Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de abril 2010

Uma degustação diferente de vinhos madeira

30 de abril de 2010 1

Por Paulo Renato Rodrigues, Conselho de Blogueiros

Repercutindo a presença da enóloga portuguesa Filipa Pato, em memorável jantar no restaurante Orquestra de Panelas, no Moinhos, a Porto a Porto inovou, na quarta-feira, 28 de abril, trazendo outro especialista português para uma degustação diferente, desta vez de vinho madeira, com a presença de Julio Fernandes, diretor comercial da Justino’s Madeira, vinícola estabelecida na Ilha da Madeira desde 1870. Trata-se de uma das mais antigas produtoras de vinho da Madeira, que sempre ocupou uma posição destacada no mercado devido ao prestígio e à qualidade dos vinhos que produz e comercializa. No bairro Moinhos de Vento, os vinhos estão disponíveis nas melhores delicatessens e supermercados Zaffari (Floresta e Bordini) e no Orquestra de Panelas. Seguindo a linha de ouvir especialistas estrangeiros do mundo vinícola, entrevistamos Julio Fernandes:

Blog ZH Moinhos _ Como a Justino’s  Madeira enxerga o mercado brasileiro e as suas potencialidades?

Julio Fernandes _ Vislumbramos  o mercado brasileiro cheio de oportunidades para o vinho madeira. O Brasil já foi o maior importador mundial do vinho madeira. Na década de 40, esse produto praticamente monopolizou o mercado brasileiro. Fazemos um alto investimento no Brasil e procuramos estar o mais presente possível. Hoje, o país está entre os dez principais mercados da Justino´s Madeira (o primeiro é a França, o Alemanha, 3o. Japão, seguido de países europeus como Áustria, Holanda e outros e em seguida o Brasil). 
 
Blog ZH Moinhos _  No Brasil, quais as capitais que são público-alvo da empresa?

 
Julio Fernandes _ Sem dúvida, os estados do Sul com seu clima mais frio é o maior mercado, pois o vinho madeira é um vinho mais licoroso, com alto valor alcóolico, mas em geral, todo o Brasil consome o produto.

Blog ZH Moinhos – Por ser um vinho mais de sobremesa ou mesmo de aperitivo, isso não restringe muito o seu consumo?
 
Julio Fernandes _ Trata-se de um vinho focalizado, não tranquilo. Ou seja,  vinhos que por eles só se bastam, são os chamados “vinhos de meditação”. São bons como aperitivo, acompanham bem frutas secas, queijo e algum tipo de salgado. Para acompanhar a sobremesa, por serem um pouco doces, são ideais para as que levam o chocolate como ingrediente principal e ainda para a harmonização com charutos.

Blog ZH Moinhos _ Para o vinho madeira vale o adágio “quanto mais velho melhor”?
 
Julio Fernandes _ Sim, isso vale, mas desde que o vinho seja preparado e envelhecido adequadamente. O vinho madeira não perde sua qualidade se aberto, ele não oxida, seu processo permite uma micro-oxigenação, o que melhora ainda mais o seu sabor.

Hoje, nas bancas

29 de abril de 2010 0

O ZH Moinhos chega às bancas da região, hoje, trazendo em sua capa uma matéria sobre a iniciativa de associações de bairro, que se uniram para reivindicar mais segurança, solução para o problema de moradores de rua, melhorias na iluminação e na limpeza urbana.

Na coluna Em Foco, o antes e o depois da Rua 24 de Outubro, com uma foto da via tirada nos anos 1930. Ainda na edição, textos de leitores expõem dois problemas da região: a falta de iluminação no Parque Moinhos de Vento, e o lixo que se espalha por algumas ruas do Moinhos.

O suplemento também lembra que, na próxima quinta-feira, será realizada mais uma edição do Café ZH, desta vez no Lápis Café do Shopping Total, das 15h às 19h.

Na seção Gastronomia, o jantar beneficente em favor do Instituto do Câncer Infantil, que será realizado amanhã na Associação Leopoldina Juvenil.

Em Conheça seu Vizinho, o oncologista Stephen Doral Stefani, que reside na Rua Padre Chagas.

Mudanças na André Puente

28 de abril de 2010 1

Em relação ao post “Mudanças à vista na André Puente”, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) informa que o semáforo citado foi instalado apenas para testes. O objetivo é estudar alternativas para problemas que possam ocorrer no tráfego da região. Não haverá mudanças no sentido da Ramiro.

Café ZH volta à região

27 de abril de 2010 0

O segundo Café ZH a ser realizado na região já tem dia, hora e local marcados: será no Lápis Café do Shopping Total, no próximo dia 6, das 15h às 19h. A primeira edição, sucesso em participação de leitores, ocorreu em 25 de fevereiro, no Café do Porto da Padre Chagas.

A ação dá continuidade à ideia de levar a cafés da região de cobertura do ZH Moinhos de Vento uma redação improvisada, em que moradores têm contato direto com quem faz o caderno, e podem sugerir fotos, curiosidades, pautas, apontar problemas ou bons exemplos e indicar personalidades que se destaquem nos bairros Auxiliadora, Floresta, Independência, Moinhos de Vento e Rio Branco. Os jornalistas André Mags, Carla Dutra, Maria Rita Horn e Thais Sardá, e o fotógrafo Arivaldo Chaves estarão à disposição para anotar informações sobre lixo não recolhido, falta de iluminação, insegurança e buracos de rua.

Inédita no Estado, a iniciativa é inspirada na proposta desenvolvida pelo jornal Nase Adresa, da República Checa, que abriga suas redações em cafeterias no centro de cidades a fim de estreitar ainda mais o vínculo com seus leitores.

Mudanças à vista na André Puente

26 de abril de 2010 1

Por Úrsula Petrilli Dutra

Quem passar pela Ramiro Barcelos, na altura da Professor André Puente, poderá observar a instalação de um novo semáforo. Isso indica que haverá mudança de sentido na quadra.

Será que essa modificação vai ajudar a desafogar o trânsito da Independência, sendo uma alternativa de quem vem da Santo Antônio e quer descer a Ramiro? Será que é uma melhoria de acesso relacionada ao Shopping Total? E o espírito de tranquilidade da região, será que também vai mudar?

Vamos aguardar a retirada do plástico da sinaleira e torcer que sejam mudanças para melhor.

Brechó por uma nova vida

23 de abril de 2010 0

Por Miréia Borges

Sábado ensolarado requer um passeio com um bom chimarrão no Parcão. Mas no final de semana passado, resolvi olhar, antes, o post do blog ZH Moinhos, e vi que estava sendo realizado um brechó no bairro.
Troquei todos os planos e fui verificar de perto esse evento, também para saber mais sobre a Assistireh.
Aproveitei e uni o útil ao agradável, fui caminhando até a Dinarte Ribeiro, tranquilamente, sob o sol, e aproveitando a calmaria do bairro nesse horário. Sinceramente, cheguei até a duvidar que estivesse ocorrendo algo, pois a rua estava muito calma e sem quase nenhum “vivente”.

Ao entrar no estabelecimento, fui surpreendida com a quantidade de mulheres caminhando de um lado para o outro com peças de roupas na mão e uma fila formada para manter a ordem no local. As primeiras pessoas com quem conversei foram Juliana e Cléber Moura (foto acima), casal que tinha vindo de Estância Velha para participar de um brechó pela primeira vez. Ele tinha um compromisso em Porto Alegre e convidou a esposa para acompanhá-lo.
Eles acharam maravilhosas as roupas e a iniciativa de ajudar as pessoas que não têm condições financeiras de fazerem uma reprodução assistida.

Olhei para o outro lado e vi uma moça muito empolgada com as peças que estava olhando, e fui conversar com ela. Chama-se Luciane Kanano (foto acima), estava no Japão há muitos anos e resolveu voltar para Porto Alegre. Pela internet, soube de uma senhora que precisava de companhia e também uniu o útil ao agradável. Depois, fui conversar com as médicas ginecologistas que são da clínica Assistireh, Mariangela Badalotti e Adriana Arent (abaixo).


Adriana conhecia o local Via Vino na Dinarte e conseguiu que fosse lá o brechó. Elas receberam roupas de pacientes, de clientes, de amigas e tiveram, também, a cooperação de uma lavanderia que deixou as peças parecendo novas.
Ela adora passear com seus bichinhos de estimação pelas ruas do Moinhos e é fã do bairro, por isso a escolha do mesmo. Ela foi com a filha Isadora, 10 anos, que conferiu, alegre, as peças em exposição.
Mariangela é professora da PUC e dá assistência para mulheres atendidas pelo SUS que não conseguem engravidar. Ela notou que as pessoas que buscam ajuda têm condições de dar amor para uma criança. A ânsia de amar aquele ser pequenininho é tão urgente que as mulheres aceitam, logo depois de saberem que não poderão engravidar pelos métodos convencionais, engravidar pelo método in vitro.
O tratamento é muito caro, deixando, infelizmente, casais desesperados por não terem condições de gerar um filho naturalmente e por não terem dinheiro para custear o tratamento. A clínica foi fundada por esse motivo: atender pessoas que tenham uma renda familiar inferior a R$ 3,5 mil mensais.
Bem, saindo da entrevista, consegui ser uma cliente, e percebi que as peças eram muito bonitas, boas e em excelente estado. Conversei muito com as voluntárias Elenita Telöken e Rosane Coimbra (abaixo), pois tudo passava por elas e a organização do vai e vem de mulheres estava tranquila.


Assim, meu passeio rendeu um post para os leitores do ZH Moinhos e outros bairros.
Vamos seguir este exemplo de solidariedade com pessoas que, infelizmente, não têm o que nós temos e, quem sabe por ventura ou destino, poderemos também precisar de algo e da ajuda da comunidade.

Hoje, nas bancas da região

22 de abril de 2010 0

O ZH Moinhos de hoje mostra que lixeiras da região são alvo de atos de vandalismo e precisam ser repostas com frequência pelo Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU).

O caderno também volta ao assunto do barulho de bares e de restaurantes que incomoda vizinhos (capa da edição passada), desta vez mostrando reclamações de uma moradora da Rua 24 de Outubro.

Do Colégio Bom Conselho, vem um bom exemplo: alunos participam de projeto em favor de um trânsito mais seguro, o Bom Conselho Urgente.

E fique atento: em 6 de maio, ocorre a 2ª edição do Café ZH na região de abrangência do caderno. Será das 15h às 19h, no Lápis Café do Shopping Total.

Blog leva novidades a moradores

21 de abril de 2010 0

Por Norah Dietrich, Conselho de Blogueiros

Em recente pesquisa da GFK Brasil, que entrevistou mil brasileiros maiores de dezoito anos e moradores de 12 capitais ou regiões metropolitanas, concluiu-se que aproximadamente 3% do tempo gasto na internet para fins pessoais destina-se à participação em blogs.

Não é muito, é verdade. Mas, ao conversar com uma das leitoras do blog ZH Moinhos, percebi que, de alguma forma, podemos fazer a diferença na comunidade do bairro Moinhos e arredores, com essa ferramenta.

Dia desses, saí para almoçar com meus filhos em um dos restaurantes de Porto Alegre e uma de nossas leitoras, que pediu para não se identificar, mencionou que o blog é como um mural de avisos, onde se fica sabendo de tudo que acontece pelo bairro. Desde denúncias, dicas de gastronomia, de eventos e até inspiração. Inspiração? Isso mesmo. Foi exatamente isso que ela comentou.

A sensação de saber o que acontece do outro lado, depois que os posts são publicados, é ótima. Melhor ainda é saber que podemos até inspirar nossos leitores. Então, aproveito para contar mais uma novidade da região: a inauguração do novo Hotel Ibis Moinhos, na Rua Marquês do Herval, 540.

Isadora, uma garotinha muito especial

19 de abril de 2010 4

Por Miréia Borges

Caminhando pelo Moinhos Shopping, observei uma menina numa cadeira de rodas. Comecei a seguir a menina, pois notei que ela falava com a maior desenvoltura com as pessoas. Entrou no elevador, ficou ao lado do painel dos controles, desceu no andar da Livraria Saraiva entrou, folhou alguns livros, leu um pedacinho de um (Diário de um Banana) e saiu. Foi na sorveteria, pediu um sorvete, e tudo isso sozinha, apenas pedindo ajuda quando precisava.

Encontrei uma pessoa e acabei perdendo a menina de vista. Desci e fui a um estabelecimento no térreo do shopping, e qual não foi minha surpresa? Lá estava a menina dentro do local, conversando descontraidamente com as pessoas.
Não me contive e fui conversar com ela também, por achá-la muito descontraída pela idade e com muita desenvoltura numa cadeira de rodas, como quem dissesse:
_Qual é o problema? Sou normal, vivo como qualquer pessoa!
O nome dela é Isadora Correia dos santos, tem nove anos, está na 4ª série da Escola ACM, no Centro.
A mãe, Rúbia, trabalha no local onde estávamos e me disse que a filha é muito esperta, tem uma cabeça ótima, adora ler e conversar. A família está fazendo uma rifa de uma joia doada por uma loja do shopping, mas as pessoas ficam acanhadas em comprar um número. Eles precisam comprar para Isadora uma cadeira de rodas motorizada, pois essa em que a menina anda já está pequena e estraga com frequência, deixando Isadora, que tem atrofia muscular espinhal, sem poder se locomover. A cadeira da qual precisam é uma Freedom SX que custa R$ 7,3 mil.

Então, pensei: comunidade Moinhos de Vento, vamos nos mobilizar para arrecadar o valor e comprar essa cadeira para essa garotinha maravilhosa, cheia de sonhos e fantasias. Ver um sorriso nos lábios de uma criança é algo que nos faz sentir a alma leve, pois conseguir ajudar uma pessoinha assim com muita garra, é algo de deixar todos nós muito sensibilizados. Contatos com a mãe da menina podem ser feitos pelo rubiavoley@hotmail.com

Brechó no Moinhos neste sábado

17 de abril de 2010 0

O Instituto Assistireh, organização não governamental voltada à saúde reprodutiva e ao planejamento familiar, realiza, neste sábado (17/04), seu primeiro brechó beneficente, na Via Vino (Rua Dinarte Ribeiro, 131, Moinhos de Vento).
A intenção é arrecadar fundos para a instituição que, desde sua criação, em 2006, trabalha para facilitar o acesso às técnicas de reprodução assistida a casais inférteis.
_ Com nosso trabalho, queremos possibilitar que casais que têm condições de criar seus filhos, mas não podem pagar pelo tratamento particular de reprodução assistida, realizem seu sonho _ explica Mariangela Badalotti, presidente da entidade.
O evento ocorre das 10h às 18h. Estarão à venda, roupas e acessórios. Informações: 3333-8888.

Quando cada um faz a sua parte

16 de abril de 2010 1

Por Miréia Borges

Caminhando em direção ao Moinhos Shopping, percebi um vai e vem de balde de cimento e de alguns objetos de ferro parcialmente cromados.

Ao me aproximar, vi um senhor cavando um buraco na calçada e colocando a “engenhoca“. Perguntei para que aquilo e ele me respondeu, todo orgulhoso, que estava preparando um lugar onde os jovens poderiam estacionar suas bicicletas.

Então, percebi que o Moinhos Shopping, preocupado com  “nosso mundo”, resolveu fazer a sua parte, criando um bicicletário para pessoas que têm consciência sobre poluição desnecessária.
Parabéns à administração do shopping, que deu partida na luta por um mundo melhor.

Hoje, nas bancas

15 de abril de 2010 0

Nesta quinta-feira, o ZH Moinhos mostra, em sua reportagem de capa, as dificuldades enfrentadas por vizinhos de bares e restaurantes, e apresenta dicas sobre o que pode ser feito por quem se sente incomodado.

Na coluna Eu e meu bairro, o consultor empresarial Paulo Renato Rodrigues conta sobre sua relação com a Rua Gonçalo de Carvalho.

O caderno traz, também, uma matéria sobre o Festival Brasil Sabor, e indica os restaurantes da região que participam do evento, com três receitas que podem ser feitas em casa.

Ainda na edição, o perfil de Anastácio Nicolaidis, o filho de gregos que mantém a Casa dos Bilhares há 44 anos na Rua Cabral, no Rio Branco.

Um chamado à fiscalização

14 de abril de 2010 2

Por Miréia Borges

Começaram a ser colocadas, novas cabinas telefônicas no bairro Moinhos de Vento. Só registrei a da minha quadra e notei que elas são de material resistente, apesar de eu ter dúvidas quanto ao revestimento de vidro.
São lindas, mas será que os vândalos vão deixá-las sobreviver por muito tempo? Nesta mesma quadra, uma semana depois da prefeitura ter colocado lixeiras novas, uma foi arrancada a pontapés. À noite, passam grupos de jovens, que gritam, dão chutes nos parquímetros, jogam objetos no abrigo dos táxis, batem nas lixeiras. Agora, com a nova cabina, tenho receio que ela não dure muito.
Palpito que os moradores vão ter que ficar de olho para cuidar de algo que teria que ser preservado naturalmente. Ainda faltam leis que punam esses arruaceiros adequadamente. É uma pena!

Contra as pichações

13 de abril de 2010 3

Por Lu Kolesny

Tenho notado que o número de pichações no bairro tem aumentado nestes últimos meses. Acho isso coisa de péssimo gosto. Duvido que quem piche faça isso na sua casa.
Com tantos espaços pra pichar, e o pessoal vai pichar no que não é deles….é uma baita sacanagem.
Neste ano, na escola onde meu filho estuda, eles terão uma matéria que ensina a fazer pichações, mas como uma arte. A Sogipa disponibiliza seus muros dos fundos, na Pedro Américo, pra gurizada deixar registrada toda sua criatividade. E olha, sai cada coisa bonita.
Quando estive fazendo o post do NY72, chamou minha atenção alguns objetos que foram pichados, e saíram coisas muito legais, bem transadas, com muito colorido.
Faça sua arte, mas não no patrimônio alheio. Sob meu ponto de vista, isto já virou baderna.

Independência, do calor de 180º ao frio do outono

12 de abril de 2010 2

Por Úrsula Petrilli Dutra

Só quem esteve em Porto Alegre em fevereiro sabe o calor que os porto-alegrenses passaram. Acredito que há muito tempo não passávamos por sensações térmicas tão altas, sem nenhum vento, um verdadeiro forno. O que trago registrado é algo que nunca havia visto. Duas velas decorativas, que passaram o mês de fevereiro em um apartamento fechado em pleno bairro Independência, derreteram de forma diferente. Derreteram não com o calor do fogo em seus pavios, mas com o calor do ambiente. Uma, no ângulo de 90º e outra chegou a 180º.
Essas mudanças climáticas estão nos surpreendendo a cada dia. Desde velas derretidas, passando por temporais devastadores como o do Rio de Janeiro, até tsunamis.
E você, sabe de alguma curiosidade no bairro relativa ao nosso clima? Conte para nós.