Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de março 2014

Os contratos secretos das estruturas

26 de março de 2014 56

Afinal de contas, quem deveria arcar com os gastos das estruturas temporárias? Dizem que existe um contrato firmado pelo Inter com a FIFA ou o COL ou a CBF no qual o clube se compromete a cobrir os custos necessários. Dizem, porque deste documento ninguém sabe, ninguém viu.

Dizem que existe outro documento responsabilizando Inter, Prefeitura Municipal e Governo do Estado a partilhar as despesas relativas às estruturas temporárias. Dizem, porque também este documento permanece entocado em algum cofre.

Enquanto o assunto permanece sem esclarecimento definitivo e cabal, todo o mundo fala, discorda, concorda e, no fim, fica o dito pelo não dito.

No começo de tudo está o contrato feito entre o governo brasileiro e a FIFA. Não se sabe se nele está escrito que nos estádios privados as despesas com as tais estruturas teriam que ser cobertas pelos proprietários dos estádios enquanto nos estádios estatais tudo seria pago com recursos públicos. Se este esclarecimento tivesse sido feito, duvido que algum estádio particular estivesse inscrito entre aqueles que receberiam jogos pela Copa.

O Brasil nunca deveria ter se candidatado para ser sede do Mundial 2014. Só em construção e reforma de estádios, já foram consumidos cerca de R$ 10 bilhões. E isso que anunciaram e garantiram que nenhum centavo sairia dos cofres públicos, tudo seria custeado pela iniciativa privada.

Os gaúchos arcarão com R$ 30 milhões, uma ninharia se confrontado este valor com os bilhões já comprometidos pelos governos estaduais, federal e municipal. Estima-se que o incremento na arrecadação de impostos durante a Copa pague as estruturas temporárias e ainda sobre uma boa grana para os governos do Estado e de Porto Alegre. E agora, não importa mais conhecer o conteúdo dos contratos secretos.

Bookmark and Share

O Inter continua velho

25 de março de 2014 46

Comparar é preciso. Enquanto o Grêmio aproveitou o Gauchão para lançar e ver aprovados quatro ou cinco jovens das suas categorias de base, os colorados assistem o ocaso do campeonato sem que um único garoto tenha sido lançado e se afirmado no grupo principal.

A causa é claríssima: Enderson Moreira, treinador do Grêmio, tem gosto por trabalhar com jovens e não teme incluí-los no grupo principal enquanto Abel Braga, visivelmente, tem preferência por trabalhar com veteranos e, até, jogadores em fim de carreira. O resultado deste gosto de Abel está na idade média do time colorado: quase 30 anos.

Terminado o Gauchão, virão as competições nacionais. Como o Inter não aproveitou o Gauchão para lançar e valorizar seus garotos, dificilmente o fará na Copa do Brasil e no Campeonato Brasileiro, competições com participantes qualificados, circunstância que dificulta a afirmação de garotos.

Resultado: o Inter permanece sendo um time envelhecido e dificilmente deixará de sê-lo nesta temporada.

Bookmark and Share

Dá gosto de ver o Grêmio jogar

24 de março de 2014 34

Um gremista presente ao jogo do Grêmio contra o Juventude fez a frase da hora ao ser entrevistado pela Rádio Gaúcha. Eufórico com o desempenho do time liberou sua alegria: “Dá gosto ver o Grêmio jogar”. E dá mesmo.

Enderson Moreira conseguiu a proeza de organizar dois times equilibrados jogando com três ou dois volantes. A versatilidade de Ramiro e Riveros está na raiz destas soluções mas o aproveitamento do arisco Dudu, atribuindo-lhe funções ofensivas e defensivas está oferecendo ao torcedor o prazer de ver um time que se defende e ataca com igual desenvoltura. Enderson soma vários méritos. Descobriu sem muitas delongas os seus titulares e deu ao time um padrão de organização admirável.

Além disso, não teve medo de lançar e fixar na equipe o garoto Luan, oferecendo ao jogador a oportunidade de desabrochar com raro talento. E, neste momento, já se atreve a escalar Dudu, atacante de velocidade que não se constrange em também executar tarefas operárias. O Grêmio, por efeito da versatilidade dos seus jogadores, consegue atuar com três volantes e três atacante sem perder consistência ou agrupar gordura defensiva exagerada.

A qualidade do futebol gremista é visível mas, para manter a coerência, não posso deixar de repetir o que tenho dito sempre: o Gauchão é o campeonato “engana-bobo”, convém ser cauteloso. Embora, no caso do Grêmio, o desempenho na Libertadores empresta credibilidade que não pode ser ignorada. Se o time é bom no Gauchão e na Libertadores, coisas boas deve ter.

Bookmark and Share

Crise nas relações internas coloradas

21 de março de 2014 59
Inter jogará no Estádio do Vale. Foto: Alexandre Lops/Inter/Divulgação

Inter jogará no Estádio do Vale. Foto: Alexandre Lops/Inter/Divulgação

Durante uma semana inteira o Internacional anunciou que disputaria o seu jogo pelas quartas de final do Gauchão no Beira-Rio. Associados foram orientados sobre como proceder para garantir acesso ao estádio. A imprensa se mobilizou para fazer a cobertura do jogo, providenciando a sempre indispensável logística — não é pouca coisa — para a cobertura do evento. E aí, a surpresa: a menos de 50 horas do jogo, o Inter anuncia que a partida foi transferida para o Estádio do Vale. Ora, e o Estatuto do Torcedor que exige a confirmação do local com 72 horas de antecedência?

A justificativa para a mudança é quase inacreditável. Só agora o Inter descobriu que o Beira-Rio será inaugurado no dia cinco do próximo mês e o estádio precisa ser preparado para a grande festa. Meu Deus! Só agora descobriram? Nos últimos dias, deve ter eclodido uma crise entre os responsáveis pelo futebol colorado e a turma que trata da festa de reinauguração. Os dois grupos não estão se falando, é o mínimo que se pode deduzir. Estão, portanto, em crise.

Senhores, não está sendo fácil ser torcedor e sócio do Inter.

Bookmark and Share

Barcos só marcou gols no "engana-bobo"

11 de março de 2014 54
Foto: Diego Vara/Agência RBS

Foto: Diego Vara/Agência RBS

É inquestionável que Enderson Moreira, diferente do que fez Renato Portaluppi, destinou para o centroavante Barcos uma função mais adiantada, próxima do gol adversário. O resultado desta determinação já apareceu no Campeonato Gaúcho: Barcos tem mantido a média de um gol por partida, excelente performance para qualquer atacante.

Entretanto, não convém esquecer de que todos os gols marcados por Barcos, este ano, aconteceram em jogos do certame que chamo de “engana-bobo”. Nos dois jogos disputados pelo Grêmio valendo pela Libertadores da América, Barcos ainda não compareceu ao placar. A amostragem é pequena mas o aproveitamento de Barcos precisa ser alterado para que a estatística não se transforme em uma tendência.

Bookmark and Share

O Inter queima seus garotos

10 de março de 2014 24

Quantos jogos foram disputados, este ano, pela equipe principal do Inter? Seis, apenas seis. Ainda assim, intercalados. Na modesta opinião do blogueiro, esta política de preservação apenas compromete o entrosamento do time. E, não favorece o desenvolvimento técnico dos garotos, sempre prejudicados por atuar entre reservas sem intimidade tática. O jogo contra o Aimoré, por exemplo, qual foi a utilidade? A seguir, manifestação de um torcenauta colorado, sobre o assunto:

“Caro Wianey,

Se alguém quisesse escalar um time, com a intenção de queimar os garotos do sub-23 do Inter, não poderia fazê-lo melhor do que o que foi feito para a partida contra o Aimoré. Os outros times valorizam sobremodo seus jogadores do sub-23, pois o campeão, ou seja, o Inter desprestigia. Entender, como ?

Saudações

Poa, 10.03.14

Cyro Martini”

Observem o caso de Luan: o garoto foi escalado no início do Gauchão, com resposta amplamente positiva. O Grêmio, acertadamente, incluiu o garoto no grupo principal e o treinador passou a confiar-lhe a condição de titular. O resultado é por todos conhecido: Luan se afirmou e já é o principal jogador do Grêmio. Em futebol, convicção opera milagres.

Bookmark and Share

Reprovável provocação colorada

07 de março de 2014 139

Acredito, sim, que o presidente Giovanni Luigi não conhecia as estampas das camisetas criadas para festejar o remodelado Beira-Rio. Mandar recolher a peça que continha clara provocação ao Grêmio foi a melhor decisão possível, embora seja fácil prever que aquela camiseta seria campeã de vendas.

As relações entre gremistas e colorados já estão deterioradas demais para se acrescentar mais combustível ao fogo. Os clubes devem manter o convívio em ambiente de respeito e cordialidade. Não devem patrocinar picuinhas que são mais adequadas, embora indesejadas, ao torcedor comum.

Bookmark and Share

Federação é conivente com o racismo

07 de março de 2014 22

Certa vez, o Campeonato Gaúcho foi paralisado porque fora publicada uma foto mostrando Figueroa nu no vestiário. A Federação Gaúcha de Futebol entendeu que a competição tinha sofrido um abalo moral, exagero, e parou tudo. Um dia após a agressão racista sofrida pelo árbitro Márcio Chagas, no estádio do Esportivo, dirigentes da FGF trataram o assunto como um fato normal, informaram que a súmula seria enviada ao TJD e a entidade não podia tratar o assunto com um “carteiraço”. Podia e deveria, mas falta compreensão para a gravidade do caso. Infelizmente, o racismo está impregnado em parte da sociedade brasileira. Acontece nas ruas, bares, salões de beleza e, pior, vai continuar acontecendo. O prefeito de Bento Gonçalves debita na conta da paixão exacerbada a atitude dos criminosos racistas. Pobre prefeito, melhor seria se ficasse calado. A paixão esportiva nada tem a ver com o ato infame. Não vamos erradicar do coração destes bandidos a chaga do racismo. Sequer haverá identificação de todos os agressores de Bento Gonçalves e a punição devida. Por isso, o clube deveria ser responsabilizado, perdendo mandos de campo ou até sendo afastado do Gauchão. Aconteceria se o TJD e a FGF quisessem. Mas não querem.

Como manifestações racistas se repetem na Serra, era inevitável que surgisse uma distorção odiosa: os gringos são racistas. Ora, não cabe generalizar atingindo uma cidade ou região e, menos ainda, uma etnia. O racismo está em todos os cantos do mundo, ou quase todos, mas precisamos lutar para erradicá-lo da nossa rua, bairro, cidade, Estado e país. É o que nos compete. Mas, sem a ajuda das autoridades, pouco ou nada poderá ser feito. Por isso, impõe-se que sejam cobrados a FGF, o TJD, Ministério Público, etc. A reação deve partir de todos os lugares, principalmente da Serra, onde o racismo aflora seguidamente.

Bookmark and Share

Inter flerta com a segundona

06 de março de 2014 129
Foto: Bruno Alencastro/Agência RBS

Foto: Bruno Alencastro/Agência RBS

Terminado o jogo contra o São José, vários colorados passaram pela cabine da Rádio Gaúcha deixando no caminho uma previsão comum: “será pior do que em 2013. Desta vez não escaparemos da segundona”.

Acredito que ainda seja cedo demais para prever cataclismos, o Inter tem tempo para fazer reavaliações, reforçar o time e fazer dispensas necessárias. É verdade que o retrospecto recente do clube indica que pouca coisa será feita. Ou nada. Este será o ano da reinauguração do Beira-Rio, Giovanni Luigi tem consumido os seus dias buscando soluções para os problemas que afetam a obra e não parece haver dinheiro para reformar, também, o time.

Significa que a situação tende a se manter e o Inter encarar a temporada com o que tem. Bem, se isto acontecer, aqueles torcedores que enxergam o inferno no futuro próximo do Inter poderão estar certos. De tanto cortejar a segundona, um dia o Inter acaba caindo.

Bookmark and Share

Grêmio perdeu para um taxista

02 de março de 2014 78
Foto: Fábio Gomes / Agência RBS

Foto: Fábio Gomes / Agência RBS

O Grêmio tem razão: não foi pênalti, a falta de Wendell foi cometida fora da área e o gramado estava desesperadoramente ruim. Mas, não foi por efeito exclusivo destas duas circunstâncias que o Grêmio foi derrotado. Aliás, são situações que fazem parte do futebol.

O time de Enderson Moreira perdeu porque jogou muito pouco, quase nada. Foi tão mal que Barcos, o artilheiro da equipe, precisou ser substituído por sua afrontosa atuação. Cabia irretorquível direito ao Grêmio de reclamar, mas Rui Costa passou das medidas.

O Grêmio não está fazendo favor algum ao campeonato escalando o seu time titular. Existem duas causas objetivas para esta decisão: entrosar o time para os jogos da Libertadores e tentar ganhar o Gauchão. O campeonato pode ter grandiosidade menor, mas os gremistas já estão cansados de perder. Foi o que disse o preparador físico do time, na sua chagada.

O Grêmio teve duas derrotas, até agora, no Gauchão. Na primeira, Passo D’Areia, a grama estava quente demais. Na segunda, Aldo Dapuzzo, a grama estava molhada demais. Assim não dá.

Mas, tem mais: o Grêmio foi derrotado por um time treinado por um taxista. Toquinho abandonou o seu veículo e foi dirigir o São Paulo. Mobilizou os jogadores, fez substituições corretas e deixou o campo comemorando a sua estréia com uma histórica vitória. Aconteceu de tudo, em Rio Grande.

Bookmark and Share