Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de junho 2009

Crack, nem pensar. Também no Moinhos

29 de junho de 2009 6

Infelizmente, o crack também é um problema dos nossos bairros. Quem nunca caminhou pela Avenida Independência e não cruzou com um dependente? Fazia tempo que não via uma mobilização da sociedade com uma campanha contra as drogas. A bandeira lançada pelo Grupo RBS veio em boa hora.

O engajamento das pessoas está a cada dia maior. São os jogadores do Grêmio entrando com a camiseta da campanha no campo (jogadores de outros times também estão vestindo a camiseta, não posso omitir), atores se engajando, escolas aderindo e orientando alunos, órgãos públicos dando apoio e buscando alternativas para essa luta, além de tantas outras entidades e personalidades.

Resolvi fazer este post para incentivar a todos leitores do Blog ZH Moinhos a colaborarem de alguma maneira. Na última reunião de blogueiros, outros colegas também já estavam pensando no assunto, inclusive, numa forma mais eficaz de colaboração.

Bom, para começar, sugiro a você, leitor, entrar no link do “Crack, nem pensar” do clicRBS e participar da maneira que estiver ao seu alcance, lembrando sempre da mensagem da campanha de que a “solução depende de todos nós, da nossa capacidade de enfrentar o problema, do nosso poder de organização, da nossa vontade de lutar pelas pessoas que amamos, da nossa capacidade de dizer `não` a essa droga maldita com toda a força da nossa alma. Não facilitar. Não tolerar. Não experimentar. Não vacilar. Não aceitar. Não esmorecer. Não desistir. Não temer. Não se omitir. Crack, nem pensar.”

E para finalizar, sugiro a todos que, desde já, além de não pensarem no Crack, comecem a pensar na solução. Na possibilidade de recuperação dos viciados. Nos grupos de mútua ajuda. Na união da família. No apoio que você, leitor pode dar a um amigo ou familiar que sofre com a droga. Na orientação de uma vida saudável que cada um de nós deve dar às crianças e adolescentes que temos contato e convivemos. Numa palavra de solidariedade e amor que você pode dar a alguém sem esperança.

Vamos lá, vamos pensar numa vida saudável no Moinhos e além do Moinhos.

Postado por Úrsula Petrilli Dutra, Conselho de Blogueiros

Um botequim para leitores na Félix

27 de junho de 2009 8

Nosso bairro tem como uma de suas características marcantes ser detentor de locais diferenciados que proporcionam momentos agradáveis a seus moradores e visitantes. Isso é o que vou trazer aos leitores do Blog ZH Moinhos, como blogueiro, com dicas de lugares que não devem passar despercebidos.

Como primeira indicação, o Botequim das Letras, um verdadeiro boteco localizado no coração do Moinhos, com uma decoração bem típica, onde se pode degustar comidas de botequim e ler um bom livro na biblioteca que se encontra no local.

O estabelecimento conta com uma agenda de atividades variadas. Na segunda-feira, ocorrem oficinas literárias às 18h30min e às 20h15min. Aos sábados, com inicio às 10h30min.

De 15 em 15 dias, tem a Conversa de Botequim, um bate-papo com assuntos relacionados a livros e literatura. Fechando a lista de eventos, uma vez por mês ocorre um bazar onde os interessados podem expor seus produtos.

Se você gostou do local, o Botequim das Letras fica na Félix da Cunha, 1.143 bem pertinho do Moinhos Shopping. Mais informações: contato@botequimdasletras.com.br ou 3019-8602.

Postado por Willian Assis, Conselho de Blogueiros

Escolas e comércio festejam São João

26 de junho de 2009 0

Já a caminho do final do mês, algumas escolas e estabelecimentos comerciais aproveitam o último suspiro junino para montar seus “arraiás”. Neste sábado, às 14h, o pátio do colégio Marista São Pedro (Rua Álvaro Chaves, 625) será transformado num grande arraial com pescaria, barraquinha de pipoca, bolos e salgados, além de atrações culturais.

No Colégio Marista Rosário (Praça D. Sebastião, 2), caipiras, prendas e peões também vão curtir o São João neste sábado. Haverá apresentações de grupos de ginástica artística, dança gauchesca, street dance, flautas e cordas, além de shows dos Irmãos Fagundes e da Banda Luz. A programação vai das 10 às 17h.

Outro evento que pede trancinhas e chapéu de palha é o Arraial da Maison Roxa (Barão de Santo Ângelo, 384). Das 15h às 19h, muito pinhão, pipoca e outras delícias poderão ser degustadas durante o primeiro encontro de marcas convidadas. Na ocasião, também serão arrecadadas roupas de inverno para doação.

Já no Shopping Total (Rua Cristóvão Colombo, 545), o festejo junino ocorre no domingo. A 4ª edição do Arraial Total será realizada das 18h às 20h no Largo Cultural, com entrada gratuita. Fogueira, brincadeiras típicas, casamento na roça, barracas com comidas típicas, quentão e pescaria fazem parte da programação, que terá ainda show da banda Forrozoando. Também será feita arrecadação de doações para a Campanha do Agasalho.

Postado por Susan Liesenberg, Redação ZH

Francisco Lopes e os 90 anos da São Pedro

25 de junho de 2009 2

Texto enviado por Francisco Sérgio Pereira Lopes:

“Quando tinha 7 anos de idade, comecei a frequentar à Escola Dom Bosco, Casa do Pequeno Operário, em Porto Alegre.Tive a oportunidade de ter um professor muito querido, o Professor Tadeu Domaszac, já falecido que foi o meu primeiro Evangelizador. Desde lá, comecei a frequentar semanalmente à Igreja, participando da missa, coisa que faço até os dias de hoje.

Sou, portanto, paroquiano de fato e de direito da Paróquia Dom Bosco, pois sempre morei e continuo a morar na mesma residência, próxima à Paróquia. Atualmente participo na Preparação dos Pais e Padrinhos para o Batismo de seus filhos e também sou comentarista e acólito nas missas, em alguns finais de semana.

Nos anos de 1975, fui até a Igreja São Pedro, pois, até então, só ia à Paróquia Dom Bosco, participando de Grupos de Jovens. Encantei-me pela missa das 11h, vendo os Jovens do CLJ animarem com seus cantos alegres, que me atraíram. Gostava do sermão dos sacerdotes que presidiam a missa, como Monsenhor Atílio Fontana e Padre José Inácio Steffen.

Em 1990, quando Mara e eu casamos na Paróquia São Pedro, começamos a fazer parte do Movimento de Casais Jovens, pois, na Paróquia Dom Bosco não havia, na época, esta necessidade, que para nós era muito importante. Participar junto com outros casais para vivermos uma espiritualidade de família e para que os casais e familiares pudessem dar uns aos outros um apoio na vivência do Evangelho, na vida matrimonial e familiar.

Em 2006 e 2007, coordenamos o Movimento de Casais Jovens, algo que nunca havia passado pela minha cabeça. O que desejava era participar, ajudar, mas nunca pensei em coordenar. Em 2009, inesperadamente também, meu nome foi indicado pelo Padre Hugo, entre outros nomes que não puderam assumir, para ser o Coordenador do Conselho de Pastoral da Paróquia São Pedro.

Aceitei e considerei como sendo um chamado de Deus para mim neste momento. Portanto, sou Paroquiano da Paróquia São Pedro de fato, pois adotei a paróquia.”

Postado por Camila Becker, Redação ZH

Hoje, nas bancas da região

25 de junho de 2009 0

No ZH Moinhos que chega nesta quinta-feira às bancas da região, você vai conhecer alguns dos integrantes da família Kolesny, os quais têm sua história ligada à Igreja São Pedro, que comemora 90 anos neste mês.  

Vai ficar informado também sobre as expectativas dos moradores e comerciantes do bairro São Gerlado relativas às obras para a construção do novo sistema de drenagem na região, planejadas pela prefeitura.

E, ainda, vai saber onde se encontram dois importantes personagens da Copa do Mundo, passada e futura: o ex-comandante do Boeing 767-300, que levou a seleção canarinho à Ásia, em 2002, o piloto Carlos Dolon Poser Froner e o atual vice-prefeito e secretário extradiório da Copa de 2014, José Fortunati.

Leia a íntegra das matérias em www.zerohora.com/bairros

Postado por Camila Becker, Redação ZH

Os restaurantes visados no bairro Moinhos de Vento

24 de junho de 2009 6

Que há ladrão e ladrãozinho, todo mundo sabe ou já experimentou o desconforto e a raiva de ter sido vítima de algum. Agora, os gatunos resolveram agir nos restaurantes do bairro Moinhos descaradamente.

As pessoas chegam ao local escolhido tranquilamente para almoçar, deixam as bolsas em cima da cadeira para “marcar” lugar, e quando voltam…. cadê a bolsa?

Hoje presenciei uma jovem que chegou à mesa escolhida, tirou o celular do bolso,  crachá, as chaves, as luva, deixou tudo em cima da mesa e foi se servir. Bem, não sei se algo aconteceu, mas que ela estava na mira de algum gatuno, provavelmente estava.

Digam-me! Como, em um restaurante cheio, no horário de meio-dia, podemos saber se existe alguém com intenção de roubar? Desse jeito todos nós, míseros mortais, estaremos sendo suspeitos, pois identificar um “gatuno(a)” no meio de tantas mesas é muito difícil, até porque “eles(as)” vestem-se como a clientela que frequenta o local. O que fazer? Espernear, gritar com os donos dos restaurantes? Como?

Será que também não temos um pouco de responsabilidade por deixarmos nossas coisas em cima de cadeiras e mesas rodeadas de pessoas desconhecidas? Sem falar nas mulheres que deixam a bolsa no encosto das cadeiras e sentam-se na maior tranquilidade. Não enxergando a bolsa, como poderemos ter certeza que ela permanecerá ali?

Lamento pelas pessoas lesadas, lamento pelos donos dos estabelecimentos, mas o que fazer? Em curto prazo, é desconfiarmos da sombra e cuidarmos mais de nossos pertences.

Bom apetite frequentadores do Moinhos!
 

Postado por Miréia Borges, Conselho de Blogueiros

Um post pra dizer adeus. Digo, até logo

24 de junho de 2009 4

Há quase um ano venho compartilhando neste blog as descobertas que fiz pelas ruas do bairro Moinhos de Vento. Contei histórias como a da moça da rodoviária, a da parteira do hospital, a da tia do cachorro-quente. Era tudo mentira. Na verdade, eu estava era contando a minha história.

Cada personagem que descrevi, cada jardim secreto que desvendei, cada flor que encontrei na rua fez diferença na minha forma de ver o mundo. Vinda do interior, fui sendo apresentada ao dia-a-dia da “cidade grande” a partir do Moinhos. Acho que entrei na capital pela porta da frente…

Por força das circunstâncias, no entanto, vejo-me obrigada a virar a página deste capítulo da história da minha vida escrito entre bicicletas vermelhas e atletas do meio-dia. Será preciso comprar jornal em outra banca, descansar em outro parque, fotografar outros casarões. Por outro lado, será impossível esquecer o que o Moinhos – e este blog – me ensinou. Coisas que não saberei explicar neste post de adeus. Digo, de até logo. Coisas que eu não imaginava.

Restará, enfim, a saudade. Pelo menos até a próxima visita. Por ora, digo só muito obrigada!

Postado por Taís Seibt, Conselho de Blogueiros

Os comandantes da Copa no bairro Floresta

23 de junho de 2009 9

Os frequentadores da ACM Fitness, do Shopping Total, têm a oportunidade de conviver, três vezes por semana, nos aparelhos da academia, com duas figuras ligadas à história passada e futura da participação do Brasil em Copas do Mundo.

À direita, na foto, o ex-comandante do Boeing 767-300 que levou a seleção canarinho à Asia, em 2002, na conquista do penta, Carlos Dolon Poser Froner, 61 anos. O interessante é que Froner é homônimo do ex-treinador Carlos Froner, que marcou época no futebol gaúcho, especialmente no Grêmio, e que foi  guru de Luiz Felipe Scolari. Felipão, muito supersticioso, sentiu que essa coincidência tinha influência dos deuses e deu no que deu… O assunto inclusive foi tema de reportagem de ZH, na edição de 17/05/2002. 

À esquerda na foto, o atual vice-prefeito e secretário extraordinário da Copa 2014, José Fortunati, 53 anos, que terá a espinhosa missão de comandar os preparativos para a Copa de 2014 em Porto Alegre.

Froner é morador da Cristóvão Colombo, enquanto Fortunati reside no Centro, mas ambos gostam muito da região que abrange os bairros Floresta, Independência e Moinhos de Vento. Confira a entrevista:

Blog do ZH Moinhos - Qual a imagem mais marcante que você guardou dessa experiência de transportar a seleção brasileira em busca do penta, em 2002?

Froner - Foi a emoção de participar desse momento histórico, além do privilégio de ter convivido por 17 dias com esses ídolos. Pude presenciar também a liderança, a sinergia e a habilidade do Felipão no trato com os jogadores. Isso foi muito importante na conquista do penta.

Blog do ZH Moinhos - Qual a  importância e o que já está sendo feito por Porto Alegre para sediar a Copa de 2014?

Fortunati - Desde setembro de 2007, quando o Brasil foi confirmado como sede da Copa do Mundo de 2014, estamos trabalhando sobre este importante tema. Ainda naquele ano o prefeito José Fogaça criou um Grupo de Trabalho composto pelo secretário de Esporte, João Bosco Vaz, pelo secretário de Turismo, Luiz Fernando Moraes e pela representação da Secretaria de Planejamento, cargo que eu ocupava no momento.

Em março de 2008, em um seminário promovido pela Fifa e pela CBF no Rio de Janeiro, Porto Alegre se credenciou como Cidade Candidata à Copa de 2014. A partir de lá, passamos a manter relações técnicas com a Associação Brasileira de Infra-estrutura e Indústrias de Base (ABDIB), empresa de consultoria contratada pelo Ministério do Esporte, a pedido do Comitê Brasileiro da Copa 2014, para fazer o levantamento das condições das então 18 cidades candidatas.

Porto Alegre, contando com a parceria do Governo do Estado, cumpriu com todas as etapas exigidas pela FIFA e acabou sendo contemplada em 31 de maio de 2009 como uma das 12 cidades sedes da futura Copa do Mundo.

Neste momento, estamos trabalhando sobre os projetos das obras e ações necessárias para qualificar a nossa cidade para receber este importante evento. Teremos intervenções, ações e obras nas áreas da segurança pública, rede hoteleira, infra-estrutura urbana, saneamento básico, saúde pública e rede hospitalar, comunicações, transporte coletivo (especialmente os portais e o metrô), duplicação de vias, modernização do aeroporto, energia, etc.

Também estamos buscando os recursos necessários para a viabilização das nossas ações e obras necessárias para a Copa de 2014, deixando claro que o orçamento normal da Prefeitura não será atingido com as obras voltadas para o evento.
Pode-se afirmar que a Porto Alegre de 2014 será ainda melhor do que a Porto Alegre de 2009.

Blog do ZH Moinhos - O que está sendo útil em termos de aprendizado com a Copa das Confederações na África?

Fortunati - Com certeza a preparação da Copa do Mundo na África deverá orientar muito do nosso trabalho para a Copa de 2014. A situação social e econômica da África se aproxima muito da realidade brasileira e, com isso, poderemos tirar grandes lições dos acertos e erros que os nossos irmãos africanos estão vivenciando com a preparação do evento.

No mês de maio uma delegação do Sport Clube Internacional, coordenada pelo vice-presidente de Patrimônio, Emídio Ferreira, esteve na África e nos trouxe bons ensinamentos. No final de mês de julho uma delegação das 12 cidades sedes estará se deslocando para o continente africano para avaliar o impacto da Copa das Confederações na preparação das cidades e verificaremos os principais desafios a serem resolvidos também nas cidades brasileiras.

Também contamos com uma parceria da cidade de Stuggart, que foi cidade sede de jogos da Copa da Alemanha em 2006, para a busca de informações e consultoria sobre a organização da nossa cidade para 2014.

Blog do ZH Moinhos - Dá para acreditar que teremos dois estádios para a Copa em POA?

Fortunati - Um documento assinado pelo prefeito e pela Governadora Yeda Crusius endereçado ao Comitê Brasileiro da Copa 2014 solicita que os jogos da Copa do Mundo de 2014 em Porto Alegre sejam realizados nos estádios Beira-Rio e na futura Arena do Grêmio.

O pedido nada mais reflete do que o reconhecimento da história da nossa cidade em relação ao futebol. Temos dois clubes campeões do mundo, disputando as principais competições nacionais e internacionais, torcidas que dividem o Rio Grande em número e paixão.

Além do mais, seremos a única cidade brasileira que contará com dois estádios com o padrão Fifa no ano de 2014. Neste momento nenhum dos estádios brasileiros atende aos requisitos da Fifa.

Para os que acham que estamos querendo abrir uma exceção junto à Fifa, lembro que durante as 18 Copas do Mundo de Futebol já realizadas exatamente 10 cidades já tiveram jogos em dois estádios. E na próxima Copa do Mundo, na África, a cidade de Joanesburgo também contará com dois estádios realizando jogos da Copa do Mundo.

Postado por Paulo Renato Rodrigues, Conselho de Blogueiros

O pôr do sol do Ricaldone

22 de junho de 2009 5

Vinha voltando pra casa à tardinha, quando vi que um belo pôr do sol estava se formando. Pensei: “vou correr que consigo vê-lo ali no Ricaldone”.

Fazia muito tempo que não ia para aquelas bandas (há muitos anos, no mesmo local, ia com meus amigos para ver o pôr do sol ) e fiquei triste com a situação do morrrinho… Está tudo muito abandonado…

Muito mato e quase não consegui tirar a foto. Avistei um rapaz que tirava foto com sua máquina e pedi a ele que tirasse uma com o meu celular e ele, prontamente, atendeu ao meu pedido.

Se você tiver alguma foto pra matar a saudade do morrinho mande pra gente. Ah, se for do pôr do sol, melhor ainda.

Postado por Lu Kolesny, Conselho de Blogueiros

Dois pesos e duas medidas nas obras do bairro

20 de junho de 2009 3

Quem mora no coração do Moinhos ou até mesmo na ponta do Rio Branco e não trabalha na sua própria rua, certamente passa pela Avenida Goethe. Importante via de ligação daqueles que vêm da Zona Norte e vão para Zona Sul, a conhecida e já consagrada avenida das comemorações pelos campeonatos futebolísticos é fora desses festivos e raros períodos o palco da demonstração clara (e triste) que Porto Alegre segue em ascendente crescimento rumo ao caos urbano em relação ao trânsito.

Não obstante as vitais questões ecológicas a serem observadas, vivemos um tempo de necessárias mudanças na formatação das vias de escoamento do fluxo de veículos. Para isso, contudo, e até ironicamente, é necessário que se abram caminhos através de ações nem sempre vistas com bons olhos pelos defensores da natureza. Porém, nota-se também que nobre causa está a ser utilizada como desculpa e ferramenta de manobra a favor de interesses de um grupo. É o que muito provavelmente aconteceu em 2002.

No trecho da Goethe, entre as ruas Dona Laura e Castro Alves, forma-se um sufocante e atravancador gargalo devido à mudança da trajetória de forma abrupta das pistas de três (e até quatro)para somente duas, em ambos lados, sentidos Centro-bairro e bairro-Centro.

Ao lado das pistas, junto ao meio-fio, correm calçadas com mais de quatro metros de largura, onde vê-se pessoas passando distantes quase dois metros umas da outras, assistindo aos veículos andarem centímetros a cada minuto durante o horário de pico. É importante que o espaço do pedestre seja respeitado e protegido. Porém, naquele trecho está mais do que claro que está necessitando receber a terceira pista, fazendo com que o trânsito flua de maneira melhor e mais lógica. As largas calçadas e alguns dos postes recuados (ou seja, não junto do meio-fio) provam que há alguns anos já falava-se nesse remanejo e posterior alargamento das pistas para veículos.

No final de 2001, a prefeitura havia finalizado processo de definição de projeto e passaria à execução de uma obra que reorganizaria não só esse trecho, mas toda extensão da avenida, emendando-se à Rua Mariante onde há largos canteiros centrais e faria com que um mais seguro e lógico traçado fosse definido para fazer esse trajeto fluente ao trânsito. A verba estava garantida, e seriam realizadas as obras para os terríveis alagamentos da Goethe, concomitantemente, para evitar mexer duas vezes e atrapalhar o trânsito.

Eis que um primeiro passo causou muita polêmica: as árvores ao longo da avenida, cerca de 50, falava-se na época, teriam de ser cortadas. A prefeitura apresentou um projeto de compensação de plantio de cerca de 400 árvores no bairro e no entorno, além de novas na avenida. A associação do bairro foi convocada e uma reunião/apresentação do projeto foi mostrada no Clube Caixeiros Viajantes. Aberta ao público e a colocações dos presentes, houve grande alvoroço quando um vereador manifestou-se dando a entender que tal prática não procedia, pois as árvores eram antigas e patrimônio do bairro.

Esta importante obra antevia a necessidade que hoje só se faz ainda mais clara de urgência. Mas isso não foi a visão da maioria que inclusive motivada pela reivindicação do vereador o apoiou e uma ação judicial foi impetrada embargando a obra, situação que permanece até hoje. Sofremos as consequências de articulações políticas e econômicas que em verdade não visam ao bem da população, ao contrário, usam isto como desculpa para satisfação de interesses partidários e pessoais.

Mais um bom e atual exemplo: em nosso bairro, temos em andamento a obra de abertura da Rua Cel. Bordini, onde muitas árvores estão sendo removidas. Por que agora não é importante a defesa das árvores e igual embargo de obra?

Postado por João Victor Eltz da Silva, Conselho de Blogueiros

Na academia do Total, com "81 anos e meio"

19 de junho de 2009 15

Uma das tendências do marketing contemporâneo e público-alvo dos publicitários, os “novos velhos” estão por toda a parte, inclusive nas academias.

É o caso de Lourdes Maria Farina Weidlich, de “81 anos e meio”, como faz questão  de dizer. Moradora na Avenida Cristóvão Colombo, ela adora o bairro, principalmente porque, pela localização privilegiada, tudo o que precisa está por perto.

Natural de Nova Prata, trabalhou 50 anos no serviço público, em Carazinho, até se aposentar e vir morar na Capital. O que chama a atenção em dona Lourdes é a vitalidade.

Malha de segunda a sábado na ACM Fitness, do Shopping Total, e ainda encontra tempo para mais duas atividades: às segundas, quartas e sextas, participa do Grupo de Terceira Idade do Shopping Total, e às quintas é dia dedicado às danças no Qualivida. E ela diz que a sua vida mudou depois da  academia.

- Fiquei mais forte e nunca mais tive problema com quedas. Quem se gosta, que venha para a academia. Isso é um tratamento de saúde - enfatiza.

Sinal dos tempos…

Postado por Paulo Renato Rodrigues, Conselho de Blogueiros

Hoje, nas bancas da região

18 de junho de 2009 1

No ZH Moinhos que chega nesta quinta-feira às bancas da região, você vai saber como a atualização da planta de valores de imóveis da Capital pode alterar o valor do IPTU que você paga.

Também vai conhecer o novo presidente da Associação Quadra 2000, Nilo Dias Jr., e saber como anda o processo da criação de um shopping a céu aberto na Avenida Cristóvão Colombo.

Além disso, uma matéria sobre um centro voltado para a ajuda às famílias que está localizado na Praça Monsenhor Emilio Lottermann, no bairro Floresta. Para completar, vai conhecer as parquitas – um grupo de senhoras que gosta de se reunir no Parque Moinhos de Vento e no Moinhos Shopping, todas com ligações com a região. 

Postado por Thais Sardá, Redação ZH

Um morador de rua fazendo arte no Parcão

15 de junho de 2009 6

Dia desses, passando pelo Parcão, reparei que um senhor revirava um saco de lixo. Pensei que ele estivesse procurando comida. Passei batida por ele da primeira vez, mas resolvi voltar e perguntar o que ele estava fazendo.

Com um sorriso no rosto, o morador de rua Francisco me disse que estava catando sucata para fazer motos e carros de material reciclado. Infelizmente, não havia nenhum brinquedo pronto quando o encontrei. Ele me contou que vende o que faz no Parcão, na Redenção e em outros parques e que tem até artistas plásticos que compram.

Francisco estudou até o primário, foi funcionário de Estado por 17 anos, abriu um negócio em sociedade, mas acabou endividado. Perdeu a casa, perdeu tudo.

- Sociedade nunca dá certo - disse ele.

Francisco virou morador de rua. À noite, dorme em um abrigo da prefeitura. Durante o dia, ele faz o que estava fazendo no Parcão, para ganhar um trocado que garante seu sustento.

Ele disse que aprendeu a fazer os brinquedos de sucata sozinho. Francisco se orgulha de não estar pedindo esmola. Ele não me disse a idade, disse apenas que já está velho, mas não se conforma em simplesmente esperar a morte e se vira como pode. Francisco não demonstra resignação com seu destino, e eu segui o meu, enquanto ele continuava revirando o saco de lixo.

Postado por Taís Seibt, Conselho de Blogueiros

Vivo no Moinhos ou o Moinhos?

13 de junho de 2009 6

Lendo o Blog do ZH Moinhos, no dia 4 de maio de 2009, mais exatamente o post Por que ser blogueiro do ZH Moinhos, enviado por uma das mais ativas blogueiras, a Úrsula Petrilli Dutra, em que vi que foram abertas as inscrições para “novos blogueiros”, me questionei na hora: por que não ser blogueiro no ZH Moinhos?

Percebi que poderia ter muito a agregar. Me interessei em participar, pois moro no bairro a vida toda, trabalho e percorro suas ruas todos os dias em diferentes horários. Conheci o blog por ter participado do post Vizinho do Parcão, e desde então, acesso-o, sempre que possível.

Passei, e ainda passo, os 30 anos da minha vida neste bairro, conhecendo muitos de seus segredos, espaços ruas e avenidas. E, pensando no que escrever no post da inscrição, fiquei me questionando: vivo no Moinhos ou vivo o Moinhos?

Além de morar, trabalho no bairro e ando muito pela região. Conheço quase todos os edifícios, assim como o perímetro do bairro e seus adjacentes, seus pontos fortes e fracos, onde posso compará-lo com os outros.

Fui muito feliz quando, meus pais escolheram este lugar para vivermos, onde, na minha infância, ajudou a formar meu caráter, minha personalidade e minhas grandes amizades. Conheci muitos de meus amigos no colégio em que estudei, para mim, o melhor que poderia ter estudado, no morro milenar, o IPA, que fica no limite do bairro, nos altos do Rio Branco com Bela Vista.

No Moinhos há, atualmente, diversas opções de atividades noturnas, diferenciados tipos de comércio, as melhores Instituições bancárias do país, as mais famosas e tradicionais redes de hotéis instaladas e se instalando, e renomados clubes sociais e esportivos.

Certa vez, ouvi e acredito ser verdade que todas as novidades que chegam de outros lugares, cidades, estados ou países, primeiramente passam pelo Moinhos de Vento.

Acompanhei diversas modificações do bairro. De extremamente residencial para um bairro misto da vida moderna, onde se tem as melhores lojas, shopping center, galerias, hospitais por perto. Cito como exemplo a Rua Quintino Bocaiúva. Quando era pequeno e brincava por ali, via-se somente casas de famílias e atualmente existem as mais requintadas lojas de móveis para residências.

Como passei a vida toda morando em um bairro (às vezes, frequento outros) cheguei à conclusão que faço de tudo um pouco… De um lado, vivo no Moinhos, tenho tudo a minha volta, trabalho, pessoas que conheço, ótimos profissionais…

Por outro, vivo o Moinhos, freqüentando ótimos ambientes, utilizando seus recursos naturais, como o Parcão, por exemplo. Gosto muito do bairro e não conheço ninguém que não goste.

Quem conhece gosta. Quem conheceu certamente gostou. Quem conhecer, com certeza, gostará!

Postado por Mariano Christini, Conselho de Blogueiros

Amor de blogueiro

12 de junho de 2009 11

Mais uma vez, o ZH Moinhos programa uma homenagem especial. Dessa vez, é para os casais formados na região.

Eu, como blogueira, gosto de ficar atenta às homenagens de iniciativa da redação. E faço questão disto.
Lembro da homenagem aos 36 anos do Parcão, em que a procura era de um perfil de quem tivesse nascido na época de inauguração do parque.

Infelizmente, não conhecia ninguém com esse perfil, mas não perdi as esperanças: poderia, a qualquer momento, encontrar alguém que tivesse nascido naquela época.

Pois bem, em uma festa de aniversário de uma amiga, na Cidade Baixa, fui apresentada a um rapaz que, puxando assunto, perguntou se eu morava perto. Devolvi a pergunta e… o quê? Logo questionei:

- Tu moras na Dr. Timóteo? Perto do Parcão? Faz muito tempo? Desde criança? Tu nasceste em 1973? Ah, desculpa não quis ser indiscreta com tantas perguntas … é que eu escrevo pro Blog do ZH Moinhos e blábláblá.

Casualmente, ele também já havia escrito para a seção “Eu e meu bairro” e se interessou pelo assunto. Trocamos e-mails, ele me mandou a foto de criança no Parcão e escrevi o post Vizinho do Parcão.

Mas a conversa não parou por aí, foi apenas o início de uma linda história de amor, tendo o Blog do ZH Moinhos como pano de fundo. Ele começou a me acompanhar e sugerir idéias para os posts. O convite de passear no ônibus legal e fazer um post foi dele.

Já eu, o convidei para vermos o Natal na Praça Júlio de Castilhos e o Papai Noel no Shopping Total. A partir de então, passou a ser meu comentarista n° 1 no blog. Participou da última seleção para blogueiros e já entrou para o conselho. Mariano Christini, esse é o meu amor! 

Postado por Úrsula Petrilli Dutra, Conselho de Blogueiros