Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Segurança, ela existe?

26 de julho de 2010 2

Por Simone Guardiola, Conselho de Blogueiros

Ao ler o post da Marília sobre segurança, fiquei tentada a responder com ponderações. Então, percebi que deveria escrever um post com tais considerações.]

Percebe-se que a polícia, preocupada com a segurança do contribuinte, nos coloca numa posição um tanto desconfortável. Temos que entrar em casa, fechar a casa, não usar metal para isso, olhar para os lados, não falar com ninguém, não estacionar na rua, não andar à noite, não se distrair, não, não, não. Percebo que devemos deixar de viver. Sorrir, conversar com amigos na rua, andar com o cachorro de dia ou ao entardecer, sair de casa, estacionar o carro na rua, tudo é perigoso!

Claro, enquanto deixamos nossa vida passar pela janela e a entregamos à marginalidade, morremos seguros. A marginalidade aproveita as ruas, a vida, enquanto desfrutamos do nosso lar que quase sempre será invadido, porque as ruas já não serão o suficiente para eles. É mais fácil para o polícia e, assim, acreditamos que a vida seja como ela é.

Pois discordo! Penso que se voltarmos a ocupar nosso espaço, todos nós, em massa, seremos em maior número que eles! Se formos para a rua e ocuparmos os bancos das praças, se exigirmos iluminação pública eficiente, se ocuparmos as vitrines iluminadas, os cafés tão aconchegantes e, se olharmos para nosso vizinho, cidadão ao lado, para protegê-lo, assim como ele a nós, poderemos agir melhor.

Não devemos guardar o grito de socorro pelo vizinho, a denúncia pelo incômodo real, a denúncia com as informações que temos porque somos moradores do bairro e que poderão ajudar a polícia a investigar melhor as situações que nos afligem pelo conforto de sermos coitados. Hoje, não podemos mais sair com nossos cachorros, pois eles são seqüestrados, roubados, seja para pedir resgate ou para venda em troca de drogas. Isso aconteceu aqui no Moinhos e agora no Petrópolis. Minha prima foi almoçar num restaurante a quilo na Independência e ficou sem sua bolsa, ou seja, sua vida! Ela conta rindo que algo de muito bom deve acontecer com ela, já que sua casa foi assaltada em 9 de julho e nenhum tiro foi disparado. Só foram levados eletrodomésticos. Temos que agradecer por estarmos vivos!!!! Muito pouco!!!

A Associação do bairro Auxiliadora começou uma ação: os moradores são os olhos da rua. E somos mesmo! Essa ação propõe identificar, denunciar e segurar as ocorrências relacionadas à Segurança Pública na comunidade do bairro Auxiliadora. De que forma? Intercâmbio direto com agentes do Estado.
Hoje, entrei em contato com Alda Maria Py Velloso, da Associação Moinhos Vive . Levei até ela essa ação do bairro Auxiliadora, limítrofe ao Moinhos de Vento.

Unir ações gerando uma cadeia de segurança. É isso que penso. É isso que acho ser possível.

Qual não foi minha surpresa ao procurar no site da Polícia Civil o Tele-denúncia. Descobri que é preciso garimpar muito. Lá, no delegacia online,  é que fui descobrir os números que nos protegem. Deve ser por causa dos trotes. Mas, e os cidadãos honestos, como ficam? Saindo ou não para a rua, vivendo ou não, denuncie. Na verdade, é a única coisa que podemos fazer, além de nos esconder da vida.

Comentários (2)

  • Marilia Costa Cardoso diz: 26 de julho de 2010

    Oi Simone.Não pensa que eu não sinto esta vontade de resolver de outro modo esta questão. No inicio da reunião todos gritaram por esta liberdade, mas no fim aceitaram isto, para poder continuar passeando e vivendo: Retiraram um bracelete e optaram por viver . Numa reunião do bairro , foi colocado o número espantoso de vigaristas que ficam só aguardando um descuido para dar um golpe ( entre Garibaldi e Santo Antônio). Perguntamos : se sabem deles por que não os retiram daqui? Porque na verdade estas pessoas, as assaltadas não fazem ocorrência na policia , tem medo.Esta é palavra que mais se ouve nesta população de idosos: MEDO. Como poderia a Brigada chegar numa reunião destas de idosos e dizer o que? Revidem! Também temos os fiscais de rua , os que ficam cuidando os estranhos, e barulhos suspeitos à noite. Estes tem um telefone direto com a 3°Cia da Brigada . Temos o soldado que faz a ronda, o número do telefone particular foi colocado a nossa disposição e de algumas lojas. Temos uma boa relação com a Brigada e contamos sempre com a presença deles. Os golpes usados, pelos vigaristas da região, estão no blog VivendoIndependência. Temos uma população de idosos , fragilizada e ingênua.

  • Simone Guardiola diz: 27 de julho de 2010

    Olá Marília! Não, não, não! Não estou dizendo para revidar. Jamais! Estou dizendo para não deixar de viver, de não deixar de sair, de ocupar nosso espaço na rua para que eles tenham medo de serem descobertos. E olha só, vcs têm fiscais de rua com contato direto com a Brigada, têm o soldado que faz a ronda com fone particular disponibilizado e podem contar sempre com a presença da Brigada. Pergunto: o Moinhos tem isso? O bairro Auxiliadora inciou uma ação e vcs também já tem uma! Somos vizinhos e se estendermos, unindo as ações, seremos maiores. É isso que falo: união e não medo. Por isso deveria ter o número do tele denúncia no meu texto, pois assim esse serviço fica bem claro e transparente para todos. Ele existe e deve ser usado. É isso amiga, estamos na mesma luta e vcs, bem, bem mais arregimentados que o Moinhos…que está nos Ventos!!!!!

Envie seu Comentário