Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de janeiro 2011

Conselho do Patrimônio aprova projeto de duplicação da Voluntários

28 de janeiro de 2011 0


Após discussões em torno das alternativas de traçado para a duplicação da Rua Voluntários da Pátria, o novo desenho da via foi definido. A alternativa apresentada na reunião do Conselho Municipal do Patrimônio Histórico Cultural (Compahc) foi aprovada por unanimidade. O projeto mantém o traçado original, apresentando pequenas alterações nos pontos necessários, segundo o coordenador da Memória Cultura da Secretaria Municipal de Cultura, Luiz Custódio. A informação foi divulgada no final da tarde desta quinta-feira no site da prefeitura.

O trecho que será duplicado começa na Rua da Conceição e vai até a Avenida Sertório. O impasse em torno do projeto era motivado pela existência de bens de interesse cultural no local. Anteriormente, foram apresentadas três alternativas, que não se adequaram ao projeto e, como a ideia era preservar os prédios históricos, o traçado original era inviável.

Luiz Custódio explica que a opção pela manutenção da maior parte do desenho inicial se justifica pela preservação exclusiva das fachadas históricas, já que os corpos das edificações não foram conservados.

— A parte de trás das fachadas não é problema. Por isso, as alterações aprovadas consistem em desvios por trás das fachadas — explica.

Entre as fachadas preservadas, destacam-se as de edificações do início do século passado, entre as quais obras do arquiteto alemão Theo Wiederspahn.

O projeto — A duplicação da Voluntários da Pátria é uma das 10 obras de mobilidade da Matriz de Responsabilidades para a Copa de 2014. Entre a Rua da Conceição e a Avenida Sertório, a via será transformada em avenida de pista dupla, com três faixas em cada sentido. O projeto inclui a implantação de faixa preferencial para circulação de ônibus, ciclovia, canteiro central e passeios laterais.

Atenção à torneira

27 de janeiro de 2011 0

A edição de hoje do ZH Moinhos traz, em sua capa, um texto de Josete Sanchez, moradora da Rua 24 de Outubro. Ela pede aos vizinhos mais atenção no que diz respeito ao desperdício de água, e o caderno apresenta dicas para ajudar os leitores.

Na página 4, um pedido de socorro à Praça Dom Sebastião e, na 5, uma dica sobre como ajudar as vítimas do Rio.

Na seção Conheça seu Vizinho, um pouco sobre a relação da jornalista e advogada Tânia Kowarick com a região. No Em Foco, o antes e depois da Goethe.

 

Obra no túnel pode acabar em dezembro

26 de janeiro de 2011 0

A reforma do Túnel da Conceição pode terminar antes da previsão inicial da prefeitura. Com prazo de conclusão estimado em 18 meses e iniciada em outubro, a obra seria finalizada em março de 2012. Engenheiro e diretor da EPT Engenharia, empresa responsável pelas obras, Volnei Costa explica que o cronograma foi antecipado em três meses, e a perspectiva é de que ainda em dezembro o serviço esteja concluído.

– Estamos com as galerias todas abertas, e algumas já estão prontas para serem fechadas, para iniciarmos a pavimentação – afirma Costa.

 

Foto: Emílio Pedroso, BD, 23/11/2010

 

 

Placa derrubada no Moinhos

21 de janeiro de 2011 1


De passagem pela região, o repórter dos Cadernos de Bairros João Brum flagrou essa placa destruída, na esquina da Rua Padre Chagas com a Rua Olavo Barreto Viana, em frente ao Moinhos Shopping. Além da placa, há marcas na árvore e em um muro do que parece ter sido um acidente de trânsito. Você sabe o que ocorreu no local?

Braçadas que derrubam limites

20 de janeiro de 2011 0

O ZH Moinhos de hoje traz em sua capa uma reportagem sobre um grupo de pessoas com mais de 50 anos que nada e treina para competições nas piscinas dos clubes da região.

Na página 4, flagrantes de desrespeito ao pedestre, com a obstrução de calçadas por parte de empreendimentos comerciais. O caderno mostra, também, por que ainda ocorrem alagamentos.

Em O Nome, um pouco sobre Maria de Lourdes Ghanem, cozinheira e proprietária do restaurante Baalbek.


Doações para vítimas do Rio no Independência

18 de janeiro de 2011 0

Por Úrsula Petrilli Dutra, Conselho de Blogueiros

Para quem ainda não conseguiu ir até o Cais do Porto — Armazém A7, pode fazer sua doação para as vítimas do Rio de Janeiro, na Cruz Vermelha Brasileira, com filial em Porto Alegre, na Avenida Independência, 993, diariamente até as 17h.

Um dos objetivos da Cruz Vermelha é exatamente o auxílio em catástrofes, desastres, calamidades, entre vários outros projetos. Lembro que nosso bairro, em 2008, se mobilizou pelas vítimas dos nossos vizinhos catarinenses. Agora, uma catástrofe maior, não podemos deixar de nos mobilizar.

No site da Cruz Vermelha (www.cruzvermelha-rs.org.br) há a indicação do que podemos doar: roupas, alimentos básicos, material de limpeza e higiene pessoal, roupas de cama e banho, colchões e inclusive equipamentos de proteção para quem socorre, tais como óculos de proteção, luvas, botas etc.

Vamos lá, o Brasil está em luto oficial pela tragédia ocorrida no Rio de Janeiro, e nós temos que fazer o que estiver ao nosso alcance para ajudar a salvar mais vidas.

Uma vinícola no coração do Moinhos

18 de janeiro de 2011 0

Por Paulo Renato Rodrigues, Conselho de Blogueiros

A Milantino, uma vinícola com sede no Vale dos Vinhedos, em Bento Gonçalves, resolveu criar um espaço nobre para o seu showroom em Porto Alegre. Local escolhido? O elegante bairro Moinhos de Vento, na Hilário Ribeiro, 287. No local, pode-se degustar vinhos e espumantes como se fosse na própria cantina. Para saber mais detalhes dessa experiência inédita, entrevistamos José Luiz Bolzan, sócio-proprietário da vinícola Milantino.

Blog ZH Moinhos – Por que a escolha do bairro Moinhos de Vento para o showroom da Milantino?

Bolzan - Como uma vinícola boutique, cremos que o Moinhos e seu contexto de charme, glamour e sofisticação combina com o caráter e o cuidado com que os vinhos Milantino são elaborados. Desde o cultivo das uvas — no Vale dos Vinhedos e na Serra do Sudeste — até a elaboração de nossos vinhos e espumantes, a Milantino busca promover uma vitivinicultura marcada pela qualidade e identidade de seus produtos.

Blog ZH Moinhos – Qual a estratégia da Milantino, para ganhar mais mercado em 2011?

Bolzan - Para 2011, vamos continuar investindo em qualidade e sofisticação. O que a Milantino busca é oferecer às pessoas produtos diferenciados, forjados com esmero. Por óbvio que, para manter e ampliar esse trabalho, vamos manter o investimento em tecnologia, porém sem descuidar daquilo que é nossa identidade — produzir vinhos elaborando e cuidando cada garrafa individualmente. Além disso, nosso Espaço Milantino tem propostas para se expandir para outras cidades. Esta foi uma proposta de sucesso que, em razão de seu ineditismo, tem conquistado admiração e desejo de vê-lo instalado em outros locais do país. Para a sede da vinícola, no Vale dos Vinhedos, pretendemos finalizar obras que vão deixá-la com uma personalidade diferenciada.

Blog ZH Moinhos – O que diferencia os espumantes brasileiros dos importados?

Bolzan - O Brasil, e o Rio Grande do Sul, particularmente, tem produzido ótimos espumantes. As diversas vinícolas que se dedicam ao produto têm conseguido excelentes resultados. Creio que nossos espumantes, em razão da adaptação de viníferas, em especial da chardonnay, ao nosso solo, guardam uma feição peculiar. No caso da Milantino, temos conseguido ótimos resultados com nossos vinhedos da Serra do Sudeste, em Encruzilhada do Sul, em combinação com nossa produção do Vale dos Vinhedos, gerando um vinho, pelo método champenoise, com aromas marcados, perlage sutil e persistente, além de muito frescos, o que, parece, traz uma característica para o espumante nacional.

Blog ZH Moinhos – A campanha gaúcha é a nova califórnia do vinho?

Bolzan - Talvez sim, talvez não. Me explico. Talvez sim, por significar um novo ambiente para a produção de uvas, seja pelas características do clima e do solo, bem como pelas amplas áreas de produção. Talvez não, porque, como o vinho adquire o caráter do ‘terroir’, não há como dizer que na campanha gaúcha ou na Serra do Sudeste, onde estamos, teremos vinhos similares aos produzidos na Califórnia.

Foto: Luciana Zotz

Trânsito bloqueado na Doutor Timóteo

14 de janeiro de 2011 0

Em razão de obra emergencial do Departamento de Esgotos Pluviais (DEP), a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) bloqueou o trecho da Rua Doutor Timóteo, entre a Rua Marquês do Pombal e a Avenida Cristóvão Colombo. O desvio do trânsito está sendo realizado pela Marquês do Pombal, Nova York e Cristóvão Colombo. O asfalto cedeu no local em razão da chuva de quinta-feira.

Devido ao bloqueio, o tráfego está sobrecarregado na Avenida Goethe, sentido Sul/Norte. A sugestão da EPTC é que os condutores evitem a avenida, utilizando a Mostardeiro e a Cel. Bordini para seus deslocamentos. As obras não têm previsão de término.

O Parcão de Forno Alegre

14 de janeiro de 2011 0

Por Simone Guardiola, Conselho de Blogueiros

Ano encerrado, festas encerradas. Hora de voltar ao Forno Alegre e começar 2011. Assim, em uma manhã fui ao Parcão levar as minhas peludas para um passeio escaldante. Quem estava em Santa Catarina, como eu, pode ver que o Sul exportava todo o seu vento, sua chuva e algum frio. Aqui ficou a seca e o calor.

O Parcão sofre, assim como todos nós. As plantas têm suas folhas murchas, os patos estão fora da água, sob os arbustos — sim, pois imagino que a água do lago deva estar fervente — e a terra vermelha sobe solta. Muitas folhas secas estão sobre o gramado, que, aliás, em dezembro era verde, e hoje tem manchas amarelas por causa da seca.

Fiquei pensando que os parques deveriam ser equipados com um sistema de irrigação, que poderia ser acionado automaticamente numa determinada hora. Mas, isso seria pedir demais, né? Mesmo assim, andando nesse ambiente desolador pude perceber que o parque está sendo tratado.

Novas luzes serão instaladas. Os postes já estão com as esperas prontas e, em breve, o Parcão poderá ser melhor usufruído no horário noturno. Que, diga-se de passagem, ainda é o mais acolhedor nesse verão, que promete ao porto-alegrense que ficou na cidade uma sensação térmica mais amena que uma canja sendo preparada no caldeirão da bruxa.

Se elas não existem, não sei. Mas que o caldeirão já está acesso, lá isso já se sente.

Hoje, nas bancas da região

13 de janeiro de 2011 0

O ZH Moinhos que chega hoje às bancas da região traz, em sua capa, dicas para que cada um de nós possa se tornar um cidadão melhor.

Na página 3, sugestões para melhorar o trânsito na Florêncio Ygartua e, na 4, as dúvidas sobre o destino de um terreno na General Neto.

O caderno traz, também, uma reportagem sobre a passagem de pedestres da Rua Mata Bacelar, que pode sair do papel neste ano. Em Conheça seu Vizinho, uma entrevista com o chef Mauro Sousa.

Reunião de acolhimento a voluntários na AportA

12 de janeiro de 2011 0

Interessados em participar como voluntários da Associação de Amigos, Familiares e Portadores de Transtornos de Ansiedade (AportA-RS) podem participar de uma reunião de acolhimento nesta quinta-feira, às 17h30min.

O encontro, que contará com a presença da ONG Parceiros Voluntários, ocorre na sede da AportA, na Rua Doutor Timóteo, 878, no Moinhos. Informações pelo 3061 0552 (à tarde), em www.aportars.org.br e pelo aportars@aportars.org.br

Hoje, nas bancas da região

06 de janeiro de 2011 0

A rua mais charmosa da região em quatro momentos diferentes. A reportagem de capa do ZH Moinhos apresenta a Padre Chagas no café da manhã, no almoço, no happy hour e no jantar. O caderno chega hoje às bancas da região.

Na página 4, o leitor Cláudio Resmini pede mais atenção aos jacarandás da Garibaldi. O caderno traz, também, texto do leitor Sidney Charles Day sobre um largo na Avenida Goethe com a Rua Mostardeiro.

Na sessão O Nome, você irá conhecer Dóris Helena Santiago Cunha, diretora de uma assessoria na construção de relacionamento afetivos. Ou seja, uma espécie de cupido da região. Em O bairro da minha janela, a leitora Ângela Candelot traz duas belas paisagens que são vistas do apartamento em que mora na Independência.

Exemplo de solidariedade para o novo ano

05 de janeiro de 2011 0

Olivir Schenkel*

Hoje pela manhã, ao sair para levar, o Roger (um sharpei) para passear, cheguei na esquina da Gonçalo com a Pinheiro Machado e tinha uma pessoa caída na calçada. Fiquei em dúvida se estava respirando ou não. A primeira ideia era continuar a caminhada. Mas pensei que essa pessoa poderia estar passando mal. Chamei o Jaques, porteiro do prédio, e ficou mais claro que o cara tinha se passado com a bebida.

Tinha um celular na mão, que estava dando sinal, mas não conseguimos fazer ligação. Argumentamos que era perigoso ficar ali, pois poderiam roubar o celular e o relógio. Disse, meio grogue, que morava na Gonçalo mas não queria ajuda. Levantou-se e foi descendo a rua até deitar novamente.

Voltei com o Roger, tomei café e contei a situação para a Elaine. Chamar o Samu não seria o caso, pois era só uma pessoa bêbada. Fiquei um pouco indeciso sobre o que eu teria que ver com o assunto. A Elaine levantou um argumento que foi muito forte: “E se fosse um filho de um amigo, ou conhecido da quadra. E se fosse nosso filho?”.

Assim, peguei um refri gelado e fui até o rapaz. Só acordou depois de cutucar o mesmo. Não queria ajuda. Insisti com o argumento que ele estava precisando de glicose. Tomou um gole e me agradeceu. Insisti e ele tomou mais uns goles. Disse que ajudaria a levá-lo até sua casa. Ajudei a se levantar, ele se apoiou em mim e fomos até sua casa.

Na sacada, estavam o pai e a mãe, ansiosos por notícias do jovem. Me agradeceram muito pela ação.
Disse que, para mim, foi um bom sinal de início de ano. Pensei: o momento de tomar uma decisão é aquele, e tens que ajudar uma pessoa quando ela precisa.

*Farmacêutico-bioquímico, 63 anos, morador da região. O texto foi enviado por ele a familiares e chegou até o ZH Moinhos

Novas câmeras na região

02 de janeiro de 2011 0

Até o dia 15, três câmeras de monitoramento de trânsito devem ser instaladas em Porto Alegre, na Assis Brasil (perto da Fiergs), na Ramiro Barcelos esquina com Cristóvão Colombo e na Cristóivão Colombo com a Santo Antônio. Atualmente, há  37 câmeras na Capital.

A mais recente foi instalada na semana passada no alto do prédio da prefeitura (Rua Siqueira Campos, 1.300). Os equipamentos ajudam a Empresa Pública de Transporte e Circulação a definir tempos de semáforos e a realizar estudos para melhorar o fluxo.

Pedidos para 2011

01 de janeiro de 2011 0


Por Simone Guardiola, Conselho de Blogueiros

Para 2011, não peço apenas paz, mas paz com segurança nas ruas. Não peço apenas amor, mas amor com respeito ao próximo. Não peço apenas saúde, mas saúde pública para todos. E, principalmente, peço ao poder público de nossa cidade que não acabem com os casarios do Moinhos de Vento, que iluminem nossas ruas para iluminar nossos corações, que normatizem o lixo para que não nos sintamos um lixo, que pensem mais nas faixas de segurança para que elas estejam em locais seguros ao pedestre.

Peço, também, que as calçadas sejam arrumadas para que ninguém mais se machuque, que a frota dos ônibus seja regulada para não fazer barulho e não largar gases tóxicos e peço, finalmente, que mais árvores sejam plantadas e jardins sejam feitos.

Para 2011, peço por todos e para todos.

 Foto: Osvaldo Nocetti, BD,  01/01/2007