Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O pescador

11 de dezembro de 2009 2

Embarcação recolhe peixes no Guaíba pelas manhãs - Foto: Gustavo Maciel, Conselho de Blogueiros

Enquanto caminhamos pela orla ou apenas apreciamos a bela vista do Guaíba, nós, moradores dos bairros Tristeza, Vila Assunção e Vila Conceição, já estamos acostumados a ver uma cena bastante comum. As águas, ora calmas nos dias ensolarados, ora com lanchas e veleiros as cortando, e, ao fundo, a grande e antiga fábrica de celulose soltando a sua “fumaça” no ar.
Outra cena, contudo, chama atenção há algum tempo. Quase que diariamente, avisto este pequeno barco e seu “capitão” pescando pelas manhãs nos arredores. Sabemos que em alguns pontos deste bairro existe a emissão de esgoto. Vale lembrar que essa não é uma realidade só da Zona Sul. Em Porto Alegre, existem outros pontos de lançamento de esgoto, além do que é lançado na outra margem pelas cidades e pela própria fábrica de celulose.
Sabendo disso, e, ao observar esta cena, do pescador no seu simples barco, me perguntei: como ainda existem pessoas que pescam nessas águas?
Certamente, este pescador sobrevive da pesca. Ao observá-lo, percebi que possuía um conjunto de redes, além, é claro, do grande investimento que é ter e manter uma embarcação. Fiz-me, então, outra pergunta: onde é que este pescador vende sua mercadoria? Pois, certamente, a grande maioria das pessoas teria receio e não comprariam peixes vindos das águas poluídas do Guaíba.
Além destas dúvidas, que certamente não fui o único que as tive, fiquei imaginando quanta sujeira este pescador não deve encontrar de suas redes em suas tentativas enchê-las com peixes.

*Por Gustavo Souza Maciel, Conselho de Blogueiros

> Conheça os novos blogueiros do ZH Zona Sul

Comentários (2)

  • Marcelo Gauer diz: 11 de dezembro de 2009

    Perguntas muito pertinentes. Quase que diariamente me deparo com pescadores no calçadão de Ipanema. São pessoas de baixa renda que tiram dali seu sustento tanto para negociar, quanto para consumo próprio. E sempre me pergunto se esses peixes que são pescados (que não são poucos) não acabarão envenenando alguém…

  • Sabrina Jung diz: 12 de dezembro de 2009

    Gostei da foto! Eu espero nunca ter comido nenhum peixe desses…
    Grande abraço!

Envie seu Comentário