Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts na categoria "úrsula petrilli dutra"

Copa do Mundo no Moinhos

26 de junho de 2014 0

Por Úrsula Petrilli Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Prestes a completar seis anos, agora em julho, o Blog do ZH Moinhos merece o registro de um evento muito especial que está ocorrendo em seus bairros de abrangência: a Copa do Mundo. Sim, a Copa do Mundo do ano de 2014 é no Brasil e parte dos jogos é em Porto Alegre. Estamos recebendo milhares de turistas. Estamos sendo considerados “acolhedores” como sempre. E, manifestações à parte, agora, é o momento de acolher, de integrar, de compartilhar.

Ursula3

Confesso que, na abertura da Copa, senti medo. Trabalhando a poucos metros da fan fest, com o horário de expediente reduzido e saída prevista para às 15h, deixei meu carro no estacionamento e voltei a pé para a região do Moinhos. Escapei por minutos das manifestações que passaram pelo centro da cidade e Avenida Borges de Medeiros.

Hoje fico feliz em saber que o chamado “caminho do gol” é um sucesso. As pessoas estão entrando no clima da Copa, do futebol. Porto Alegre está tendo a oportunidade de ser conhecida pelo Mundo. Esta é a segunda Copa do Blog. Em 2010, tivemos alguns registros da torcida da “Copa do Mundo no Moinhos”. Mas essa é a primeira Copa do Blog em que Porto Alegre é anfitriã. Por isso, convido a todos os leitores a enviarem seus registros do Mundial. Seja foto com turistas, alguma movimentação nos parques, alguma bandeira, vale o que quiser.

Ursula2Ursula1
Aliás, se você, morador da região, presenciou algum jogo no Beira-Rio ou foi até a fan fest, queremos ver a sua foto. É você, com a sua torcida, que faz a Copa do Mundo ser um evento que une nações e aflora a emoção de sermos brasileiros. Compartilho algumas fotos da região e, em especial a pintura feita numa escolinha do bairro, onde meu filho, de um ano e 10 meses, já expressa a arte, a torcida e o orgulho de ser um mini brasileiro.

Ursula4

Frequentadores pedem melhor iluminação para o Parcão

16 de abril de 2014 0

foto-capa

Bruna Vargas – bruna.vargas@zerohora.com.br

Nem para correr, nem para sentar. Maior área de lazer da região, o Parcão tem perdido o sentido depois que o sol se põe, sendo, em muitas vezes, evitado pelos usuários. Com apagões recorrentes e iluminação insuficiente em vários pontos, é raro encontrar quem se aventure a praticar esportes ou ocupar os bancos à noite.

– Perto dos banheiros, a partir das 20h, há prostituição. Os garotos de programa usam o parque porque está encoberto pelas árvores, com pouca iluminação. Já para quem corre se torna perigoso, porque há muitas raízes, pedras e desníveis –  observa Luciano Alves, 44 anos.

Morador da Travessa Angustura, o publicitário utiliza o local diarimanete para correr ou andar de bicicleta. Depois de oito anos vividos em São Paulo, lamentou a constatação de que o “seu quintal”, como se refere ao Parque Moinhos de Vento, não era utilizado pelos porto-alegrenses após o horário comercial. A inquietação de Luciano motivou a organização do primeiro Piquenique Noturno realizado no local, com o objetivo de chamar a atenção das pessoas para o problema da iluminação e motivar a ocupação do espaço também à noite. Outros eventos –  como o Piquenique Noturno com os Chefs –  foram e continuam a ser realizados no parque, mas ainda não são suficientes para encorajar os usuários à utilização noturna do Parcão.

–  Não é seguro, principalmente onde tem muitas árvores. A iluminação não é suficiente, mas também tem a questão da segurança. As pessoas ainda não têm o hábito de utilizar os parques da cidade à noite – opina a estudante Laura Krebs, que frequenta o Parcão semanalmente.

A blogueira Úrsula P. Dutra Christini lembra que, durante o horário de verão, as pessoas utilizam o parque até mais tarde.

–  Agora, no inverno, caminhar às 18h já mostra limitações. Não são todas as pessoas que se aventuram nessa empreitada. Certamente, uma boa iluminação no Parcão geraria, no mínimo, um sentimento de mais segurança para todos nós.

Usuários relatam apagões à noite

Morador do Higienópolis,Wilson Rocha Júnior, que costumava correr no local, compartilha da opinião da estudante. Ele destaca os “apagões”, noites em que a iluminação do Parcão simplesmente não é ligada, como um fato recorrente.

–  Passo por lá de bicicleta, à noite, e nada mudou. Até me lesionar, eu corria lá, mas só porque sabia que o máximo que poderiam levar era o meu tênis.

O blogueiro do ZH Moinhos Eduardo Viamonte também testemunhou a falta de luz:

–   Corro no parque depois de escurecer, desde os anos 1990. Os apagões sempre existiram, mas se intensificaram, de forma intermitente, nos últimos anos, aumentando os riscos de assaltos e de tombos. Com a temida questão da violência crescente, alguns amigos foram deixando de frequentar o Parcão à noite. As ruas, e até mesmo o entorno da Redenção, têm sido minha opção.

Abordada pelo ZH Moinhos em dezembro, a questão da iluminação do parque já está na pauta da Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov), que, na ocasião, comentou o assunto contemplando a possibilidade de abrir a licitação para o projeto em janeiro deste ano.

Contatada novamente pela reportagem, no entanto, a secretaria disse que o documento não deve ser liberado antes de maio. A razão, segundo a Smov, é que, por se tratar de um projeto mais complexo do que o das demais praças que receberam reforço na iluminação nos últimos meses, ele ainda está sendo elaborado pelos engenheiros e técnicos da pasta.

Questionado sobre os apagões, o diretor de iluminação pública da Smov, Luiz Fernando Colombo, enviou uma equipe da Divisão de Iluminação Pública (DIP) para realizar uma vistoria no Parcão na terça-feira, e informou que foram encontradas lâmpadas queimadas. A manutenção seria realizada nesta quarta-feira.

Lançamento de livro nesta segunda-feira

24 de março de 2014 0

Por Úrsula P. Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Em 2009, fiz o convite aqui no blog para os leitores assistirem a uma das palestras do Movimento Perfeito com a psicóloga Rosalia Schwark na Amrigs. Hoje, convido a todos, não apenas para a palestra, às 19h30min, mas também para o lançamento de seu livro Seja menos você – O caminho para sua transformação pessoal, às 21h, no mesmo local (Teatro da Amrigs, Av. Ipiranga 5311).

livro-ursula

Tive a honra de organizar o material, transformando o conteúdo de suas apresentações em livro. E faço questão de divulgar o trabalho dessa também moradora do bairro Auxiliadora, por um único motivo: inspirar as pessoas a praticarem o Método do Movimento Perfeito em suas vidas e a se beneficiarem, assim como eu.

Em maio de 2008, por exemplo, quando conheci o Movimento Perfeito, me permiti a ser menos eu e, na época, arrisquei-me na tarefa de ser blogueira do ZH Moinhos, sem julgamentos ou medo por eu não ser da área do jornalismo.  Aprendi a como entrar no fluxo da vida, quando tudo acontece sem esforço e com muita sincronicidade. Realizei um dos meus melhores sonhos em razão da aplicação do método, mais do que uma coincidência, o ZH Moinhos acabou sendo o cupido do meu casamento.

Para quem acompanhou e quem não acompanhou essa história, vale a pena entender um pouco mais sobre o que eu estou falando, conhecendo o Método do Movimento Perfeito. Após o lançamento, o livro Seja menos você – O caminho para sua transformação pessoal - estará disponível no site www.movimentoperfeito.com.br e na Editora Movimento Perfeito, que também fica na nossa região, Av. Cristóvão Colombo, 2830/702, telefone 3062-3864.

Em tempo: a palestra, no estilo Stand Up Comedy, tem o valor simbólico de R$ 10, para cobrir os custos da produção do evento.

O encanto do Natal

20 de dezembro de 2013 2

Ursula

Por Úrsula Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

O Natal está aí e com ele todo o seu clima. Podemos ver nas lojas, casas, praças e ruas muitos enfeites e luzes para sinalizá-lo. A nossa região, especialmente, já está pronta. Apresentações, concertos, festas nas casas, parques e ruas marcam o clima natalino. Poderia trazer belas fotos desses tantos eventos, mas a que trago é uma tirada no Shopping Moinhos. Não para comemorar o consumismo que, infelizmente, nessa época, acaba fazendo com que muitas pessoas ultrapassem seus limites financeiros. Trago a foto que registrou o primeiro olhar de meu filho, Bernardo, de um ano e três meses, para o Papai Noel “de verdade”. Mais do que o Papai Noel em si, devemos valorizar tudo o que ele representa e traz. No caso, para ele, trouxe aquele olhar vidrado. Um olhar de surpresa, de admiração, de descoberta. Um olhar que faz a pessoa entrar num mundo de fantasia e de alegria. E esse olhar faz parte desse clima natalino, não só para as crianças.
Quando assistimos às apresentações de final de ano, sejam encenações e concertos musicais, sejam os artesanatos e as decorações natalinas ou até aqueles pratos especiais de fim de ano, também pode surgir o nosso olhar vidrado. Um olhar que muitas vezes pode nos colocar em transe. Um olhar que traz sentimentos de leveza, de paz e amor. Um olhar que nos remete à infância ou a outros tantos Natais que marcaram nossa vida. E é esse olhar que quero desejar a todos os leitores, moradores, frequentadores da região do ZH Moinhos. Um olhar vidrado nesse Natal e também para os mais diversos acontecimentos que nos aguardam em 2014.

Árvore na esquina da Independência é removida pela Smam

27 de outubro de 2013 4

PinheiroANTES4

Por Úrsula P. Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Flores amarelas. Esse é o nome da pasta que eu tinha no meu computador para fazer um post para o blog do ZH Moinhos. Criei essa pasta em novembro de 2008, época em que foram tiradas as fotos das flores amarelas. Na realidade, tratava-se de uma bela árvore, com flores amarelas, num antigo casarão da Rua Pinheiro Machado.
PinheiroANTES3

Havia pensado em fazer um post em razão da beleza da árvore, principalmente na primavera. Mas como eu não sabia exatamente o nome da árvore, acabei não escrevendo.Pinheiro3

Infelizmente, as belas flores amarelas não existem mais. A árvore foi podada há pouco mais de um mês e não há mais aquela bela paisagem que tínhamos na primavera. O belo tapete amarelo na Pinheiro Machado quase esquina com a Independência se foi.

logozhmoinhos> Curta o ZH Moinhos no Facebook para acompanhar as notícias da região

Hoje entendo que, apesar de todos os problemas pelos quais passamos, é importante olharmos para as belas paisagens que temos. Valorizarmos a leveza de espírito das pessoas, a poesia da primavera, é uma forma de vivermos melhor. Porque a vida passa muito depressa. E se não conseguirmos enxergar a beleza que temos ao nosso redor, em pouco tempo, ela também não irá mais estar aqui.

O que informou a Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Smam)

 – Foi autorizada a remoção  de um guapuruvu, com risco de queda, localizado em área particular. A remoção foi autorizada porque havia risco à vida dos moradores da casa.

Eu e Meu Bairro há um ano

28 de agosto de 2013 0

Texto enviado por Úrsula P. Dutra Christini

Be1ano

Não poderia deixar de registrar as impressões do meu 1° ano de vida no meu bairro, mais propriamente, na minha região.

Há 1 ano, no dia 22 de agosto, eu estava nascendo no Hospital Moinhos de Vento. Ano passado, com a minha chegada, até foi feito um post da história dos meus pais blogueiros e a relação deles com o ZH Moinhos.

Do Moinhos, minha porta de entrada para o Planeta Terra, fui morar com meus pais no bairro Auxiliadora.

Os primeiros passeios no carrinho foram sensacionais. Pegar um solzinho da manhã e dormir no embalo dos paralelepípedos fazia parte da minha rotina. A pracinha da Igreja Auxiliadora mereceu um post no Blog do ZH Moinhos de tanto que acolheu eu e minha mãe nos primeiros seis meses de vida. O Parcão também não ficou de fora dos meus passeios.

No Bom Fim, participei de aulas de música e de ioga para bebês, desde os três meses de idade.

No sétimo mês, fui para uma escolinha a duas quadras da minha casa. Uma creche pequena, acolhedora e familiar, que busca nas brincadeiras a melhor forma de educar. Aulas de informática não estão no currículo. Até os seis anos nós precisamos brincar e, como já somos da era da informática, aprenderemos facilmente todo o manuseio com a tecnologia. Aliás, de tanto ver meus pais no computador, resolvi inspirá-los para este post.

Mas nossa região, por ser no sul do país, tem seus invernos rigorosos. E eu acabei não escapando das violentas gripes que andam por aí, embora tenha me vacinado. Gostaria de ter participado pessoalmente do Café ZH Moinhos que ocorreu exatamente no dia do meu 1° aniversário, mas como estava me recuperando de uma forte gripe tive de ficar em casa. Então, fica aqui o meu registro e a “sugestão de café” para o caderno: o ZH Moinhos poderia ter, além da sessão de “Roteiro” para os adultos, um “Roteirinho” para nós. Afinal, nunca é demais divulgar as atividades culturais infantis que estejam rolando na região.

Enfim, este foi apenas o primeiro ano da minha bela infância que pretendo passar no meu bairro.”

Bernardo Mariano Dutra Christini, filho dos blogueiros Úrsula e Mariano Christini

Para piás da região

21 de agosto de 2013 0

Por Úrsula P. Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Parapiás. Esse é o nome do Programa de Arte e Educação que a compositora, professora de música infantil, e ex-moradora do bairro Auxiliadora, Alice Borges de Castro criou para exercer sua vocação. Diz que gosta de música “desde que se conhece por gente”. Ela faz do seu talento sua forma de se sustentar e viver de bem com a vida.

Ursula-post

Sempre com um sorriso estampado no rosto, que é sentido em suas músicas, ela cativa crianças desde a mais tenra idade. Dá aulas em escolas infantis na região, nos bairros Auxiliadora e Bom Fim, e também fora dela.

Natural de Rio Pardo, quando veio para Porto Alegre, há 10 anos, cantava para o público adulto, em pubs da região, especialmente, na Padre Chagas e redondezas. Hoje, se dedica exclusivamente para atividade musical infantil.

Em seu programa Parapiás criou, também, a opção de levar sua música nos aniversários infantis. Uma forma de se ter algo diferente, mas instrutivo, onde as crianças participam cantando e tocando instrumentos. Aliás, essa interação das crianças acontece em suas aulas, onde até os bebês podem tocar no violão, no órgão e em outros instrumentos musicais. Outro de seus projetos é o lançamento de um CD com as músicas de sua composição. A canção Acalma o Coração, por exemplo, é trilha sonora para acalmar qualquer bebê e embalar seu sono. E para não dizer que estou exagerando, com autorização da Alice, trago uma “palhinha” da música na versão acústica (confira abaixo). Um verdadeiro talento para piás.

ZH Moinhos nas bancas

26 de junho de 2013 0

No ZH Moinhos que circula nesta quinta-feira, leia:

Reportagem aborda a situação de cada uma das três mudanças de trânsito que, juntas, devem mudar a cara do trânsito na região.

Leitor-repórter mostra como o Ánandam, um centro de ioga e de atividades culturais, presenteou a vizinhança na Ramiro Bareclos com uma arte em crochê.

Em artigo de leitor, a arquiteta e urbanista Caroline Kuhn sugere um projeto alternativo para a Rua Pinheiro Machado.

Nas páginas 4 e 5, saiba como funciona a discussão do novo Código de Posturas da cidade.

Na seção Blogueiros, Úrsula P. Dutra Christini chama a atenção dos leitores para que todos verifiquem se o lixo da coleta seletiva está tendo a destinação correta em seu prédio.

Sessentão bom de copo e de garfo – na seção gastronomia, conheça um pouco da história do restaurante Lourival e aprenda a receita do prato comemorativo Filé Lourival 60 Anos.

O lixo que você separa

16 de junho de 2013 0

Úrsula P. Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Você é daquelas pessoas que cuida da separação do lixo na sua casa? Lixo orgânico de um lado e o seco de outro? Você é daqueles que sente um peso na consciência em colocar a embalagem do xampu no lixo orgânico do banheiro, e depois acaba levando-a para o cesto do lixo seco?

Agora imagine que você faça toda a separação dos resíduos de sua residência, que em seu prédio há lixeiras plásticas devidamente identificadas e separadas, e há na sua rua dias e horários para a coleta domiciliar e seletiva realizada pelo DMLU, e que, apesar de tudo isso, aquele lixo seco que você separou está sendo recolhido junto com o orgânico. Você não sentiria um sentimento de frustração? Pois então, isso pode estar ocorrendo com você também.

Comecei a achar estranho quando a funcionária de nossa casa, ao levar o lixo para rua, deixava todos os sacos juntos. Pensei: como será que ela consegue distinguir qual é o seco e qual é o orgânico? Questionei-a e descobri que ela havia sido orientada pela funcionária do prédio a colocar diretamente na rua todos os sacos de lixo, porque na hora de recolher os garis fariam a separação. Mas, como assim, os lixos estão sendo misturados? Ou seja, a minha própria funcionária não estava utilizando as lixeiras do prédio para separar o lixo. E a funcionária do prédio estava misturando, novamente, todo o lixo que os demais condôminos também tinham separado.

O horário da coleta seletiva do lixo seco simplesmente não estava sendo respeitado pelo nosso prédio. Todo aquele cuidado em separar devidamente os resíduos estava sendo colocado “lixo” abaixo. Importante ressaltar que a coleta seletiva ocorre em 100% dos bairros de Porto Alegre, mas os garis não fazem a separação no momento de recolher. Eles coletam os sacos que estiverem disponibilizados pelos moradores nos horários pré-determinados. Para saber os dias e horários basta acessar o site do DMLU, ou ligar para o atendimento, 3289-6999. Nesse mesmo blog, já critiquei quem colocava lixo seco nas lixeiras automatizadas de lixo orgânico. Critiquei o vizinho e me esqueci de cuidar da minha própria casa. E você, tem certeza de que o lixo que você separa está sendo recolhido corretamente pelo DMLU?

Cronograma da coleta seletiva

Turnos:

Manhã: a partir das 8h

Tarde: a partir das 13h

Noite : a partir das 18h

Bairros

- Auxiliadora — quarta e sábado, pela manhã

- Bom Fim— quarta (tarde) e sábado (manhã)

- Farroupilha — segunda (tarde) e sexta (manhã)

- Floresta — quarta e sábado, pela manhã

- Higienópolis —terça e sexta, pela manhã

- Independência — quarta e sábado, pela manhã

- Moinhos de Vento — segunda e sexta, pela manhã

- Mont’Serrat — segunda e quinta, pela tarde

- Rio Branco — terça e sexta, pela tarde

- Santa Cecília — terça e sexta, pela manhã

- Santana — segunda (tarde) e sexta (manhã)

- São Geraldo — terça e sexta, pela manhã

Clique aqui para ler a relação completa do cronograma da coleta seletiva na Capital

ZH Moinhos nas bancas

09 de maio de 2013 0

No ZH Moinhos que circula nesta quinta-feira, você confere:

– Na seção Vizinho Nota 10, contamos a história de Enice Zazzeron Nunes, 82 anos, moradora da Cristóvão Colombo, mais conhecida como Tia Nice

– Melhorou, mas pode avançar – O blogueiro João Victor Eltz escreveu texto e mandou fotos para mostrar pontos perigosos do trânsito, sobretudo para pedestres, no Rio Branco. Contatada pela reportagem, a EPTC iniciou a pintura de faixas de segurança no bairro.

– Na seção Roteiro, saiba como foi criada a exposição Rede de Pedras, da artista plástica e moradora da região, Ena Lautert, com curadoria de André Venzon.

– Arte e vandalismo em orelhão – A atenta blogueira Úrsula P. Dutra Christini escreve sobre um equipamento instalado no Parcão que foi alvo de vandalismo e também da atenção de um artista.

Arte e vandalismo convivem no Parcão

08 de maio de 2013 0

Por Úrsula P. Dutra Christini

A arte é uma forma de expressão muito apreciada. Há vários tipos e ramos das artes. Já a pichação é uma forma de expressão marginalizada. Muito invasiva, ela acaba saindo do campo das artes. Já fiz post sobre os “arteiros”, que conseguem pichar paredes de altos andares em prédio da Independência.

Já fiz post de uma artista que morava no Auxiliadora que revela sua expressão através da arte urbana. Já trouxe fotos de uma árvore, também no bairro Auxiliadora, que recebeu o trabalho de uma artista ao colorir todo seu tronco. Mas hoje trago a foto de um orelhão bem “expressivo”.

Localizado no Parcão, no bairro Moinhos de Vento, além de ter sido pichado, por alguma razão, recebeu uma “roupa” toda trabalhada por algum artista que também resolveu se expressar. Arte e vandalismo juntos. Um contrabalanceando o outro. Infelizmente, ainda encontramos esses contrastes em nossa sociedade.

Fica aqui o desejo de que o artista inspire o arteiro, o grafiteiro inspire o pichador, e de algum modo esses contrastes se amenizem. Enquanto isso, o orelhão está ali no Parque Moinhos de Vento não nos deixando esquecer da arte e da arte marginalizada.

Saiba mais
– Os orelhões da Oi sofrem, diariamente, danos por vandalismo.
– De acordo com a empresa, nos quatro primeiros meses de 2013, foram danificados por atos de vandalismo, em média, 10% dos cerca de 60 mil orelhões instalados no Rio Grande do Sul, ou seja, aproximadamente 6 mil orelhões.
– Do total de orelhões que apresentam defeitos, 90% são em virtude de atos de vandalismo, principalmente por danos em leitora de cartões, monofone, teclado, pichações e colagem indevida de propaganda de empresas nas máquinas e protetores de fibra (orelhas).
– Solicitações de reparo podem ser feitas pelo telefone 10314.

Fotos para captar o espírito do outono

01 de abril de 2013 1

Por Úrsula Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Assim como as baixas temperaturas dos últimos dias, as árvores da região já sinalizam há dias a chegada da nova estação. Nas fotos, trago o outono estampado em uma linda árvore do Parcão.

Aproveite a estação que chegou oficialmente no dia 20, às 08h02min, e mande fotos você também, para o e-mail moinhos@zerohora.com.br.

Vamos curtir a chegada do novo ciclo que já está nos acolhendo com seu “friozinho” e com suas folhas a serem renovadas.

Gostou do convite da Úrsula Christini? A iniciativa da nossa blogueira inspirou a nova Missão ZH: registrar em imagens o espírito do outono. Para participar, poste uma foto no seu Instagram ou Twitter usando a hashtag #zhoutono.

Para as fotos feitas nos bairros Auxiliadora, Bom Fim, Floresta, Independência, Moinhos de Vento e Rio Branco, utilize também a hashtag #ZHmoinhos.


Capriche nos cliques e use a criatividade. A foto deverá ser de autoria do participante.

Quem não utiliza Instagram pode participar também. É só enviar fotos para moinhos@zerohora.com.br, com pelo menos 300kb, nome completo e telefone para contato.

ZH Moinhos nas bancas

27 de março de 2013 1

No ZH Moinhos que circula nesta quinta-feira, confira reportagem sobre a insegurança no entorno do Shopping Total, com uma entrevista com o capitão Márcio Fernandes, comandante da 4ª companhia do 9º BPM.

O caderno traz também dois textos de leitor-repórter e, na seção Minha Turma, depoimentos sobre os 20 anos do Leonardo da Vinci Alfa.

Publicamos ainda o texto do blogueiro Eduardo Viamonte sobre placas da nova área azul instalada no Parcão, com um contraponto da EPTC, um texto da blogueira Miréia Borges sobre o cotidiano na 24 de Outubro e um convite lançado pela blogueira Úrsula P. Dutra Christini, para enviar fotos de outono.

A ideia da blogueira, aliás, inspirou a nova MissãoZH no Instagram: registrar imagens da nova estação.

Boa leitura!

Vizinha com talento para ilustrar

13 de novembro de 2012 2

Por Úrsula Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Uma parede branca, um pincel e uma latinha de tinta nas mãos é o suficiente para deixar realizada a ilustradora da região Nina Moraes. Ela faz da arte seu trabalho e seu hobby. Moradora do bairro Floresta, pintou uma enorme fachada na Avenida Mariland, no bairro Auxiliadora.

Apesar de ela ser uma profissional reconhecida em seu meio, confesso que eu ainda não conhecia sua arte. Depois de passar algumas vezes pela Mariland e “acompanhar” de longe a reforma de uma casa, vendo dia após dia cada vez mais desenhos em sua parede branca recém-pintada, vi uma “guria” em cima de um banquinho pintando uma flor.

Não me contive e perguntei se era ela que havia feito toda aquela pintura. Sim, não era apenas uma pintura qualquer. É uma obra de arte que já é sua marca registrada. Quem conhece o trabalho dela sabe que é esse o estilo de Nina Moraes.

Apaixonada pelo que faz, revelou que seu hobby mesmo é o grafite. Fazer desenhos em paredes que encontra. Disse que tem vários desenhos seus espalhados pela região. Uma “mãozinha” na Rua 24 de outubro e um ‘pássaro’ na Marquês de Pombal são alguns grafites que lembra ter feito.

Perguntei se ela tinha algum site, e ela disse que se eu colocasse o nome dela no Google encontraria várias referências de seu trabalho. E não é que ela é fera mesmo? Humilde e simpática, a ilustradora, grafiteira e artista gaúcha, reconhecida nacionalmente, tem até lata de refrigerante com seus desenhos. Parabéns, Nina, e obrigada por espalhar sua arte rua afora.



Árvore colorida no Auxiliadora

05 de setembro de 2012 0

Por Úrsula P. Dutra Christini, do Conselho de Blogueiros

Em julho, a blogueira Miréia nos mostrou o trabalho da artista plástica Letícia Matos. Gaúcha que mora em São Paulo, estava em Porto Alegre espalhando sua arte pelas ruas do Moinhos, com lãs e pompons aquecendo os postes da região. Infelizmente, o trabalho foi depredado, segundo a blogueira, por alguém sem educação.

Mas após conhecer esse trabalho, via blog, passando pela Eudoro Berlink, na altura da Mariland, deparei-me com uma bela árvore toda revestida por lãs coloridas. Para minha surpresa, essa arte não é a mesma da retratada em julho. Foi apenas uma ideia da proprietária que resolveu chamar a atenção para o seu comércio. Não tive a oportunidade de conhecê-la, mas pelo visto é mais uma pessoa que conhece a alquimia da arte.

E até agora, talvez por sorte, apenas pessoas com educação passaram por sua bela árvore colorida no Bairro Auxiliadora. Ninguém a depredou. Seja como for, está aí mais um exemplo de arte e de apreciação da mesma.