Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de fevereiro 2011

Perigo no caminho

28 de fevereiro de 2011 0

Por Simone Guardiola, Conselho de Blogueiros

Rua 24 de outubro, quase esquina com a Olavo Barreto Vianna, perto de uma loja de telefonia que fica ao lado de uma hamburgueseria. Se localizou? Bem, atravesse a rua e veja com os próprios olhos. Depois, não passe mais por ali, porque é perigoso.

Durante muito tempo, teve uma placa naquela parte de calçada estreita. Pode-se perceber que saiu o cano que sustentava a placa e foi deixado seu resto, somado a um buraco.

Se, por acaso, eu tropeço e caio, ou coloco o pé ali dentro e torço, rompo os ligamentos ou até quebro, quem será o responsável? Quem vai responder na Justiça por isso?
Ficam aqui essas perguntas até que a vergonha na cara faça o serviço correto.


Faltará água neste domingo no Moinhos

26 de fevereiro de 2011 0

O Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) substituirá  um registro de 300 milímetros de diâmetro na Avenida Independência, próximo à Praça Dom Sebastião.

Para realizar o serviço será necessário interromper o abastecimento de água neste domingo, 27 de fevereiro, a partir das 9h, no Centro Histórico, no Moinhos de Vento, em parte do Santana e da Cidade Baixa. A previsão é de que o abastecimento seja normalizado à noite. Informações no Serviço de Atendimento ao Cliente (SAC): 115.

Abandonaram o rei no Moinhos

26 de fevereiro de 2011 0

Por Miréia Borges, Conselho de Blogueiros

Com a máquina em punho, comecei a tentar capturar alguma novidade para você, leitor, quando deparei com o rei da selva, o leão, sozinho, com olhar distante e a observar tudo.

Parei e pensei… Quantas coisas ele viu? Quantas pessoas se ampararam nele para chorar, para desabafar?

Ele, guardião do extinto Sanduíche Voador, está ali, abandonado, esquecido, sujo e desprezado.
O que será que abrigará aquele local que, em tempos passados, foi muito frequentado e badalado.

Em outra época, o nosso rei reinava imponente e garboso. Mas, agora que foi abandonado a metros de um parque onde poderia pelo menos viver entre as árvores e se imaginando em seu habitat normal, sofre, no meio da selva de pedra. Chumbado, não pode se mover.

É o preço do progresso ou é o preço de ser um rei de pedra. Porque tudo tem um preço.


Obra da CowParade volta à região

25 de fevereiro de 2011 2

Por Mariano Marinho Christini e Úrsula Petrilli Dutra, Conselho de Blogueiros

Depois de tantos flashes e notícias sobre a maior exposição a céu aberto que passou por Porto Alegre, no ano passado, e que foi encerrada com um leilão beneficente, ficamos surpresos ao avistar uma das peças da CowParade, novamente, aqui na região, em plena Rua André Puente.

Pensávamos que não fôssemos reencontrá-las tão rapidamente. Ficamos felizes em termos uma dessas na nossa região e à vista de quem quiser fotografá-la ou admirá-la!

Só restou uma dúvida: como, agora, ela está cercada em uma propriedade privada, e a plaquinha do seu nome está virada para o outro lado, não conseguimos identificá-la. Alguém sabe qual o nome da vaca da André Puente?



Conheça os prédios tombados na região

24 de fevereiro de 2011 0

No ZH Moinhos de hoje, você confere um pouco mais sobre os 12 prédios da região tombados como patrimônio histórico.

Em O bairro da minha janela, a bela imagem feita por Eulasio Moachir Michelin, de um edifício na Rua Coronel Bordini.

Na página 3, informações sobre a reunião que irá debater o futuro de um terreno no encontro das ruas General Neto e Engenheiro Saldanha. Na 7, problemas na rede de esgoto da Marquês do Pombal e, na contracapa, o antes e o depois da Dona Laura com a Goethe.

Atenção à educação

23 de fevereiro de 2011 0

Por Miréia Borges, Conselho de Blogueiros

Toda mídia está veiculando insistentemente o cuidado que temos de ter com a natureza. Há blogs ensinando como cuidar de nosso planeta para ele ficar vivo para nossos netos, filhos, bisnetos. Enfim, colocando-nos a par de toda catástrofe natural do mundo.

Mas, será que não esquecemos algo fundamental? A educação das crianças menos abastadas? Sim, porque elas também fazem parte desse planeta devastado por nós.

Registrei o momento em que uma menina de rua pintava a cabine telefônica aqui do bairro e a lixeira ao lado. Despreocupadamente, ela escreveu seu nome na cabine, pintou a lixeira e, quando se dirigia  ao parquímetro, gritei alertada por uma vizinha.

As pessoas não querem se incomodar, então é fácil chamar o outro para tomar uma providência. A menina olhou e saiu de mansinho, como se não tivesse feito nada errado. Como se tivesse feito algo comum, banal para ela.

Será que não temos de fazer mais propagandas para essas pessoas também? Irmos às escolas, aos bairros, e ensinar o cuidado com a natureza?

Nossos familiares, com toda educação que damos, às vezes também escorregam. Imagina uma criança de rua, que não tem ninguém que olhe por ela. Pensem nisso!

Região se prepara para a Copa de 2014

22 de fevereiro de 2011 1

Por Úrsula Petrilli Dutra, Conselho de Blogueiros

Sem entrar na discussão sobre se o Brasil deveria ou não sediar a Copa do Mundo em 2014, trago a foto de uma futura mudança, em razão de seus preparativos. As lojas da esquina da 24 de Outubro com a Mariland estão prestes a saírem do local.

Falando com uma das comerciárias, ela me informou que aquelas construções serão demolidas para a construção de um hotel para a Copa de 2014. Apesar de saber que terão de haver preparativos para o evento esportivo, fiquei surpresa com a notícia de que já estão começando a desocupar, demolir e construir prédios. Mas como ela mesma diz: “Porto Alegre já está mudando”.

São construções antigas que serão demolidas. Fica o desejo de que o projeto do hotel preserve a cultura do bairro e o valorize, sem ser um enorme espigão que descaracterize a nossa tão agradável e peculiar região.

Está aí, então, o registro. Quem sabe para guardarmos para a seção Antes e Depois do ZH Moinhos.



O cinza das calçadas

21 de fevereiro de 2011 2

Por Simone Guardiola, Conselho de Blogueiros

Em meu passeio escaldante, comecei a perceber o cinza da cidade. Os vários tons de cinza que a cidade tem: “cinza asfalto“, “cinza basalto “e “cinza basalto sujo“. Eu sei que há indicação da prefeitura para a padronização do material das calçadas. Eu considero uma péssima escolha, pois, no inverno, deprime. E, no verão, o lixo que é depositado sobre as calçados deixa o basalto encardido. Se fosse só encardido, não seria nada, mas é sujo e fedorento. Por certo, condenaríamos se todas as pessoas passassem a lavar suas calçadas nessa temporada, porém lavar as partes imundas é uma questão de bom senso. Infelizmente, Porto Alegre é a cidade do lixo sobre as calçadas, encostados nos postes e nas árvores, e da falta de lixeiras.

Parece incrível que, já em 2011, sigo batendo na mesma tecla, sem que haja mudanças, multas ou fiscalização. Quando, na escola, aprendemos química e, quando adultos, deveríamos empregar esse aprendizado: todo o lixo orgânico que é colocado sob o calor fermenta, apodrece, solta líquido e mau cheiro. E isso acontece nas ruas frequentemente. As pessoas não colocam lixo nas lixeiras, até porque a maioria dos prédios não tem lixeiras. Mas tem postes e árvores na sua frente. O lixo fica ali, sob o sol, e sendo apreciado pelos narizes passantes. Apreciado? Eu adoraria que já tivessem inventado a foto com cheiro, mas claro que, neste caso, ninguém teria coragem de cheirar essa postagem!

Lixo ao lado da placa de proibido estacionar. Lixo acumulado nas esquinas que pessoas e deficientes devem parar para atravessar. Líquidos mau cheirosos escorrem pelas calçadas que não serão varridas e nem lavadas. Ou seja, eles ficarão ali para quem quiser ver e sentir. Caixas de ventiladores atiradas na rua, mas o dono das mesmas está sendo resfriado pelo produto comprado. Bancos são instalados para fumantes que atiram e apagam o cigarro na calçada porque a estrutura montada não prevê um cinzeiro…e nem um vassoura. Enquanto isso, eu caminhava uma quadra para encontrar uma lixeira onde eu pudesse depositar as fezes das minhas cachorras.

E há gente que coloca a culpa nos animais! A culpa é do ser humano que pensa que, ao retirar o lixo da sua casa atirando-o na rua, de qualquer forma, fez a coisa correta. Depois, vem a chuva que leva o lixo, entope os bueiros, acontecem os alagamentos e todos dizem: “esse pessoal da periferia mora barranco acima, desmata, joga o lixo de qualquer maneira e não percebe o que faz com o planeta!”
Mas o que eu vejo e mostro aqui não é periferia, é o coração do bairro mais chique de Porto Alegre.


Novos buracos

18 de fevereiro de 2011 1

Por Mariano Christini, Conselho de Blogueiros

Vocês já prestaram atenção nos inúmeros novos buracos que surgiram nas vias de nossos bairros? Em um pequeno espaço de tempo, tivemos obstrução na Rua DoutorTimóteo, entre a Rua Marques do Pombal e a Avenida Cristóvão Colombo, um grande buraco na Rua 24 de Outubro, próximo à Igreja Auxiliadora (foto acima), e, na Avenida Mariland, junto à Rua Felipe Neri. Também, na calçada da Rua Doutor Freire Alemão, perto da Anita Garibaldi (foto abaixo), fora os outros que não lembro neste momento.

Certamente, tem a ver com a grande quantidade de chuva que estamos tendo neste verão. Mas a solução está demorando. Vejo que os buracos estão abertos e atrapalhando o trânsito já há algum tempo.

Espero que, em março, quando a frota de Porto Alegre aumentar devido ao retorno de muitos automóveis do litoral e o término de férias, já estejam solucionados esses problemas. Caso contrário, teremos um trânsito ainda mais caótico.

Se alguém lembra de mais algum exemplo pode enviar para moinhos@zerohora.com.br


Por um trânsito mais seguro

17 de fevereiro de 2011 0

Para diminuir congestionamentos e deixar o trânsito menos violento, é preciso conscientização. Em 2010, foram aplicadas mais de 440 mil  multas nas ruas da Capital. No ZH Moinhos de hoje, você ficará sabendo quais as autuações mais frequentes e como pequenas infrações podem prejudicar o deslocamento de todos.

Na página 2, um pouco sobre a  relação da jornalista Carol Borne com a região e, na 4, um pedido de Regina Rocha para que se tenha mais atenção à saúde das árvores.

O caderno traz, também, dicas para evitar a dengue e, na seção Gastronomia, um sanduíche feito com salmão, receita do Faro Dining Room and Bar.

Leitura de hidrômetros na região

16 de fevereiro de 2011 0

Até 18 de fevereiro, equipes do Departamento Municipal de Água e Esgotos (Dmae) farão leitura dos hidrômetros nos bairros Independência, Moinhos de VentoRio Branco, entre outros.


Retrovisor coletivo na Doutor Vale

15 de fevereiro de 2011 0

Úrsula Petrilli Dutra, Conselho de Blogueiros

Tem algumas ruas de Porto Alegre e, mais especificamente da nossa região, com características muito peculiares. Obviamente, elas têm de se adaptar à geografia, com morros e baixadas. E o homem, por sua vez, tem de adaptar-se a elas para trafegar a pé ou com seus veículos.

E o que trago aqui é uma adaptação que eu ainda não tinha visto nas ruas. De regra, é um acessório dos veículos. Eu já havia visto dentro de grandes estacionamentos, mas nunca na rua, ao ar livre.
Estou me referindo ao enorme retrovisor colocado na Rua Doutor Vale, na bifurcação da Santo Inácio. Achei hilário e muito útil.

Quem vem da Santo Inácio e quer entrar na Doutor Vale tem de parar e esperar os carros que estão subindo a lomba da Doutor Vale para, então, seguir o seu caminho. Claro, o problema é que é uma subida muito íngreme, e quem está na Santo Inácio só consegue enxergar os carros da Doutor Vale quando eles estão muito próximos. O espelho retrovisor auxilia sensivelmente os condutores que precisam entrar na via.

Não sei de quem foi a ideia, quem viu a necessidade desse retrovisor na rua, só sei que a pessoa está de parabéns.

E vocês já tinham visto esse retrovisor? Alguém o utiliza? Alguém conhece outro retrovisor desse tipo em alguma rua de Porto Alegre? Conte para nós pelo moinhos@zerohora.com.br

 


Árvores padecem na Goethe com Doutor Timóteo

14 de fevereiro de 2011 0

Por Simone Guardiola, Conselho de Blogueiros

Muitas coisas acontecem no bairro, mas o calor senegalês desses dias de verão não nos dá coragem de sair. Imbuída da tarefa de escrever para o blog, decidi encarar de frente o que seria um final de manhã com muito suor. Me propus a buscar a imagem que, nesta semana, chamou minha atenção todas as vezes que passei pela Avenida Goethe.

Ali, na bifurcação com a Doutor Timóteo, duas árvores (melhor dizendo, pequenas árvores, filhotes de árvores) agonizam em praça pública.

Foi impossível deixar de perceber que aquele canteiro tem adotantes. São três ou quatro. Para não fazer injustiça, perguntei para a redação de Zero Hora quais são as obrigações e o que os adotantes recebem de retorno do município por tal atitude. Então, fiquei sabendo que o adotante de uma praça ou canteiro deve mantê-lo limpo e cuidado. Em troca, pode deixar ali seu anúncio. Isso não tira a obrigação da prefeitura de fazê-lo também. Mas não é o que se vê ali.

A política de boa vizinhança é sempre um bom negócio e, por isso, não sei dizer se a estreita linha de contorno de um canteiro, meio que feita à facão, é o delimitador desse cuidado. O fato é que nem o canteiro e nem o que está fora da linha colocada estão cuidados.

Duas árvores agonizam cobertas por formigueiros enormes. Uma delas já mostra as marcas dessa agonia em seu caule e nada, absolutamente nada, é feito. Gostaria de perguntar como alguém se sentiria com apenas uma daquelas formigas no corpo e, depois, gostaria de saber como se sentiria dentro de um formigueiro. É assim que elas estão.

Então, a partir de hoje, decidi que vou fazer uma varredura no bairro para verificar se os adotantes realmente fazem a sua parte para poder ter ali seu anúncio.

Nesse caso, tal propaganda sai como um tiro pela culatra. Passem por ali e vejam de perto do que estou falando.

Nota da Redação: este espaço está aberto para manifestação da prefeitura ou dos adotantes do local.

Calor no shopping

13 de fevereiro de 2011 0

Por Miréia Borges, Conselho de Blogueiros

Fui a uma loja do nosso bairro, e a dona veio, constrangida, conversar comigo, pois tinha uma lista de clientes que reclamavam do ar-condicionado do Moinhos Shopping.

Bem, fui até a administração do centro comercial e conversei com algumas pessoas sobre o que está acontecendo. O shopping comprou um moderno aparelho para poder dar mais potência em suas saídas de ar-condicionado. O equipamento é importado e está chegando para ser instalado. As lojas têm seus aparelhos separados e, por isso, algumas ficam com o clima mais geladinho do que nas áreas comuns.

Então, as senhoras que estavam preocupadas com a refrigeração do Moinhos Shopping podem ficar tranquilas pois, em breve, estará muito agradável passear por lá.


Cristóvão parcialmente bloqueada

12 de fevereiro de 2011 0

Em razão de obras, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) autorizou bloqueio parcial de trânsito na Cristóvão Colombo (esquina com a Pernambuco) até o dia 18 de fevereiro, sexta-feira.