Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de dezembro 2012

Final de 2012 e propostas para 2013

28 de dezembro de 2012 1

Por Miréia Borges, do Conselho de Blogueiros

Dezembro sempre vem acompanhado de festas de Natal e de despedida do ano vigente. Nós do blog ZH Moinhos e ZH Bela Vista nos reunimos para finalizar também nosso ano de blogueiros e de editores dos cadernos de bairro. Nosso encontro foi no Z Café da Padre Chagas, onde Carlo, dono do Z Café, gentilmente reservou uma mesa e ainda apareceu por lá para nos desejar boas festas, dizendo que nosso equipe é sempre bem-vinda, foi ótimo.

O Luiz Felipe Irigaray, do blog do ZH Bela Vista chegou todo garboso com Sônia, sua musa inspiradora. Maria Teresa Taschetto e Paulo Petry, moradores do Moinhos de Vento, também estiveram por lá. Nos divertimos muito contando fatos que acontecem pelo bairro. As blogueiras Norah Dietrich e Luciana Kolesny se abraçaram e riram das gracinhas que fazíamos, tudo observado e integrado pela coordenadora do cadernos de bairros e editora do ZH Bela Vista, Rossani Thomas, e a editora do ZH Moinhos, Laura Schenkel. O maratonista, corredor e blogueiro Eduardo Viamonte também estava presente e nos contou o que encontra pela frente nas suas corridas pela noite de Porto Alegre.

Manter o grupo unido e cheio de ideias fez com que a noite ficasse mais brilhante e divertida, e eu, alegre por ter conseguido juntar esse “povo” todo para a despedida de mais um ano de atividades que levamos muito a sério. O Lucas Medeiros, filho da blogueira Luciana Kolesny foi convidado para fazer parte do blog ZH Moinhos e nos mostrar a visão do jovem perante seu bairro. Posteriormente, ele esteve na redação para ver como funciona um jornal.

Assim, com risos , abraços e beijos, terminamos mais um ano de 2012 com a equipe de editores e blogueiros de dois bairros que andam sempre juntos, e esperamos que em 2013 possamos contar mais ainda com a comunidade que nos acolhe tão bem.

Feliz 2013 para os moradores dos bairros Moinhos de Vento e Bela Vista, são os desejos de seus blogueiros Luiz Felipe, Rose Storchi (colaboradora assídua do ZH Bela Vista), Norah Dietrich, Luciana Kolesny, Eduardo Viamonte e Miréia Borges!

Presépio Vivo na Independência!

28 de dezembro de 2012 0

Por Mariano Christini e Úrsula P. Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros


Na casa dos avós, na Avenida Independência, com toda a família reunida, o bebê Bernardo Mariano, juntamente com seus pais, os blogueiros Mariano e Úrsula, participou do Presépio Vivo como se fosse o Menino Jesus. Segue abaixo a mensagem que lemos:

“Se eu fosse o Menino Jesus, eu diria para manterem sempre a paz em seus corações, assim como eu a mantenho.

Se eu fosse o Menino Jesus, eu diria para ficarem tranquilos, pois todas as suas necessidades serão supridas. Eu já consigo entender que as minhas sempre são supridas: meu alimento vem na hora certa; quando tenho sono me ajudam a dormir, e todos os dias eu recebo os cuidados de que preciso para ter uma vida saudável e feliz.

Se eu fosse o Menino Jesus, eu diria confiem, porque Deus, ou seu instrumento em forma de algum ser humano, proverá. Muitas vezes, quando me pegam no colo, eu não sei para onde estão me levando, mas eu sempre confio. Você também pode confiar!

Se eu fosse o Menino Jesus, eu diria observe ao seu redor como se fosse a primeira vez que estivesse vendo algo. Olhe ao seu redor com a mesma curiosidade e intensidade com que eu olho para cada pessoa ou objeto que se aproxima. Encante-se com os detalhes a sua volta e você ficará encantado com a vida.

Se eu fosse o Menino Jesus, eu diria descubra-se a si mesmo, olhe para suas mãos, braços, fique em silêncio e observe o seu interior, assim como eu estou me descobrindo agora.

Se eu fosse o Menino Jesus, eu diria não tenha medo, pois sempre terá alguém cuidando de você. Meus pais sempre dizem que posso dormir aparentemente sozinho, mas eles estarão sempre comigo em pensamento.

Se eu fosse o Menino Jesus, eu diria para despertarem o amor em seus corações assim como todos os dias eu tento despertar, com meu olhar de bebezinho maroto, o amor no coração dos meus pais e dos que me rodeiam.

Se eu fosse o Menino Jesus, eu me levantaria agora desse Presépio Vivo e diria a cada um de vocês para manterem sempre esse clima de união, confraternização e amor, porque é isso o que realmente faz a vida valer a pena, e porque é isso o que realmente significa experimentarmos um Feliz Natal.

Mas como ainda não conseguimos saber se realmente sou o Menino Jesus que está retornando (apenas inspirei minha mãe a escrever essas breves palavras com a minha luz de bebê puro), quero aproveitar para dizer que estou muito feliz por fazer parte dessa família maravilhosa e conviver com cada um de vocês: pai e mãe, avôs e avós, tios e tias, primos e primas.
Feliz Natal e um 2013 iluminado com muita saúde, amor e paz em nossos corações.”

Fizeram parte do presépio vivo: Bernardo Mariano (4 meses) como Menino Jesus, Úrsula (mãe) com o texto e Mariano (pai), como narrador.

Um pedaço da história do bairro

26 de dezembro de 2012 2

Carol Bensimon, escritora e moradora da região, também escreveu sobre o prédio demolido na esquina da Mostardeiro com a Comendador Coruja:

“Um prédio bem-conservado dos anos quarenta, com um vasto gramado, um raro muro baixo, sacadões, tudo nele me parecia uma declaração de personalidade forte. Um pedaço, enfim, da história do bairro e da cidade, para onde eu e provavelmente muitos outros tinham se acostumado a olhar, recebendo em troca uma certa paz de espírito. Foi demolido o prédio. Não levou mais de um dia, destruir é rápido e, nesse caso, anônimo, os tapumes não identificados como que conscientes do crime que cometiam. Como dói.”

Para ler o texto da blogueira Miréia Borges sobre o assunto, acesse: http://zhora.co/prediodemolido

No ZH Moinhos que circula nesta quinta-feira, você confere dois artigos sobre o tema, um escrito pelo arquiteto e urbanista Lucas Volpatto e outro de autoria de Carlos Augusto Bissón, escritor e morador da região.

A luta entre o existente e o desconhecido

26 de dezembro de 2012 4

Por Miréia Borges, do Conselho de Blogueiros

Fui convidada a participar da mobilização silenciosa, mas coerente, de algumas pessoas que ainda se importam com Porto Alegre. Pessoas de bairros diferentes foram ao protesto contra a demolição do prédio da Comendador Caminha com a Mostardeiro. Era um prédio sólido, de arquitetura bonita, com apenas seis apartamentos, um jardim lindo e as garagens simpáticas que davam para a rua Comendador Caminha, porém, um belo dia, anoiteceu e não amanheceu.

Alguns notaram a construção de um tapume, redes altas, mas acharam que seria restaurada a fachada. Qual a surpresa quando passaram pelo local e ouviram barulho de máquinas. O prédio foi derrubado em três dias e ficou somente o chão, sem nenhum entulho. Localizado entre prédios comerciais, o Parcão em frente e de esquina, foi fácil derrubá-lo sem muito alarde.

Está certo que é uma esquina “maldita”, com um acidente nas costas de um carro que voou da lomba e parou no meio do poste na esquina, de assaltos para quem chega de carro à noite em frente ao Parcão, a lomba íngreme que os moradores tinham de subir para poder se abastecer com suas necessidades, fora a idade de alguns que nada favorecia, a não ser o Parque que ficava em frente.

Mas nada justifica esse desconhecido que está por vir e deixar o bairro descaracterizado na sua arquitetura ter feito algo assim na surdina como se estivesse fazendo algo ilegal. Jorge Piqué, dono de uma agência de inovação social, falou para as demais pessoas sobre o cuidado que os cidadãos devem ter para que seu bairro não se descaracterize.

Nestor Torelli, do bairro Petrópolis, também comentou sobre o que as empresas de construções estão fazendo com Porto Alegre, deixando alguns bairros impessoais com essa modernização desenfreada. Marta Dueñas, moradora do bairro Floresta, estava bastante ativa em prol da conscientização da comunidade para esses novos projetos aprovados sem cuidar da beleza e as características de cada bairro.

Vera Behs, moradora do Santana, juntamente com Tárik Matthes, do bairro Passo D’Areia, colavam cartazes mostrando o luto que a comunidade estava sentindo por essa demolição inesperada. Alguns já tinham informações do grupo que comprou o prédio e o que irão fazer, mas outros estavam preocupados mesmo era com o patrimônio histórico do bairro Moinhos de Vento, como a escritora Carol Bensimon, presente também no local.

Qual é o cheiro do Moinhos?

25 de dezembro de 2012 0

Por Norah Dietrich, do Colselho de Blogueiros

Natal, cheiro de panetone pelo ar. É assim todo o ano; vamos identificando a passagem do calendário pelos aromas que captamos ao longo do tempo. Na Páscoa, chocolate; na primavera, as flores, a grama. Já reparou como locais e eventos da nossa vida podem ser traduzidos, captados ou relembrados através das notas olfativas?

Com a palavra, uma especialista no assunto: Letícia Wehrmann, empresária, proprietária da Wehrmann Magie du Perfum. De acordo com Letícia, o olfato é um dos primeiros sentidos humanos a se desenvolver. O bulbo olfativo fica localizado em nosso sistema límbico, responsável por nossas memórias e emoções. Sendo assim, toda vez que sentimos um cheiro, associamos a uma imagem, uma situação, uma época da vida da gente. Ao sentir novamente esse cheiro, todo aquele momento vem à tona novamente.

É possível transformar a vibração das cidades, países ou bairros em fragrâncias?

Dizemos que o cheiro pode nos levar aos lugares e momentos mais longínquos em uma fração de segundos. Ao longo da vida, vamos armazenando diversas memórias olfativas, como o cheiro da casa onde crescemos, o cheiro da casa da nossa avó, das roupas limpas, do bairro onde moramos, da casa de praia, do primeiro namorado, do carro novo, de uma loja que gostamos muito _ diz Letícia.

O bairro Moinhos de Vento é cheio de vida, movimento, aromas. Um sopro urbano de sofisticação, novidades, acontecimentos. Se fosse possível transformar sua vibração em uma fragrância, um cheiro, um aroma, qual seria? Essa foi a pergunta que fiz a vinte e cinco moradores e frequentadores do local.

Mas antes do resultado, um esclarecimento: existe diferença entre cheiro, aroma e fragrância? Letícia Wehrmann explica:

– A indústria faz uma divisão bem clara entre aromas e fragrâncias. Aromas são normalmente utilizados para alimentos, e obedecem a legislações específicas para isso. As fragrâncias são para uso em uma diversidade de produtos cosméticos, higiene pessoal, domissanitários, entre outros. Normalmente, as casas de perfumaria, possuem uma divisão para aromas e outra para fragrâncias. O cheiro é o nosso sentido do olfato, capaz de captar aromas, fragrâncias e óleos essenciais puros.

Curioso para saber o cheiro do Moinhos? Não foi surpresa constatar que, para cada pessoa, há uma percepção diferente. Cheiro de queijo, Europa, baunilha, caramelo, café, tangerina efervescente, espumante, Victoria’s Secret, brioche, pão, torta, tijolo, casarões, sorvete, natureza, árvores, frutas, flores e rosas, orbitaram pelo campeão, com a preponderância dos votos: cheiro de perfume. Grande parte dos entrevistados informou que o Moinhos de vento tem cheiro de perfume. Perfume das lojas, perfume das pessoas que transitam por lá.

Você concorda? Afinal, qual é o cheiro do Moinhos?


Dezembro, hora de reflexões, hora de prospecções

19 de dezembro de 2012 2

Por Lu Kolesny, do Conselho de Blogueiros

Recebi um convite, por e-mail, para participar de uma reunião e fazer parte de um grupo de conselheiras de Miréia Borges, em seu blog, Nos Passos da Maturidade, no início de dezembro.

Quanto honra, afinal de contas, ela tem mais a nos ensinar e passar do que nós a ela. Ledo engano: após a degustação de alguns petiscos , champs, e refris, começamos a refletir, a comentar, a sugerir, a questionar, a buscar alternativas para dúvidas que rondavam a cabeça desta brilhante pessoa, Miréinha(como é conhecida pelos familiares).

Tudo transcorreu como fossemos velhas amigas, todas com liberdade de expressar o que sentiam, o que pensavam. Acredito que este encontro não tenha sido de grande valia só para Miréia, mas a todas nós.

Depois de muito papo, boas risadas e boa companhia, das amigas Miréia, Carla Melani e Norah Dietrich, surgiu o resultado no dia seguinte: um e-mail de Miréia, agradecendo a nossa presença, o nosso apoio e a nossa solidariedade.

Fica então minha mensagem de Natal. Ajudem-se uns aos outros, sejam unidos e parceiros, sejam com amigos , vizinhos, família, colegas, enfim, com todos que fazem parte de sua vida. Você pode fazer a diferença! Com certeza vocês só te a ganhar!

Feliz Natal! Feliz 2013!

Lu Kolesny

P.S.: fazem parte desse grupo Carla Melani, Norah Dietrich, Lu Kolesny e Maria Teresa Taschetto (esta ausente neste encontro, por motivo de viagem). Até próximo encontro!

Você pode ser um camaleão

14 de dezembro de 2012 0

Por Miréia Borges, do Conselho de Blogueiros

Na minha visita à Maison Rose (Rua Hilário Ribeiro), encontrei a Georgiana Fauri (foto acima), uma empresária que nós encontramos caminhando ligeirinho pelas calçadas do Moinhos, pois ela se divide em vários afazeres.

Simpática e excelente empreendedora, me recebeu no seu espaço dentro da Maison Rose me mostrando qual era seu diferencial. Georgiana desenha peças que podem ser usadas de várias maneiras, peças multiuso, e o bom dessas peças que ela serve e se adapta para mulheres que vão de 35 anos até 80 anos, ela me diz, sorrindo.

O mini shopping, como ela chama a Maison Rose, é o lugar ideal para ela mostrar suas peças que são expostas também no Café do Porto, em um atelier em Nova York. Essa publicitária deixou a vida em agências de publicidade e se dedicou a um sonho antigo, criar peças em que a pessoa se sentisse confortável e pudesse como um camaleão se transformar conforme a ocasião.

Ela colocou seu sonho em pratica em 2005 e hoje já acumula pedidos e glórias com esse novo empreendimento camaleônico.

Margarete Seixas (foto abaixo), proprietária da Maison Rose foi quem idealizou o local como um espaço de multimarcas com oito expositoras de diferentes produtos, que são administrados por ela, para que o bairro Moinhos de Vento tenha um atendimento diferenciado, que atenda todas as idades, já que perfil das “senhoras mais cheinhas” não obteve êxito ali. Hoje a loja de tamanhos maiores 46 até 60 funciona na Tristeza, na zona sul da cidade.

Ela fez uma pesquisa e viu que havia um déficit nesses tamanhos para mulheres que queriam parecer mais jovens, mas não emplacou no bairro. Será que elas compram escondidas? É uma pena, pois nosso bairro precisa de lojas que expõem seus produtos maiores para se vestir. A maioria das lojas ou não tem tamanhos grandes ou ficam no estoque para não “denegrir” a vitrine.

Para 2013, a Maison Rose terá uma cafeteria e um espaço de beleza, para que as mulheres do bairro possam ter em um só local tudo que precisam. Entrar, relaxar, comprar e sair prontinha para algum evento ou até mesmo para um happy hour.

Assim, apresento a vocês a “Casa Rosada”. Apareça por lá e veja com seus próprios olhos a transformação que houve do prédio apagado, para algo vivo, transformador e moderno.

Além disso, quero parabenizar a Margarete por ter tentado mostrar as mulheres que existe roupas com numeração maior para vender, mesmo que não obteve sucesso no Moinhos de Vento, mas com sucesso no bairro tristeza que já sei tem muito movimento.

Obelisco Luminoso chega à região

10 de dezembro de 2012 1

Uma obra de arte itinerante chega, hoje, à região. O Obelisco Luminoso, do artista Denis Rodriguez, faz sua primeira parada hoje, no Parcão, e amanhã segue para a escadaria do Morro Ricaldone.

De acordo com o artista, é uma instalação pública e efêmera que discute o papel da arte na revitalização urbana.

— Os obeliscos situam-se entre a escultura e a arquitetura, e são destituídos de função, não servem como casas, negócios ou templos, mas possuem um significado simbólico. Apesar da simplicidade plástica, Obelisco é um complexo jogo de composição de imagens e equilíbrio, o grande desafio da verticalidade. Esses painéis nunca foram imaginados como uma única peça. Cada localidade da cidade terá forma e composição específicos — narra.

Gurizada do vôlei traz medalhas para a região

07 de dezembro de 2012 0

As equipes de vôlei do Grêmio Náutico União conquistaram resultados importantes nos últimos dias. Tanto o grupo mirim masculino, comandado pelo técnico Dênio Peixoto, como o infantil feminino, treinado por Sandra Ferrer, levaram a melhor e conquistaram a taça do Campeonato Estadual em cada categoria.

Filhotes de pato são retirados preventivamente do Parcão

07 de dezembro de 2012 1

A Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) realizou, esta semana, uma delicada operação para transferência de seis patinhos que habitam o lago do Parque Moinhos de Vento (Parcão). A medida visa preservar as aves, que são alvos fáceis de predadores como cágados e tartarugas adultos, que também vivem no Parcão.  Esses répteis atacam as aves de pequeno porte para se alimentar.

Os patos permanecerão cerca de 90 dias no sítio de uma voluntária, na companhia da pata mãe. A Smam será responsável pelo fornecimento de ração. Depois da retirada dos filhotes, ainda permaneceram, no Parcão, 14 patos adultos.

ZH Moinhos já está nas bancas!

06 de dezembro de 2012 0

A edição de hoje do ZH Moinhos já está nas bancas e nas casas dos assinantes da região! Nele você confere:

—  A moradora que viu, da sacada de seu apartamento, o bairro crescer

— Histórias do bairro, em seus 53 anos de fundação

— Conheça seu vizinho: Peninha

— Região ganha espaço para cozinha catalã

Hoje é dia de Natal na Praça Júlio de Castilhos

04 de dezembro de 2012 0

Com o tema Sonhe, Transforme, Realize acontece na noite de hoje, na Praça Júlio de Castilhos, o já tradicional Natal na Praça do Moinhos de Vento. Em sua 14ª edição, a atração já faz parte do calendário oficial de eventos natalinos de Porto Alegre e tem entrada franca, a partir das 21h.

A programação deste ano também integra as comemorações dos 85 anos do Hospital Moinhos de Vento que, no dia 20 de dezembro, será marcado por um culto ecumênico festivo na matriz da Igreja Evangélica de Confissão Luterana do Brasil (IECLB).

O tema do encontro faz uma alusão à própria história do Hospital Moinhos de Vento, que surgiu das demandas de um hospital modelo e que atendesse as necessidades das comunidades de imigrantes. No enredo os sentimentos como união, amor, harmonia, compreensão, perdão estão presentes na vida da personagem Natalícia, que nasceu no Hospital Moinhos de Vento no dia de Natal e nesse ano comemora 85 anos. Enquanto a história se desenvolve, jornaleiros anunciam diferentes fatos que marcaram cada época. A personagem Natalícia será interpretada pela schwester Ires Spier, que atua há 45 anos na instituição e acompanha a sua evolução.

A programação inclui  espetáculo de teatro, música e dança com participação do Grupo de Teatro dos Colaboradores do HMV, coreografias da Essência Cia. De Dança e supervisão de Izabel Ibias. A atração musical fica por conta da Orquestra Jovem do Rio Grande do Sul, Coral Feminino do HMV e o músico Leonardo Garcia.  No repertório, canções de Natal em arranjos especiais.

Em casa de chuva, o evento será transferido para o dia seguinte.

Moradores e associações se articulam em nome do Floresta

03 de dezembro de 2012 0

Por Luciana Kolesny, do Conselho de Blogueiros

Em 29 de novembro, foi realizada uma audiência pública para a qual a comunidade do Floresta e da Avenida Cristóvão Colombo foi convidada pelo prefeitura de Porto Alegre, representado no evento pelo secretário da Secretaria Municipal da Produção, Indústria e Comércio, Omar Ferri Júnior, para apresentar uma proposta de parceria da prefeitura com a comunidade. O objetivo é criar um grupo de trabalho para apresentar sugestões e soluções para melhorias do bairro. Vão integrar ainda o grupo as secretarias do Planejamento, Meio Ambiente (Smam), Obras e Viação (Smov), o CAR Centro, a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), o Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU), a Fundação de Assistência Social e Cidadania  (Fasc), Guarda Municipal e Brigada Militar.

Moradores, empresários, representantes de escolas e de grupos organizados da sociedade participaram da reunião no auditório do Sindicato da Hotelaria e Gastronomia de Porto Alegre (Sindpoa), incluindo a Associação dos Amigos da Cristóvão Colombo, o Grupo de Apoio a Revitalização do Bairro Floresta (Refloresta), o Shopping Total e o Colégio Batista. A maior preocupação dos moradores exposta na reunião foi com a segurança pública. Além disso, também se falou da necessidade de ações para melhorar o trânsito, a limpeza das ruas.

A respeito da revitalização da região, moradores e empresários pediram um atendimento efetivo de menores e moradores de rua e uma ação de orientação e fiscalização sobre a atividade de prostitutas e travestis. A representante do grupo Igualdade, Marcelly Malta, que foi à audiência representando as travestis, concordou que é preciso atender as profissionais que atuam na região.

— Não somos coniventes com aquelas que andam quase nuas, se exibindo, ou com as que desrespeitam os moradores. Isso está errado. Mas essas travestis que estão trabalhando na região também precisam ser respeitadas — disse Marcelly.

Ficou marcada para 17 de dezembro a entrega da composição do grupo de trabalho do bairro, com titulares e suplentes, oficializando a comissão e o início do projeto.

Recanto escondido de lazer!

03 de dezembro de 2012 1

Por Úrsula P. Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Junto à Igreja Nossa Senhora Auxiliadora há uma pracinha construída exclusivamente para as crianças. Eu diria que é um verdadeiro recanto escondido. Ou melhor, uma pracinha escondida. Em plena 24 de Outubro esquina com a Silva Jardim, essa pracinha cercada de grades e árvores é um espaço para as crianças se divertirem e terem contato com a natureza.

Mesmo tendo passado várias vezes pelo local, tanto na Avenida quanto na Igreja, inclusive tendo casado ali, quem me chamou a atenção para a pracinha foi meu filho e futuro blogueiro Bernardo Mariano. Hoje, meu “pauteiro”, ele adora esse espaço. Com 3 meses de idade ele gosta de ir até a pracinha no carrinho dele e ficar embaixo das árvores olhando cada folha, escutando os pássaros junto com o barulho dos carros, até dormir.

Tem dias que ele encontra outras crianças e já sabe que assim que ficar um pouco maior vai se divertir como elas, nos balanços e gangorras da pracinha. E o mais interessante é que os brinquedos são os mesmos da minha infância. Tem até o carrossel que há tempo eu não via. Está aí, um espaço para brincar e relaxar em contato com a natureza, aberto ao público, e que faz da região mais completa e acolhedora.

Que cada vez mais crianças descubram esse recanto escondido de lazer!