse valor engloba um aumento na área de exploração do estádio em favor do Grêmio, a construção de uma sub-estação de energia e o mais importante: um CT completo. Isso não pode ser sonegado pela imprensa! O próprio BNDS já emitiu parecer dizendo que a previsão de faturamento da empresa que gerirá a Arena é pessimista, ou seja, a Arena será superavitária, não só permitndo pagá-la com os próprios dividendos, como gerando lucro a ambos os sócios. Por fim, no que tange ao “entorno”, deve explorar quem coloca a grana no negócio, lembrando que qualquer pessoa pode adquirir uma área no entorno e construir o que bem entender. Tenho vários clientes que fizeram isso. Pq o Grêmio dveeria ter participação? Quem conhece os contratos deveria era se preocupar com a forma de negócio do Inter, será a falência do clube, escreve o que estou dizendo e me cobra depois. Abç.

  • Raul diz: 31 de agosto de 2011

    Boa tarde, Wianey,
    Desculpe, mas é muito mal informado este torcedor que comentou sobre a Arena do Grêmio, Primeiro, está noticiado em todos os espaços que o aditivo inclui:
    1 – aumento da capacidade do estádio, com o acréscimo de 2000 cadeiras que não entram no cálculo de público para divisão de valores entre a parceria e ficam totalmente para o Grêmio;
    2 – construção do CT profissional às margens da Free Way;
    3 – todo o mobiliário novo da parte administrativa do Grêmio na nova Arena;
    4 – aumento do espaço exclusivo do Grêmio no novo estádio de 9000 m² para 12000 m²
    5 – constução de uma sub-estação energia exclusiva para a Arena.

    Só para ter uma idéia, apenas a sub-estação tem um custo de R$ 14.000.000,00. E representará uma economia mensal de algo em torno de R$ 170.000,00 em energia elétrica.

    Podemos até discordar do aditivo, mas é necessário que a informação seja completa. O aumento da capacidade do estádio é apenas um dos vários pontos e melhorias do projeto que foram modificados no aditivo.

    Obrigado pela correção.

  • Thiago diz: 31 de agosto de 2011

    Prezados, é uma grande bobagem ou falta de conhecimento colocar que os 65 milhões do aditivo serão destinados apenas para aumentar a capacidade da Arena do Grêmio em 4mil lugares. Gostaria de informa-los que neste montante, além das 4 mil cadeiras, estão incluídos outros projetos. Ex: instalação de uma estação elétrica (investimento de aproximadamente 15 milhões), implementação de um sistema auto-sustentável ao estádio, como aproveitamento da água da chuva dentre outros (seguindo um padrão/selo internacional) do qual não tenho conhecimento exatamente do nome. Com estes projetos, o Grêmio deverá ecomomizar em torno de 200 mil reias mensais, quanto as perdas de arrecadação devido ao aditivo o mesmo sai em torno de 3 milhões em um período de 20 anos. Ou seja, uma quantia ridícula para um grande clube como o Grêmio.
    Abraços Wianey..caso você tenha interesse jornalistico sobre o que foi colocado, tenho certeza de que possuí fontes seguras para confirmar.

    Saludos aos Gremistas…

  • chico prates diz: 31 de agosto de 2011

    boa tarde
    eu fico aqui em uruguaiana so lendo essas barbaries,os dirigentes devem estar loucos,gostaria de saber se fosse negocios proprios deles se fariam este tipo de negocio,e claro q nao
    como nao e deles eles nao respeitam a instituiçao,lamentavel isso.
    boa tarde se e q podemos dizer boa tarde.

  • Bruno diz: 31 de agosto de 2011

    Li atentamente o post e o que me parece é que a primeira conta feita já está errada, ou seja, no projeto inicial estava previsto para 54 mil passando para 60,7 mil, ou seja, 6,7 mil a mais e não 3,7. Em segundo, qualquer empresa privada não faz nada de graça pra ninguém. Não entendo este espanto com relação aos custos deste mega emprendimento. Inclusive neste mesmo espaço a arena do Grêmio foi elogiado por ser o estádio mais barato do Brasil, a questão de ser o maior estádio do sul do Brasil, não vejo com tanta relevância mas vejo com bons olhos a questão de ser o estádio mais moderno do Brasil, detalhe que não foi lembrado.
    Boa tarde a todos, e toda discussão com relação a este assunto é sempre bem vindo.

  • Anderson. diz: 31 de agosto de 2011

    Vejo os dois torcedores questionando o valor o aditivo, porém, só se baseando no preço que custara o aumento de lugares. Nenhum deles, menciona o valor de uma subestação (gerador) que será colocado para que não aconteça falta de luz que nem no Engenhão. E muito menos a melhoria da estrutura para que se reaproveite a agua da chuva gerando em ambos ois casos redução de custo a medio – longo prazo.

  • Eduardo Magrisso diz: 31 de agosto de 2011

    Prezado Wianey:
    Tu és um dos poucos jornalistas esportivos que busca saber as razões e conhecer os fatos antes de emitir tuas opiniões. Foi assim no caso da “Lei Pele”, quando foste talvez o único a alertar das consequencias da nova legislação, e aquilo que disseste no passado hoje se confirma.
    Gostaria que, em relação ao aditivo da Arena, tu também busques conhecer os fatos e a lógica que conduziu a negociação. Por questões de sigilo, ligadas ao meu cargo de Conselheiro Fiscal, não posso abrir números. No entanto, posso apresentar alguns argumentos de conhecimento público, devidamente sistematizados para melhor entendimento: (I) o primeiro deles é fazer a pergunta correta. O que interessa não é o custo da obra, mas sim quanto o Grêmio pagará por ela. Para tanto, há que se verificar que o resultado da Arena será impactado pelo aumento das receitas, pela redução das despesas e pelo aumento das prestações do financiamento. Independente da projeção que se faça, este número nunca chegará perto do custo total da obra; (II) o Grêmio terá 2.000 cadeiras, na melhor situação do estádio, sempre a sua disposição; (III) o retorno do investimento da substação ocorre na primeira metade do contrato, com a redução de despesa de energia eletrica; (IV) o retorno da certificação Leed é bem mais lento; as vantagens são praticamente institucionais; (V) o Grêmio terá mais 3.000 m² de area interna, devidamente mobiliadas, a sua disposição podendo gerar receitas de locação; (VI) o Centro de Treinamentos estará montando, equivalente ao que o Inter está pretendendo comprar do A$$I$. (VII) temos que pensar e projetar a Arena para os próximos 10, 20, 30, 40 anos, para saber se os acréscimos valem a pena ou não. Lembra que pela localização, a Arena atenderá com facilidade todo o público da região metropolitana de Porto Alegre, praticamente dobrando sua clientela. Há ainda mais argumentos a favor, e certamente muitos outros contra. Mas uma análise desapaixonada, cotejando as vantagens e desvantagens, principalmente buscando enxergar o futuro, levará ao acerto da decisão tomada pelo Conselho Deliberativo, especialmente tendo em vista que muitas questões contratuais deverão atender às recomendações do Conselho Fiscal.

  • ADARIO FREITAS diz: 31 de agosto de 2011

    CARO WIANEY, DOMINGO PASSADO TIVEMOS OUTRO MANZEBE EM NOSSA VIDA, DIGO DOS COLORADOS. E AGORA O GREMIO EM VES DE CORRIGIR SUA ADMINISTRAÇAO TENTA SER IGUAL AO INTER NA APARENCIA.

  • juca diz: 31 de agosto de 2011

    Fala-se como se o aditivo da Arena fosse somente o aumento da capacidade do estádio. Lamentável.

  • Ronaldo diz: 31 de agosto de 2011

    Sou Colorado e desde o inicio nunca gostei da ideia dessa copa por aki, pode acabar prejudicando tanto o Inter quanto o rival….

  • Matheus diz: 31 de agosto de 2011

    Só tem uma coisa: o valor de 65 milhões ainda envolve um CT (centro de treinamento) novo e mais algumas mudanças no projeto para que se tenha alguns certificados ambientais, que ajudarão na economia de energia.

    Logo, a conta do torcedor colorado está errada!

  • DIEGO diz: 31 de agosto de 2011

    Boa tarde, está certa essa ampliaçãoe outras melhorias da ARENA..Abraços.

  • vinícius diz: 31 de agosto de 2011

    também fiz esse cálculo do Tales num primeiro momento, mas o aditivo também não engloba a construção do novo CT?

  • Gilberto Rossa diz: 31 de agosto de 2011

    Poxaa é uma palhaçada isso que fazem com o gremio.Esses 4 mil lugares novos não vão fazer diferença nenhuma.. não vão fazer falta nenhuma. O Olimpico é lotado 1 vez a cada 3 anos, e botar 65 milhoes de reais nisso?? Com 65 milhoes da pra montar um time de ponta e ganhar um brasileiro e uma libertadores, isso sim que ta fazendo falta. Mas esses dirigentes soberbos só pensam em ter um estádio maior que o do inter.. E vão afundar o clube com sua arrogancia…
    Antes o grêmio ia ter ao menos 7 anos de lucro 100%, que daria pra equilibrar as finanças.. mas ja trataram rapidinho de fazer cagada denovo..

    Ja reclamam da falta de verbas agora.. imaginem quando a OAS tiver levando metade dos lucros..
    Essa direção do gremio é de chorar.. todo dia uma burrada nova, um golpe novo nos cofres.. O cara tem que ser muitoo apaixonado pelo gremio pra continuar torcendo. por que ta dificil com uma direção assim. Depois nao vao saber por que os sócios rasgam as carteirinhas, por que a torcida do Inter cresce e a do gremio diminui. A grande verdade é que o Odone e sua corja estão ganhando uma bela fatia do bolo por baixo dos panos pra fazer isso com o Gremio!

  • Ronildo diz: 31 de agosto de 2011

    Caro Wianey:
    Os dois comentários acima são demasiadamente superficiais e pirotécnicos, senão irresponsáveis. Há falta de dados relativos a negociação do aumento da capacidade da Arena. Pelo que sei esta envolve diversos outros compromissos entre os quais a construção do centro de treinamentos. Para uma análise resposnável seria necessio colher mais dados.

  • matemático diz: 31 de agosto de 2011

    Caro Wianey essa matemática é simples! Me diz uma coisa: Custa menos comprar 2 litros de refrigerante ou comprar em latinhas ou garrafas de 600 ml? E outra não vai sair do bolso de ninguém da diretoria e sim da torcida!!!

  • Rafael Gremistão diz: 31 de agosto de 2011

    Não digo que sou a favor e nem contra esse aditivo da arena. Mas esse segundo leitor está bem desinformado. O valor de aditivo não é só para o aumento da capacidade, ele contempla várias outras melhorias como uma subestação de energia, CT, e outras coisas que não lembro agora.
    Se informar melhor antes de sair descascando por ai faz bem!

  • Vinicius diz: 31 de agosto de 2011

    Quem escreveu, é torcedor colorado, procure se informar nos blogs de pessoas do conselho e entenda o projeto antes de falar sobre rivalidade e estes mimimi que tem sido comum quando se trata de Grêmio.

  • Luciano Santos diz: 31 de agosto de 2011

    Boa tarde Wianey!
    Sou leitor assíduo do teu blog, e gosto muito da abertura que proporcionas aos leitores. Entretanto, me vejo na obrigação de discordar do último comentário feito acerca da nova Arena do Grêmio. O e-mail que publicaste do Tales faz uma matemática para mostrar um superfaturamento no aditivo da obra, e no meu ver ele é muito equivocado.
    Quando estamos falando de uma obra deste porte, inúmeros cálculos são necessários para o correto dimensionamento da estrutura, para resistência estática e em fadiga da estrutura, influência dos ventos ( que variA com a altura final da construção), entre muitos outros fatores que modificam a quantidade de material, de mão de obra, de equipamentos, etc, a serem utilizados na obra. Portanto, a ‘regra de três simples’ utilizada pelo autor do e-mail não se aplica neste caso. Este cálculo só pode ser feito tendo conhecimento das modificações necessárias na obra como um todo, e não simplesmente com o número total de lugares no estádio. Como uma comparação simples, é só pensar no caso de uma casa: ao adicionar um pavimento sobre o primeiro, o preço não é simplesmente o dobro do primeiro, pois desde as fundações até a lage do térreo devem ser dimensionadas para suportar o peso a ser colocado encima. Embora não seja exatamente a minha área (faço
    Engenharia Mecânica, e não Civil), creio que o esclarecimento seja válido.

    Atenciosamente,

    Luciano Santos

  • Gustavo diz: 31 de agosto de 2011

    Gostaria de saber qual a opinião do blogueiro a respeito do aditivo aprovado. Lembro que as melhorias do estádio não se restringem ao aumento da capacidade. Vejo muita gente transcrevendo a opinião de grupos políticos e torcedores e pouca gente opinando na imprensa. Grato.

  • Lucas Gutierrez diz: 31 de agosto de 2011

    Ao primeiro leitor eu diria que o Grêmio pretende ter mais de cem mil sócios, logo, estádio para 60 mil pessoas não me parece nenhum devaneio. Para os sócios e não sócios é muito bom. Significa mais lugares e espaço.

    Quantas vezes por ano o estádio lota? O Olímpico poucas, mas um estádio novo, confortável, com fácil acesso e bonito com certeza lotará mais vezes.

    Ao colorado matemático, é bom ele pensar que a lógica dele é rasa e pueril. A variação de um espaço não é metro por pessoas, é metro CÚBICO por pessoas.

    Uma alteração de espaço não cria uma zona nova no estádio apenas, ela modifica TODA A ESTRUTURA DA OBRA. Assim, não sei se o valor foi justo ou não, mas a eventual disparidade entre preço e incremento não é nem de perto a relatada pelo colorado, é menor.

    Abraço

  • Gabriel Mello diz: 31 de agosto de 2011

    Prezado Wianey e torcedor gremista. Os 4 mil assentos são apenas um dos pontos do aditivo. Além disso, uma subestação de energia elétrica será instalada, que dará independência energética ao empreendimento e custo reduzido de tarifas. Outro ponto é a certificação LEED, que é um selo de sustentabilidade, fará com que a obra toda seja adequada a princípios que permeiam pela economia e utilização eficaz de água, luz, resíduos de lixo e todos os pontos referentes a sustentabilidade. O retorno do investimento é muito bom para o Clube, que ainda tem ganhos no valor da marca (com relação a questão do selo LEED), pois a sustentabilidade está em alta e as empresas tem procurado investir em instituições que valorizam este quesito.

  • João Luís diz: 31 de agosto de 2011

    Olha, o que me preocupa, não é o quanto custará a Arena, pois a obra será com dinheiro privado. O que me preocupa é a enrolação do Beira-Rio, que entrerá verba do governo federal e esse dinheiro vem dos cofres públicos. Não sei até que ponto essa demora, não é manobra para cobrarem mais no fim. Ou o custo será o mesmo? Dúvido muito.

    Muito boa William! As pessoas tem preguiça de ler ou de entender mesmo, aí reproduzem bobagens! Wianey, fica a dica de publicares as melhorias, que o futuro estádio receberá com esse valor de R$ 65 milhões. Se não, será um telefone sem fio desgraçado essa história dos 4mil lugares.

    Abs a todos.

  • Guilherme Alves diz: 31 de agosto de 2011

    Absurdo! Com mais uma atitude impensada, a direção vai comprometer os ganhos (a empresa OAS passa a dividir a receita do estádio desde o seu início, enquanto o projeto original previa esta divisão a partir do sétimo ano) para inflar o peito e falar que possui o estádio com maior capacidade que o rival.
    É por isso que estamos sempre com times ruins. uma quantidade boa de dinheiro que iria entrar, agora vai ser pela metade. Não adianta estádio de primeira e time de 2°DIVISÃO!!

  • Roberto diz: 31 de agosto de 2011

    Este acréscimo já foi aprovado pelo Conselho Deliberativo do Grêmio, segundo eu sei. Wianey, peça ao Presidente do dito Conselho para explicar. Por mim, não vejo a menor necessidade do aumento.

  • Andre Bianchini diz: 31 de agosto de 2011

    Pelo que me informei e foi noticiado esse aditivo não compõe apenas mais 4.000 cadeiras e sim uma maior infra-estrutura para a parte administrativa e uma sub-estação de energia elétrica, que é o mais importante. (sub-estação de 32 milhoes que o Beira-Rio, por ser o estádio da Copa, recebeu do governo)

    Aliás, sobre o fato de ter mais capacidade. Essa era uma exigência da própria torcida gremista quando do inicio do projeto Arena. Se vai lotar sempre? Depende se o time estiver disputando titulos e grandes jogos. Isso é óbvio. (Em tese o Grêmio atualmente tem mais sócios do que a capacidade futura – isso já é um bom sinal)

    Sugiro aos torcenautas se informarem melhor antes de dar pitacos como se certeiros fossem.

    Um abraço Wianey

    P.S: Em que pese a parceria privada entre o Internacional e a Construtora A.G., ao que tudo indica muito dinheiro publico está sendo e será destinado a obra do Beira-Rio (seja em isenções tributárias, seja em benefícios diretos, por exemplo a sub-estação elétrica), enquanto uma Arena novinha será construída pela iniciativa privada. Não te parece notório desperdício do dinheiro público?

  • jo diz: 31 de agosto de 2011

    só mais um adendo não citado pelos nobres internautas: o aditivo inclui também construção de estacionamento, CT e da sede administrativa no mesmo terreno da arena, o que não estava previsto até então.

    PS: não concordo com o aditivo e acho inútil esse acréscimo de lugares.

  • Pablo diz: 31 de agosto de 2011

    Leia ou se interre no assunto antes de comentar…. Tales… não são somente 4.000 lugares, mas sim um centro de treinamento, uma estração de energia propria, maior espaço fisico no shopping alem de todo um sistema e certificação de estadio sustentavel( utilizando ou reutilizando a agua da chupa para tudo que for necessario, fora consumo)…. entre outras coisas mais que alguem que tem o minimo de noção pesquisaria antes de cuspir baboseiras… e meu querido wianey voce tambem deveria comentar o que estou escrevendo… gosto muito dos seus comentarios!!! abraço

  • Maurício diz: 31 de agosto de 2011

    Caro Wianey… sempre achei a capacidade da arena exagerada por si só… acredito que um estádio com capacidade de 45mil torcedores já seria mais que suficiente para torcida do grêmio (sou gremista) te pergunto quantas vezes neste ano o olímpico teve lotação superior a 40mil torcedores? e mais, quantas vezes na última década houve um público superior a esta capacidade? no máximo umas vinte vezes… será que ré realmente necessário um estádio de tamanha capacidade? além disso, há um outro inconveniente… quanto maior o estádio, maior o custo de sua manutenção…

  • Luiz diz: 31 de agosto de 2011

    Caro Wianey, é TOTALMENTE equivocada a colocação feita pelo internauta quanto ao custo de cada 1000 vagas no estádio.
    Levando em conta que a conta seja simplória como a que ele fez, deve-se seguir o mesmo critério. Custo TOTAL da obra por lugares antes e depois do aditivo.
    Ou seja, se antes o custo para cada 1000 lugares era de 7.936.508 depois passou para 8.484.349, assim sendo com um acrescimo de 7% no custo total.

    Estão criticando Gremio e Internacional por estarem “vendendo” seus estádios a grandes construtoras, que visam apenas o lucro.

    Pois bem, nao vejo essas manifestações se referindo às obras que NÓS estamos financiando com os IMPOSTOS para estádios como Maracanã, Itaquerão, Arena de Manaus, etc. Isso sim é criminoso, pois o custo desses estádios é no minimo o DOBRO do custo dos nossos aqui e quem está pagando somos nós. E ai, isso é que lhe parece justo?

    Temos que aplaudir a coragem dos nossos dirigentes de bancarem de forma privada nossos estádios ao invés de usar dinheiro publico. Mas não, preferimos criticar e suspeitar de tudo.

  • Angelo Oliveira diz: 31 de agosto de 2011

    Texto extremamente correto, não quero que o GREMIO se afunde com essa Arena, não importam esses lugares a mais, pra que isso? nosso estadio não lota totalmente a quanto tempo, com ingressos caros e mal atendimento, eu acho que esse aditivo é só para enrolar o GREMIO a pagar mais e dar mais de suas receitas valiosissimas para essa OAS…

  • PAULO diz: 31 de agosto de 2011

    Até agoro só tenho vistos criticas negativas sobre a reforma do Beira Rio e da Arena do Gremio, alguem poderia apresentar algo de positivo, como por exemplo, qual o custo e lucratividade e custo para manutenção dos atuais estadios, e depois das obras custo e receita, para que possamos obter um comparativo se este custo por pessoa apresentado no Blog, será passivel de recuperação. Também vejo muito comentário, mas sem um embasamento sólido sobre todos os aspectos, se joga no ar e pronto. Se fosse possivel alguém com a devida qualificação apresentar em numeros uma projeção dos beneficios que os clubes obterão. Claro que é outra realidade mas na Europa assistos jogos pela televisão e o aspecto das arenas me parecem muito bom e tenho a impressão que isto trouxe beneficio ao publico e aos clubes.

  • PAULO diz: 31 de agosto de 2011

    Até agora só tenho vistos criticas negativas sobre a reforma do Beira Rio e da Arena do Gremio, alguém poderia apresentar algo de positivo, como por exemplo, qual o custo e lucratividade e custo para manutenção dos atuais estadios, e depois das obras custo e receita, para que possamos obter um comparativo se este custo por pessoa apresentado no Blog, será passivel de recuperação. Também vejo muito comentário, mas sem um embasamento sólido sobre todos os aspectos, se joga no ar e pronto. Se fosse possivel alguém com a devida qualificação apresentar em numeros uma projeção dos beneficios que os clubes obterão. Claro que é outra realidade mas na Europa assistos jogos pela televisão e o aspecto das arenas me parecem muito bom e tenho a impressão que isto trouxe beneficio ao publico e aos clubes.

  • INACIO diz: 31 de agosto de 2011

    OS DOIS CONTRATOS ESTÃO MUITO MAL EXPLICADOS. DUAS DIRETORIAS TRABALHANDO AS ESCURAS. TRANSPARÊNCIA NÃO É O FORTE DESSA GENTE.

  • Rafael Martin diz: 31 de agosto de 2011

    Ola Wianey, sou socio colorado, mesmo morando na europa desde 2007 continuo pagando minhas mensalidades todos os meses. E estou bastante preocupado com a situacao da reforma do Beira Rio. Todas as semanas leio que as obras reiniciaram na proxima semana, mas ate hoje nada… Acho q o inter vai perder o direito de sediar jogos da copa.

  • Ronaldo diz: 31 de agosto de 2011

    Wianey, é uma pena que nobre espaço como é o teu blog seja ocupado por dois textos que só contém desinformação, em especial quando tratam do aditivo da Arena como se este fosse somente para bancar o aumento da capacidade.
    Do valor de 65 milhões, menos da metade (27 milhões) será empregado neste item, o que praticamente não altera o custo médio por cadeira. O restante vai para a construção de um CT, para uma subestação de energia elétrica (que proporciona energia mais barata, com economia de 2 milhões por ano), para a certificação LEED (estádio auto-sustentável, ecologicamente correto) e para outras melhorias.
    Ainda quanto à questão do aumento da capacidade. A questão que menos importa é a capacidade total, que realmente será raras vezes utilizada. O que não se pode ignorar é que são as 4 mil cadeiras adicionais. As 2 mil que pertencem à superficiária (ao negócio da arena como um todo, não à OAS como tem se dito equivocadamente) serão em setor nobre do estádio (cadeiras gold) e que se forem todas comercializadas gerarão 8 milhões a mais de receita por ano. As outras 2 mil serão de uso EXCLUSIVO do Grêmio. Destas, 378 formarão um setor vip que o clube poderá disponibilizar para convidados e patrocinadores, as restantes funcionarão como uma reserva técnica que poderá ser utilizada para resolver questões como as dos sócios remidos e dos proprietários de cadeiras perpétuas.

  • Ricardo NH diz: 31 de agosto de 2011

    O Aumento do número de cadeiras é o menor dos detalhes desse aditivo ao contrato da Arena. O GFPA não fez esse aditivo, ao contrário do que pensam os dois leitores, para rivalizar com o SCI.
    O aditivo foi feito para adequar a Arena às mais modernas idéias da engenharia, incluve a auto-sustentabilidade, tornando-a A MAIS MODERNA DA AMÉRICA DO SUL.
    Também acho o aditivo caro, mas agora é a hora de fazê-lo, depois de construída a Arena, NÃO DÁ.
    É isso o que dá o Grêmio não disponibilizar os termos do aditivo a todos os torcedores: cria-se uma idéia errada do que está acontecendo…

  • dirceu diz: 31 de agosto de 2011

    Queria salientar que este custo a mais, entraria na depreciação mensal que a OAS teria todo os meses para quando da entrega definitiva da ARENA teria como nova. Mas o que mais espanta, é saber que o contrato foi feito para que a construção fosse paga com 45% de financiamento e 55% de recursos da propria construtora. Sendo que na reunião do conselho a construtora alegou que já foi esgotado o orçamento com recursos próprios. Pergunto quanto foi gasto na obra para já ter se esgotado os recursos próprios.

  • Thiago diz: 31 de agosto de 2011

    Ouvi entrevista de vários conselheiros gremistas, entre eles o Evandro Krebs (que parece que foi vice-presidente da Grêmio Empreendimentos), que disseram, entre outras coisas, que o projeto original era para 52.400 pessoas sentadas, conforme padrão da Fifa, e com o aditivo, passaria para 56.400 pessoas sentadas.

    Disseram que o aditivo contempla uma subestação de energia elétrica e a construção do CT ao lado da Arena.

    Disseram ainda, que o aumento seria de 4.000 cadeiras ao projeto original, sendo que 2.000 seriam disponibilizadas ao Grêmio e 2.000 para a OAS (dita Superficiária).

    Explicaram que o Estádio podeira chegar aos 60.000 porque o Grêmio destinou uma parte do estádio, atrás do gol em que as cadeiras são removíveis e serão retiradas para acomodar a Geral em jogos do tricolor, e quando, for jogo oficial da Fifa, as cadeiras seriam colocadas no espaço, chegando ao número máximo de 56.400 pessoas sentadas, no padrão da FIFA para jogos internacionais.

    Pergunto: Para o aumento da capacidade, com a colocação de 4.000 cadeiras, o projeto foi modificado, por óbvio. Dessa forma, como ficam as fundações da Arena, que já estão prontas para um estádio com 52.400 pessoas sentadas e 56.000 de capacidade máxima, se houve modificação de projeto para aumentar a capacidade?

    As fundações serão modificadas para se adequar ao aumento de capacidade do estádio ou já foram feitas para suportar 60.000 pessoas?

    Como pode um aumento tão grande de valores (custo por cadeira ou torcedor), ou seja, mais que dobrar?

    Qual será a capacidade de torcedores sentados em cadeiras, em padrão FIFA em todo o estádio, inclusive considerando as caderias que serão eventualmente colocadas no espaço da Gera em alguns jogos?

    Tem muita coisa mal explicada, e, pior, sequer houve debate sobre o tema e foi aprovado de sopetão.

  • Nelson diz: 31 de agosto de 2011

    É Wianey !

    Eu colorado que sou também estou pt da vida, pois esta mesma Gestão Vencedora no Campo nos vendeu há 04 anos que o `Gigante é Nosso`.
    Primeiro iríamos fazer por conta própria (modelo Vitório…) que antes de terminar sua gestão mandou derrubar a social. Esta Gestão rachou nas últimas eleições 2010, mas parece que voltaram às boas (exceto R.Siegmann).

    Depois foi aprovado o Modelo Parceria Inter-AG, só que ninguém sabe detalhes, se e quando vão ser iniciadas as obras, se teremos aditivos, ou SEJA, os mesmos RESPONSÁVEIS PELAS MAIORES VITÓRIAS ESPORTIVAS (com justiça, diga-se de passagem) deverão (por justiça também) SER RESPONSABILIZADOS pelos próximos 10,20 ou 30 anos de possíveis COMPROMETIMENTOS DANOSOS À ADMINISTRAÇÃO E FUTEBOL DO CLUBE !

    Não gosto de pessoas ´VAGA-LUMES´ que aparecem e desaparecem quando lhes convém !

  • Ítalo diz: 31 de agosto de 2011

    Bom penso que muito disso é feito em razão do marketing que vai ser muito vantajoso para o grêmio. O beira rio sempre foi maior que o olimpico e agora o grêmio vai ter o maior estádio.
    Junto a isso temos que levar em consideração que não se pode fazer uma conta simples dessas quando se está mudando um projeto e aliado a isso toda base necessária para acrescer esse quantitativo ao estádio.

  • PEDRO GAUCHO diz: 31 de agosto de 2011

    Aos dois lobos em pele de cordeiro: vão cuidar do time de vocês!

  • Robson Fortes de Oliveira diz: 31 de agosto de 2011

    WIANEY, EM RESPOSTA A ESSE TORCEDOR TRAGO O TEXTO ABAIXO.
    É IMPRESCINDÍVEL QUE SAIBAMOS QUE O ADITIVO APROVADO NÃO SE RESUME A “QUATRO MIL CADEIRAS” E SIM A UMA SÉRIE DE MUDANÇAS QUE TRARÃO BENEFÍCIOS, A MEDIO PRAZO, PARA O CLUBE.

    SENDO POSSÍVEL, GOSTARIA QUE SE APROFUNDASSE NO ASSUNTO E COMENTASSE SOBRE ELE EM SEU BLOG. SERIA ESCLARECEDOR E IMPORTANTE.

    OUTRO PEDIDO, É QUE COMENTE SOBRE AS OBRAS DO BEIRA-RIO, QUE ESTÃO PARADAS A MAIS DE 2 MESES.

    alterações propostas no aditivo:

    - Valores do financiamento

    O contrato original estipulava que o VALOR MÍNIMO PARA FINANCIAMENTO deveria equivaler a 45% do valor da obra, mas tal financiamento não pode ser INFERIOR a R$ 140 milhões e nem SUPERIOR a R$ 170 milhões. Estes valores deveriam ser corrigidos, no momento da aquisição do financiamento, pelo índice INCC.

    O que foi alterado nesta parte foi o valor MÁXIMO a ser solicitado pela OAS. Pelo contrato original, o valor máximo HOJE, após corrigir pelo índice INCC, seria de R$ 195 milhões (e não mais R$ 170 milhões).

    A proposta é que este valor fosse aumentado para R$ 260 milhões, SEM NECESSIDADE DE CORREÇÃO, representando um aumento REAL de R$ 65 milhões.

    - Melhorias

    As melhorias no projeto feitas no aditivo foram dadas pelo Carlos De La Corte, que sugeriu que o clube aproveitasse o financiamento do BNDES (contraído através da OAS) para fazer tais melhorias.

    São basicamente 3 melhorias (as outras são pequenas, não vale a pena detalhar): sub-estação de energia, selo LEED e o aumento da capacidade (até para atender os desejos da torcida de ter o maior estádio do RS e para fazer frente ao crescimento da torcida e o crescimento do quadro social).

    - Aumento da capacidade: mais 4 mil cadeiras (ou seja, 56 mil com cadeiras na área da geral, 60 mil sem cadeiras na área da geral)

    São duas mil cadeiras DO GREMIO (é uma espécie de reserva técnica, e o Conselho Deliberativo irá definir o que será feito com elas). As outras 2 mil ficarão no setor gold e pertencerão à superficiária (não à OAS). Ou seja, estas duas mil cadeiras também gerarão receitas para o clube.

    O custo do aumento da capacidade é de R$ 27 milhões. A implantação desta mudança representa pro clube um ganho líquido no valor PRESENTE de R$ 18 milhões.

    - Não haverá mais fosso. Dos estádios da Copa, 9 não terão fosso (inclusive o Beira-Rio).

    - Certificação LEED: pode representar uma economia de cerca de R$ 3 milhões por ano, sendo 50% deste valor referente à reutilização da água da chuva. O investimento é de 5% do valor total da obra (R$ 25 milhões). Seis estádio da Copa estão sendo construídos com esta certificação e, no mundo, existem apenas outras 84 arenas com esta certificação.

    Alguns benefícios do selo LEED: aumento da área comercial do estádio e valorização dos naming rights.

    - Sub-estação: é um pedido do Grêmio à OAS. É uma estação de uso EXCLUSIVO DA ARENA. Existe no contrato original a construção de uma sub-estação de 13 KvA. Esta sub-estação vai continuar existindo.

    O aditivo é para se construir, ALÉM DESTA ESTAÇÃO DE 13 KVA, uma OUTRA estação de 69 KvA, por dois motivos:

    * segurança no fornecimento de energia
    * para comprar energia mais barata

    Custa R$ 14,2 milhões instalada e gera uma economia anual de 2 milhões. A valor presente, gera uma economia para o Grêmio, nos 20 anos, de algo em torno de R$ 13 milhões (lembrando, valor PRESENTE).

    - Projeções

    Utilizando as projeções definidas no plano de negócio da FGV, os resultados da arena representaria, em 20 anos (e com as alterações feitas através do aditivo), um valor PRESENTE de R$ 280 milhões (ou seja, este valor tem que ser corrigido pelos próximos 20 anos, o que dá um valor bem mais alto).

    - CT

    A OAS disponibilizou para o clube R$ 5 milhões para construção do CT para os profissionais. O CT terá 2 campos (pelo que vi no projeto) e será construído PELA OAS (e não pela superficiária). O que exceder os R$ 5 milhões é custo do Grêmio.

    - Área administrativa

    OAS disponibilizou também R$ 5 milhões para a parte administrativa (desde cabeamento até mobiliário, memorial, etc). O que exceder os R$ 5 milhões é custo do Grêmio. A loja é por conta da fornecedora de material esportivo, sem custos para o clube.

    - Aumento de área

    Por contrato eram 8 mil metros quadrados de área pro Grêmio. Esta área aumentou para cerca de 12 mil metros quadrados.

    Aumentou a área da loja, memorial, camarote presidencial, aumento na área do vestiário do Grêmio (fica conectado ao auditório) e mais uma área VIP com 378 cadeiras na parte mais nobre do estádio (com um lounge de 1000 metros quadrados).

    O Grêmio ficará com metade do anel.

    Atrás de cada goleira haverá um restaurante panorâmico (dois no total).

    - Fosso

    Não vai ter. Haverá anteparo de vidro com cama de gato.

    - Impacto financeiro

    Adquirindo o financiamento junto com o OAS, através do BNDES, Grêmio está economizando cerca de R$ 29 milhões.

    Arena está 31% concluída. Hoje já são 1.100 funcionários, até o final do ano serão 1.800.

    Apresentação do arquiteto da Plarc (mudanças no projeto):

    - Distância para o gramado diminuiu 2,5 metros (distância será de 10 metros)

    - Devido ao aumento da capacidade, foi adicionada mais uma rampa de acesso, largura da esplanada aumentada para 25 metros

    - Primeiro anel e o das cadeiras gold tiveram a inclinação aumentada, o último não

    - Haverão restaurantes panorâmicos atrás de cada uma das goleiras (com visão para o campo e para a esplanada)

    - A parte dedicada aos deficientes está mais alta! Agora, se a pessoa que estiver sentada na frente ficar de pé, não prejudica o cadeirante que está na área exclusiva.

    - As colunas do estacionamento tem uma distância de 25 metros entre si. Isso permite que estes espaços sejam utilizados para feiras, por exemplo, quando o estacionamento não estiver sendo utilizado. Também serve como praça de circulação coberta!

    - O estacionamento será do mesmo nível da rua, não tendo mais sub-solo. Isso gera uma economia na manutenção, além de ser mais seguro.

    - Antes, as placas de publicidade ficavam à 7 metros da linha do gramado e tinham 90 cm de altura. As redes de TV pediram para botar mais próximas ao campo, portanto agora elas ficam à 5 metros e tem 1 metro de altura.

    - Aumentou o tamanho da zona mista por exigência da FIFA

    - Aumentou também o tamanho das cabines de imprensa e da área VIP (estruturas que ficam logo abaixo da cobertura)

    - Os pilares que ficariam no meio da área de circulação foram movidos para o limite da última linha de arquibancadas. Assim, a área de circulação ficou livre.

    - Aquela parte azul do ao redor do estádio eram projetados para serem de alumínio. Porém, isto tirava a visibilidade e também a luminosidade dentro do estádio. Portanto, ao invés de alumínio, será utilizado vidro.

    - Foram projetados mais banheiros para a área da avalanche

    - O auditório (sala de imprensa) será também utilizado como sala do conselho deliberativo. Terá 378 assentos. Porém, os assentos das primeiras fileiras são removíveis, pois em coletivas FIFA as câmeras ficam na frente.

    ESSAS SÃO AS MUDANÇAS EM FUNÇÃO DO ADITIVO, E NÃO APENAS ALGUMAS CENTENAS DE CADEIRAS A MAIS.

    OBRIGADO

  • Eduardo diz: 31 de agosto de 2011

    O cálculo do amigo está todo certo, mas a nova capacidade cresce 7.700 lugares e não 4.000. Desta feita o valor para cada 1.000 novos lugares, pela mesma regra de 3 simples, é de 8,5 milhões, mto próxima do inicial. Porém com uma diferença… para os lugares iniciais não existia o alicerce feito… para esta expansão, já estará tudo lá!

  • Dilson diz: 31 de agosto de 2011

    Isto sem considerar os comentários de conselheiros: OAS disse que sem o aditivo as obras não continuariam (chantagem?); o contrato inicial era propositadamente deficiente em infraestrutura para agora oferecer os “opcionais”. Vamos esperar e ver se ali adiante não haverá outro aditivo. E tem gente que quer que o Inter assine qualquer coisa poara retomar as obras…

  • Jonathan Hoerlle diz: 31 de agosto de 2011

    Boa Tarde Wianey, não sei se estou mal informado, mas pelo que li do que foi divulgado na imprensa (alguns sites falam isso, outros não) é que o aditivo da obra da Arena não é apenas para aumentar a capacidade para 60 mil lugares, está incluído nesse aditivo também a construção de um centro de treinamento para os profissionais e para as categorias de base, estrutura administrativa e social e mais algumas benfeitorias… estou errado? Acho importante destacar que esse aditivo não é apenas para algumas arquibancadas a mais, tens como verificar a veracidade disso e o que está incluído no aditivo?
    Abraço
    Jonathan Hoerlle, gremista de coração.

  • Roger A. diz: 31 de agosto de 2011

    Carlet, acho que êste negócio de aumentar a capacidade em mais 4 mil lugares, só para dizer para os colorados que ” o meu é maior do que o teu ” é coisa de diretoria infantil e torcedora. Isto era coisa que se disputava no ginásio : ” o meu p… é maior do o teu”.
    Se for só por isto é um absurdo. A Arena em um ano raramente terá um jogo com mais de 55 mil pessoas.
    Agora veja a parafernália financeira de aumento de custos que vai desabar nas costas do Grêmio para botar mais meia duzia de gatos pingados.
    Acho que está havendo muito “oba oba”. Os Conselheiros que aprovaram por ampla maioria, não se esqueçam a ampla maioria de quem elege os mesmos, os torcedores, atualmente, estão totalmente contra êstes conselheiros do Odone.

  • Garry Almeida diz: 31 de agosto de 2011

    Prezado Senhor Wianey: Por uma questão de justiça entendo, permissa vênia, que o Amigo deveria solicitar à Direção do Grêmio uma resposta à matéria vinculada pelos torcedores para que possamos analisar a posição do Clube em face dos argumentos veiculados. Agradecido pela atenção dispensada.

  • Marcelo diz: 31 de agosto de 2011

    Publicar a crítica de um COLORADO ao aditivo é muita estupidez. No mínimo, este fulano deve ser engenheiro e estar muito informado sobre o contrato Grêmio/OAS, para ter a credibilidade de ser publicado. Porquê não abordar a parceria vermelha com a Andrade Gutierres, postergado pela enésima vez?

  • Davi diz: 31 de agosto de 2011

    Para esclarecer, haverá diversas mudanças!

    substação de energia, CT, ….

    recomendam que olhem na comunidade do orkut, GRÊMIO ARENA e leiam todas as informações que são MUITO mais completas do que a que a imprensa noticia…

  • Eliseu diz: 31 de agosto de 2011

    HUASHUASHUASHUASHUASHUASHUASHUASHUASHUASHUAS

    ISSO É PURA INVEJA…

  • Luiz C diz: 31 de agosto de 2011

    A INVEJA MATA MESMO!!! TEREMOS O MAIOR, MELHOR E MAIS NOVO ESTÁDIO DO SUL DO BRASIL, E OS COITADINHOS SE PREOCUPAM EM FALAR DE CONTAS. É O QUE SOBROU MESMO, POIS ALÉM DA MAIOR TORCIDA (HÁ DÉCADAS) DO SUL DO BRASIL, AGORA TEREMOS O MAIOR ESTÁDIO TAMBÉM…COMO É LINDA A DOR DE COTOVELO…

  • gabriel diz: 31 de agosto de 2011

    Hoje. no sala, quando colocou na mesa o assunto do aproveitamento Miralles – com aquela babaquice de querer saber o que significava “não estar comprometido” – todos já sabiam onde queria chegar. Em Celso Roth, é claro! O que ele te fez?
    E agora vem com essa da Arena……..convenhamos, já está demais isso……Parece URUBU procurando CARNIÇA!

  • Luiz C diz: 31 de agosto de 2011

    E MAIS UMA COISA, O VALOR DAS CADEIRAS AUMENTA, POIS HÁ UMA BASE, UMA ESTRUTURA ENORME POR TRÁS DE AUMENTAR UMA OBRA. QUALQUER PESSOA COM UM POUCO DE ESTUDO EM PROJETOS SABE DISSO, ENTÃO, ESSAS CONTAS DO COLORADO AÍ, NO CASO DA CONTRUÇÃO CIVIL, NÃO SE APLICA. CERTO WIANEY?

  • Carlos diz: 31 de agosto de 2011

    Essa regra de três não confere, já que o aditivo não é apenas para aumentar 4 mil lugares. Há outras construções envolvidas com esse dinheiro, incluindo a construção de uma subestação de energia.

    Acho que o colega pensou que os R$65 milhões foram aditivados com o único propósito de aumentar a capacidade do estádio.

  • Paulo Martins diz: 31 de agosto de 2011

    Wianey
    Se puderes me esclarece; Em que tempo o Grêmio ficará sem arrecadação deste empreendimento? É verdade que com essa alteração, o clube ficará sem as rendas durante 20 anos, e como será à arrecadação das contribuições dos sócios, estas também entrarão neste novo esquema. Se fôr assim, como este clube pretende se manter de pé, só com os patrocínios? Estas novas proposições foram aprovadas pelo conselho?
    De qualquer forma, o grêmio não tem time, não tem dinheiro, não tem pessoas competentes administrando e enquanto isso se perdurar, continuaremos nessa medíocridade executiva.
    E por último, quanto o Grêmio deve hoje atualmente? Um abraço

    Paulo Martins

  • Marcelo diz: 31 de agosto de 2011

    Estes calculos não são válidos. Os 65 milhões não serão destinados somente aos 4mil lugares. Será contruída uma sub-estação de energia exclusiva para a arena, um centro de treinamento, e maior área comercial para o gremio. Aspectos como proximidade das arquibancadas do gramado também mudaram (2,5 metros mais perto) entre outros aspectos como melhor visibilidade para os cadeirantes e etc.. Recomendo adquirir mais informações…

  • mauricio moraes rodrigues diz: 31 de agosto de 2011

    o aumento da arena e para separar os marginais dos amantes de um bom jogo de futebol,e segundo ja se sabe para jogar as proximas ediçoes da segundona e preciso aumentar a capacidade do estadio para jogos oficiais pois com a futura divida sera um verdadeiro fiasco os proximos planteis tricolores um abraço a naçao sofredora tricolor

  • Andre diz: 31 de agosto de 2011

    Referente ao E-mail de Tales Braun Pivatto, há um erro grosseiro, ele não levou em consideração (provavelmente por não saber) que desses 65 milhões a serem pagos não há somente como melhoria o aumento da capacidade da arena, há outras obras também.

  • carlos Alberto diz: 31 de agosto de 2011

    Bem colocados ambos os comentários. Concordo 100% que seja tornado público as possíveis cláusulas do contrato do Inter com a Construtora. Mas, a bem da informacão mais aprofundada, (aquela que o público sempre deveria receber, inclusive e principalmente no esporte e na política) deve-se levar em conta que as coisas não são tão simples assim, quando se trata de colocar mais 4 mil pessoas em um projeto que já está pronto. Não dá para colocar simplesmente as 4.000 cadeiras em cima das 56.000, em um estádio padrão Fifa. A quantidade de coisas que se tem que adequar, para eu que não sou engenheiro, é apenas imaginável e eu sei que estarei esquecendo da metade quando tentar pensar em tudo. Ainda assim, por mais caro e “”explicável” que seja, tenho certeza que é melhor negócio para a construtora. Aliás, tenho me perguntado onde é que o gremio irá buscar dinheiro para manter um time competitivo nos próximos 20 anos.

  • Mag diz: 31 de agosto de 2011

    Prezado Wianey

    Alguém pode me explicar por que a imprensa gaúcha só mostrou nos jornais o protesto da torcida colorada, e não mostraram a enorme faixa que foi levada para dentro do olímpico enrolada no corpo de um único torcedor do portoalegrense e aberta era bem maior que os quadros da torcida colorada? Seria para o Sr Ricardo Teixeira ver protesto só do lado colorado? E do portoalegrense não ousar se indispor com o “todo poderoso” da CBF????

  • Leonardo Treviso diz: 1 de setembro de 2011

    Acredito que exista muito mais preocupação no Beira-Rio em assinar o tão prometido contrato da construtora que possibilita o Rio Grande do Sul receber a Copa do que propriamente o a Arena do Grêmio, que segue em obras sem o compromisso de sediar um evento mundial. Mas afinal, quem é gremista e quem é colorado nestas citações?

  • Pedro diz: 1 de setembro de 2011

    Um dos problemas do grêmio é que ele tem que pagar as suas construções…

    já o inter ganhou os Eucalíptos, ganhou o terreno do Beira Rio e está ganhando uma subestação elétrica de 32 milhões, fora os incentivos municipais, estaduais e federais…

    o Grêmio só ganhau os incentivos municipais e estaduais.

  • Jorge Brodt (Floripa) diz: 1 de setembro de 2011

    Pergunto: E eu com isso???…Sai do meu bolso???…O que vai mudar na minha vida???…Trouxa quem é sócio da dupla Gre-Nal, dar dinheiro pra ver os dois fazerem fiasco no brasileirão, como ontem?!…Nem na Libertadores de 2012 estarão, uma vergonha.

  • sergio diz: 1 de setembro de 2011

    EU VEJO OS GREMISTAS FALANDO QUE TEREMOS O MELHOR ESTÁDIO DO SUL DO BRASIL!

    QUEM TERÁ? DAQUI A 20 ANOS! VCS. TALVEZ ESTEJAM TODOS MORTOS, POIS O IMORAL JÁ FOI FAZ TEMPO! VOCÊS IRÃO USAR POR ENQUANTO, MAS SERÃO DONOS SÓ DAQUI A 20 ANINHOS! PASSA RÁPIDO, JPA FAZ UMA DÉCADA QUE NÃO GANHAM NADA, E PELO ANDAR DA CARRUAGEM EM 2012 IRÃO INAUGURAR COM JOGO DA SEGUNDONA! HAHAHAHAHA

  • EDU diz: 1 de setembro de 2011

    O primeiro torcedor questionou sobre a “necessidade de aumentar a capacidade do estádio para 60 mil pessoas”.
    AH,POR FAVOR MEU AMIGO!!!
    De que adianta construir um estádio novo se ele iria ter praticamente a mesma capacidade do olímpico?Então que fiquemos com o olímpico!
    Outra questão tua é sobre a lotação máxima do estádio ser atingida ou não.O Grêmio tem a maior torcida do sul do Brasil.tu achas que não daria para encher um estádio de 60 mil pessoas??
    Basta ter um time forte,bem estruturado,que esteja fazendo uma boa campanha,
    de preferência disputando uma Libertadores,onde a média de público aumenta sempre.
    Se tu preferes gastar milhões para continuar com um estadiozinho mixuruca,onde muitas pessoas ficam de fora nos dias de decisões,problema teu.

  • Constantin Sokolski diz: 1 de setembro de 2011

    Expliquem ao Sr. Tales, que em qualquer aumento de área na construção civil, não ocorre a simples aplicação de regra de tres para calcular aumento de custos.

  • Pedro diz: 1 de setembro de 2011

    “Pergunto: E eu com isso???…Sai do meu bolso???…O que vai mudar na minha vida???…Trouxa quem é sócio da dupla Gre-Nal, dar dinheiro pra ver os dois fazerem fiasco no brasileirão, como ontem?!…Nem na Libertadores de 2012 estarão, uma vergonha.”

    Quando o inter ganha uma sub-estação de energia e 30 milhões em incentivos (por baixo), eu te respondo: sai do seu bolso sim!!!
    Trouxa é quem acha que não está pagando a conta!!!

  • Maycon diz: 1 de setembro de 2011

    O engraçado é que dentre tantos comentário muito mais explicativos que essas críticas postadas, você escolha justamente esses textos pobres de informação e sensacionalistas.

    Tenho pena dos leitores que são induzidos a ler textos sem profissionalismo nenhum, de jornalistas sem nenhum senso de julgamento e caráter, escrevendo sempre o que lhe é mais vantajoso.

    Não precisa apoiar o projeto Arena, mas não induza o povo a críticas sem ter ao mínimo as informações mais básicas. Informações, como por exemplo, buscar descobrir o porque da beira rio ser o estádio escolhido, recebendo vários benefícios, sendo que a Arena do Grêmio seria muito mais vantajosa no quesito econômico e estrutural. Mas você deve ter seu motivos, é claro.

  • Carlos Chaves diz: 1 de setembro de 2011

    Me preocupo com essas reformas e acho que essas Empreiteiras (acostumadas a ganhar dinheiro fácil com governos por esse Brasil ) não tem limites na ganância. Nossos clubes(torcedores) não podem arcar com as responsabilidades desses CACIQUES de hoje,que provavelmente também querem participar desse BOLO. Nunca esquecendo da malfadada ISL que prometeu riqueza e abundância ao nosso Gremio que paga(e paga caro) até hoje por valores que ficaram nas contas de outros(que tb defendiam com unhas e dentes aquela parceria) e se diziam torcedores fanáticos e abnegados. Sei que são casos distintos,mas sempre é bom um pouco de cautela,pois ninguem oferece tão grandes vantagens assim(ainda mais uma Empreiteira) e as pessoas que assinam esses grandes contratos poderão no futuro nem estar mais aqui como um ex presidente que quase quebrou o clube e nada sofreu.

  • lio do Nascimento diz: 14 de outubro de 2011

    Concordo inteiramente com a colocação do internatuta Gustavo Dettenborn, pois acredito que os dirigentes de hoje tem como motivação a projeção própria, raramente levando em conta os reais interesses do clube. Sou palmeirense radicado no Reino Unido a pouco mais de vinte anos, e aqui não é nada diferente, com uma invasão de milionários/empresários comprando praticamente todos os clubes da Primeirona. Que afinidade teem eles com os clubes daqui?? Absolutamente nenhuma, e na maioria dos casos sequer ser interessam por futebol. Querem na realidade fazer uns milhóes de fast bucks pouco se lixando pra história e tradição do clube. Resumindo, que saudade dos anos 60/70/80 onde havia amor a camisa, onde conseguiamos memorizar a escalação dos nossos times do coração. Isso não acontece hoje, devido a rotatividaded dos atletas que raramente pouco se identificam com o clube que em muitos casos, os projetam. Tambem concordo que seja loucura individar as equipes por décadas a frente pelo simples orgulho de mandar 2 ou 3 jogos do campeonato do sr. Teixeira, Plater e cia………Mais ao meu ver, ainda mais grave que isso tudo foi o maldito dia que o tal de empresário adentrou o circulo do nosso querido game. Começou ali o fim do futebol. Assim como Mr. Dettenborn me desencantei com a realidade do futebol e fiz o firme propósito de “lagar de mão” do mesmo, e não me arrependo. Sequer assisti o Brazil nas duas ultimas Copas….
    PS.: por que os custos das construções dos estádios aqui são uma fração dos orçamentos ai no Brazil?????

  • adelio diz: 22 de maio de 2012

    Sou gremista e não acho nenhuma graça esse grenal dos estádios, até porque o beira-rio vai continuar tendo história…

Envie seu Comentário