Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de julho 2008

Ivete Sangalo andava na Padre Chagas

31 de julho de 2008 1

Nunca esquecerei da época que trabalhava no Moinhos Shopping. Era meu horário de almoço, me dirigia a uma lanchonete próxima ao shopping e, ao passar pela Calçada da Fama, encontrei uma mulher dentro de uma loja. Ela estava de óculos escuros, mas o sol não estava presente aquele dia. Ela pedia uma sacolinha. Tem uma sacolinha? – bem assim.

Não me era estranha. Amiga da mãe? Esposa do Capra? Vizinha da minha antiga casa no Menino Deus? Não, não parecia ser. Comi meu hambúrguer com a cabeça naquela cena, na viradinha rápida da moça para me ver.

Sim, ela se virou para me ver.

Os óculos de gatinho, o estilo, a bela postura não me davam pista nenhuma, era uma mulher do Moinhos de Vento, obviamente. As batatas fritas eram companhia da dúvida. Daonde, meu Deus, daonde?

Era um déjà vu, só podia. Sonhei com ela ontem à noite e hoje a vejo, é um sinal. Em meus sonhos a esperava. Melhor buscá-la e contar todas as desventuras que teríamos pela vida depois que acordássemos. Bongiorno, principessa! Eu estava fadado a um conto de fadas.

Levei meu milk shake, não poderia esperar. Andava a largos passos, começou a chover, os passos pulavam poças, passei pela frente do local onde trabalhava e a realidade se impôs de uma triste forma. Uma multidão cantava e aplaudia o mesmo amor que o meu. Resolvi voltar ao trabalho, não é todo dia que sonho, mas também não é todo dia que compartilho do mesmo sentimento com tantas pessoas. Sorri, claro. Tudo era uma questão de ponto-de-vista, por cinco segundos fui visto pela princesinha do meu lugar.

Ô, Ivete, cadê você? Eu vim aqui só pra te ver!

Postado por Solano Lucena, Conselho de Blogueiros

Em busca do passeador de cachorros

31 de julho de 2008 3

Esse é de Montevidéu. Você conhece algum no Moinhos?/Marcela Donini

A cena ao lado foi clicada nos arredores do Estádio Centenário, em Montevidéu, em maio do ano passado. Mas bem que podia ser no Parcão, único lugar onde vi, em Porto Alegre, um passeador de cachorros! Inclusive, já flagrei duas vezes o mesmo cara com uma meia dúzia deles, entre daschuands e goldens.

Nas duas situações, eu dirigia, e já estava escurecendo. Mas tenho quase certeza que era o mesmo passeador!

Alguém aí conhece a figura? Ou outro profissional que saia pelo bairro correndo o risco de cada um dos cães que conduz sair para um lado diferente?

Gostaríamos de encontrá-lo e entrevistá-lo. Certamente terá boas histórias pra nos contar. Mas a primeira pergunta que eu faria é: leva sacola pra recolher o cocô de toda a turma?

Gostamos de brincar de “caçar os personagens do Moinhos”. Conseguimos achar o dono da bici vermelha. Será que encontraremos o passeador?  

Postado por Marcela Donini, Redação ZH

Feng Shui, ingrediente secreto do chef

31 de julho de 2008 2

Chef Muskito/Divulgação

Ele pratica artes marciais desde os 13 anos, mas é na cozinha que aplica os conceitos que aprendeu com a cultura oriental. Chef de cozinha formado em Piemonte (Itália), Luiz Carlos Moschen, o Muskito, prepara o jantar do Festival Gastronômico do Sheraton Hotel, hoje e amanhã, no Restaurante Clos du Moulin. O chef Mauro Souza também coloca a mão na massa no preparo do cardápio italiano regado a muito vinho, música ao vivo e intervenções teatrais.

O chef Muskito é natural de Gramado, onde foi educado para apreciar a culinária italiana desde criança.

- Cresci vendo minha mãe às voltas na cozinha, preparando as delícias típicas da comida italiana, como massa caseira, polenta e bolinhos – conta o chef.

Em 1982, Muskito deixou a Serra Gaúcha para se arriscar na carreira gastronômica em Porto Alegre, onde abriu o Kilt Pub, junto com Marcos Peninha. Em 1991, embarcou para a Itália e estagiou em um restaurante na cidade de Sorrento, ao sul daquele país. De volta a sua terra natal, abriu o Ristorante Moscerino.

Muskito ainda voltou para a Itália em 2003, quando concluiu o Corso di Aggiornamento in Enogastronomia Italiana, promovido pelo ICIF - Italian Culinary Intitute for Foreigners. No seu restaurante em Gramado, Muskito valoriza a culinária de norte a sul da Itália, combinando polenta e massas com o toque especial da cozinha mediterrânea, frutos do mar e outras especiarias. Sem contar a placidez oriental que lhe é característica.

- A cozinha é meu local de meditação – admite, confessando aplicar conceitos de Feng Shui no preparo dos pratos, enriquecidos por um equilíbrio estético todo especial.

 

Serviço:

O quê: Festa Italiana no Festival Gastronômico do Sheraton, com os chefs Luiz Carlos Moschen (Muskito) e Mauro Souza

Quando: 31 de julho e 1º de agosto de 2008, às 20h30min

Onde: Restaurante Clos du Moulin (5º andar do Sheraton Hotel _ Rua

Olavo Barreto Viana, 18)

Quanto: R$ 135,00 + 10% (inclui vinho, cerveja, refrigerante e água)

Reservas pelo fone (51) 2121-6060 ou e-mail guestservice@sheraton-poa.com.br

Postado por Taís Seibt, Conselho de Blogueiros

Dicas de quem conhece - arredores da Padre Chagas

30 de julho de 2008 2

- Um almoço ou jantar muito romântico? Reserve a mesa 2, do Le Bistrot/Constantino. Fica num nicho, junto à janela, cercada por um jardim de inverno. Aconchego puro que cabe em nosso bolso. Depois do cafezinho: “my place or yours?”

- Nestes dias da volta do frio, duas dicas quentes: feijoada de sábado no Café do Porto, com música ao vivo. Pimenta à vontade. E quentão “piriguete” da Isabel, no Justcafé.

- Pagode, de novo? Pois quem ainda não foi vai se impressionar com o movimento do Caminito, domingos à noite. Muita gente bonita. Se não chegar cedo nem vá, que lota das 20h à meia-noite.

- Domingo à tarde, frio, aquele solzinho por cima, nada pra fazer, preguiça tomando conta? Ora, vá tomar um capuccino, um sorvete ou um drink num dos diversos locais da calçada da fama. As atrações que circulam são parte da paisagem generosa do local.

- Pra alegria do bolso, muitas lojas da Padre Chagas estão em liquidação. Na DM, por exemplo, está tudo 70% mais barato.

- Já dá pra se ver o andamento das obras do Papito, um novo local para a alegria dos freqüentadores da Padre Chagas, que está sendo adaptado na parte superior da mansão que abriga o Café do Porto. “Soft opening” em agosto.

Postado por Saulo Blauth, Conselho de Blogueiros

Curiosos no Moinhos

30 de julho de 2008 4

Reprodução

Você sempre sonhou com um pé de abajur exclusivo, mas não sabe para quem encomendar?

Onde comprar amor-perfeito para incrementar a salada daquele jantar especial?

Ou está precisando de aulas de fotografia submarina ou de um mapa personalizado?

Acredite: tudo isso se encontra na região do Moinhos de Vento. Quem garimpou esses serviços inusitados foi a jornalista gaúcha Cláudia Aragón, que os compilou no livro Os Endereços Curiosos de Porto Alegre (editora Panda Books, 233 páginas, R$ 29,90). A exemplo de cidades como Londres, Buenos Aires e Rio de Janeiro, a Capital ganhou essa edição que terá noite de autógrafos amanhã, na Livraria Cultura, no segundo piso do Bourbon Country. A função começa às 19h30min.

***

Em breve, outros endereços da região que constam no guia poderão ser conferidos em reportagens no caderno ZH Moinhos. A autora de Os Endereços Curiosos de Porto Alegre promete não parar: novas descobertas devem ser divulgadas no blog de Cláudia, o Salada Pronta. Lendo o livro, a gente se diverte entre atividades incomuns - já encomendou um estudo numerológico para o seu mascote? Tem no bairro Santana - e lojas conhecidas para os porto-alegrenses, mas surpreendentes para visitantes - como a Casa das Pantalhas.

***

A propósito: você conhece algum endereço curioso na região dos bairros Moinhos de Vento, Auxiliadora, Rio Branco, Floresta e Independência?

Postado por Melissa Becker, Redação ZH

Para os amantes de automobilismo

30 de julho de 2008 9

Para quem aprecia automobilismo, vale a pena conferir a exposição de dois modelos no segundo andar do Moinhos Shopping.

Os carros ficam lá até o dia 10 de agosto. A mostra tem parceria com o Velopark.

Postado por Kelli Pedroso, Conselho de Blogueiros

Lei Seca: perdas x ganhos

30 de julho de 2008 16

Gustavo Barreto, Divulgação

Também fiquei revoltada com a Lei Seca, considerando-a rígida demais e, como muitos, achando-me injustiçada por ter de me abster de um cálice de vinho, ao sair para jantar, sabendo que isso não me faria dirigir com mais imprudência ou negligência no trânsito. Pelo contrário, eu seria até mais cuidadosa.

Tive que me dobrar, entretanto, aos números indicando a redução de acidentes na casa de 60%. Se as estatísticas divulgadas diariamente são sérias, não há como negar o efeito preventivo da lei: muitas vidas já foram poupadas desde sua edição e muitas outras ainda serão.

Mudanças de hábito nem sempre são fáceis, e tenho inveja (branca) de quem foi bem menos afetado pela Lei Seca. Meus caros moradores do Moinhos de Ventos e arredores, não sabem como são felizes e privilegiados – ou talvez saibam. Explico. Como residente da Zona Sul e apaixonada pelo Moinhos, fui atingida em cheio pela Lei. Freqüentar um dos restaurantes e bares da região, a partir de então, passou a significar abstinência absoluta de álcool. Acabou-se o prazer de degustar um bom vinho acompanhado de um jantar delicioso. “Por que não chama um táxi?” – perguntarão. Alguém tem idéia de quanto custa uma corrida da zona sul ao Moinhos? À noite, com bandeira 2, não sairia por menos de R$ 40,00, só a ida. Convenhamos que o programa ficaria um tanto caro. Transporte coletivo seria inviável, pois além de não atender 24h, seria perigoso e, não havendo uma linha que faça Ipanema/Moinhos, seria necessário tomar dois ônibus ou lotações. Aí, desanima qualquer um!

Já os moradores do Moinhos e arredores não. Dependendo do destino, se fosse ali no bairro mesmo, poderiam, inclusive, ir a pé. Tomar um táxi, igualmente, não seria problema, pela distância curta. Ou, ainda, poderiam conseguir uma carona com algum amigo abstêmio. No meu caso, como é que vou ter cara de pedir uma carona para minhas amigas, quando todas moram na zona norte?

Ultimamente comecei a pensar até na hipótese de mudar de bairro. Por causa da Lei Seca, a localização de um imóvel passou a ter um peso ainda maior. A zona sul pareceu ter ficado mais longe, e os bares e restaurantes nunca viram cair tanto a venda de bebida alcóolica (nem em vésperas de eleição era assim). Em compensação, jamais se andou tanto de taxi. Sorte para uns, azar de outros.

Mais uma vez, acho que o pessoal do Moinhos saiu ganhando: imóveis valorizados, mudanças de hábito mínimas. Arrisco a dizer que até os bares dali são os menos prejudicados, por causa dos privilégios, já apontados, do pessoal da volta. Quanto a mim e aos demais mortais, que moramos longe das regiões de gastronomia e entretenimento, e não temos como ficar incólumes à essa nova realidade, aguardamos por sugestões criativas e conscientes. Não nos venham com soluções baseadas no “jeitinho”. Por mais rígida que seja a lei, é para ser cumprida. Não esqueçam que a responsabilidade pelo trânsito seguro é de todos. As estatísticas estão aí para mostrar que vale a pena.

E você? Conte como faz para, com responsabilidade, evitar os efeitos da Lei Seca.

Postado por Angela Dal Pos, Conselho de Blogueiros

ZH Moinhos "bombando" na noite

29 de julho de 2008 12

Caminhar, tranqüilamente, à noite, pela rua. Parece atividade possível de se fazer, apenas, no primeiro mundo. Todavia, a Padre Chagas, com sua luminosidade criada pelos cafés, bares, restaurantes e comércio em geral, trouxe a possibilidade do passeio noturno a Porto Alegre. As mesas nas calçadas e o movimento intenso convidam ao encontro com os amigos. Sair à noite, jogar conversa fora, comer batatinha frita ou derrubá-la na mesa, dar gargalhada, brindar, posar para fotos, é muito bom.

Agora, sair à noite, atenta às notícias, para atualizar o mais novo blog do bairro, e encontrar uma pilha de jornais só do ZH Moinhos, no balcão do pub que tu entraste, “não tem preço”.

O ZH Moinhos, assim, à disposição de todos os freqüentadores do bar, mantendo-os informados com as matérias da região, tem que ser registrado como uma idéia muito original.

Fotos de todos os ângulos foram tiradas. E o mais divertido é que os amigos da “blogueira” entraram no clima também, fazendo o ZH Moinhos “bombar” na noite, tornando-se verdadeiros co-criadores desse post.

Espero que os leitores, moradores e freqüentadores da região e, agora, novos comentaristas e colaboradores do blog também façam o ZH “bombar” no bairro e na internet, criando uma verdadeira comunidade unida para resgatar valores há muito tempo esquecidos.

Postado por Úrsula Petrilli Dutra, Conselho de Blogueiros

Para morar, trabalhar e passear

29 de julho de 2008 1

Sou moradora recente do bairro Auxiliadora. Desde outubro passado, estou descobrindo as diversas opções que a região oferece: lojas, bares, restaurantes, minimercados, salões de beleza e outros serviços. Um prato cheio para quem, da mesma forma que eu, gosta de sair a pé para um passeio.

O curioso é que ainda não consegui definir se este é um bairro residencial ou comercial. Os carros que lotam as ruas e os estacionamentos durante o dia se escondem à noite. Ao mesmo tempo em que vejo inúmeras empresas, consultórios e estabelecimentos comerciais ao longo da Felipe Neri e da Silva Jardim, percebo novos prédios residenciais sendo construídos na Freire Alemão e na Mariland. Isso indica que teremos, em breve, mais moradores por aqui. E, provavelmente, mais leitores deste blog.

Neste espaço virtual do ZH Moinhos, que reúne diferentes pontos de vista da região, pretendo falar sobre detalhes, cenas e personagens que tenho percebido como recém-chegada. Convido você, leitor, a participar comigo desse passeio pela vizinhança.

Postado por Roberta Scheffer, Conselho de Blogueiros

Ele é o dono da bicicleta vermelha

28 de julho de 2008 14

O chef Paulinho com a sua bike excêntrica/Thais Sardá

A Taís Seibt disse que não sabia de quem é a bicicleta vermelha que fica o dia inteiro na esquina da Padre Chagas com a Olavo Barreto Viana, no Moinhos. Pois o dono dela se chama Paulo Ricardo Correa, 29 anos, o chef Paulinho do Gokan Sushi Lounge.

Ele brinca que todo mundo acha a bike ridícula, mas não a vende por nada. O modelo vermelho em estilo retrô imita um de 1929 e tem três marchas, banco de couro marrom, freio no pedal e buzina.

Morador da Av. Benjamin Constant, Paulinho deixa a bike ali por volta das 11h, faz suas atividades pelo Moinhos de Vento e retorna com ela para a casa, perto da meia-noite. Só abre mão do meio de transporte em dia de chuva, quando acaba optando por táxi.

- Estacionar na Padre Chagas é complicado e muito caro. Imagina quanto tempo eu iria perder no trânsito – diz Paulinho, que conta com os taxistas do ponto em frente e os seguranças do Sheraton e do Moinhos Shopping para manter a bicicleta intacta.

Postado por Thais Sardá, Redação ZH

Fios caídos na Cristóvão

28 de julho de 2008 8

Me chamou a atenção hoje pela manhã esses fios caídos, bem abaixo do padrão, na Cristóvão Colombo. Será que seria mais um furto de fios na região?

Se nem as ruas movimentadas intimidam os vândalos, o que dizer das ruas mais desertas e com um movimento menor de pessoas e veículos?

Fica aí a meu registro.

Postado por Luciana Kolesny, Conselho de Blogueiros

Você quer um gatinho?

28 de julho de 2008 5

Arquivo Pessoal

Moradora da Quintino Bocaiúva, Gabriela Pereira procurou o ZH Moinhos para ajudá-la a encontrar um novo dono para o gato da foto ao lado. Com um bebê tendo crises de asma em casa, ela não pode mais ficar com o bichinho de estimação.

“O nome dele é Nuí, é castrado e vacinado. Muito meigo, tímido e carinhoso, é daqueles que sentam junto na cadeira para tomar café. Ele só falta falar”, escreveu Gabriela.

E então, você quer o Nuí?

Deixe um comentário ou escreva para moinhos@zerohora.com.br, que colocamos você em contato com Gabriela.

Postado por Mirella Nascimento, Redação ZH

Padre Chagas: charme no coração do Moinhos

27 de julho de 2008 16

Thais Sardá

Acredito que as melhores coisas da vida são feitas de chocolate. E passam pela Padre Chagas.

Impossível ficar ileso à experiência de um passeio pela rua mais charmosa de Porto Alegre. Alguns dizem ter a sensação de estar em Paris, outros em Buenos Aires. Entretanto, o charme desse endereço descolado da cidade reside no fato de ter desenvolvido uma personalidade própria, única e muito glamourosa.

Se o luxo transmutou-se de pura ostentação para uma simplicidade contagiante, então sentir a textura do crocante pãozinho cervejinha com manteiga derretida, sentada em um dos cafés da rua é pura sofisticação.

Postado por Norah Dietrich, Conselho de Blogueiros

Adote uma árvore

27 de julho de 2008 0

Isso mesmo, você leu corretamente. Estou sugerindo que você, leitor deste blog, adote uma árvore e torne o nosso bairro ainda mais arborizado.

A minha sugestão pode, a primeira vista, parecer um tanto esquisita e diferente, mas faz todo o sentido. A capital dos gaúchos é privilegiada por poder contar com mais de 1 milhão de árvores ao longo de suas ruas e praças. Parece muito, mas nesse caso vale a máxima: quanto mais, melhor!

Há quase um ano, a prefeitura de Porto Alegre lançou a campanha “adote uma árvore” e desde então eu, você e qualquer cidadão com consciência ecológica pode adotar a sua árvore. Este ato possibilita que cada um de nós seja responsável pelos cuidados de uma muda de árvore plantada pela Smam. Para realizar esta adoção basta acessar o site da Smam, preencher o cadastro, firmar o termo de cooperação e, é claro, escolher a sua muda preferida.

Ela pode estar na calçada em frente a sua casa, no Parcão, perto do seu local de trabalho. Não importa onde. Vai lá, adote uma árvore e transforme o Moinhos de Vento num bairro ainda mais arborizado. Conto contigo!

Postado por Alessander Bellaver, Conselho de Blogueiros

A revistaria da esquina

26 de julho de 2008 37

Nosso bairro tem de tudo um pouco, e alguns locais do comércio são muito familiares para os moradores.

Na revisteria Moinhos, por exemplo, situada na Luciana de Abreu com a Padre Chagas, a Cleusa serve um cafezinho delicioso sempre com um excelente humor. Entrega também as revistas na casa dos moradores (entrega a domicílio mediante encomenda pessoal ou por telefone). Alguns executivos e profissionais liberais do bairro se encontram para um “papinho” enquanto saboreiam um café. Muitas vezes sai até negócio nestas conversas.

Enfim, mais um ponto de encontro onde sentimos prazer em um gostoso cafezinho e um bom papo informal.

Postado por Miréia Borges, Conselho de Blogueiros