Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Rio Branco"

Exemplos da falta de acessibilidade em Porto Alegre

27 de outubro de 2013 0

Calçada com escada na Mariante e desnível em porta de autoescola são alvos de reclamações

Mariante

 

Por Bruna Vargas – bruna.vargas@zerohora.com.br

Lembrada, muitas vezes, por ser um dos poucos lugares de Porto Alegre onde as pessoas ainda se arriscam a deixar o carro na garagem e desbravar a pé as ruas da vizinhança, a região do Moinhos de Vento se mostra pouco amigável a quem tem dificuldades de locomoção.

Dois exemplos citados em e-mail enviado à redação e no grupo Ativismo Pedestre Poa, no Facebook, ajudam a ilustrar o problema. Enquanto uma calçada da Rua Mariante apresenta um trecho elevado, tendo de ser acessada por uma escada, uma autoescola confunde pessoas com deficiência. Na Rua Mariante, à altura do número 840, o problema são, precisamente, cinco degraus. O trecho elevado que ocupa toda a largura do passeio, está de acordo com o decreto 17.302/2011, que permite que os passeios onde há desnível, por causa de outra edificação, possam ter degraus ou rampas.

– Quando há uma lomba, até se justifica este tipo de elevada, mas ali o passeio é plano e estreito. A estrutura penaliza quem está caminhando, por ser um obstáculo – destacou o funcionário público Enrico Canali, que postou a foto no Facebook.

logozhmoinhos

> Você conhece casos de falta de acessibilidade que vão além de calçadas esburacadas? Mande  texto e fotos para moinhos@zerohora.com.br

> Curta o ZH Moinhos no Facebook

Situações como essa prometem ser evitadas pelo Plano Diretor de Acessibilidade para as calçadas, colocado em prática pela prefeitura. O projeto, porém, ainda está restrito à área do Centro Histórico. Segundo o supervisor de Controle e Prevenção da Secretaria Municipal de Urbanismo (Smurb), Paulo André Machado, a iniciativa poderá ser estendida a outros bairros. Casos em que o acesso a pessoas com deficiência não é facilitado podem ser denunciadas pelo 156 ou diretamente à Secretaria Municipal de Acessibilidade e Inclusão Social (Smacis,) pelo telefone 3289-1141.

Indicação confusa

Detran

Uma autoescola à esquina das ruas 24 de Outubro e Auxiliadora chamou a atenção de Gustavo Trevisi do Nascimento. Embora vários adesivos colados nos vidros do local indiquem que a escola ministra aula para cadeirantes, a porta de entrada apresenta um degrau, dificultando o acesso.
– Não sou cadeirante, mas tenho paralisia cerebral. Moro na Freire Alemão há 32 anos e acho curioso que esta escola, que dá aula para pessoas com deficiência, tenha um degrau na entrada. O ideal seria ter rampas, sempre – disse Nascimento.

De acordo com apuração da Secretaria Municipal de Acessibilidade e Inclusão Social (Smacis), a escola tem uma entrada acessível, localizada na parte lateral. Ainda assim, segundo a secretaria, o estabelecimento deveria informar, junto à sinalização, o local correto do acesso.

Procurados pela reportagem, os donos da autoescola não atenderam às ligações efetuadas entre sexta e terça-feira para comentar o assunto. O secretário da Smacis, Raul Cohen, disse que o caso está na pauta da secretaria.

De acordo com o secretário da Smacis, que planeja transformar a Rua Padre Chagas em referência em acessibilidade em Porto Alegre, é possível prever uma solução para o problema.

– Para nós, não interessa se o problema está em uma grande avenida ou em uma pequena rua. Toda demanda é analisada, e é o que vamos fazer neste caso. Cabe a nós ir ao encontro disso para tentarmos uma solução – sinalizou.

A promoção de acessibilidade a pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida, em locais com destinação pública, coletiva ou privada, está prevista na lei federal 10.098, no decreto 5296/2004, e na lei municipal complementar 678/2011.

 

Lagarto é resgatado pela Smam no Rio Branco, em Porto Alegre

24 de outubro de 2013 0

fotoleg-lagarto

Crédito da foto: Divulgação, PMPA

 

A Equipe de Fauna Silvestre da Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) resgatou um lagarto da espécie salvator merianae, encontrado em um prédio no bairro Rio Branco, na última quarta-feira.Ele estava preso em uma estrutura de concreto. O réptil  já foi liberado em área natural por não apresentar ferimentos.
Com a chegada de temperaturas mais quentes, é comum a espécie aparecer em vias e prédios residenciais. Costumam ficar no sol para fazer termorregulações, elevando a temperatura do corpo de acordo com a temperatura solar. Trata-se de um animal silvestre, nativo, que se alimenta de ovos, frutas e pequenos animais, entre outros. É o maior lagarto do Brasil, chegando a ter mais de 1,5 metros. Se você encontrar o animal, o melhor é não perturbá-lo, pois costuma se defender com o uso da cauda e com mordidas. 
As informações são da prefeitura de Porto Alegre.

logozhmoinhos> Curta o ZH Moinhos na Facebook

ZH Moinhos nas bancas

09 de maio de 2013 0

No ZH Moinhos que circula nesta quinta-feira, você confere:

– Na seção Vizinho Nota 10, contamos a história de Enice Zazzeron Nunes, 82 anos, moradora da Cristóvão Colombo, mais conhecida como Tia Nice

– Melhorou, mas pode avançar – O blogueiro João Victor Eltz escreveu texto e mandou fotos para mostrar pontos perigosos do trânsito, sobretudo para pedestres, no Rio Branco. Contatada pela reportagem, a EPTC iniciou a pintura de faixas de segurança no bairro.

– Na seção Roteiro, saiba como foi criada a exposição Rede de Pedras, da artista plástica e moradora da região, Ena Lautert, com curadoria de André Venzon.

– Arte e vandalismo em orelhão – A atenta blogueira Úrsula P. Dutra Christini escreve sobre um equipamento instalado no Parcão que foi alvo de vandalismo e também da atenção de um artista.

Ação contra raiva canina e felina no Rio Branco

23 de maio de 2012 0

O Núcleo de Vigilância da População Animal (NVPA) realiza, desta quarta-feira, 23, até sexta-feira, 25, em conjunto com a Secretaria Especial dos Direitos Animais (Seda), um bloqueio vacinal contra raiva canina e felina nas proximidades da rua Professor Duplan, no bairro Rio Branco.

A vacinação de animais será feita por profissionais habilitados, em residências onde houver a concordância dos proprietários. É uma medida de prevenção depois de ter sido encontrado nas imediações um morcego com resultado positivo para raiva.

Caso os proprietários não estiverem em casa no momento da visita, poderá ser feito contato pelo telefone 3289-2459 para agendamento de uma nova data. O telefone 156 também pode ser utilizado para informações e esclarecimentos sobre o bloqueio vacinal. Em caso de chuva, a ação será remarcada.

O bloqueio ocorre em uma área de 300 metros, abrangendo:

– Professor Duplan (entre Álvaro Alvim e e Avenida Protásio Alves)

– Dona Leonor (entre Álvaro Alvim e Avenida Protásio Alves)

– Domingos de Almeida (entre Álvaro Alvim e Avenida Protásio Alves)

– São Vicente (entre Álvaro Alvim e  Dona Eugênia)

– Coronel Paulino Teixeira (entre Álvaro Alvim e Avenida Protásio Alves)

– Dr. Alcides Cruz (entre Avenida Protásio Alves e Dona Eugênia)

– Avenida Protásio Alves (entre Paulino Teixeira e São Vicente).

A obrigatoriedade da vacinação contra raiva de cães e gatos é determinada por lei. Portanto, é solicitado pelas autoridades sanitárias que os proprietários atualizem a imunização antirrábica de seus animais e mantenham as carteiras de vacinação expedidas pelo médico veterinário.

A vacina é indicada para animais a partir de quatro meses e com boas condições de saúde – que não apresentem febre ou sinais de doenças. Pessoas que tenham contato com animais infectados pela raiva devem procurar atendimento médico imediato no Hospital Sanatório Partenon (adultos) e Hospital Presidente Vargas (crianças).

Buracos chamam a atenção na Dona Laura e na Mostardeiro

02 de março de 2012 13

A leitora Aline Bueno entrou em contato com o ZH Moinhos ao ver buracos sinalizados com tinta nas ruas Mostardeiro e Dona Laura. Ela escreveu:

“Já fazia um bom tempo que eu havia reparado em alguns buracos circulados com tinta verde nas ruas Mostardeiro e Dona Laura, no bairro Rio Branco. Como moro próximo a elas, todo dia passava pelos buracos e me perguntava se era uma marcação da SMOV ou de algum cidadão indignado com a falta de manutenção das vias da cidade.”

Pelo Facebook, Aline descobriu uma ação similar, de uma manifestação de moradores da cidade de Frutal, em Minas Gerais, e imaginou que os círculos da Mostardeiro e da Dona Laura seriam inspirados no protesto mineiro. Será que ela está correta?

O ZH Moinhos quer saber: você observou os sinais? O que achou da ação? Sabe quem a fez?