Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

O trenzinho e a Pedra Redonda

24 de março de 2010 11

A foto ao lado mostra um dos caminhos percorridos pelo trem até chegar a praia da Pedra Redonda em Ipanema nos anos de 1920. O local é hoje a Vila Conceição. Um fosso de granito de 800 metros de comprimento por 10 metros de altura foi escavado desde o início da vila até a beira da praia, criando um grande paredão por onde passava a Maria Fumaça.

A obra no morro durou cerca de três anos. Algumas pessoas aproveitavam para ir a pé até a praia, utilizando o caminho aberto. Porém, o passeio era muito perigoso, pois, quando o trem se aproximava, as pessoas se espremiam entre as paredes de pedra e a locomotiva, causando um grande desconforto. Era uma aventura e tanto, conforme diziam os jovens da época, que se arriscavam para curtir os banhos na praia mais famosa da época.

* Por Janete da Rocha Machado, Conselho de Blogueiros

Comentários (11)

  • Tassiane diz: 24 de março de 2010

    Certamente a zona Sul de Porto Alegre guarda inúmeras histórias interessantes, entre elas a do Trenzinho e a Pedra Redonda… imagine a adrenalina dos passageiros deste trem! Gostaria muito que fosse publicada uma matéria completa acerca desta história.

    Tassiane Freitas.

  • jorge diz: 24 de março de 2010

    Quem quiser conferir este local é só ir pela Wenceslau Escobar – sentido centro ipanema – e após a rua Pe. Reus dobrar na primeira rua à direita – Rua Picasso – e estará em cima da ponte debaixo da qual passava a estrada de ferro e poderá ver a rocha escavada.

  • Sergio diz: 24 de março de 2010

    Que interessante, nunca imaginei que existisse um fosso de 10 metros de altura aqui na zona sul. Fico imaginando como deveria ser legal ficar observando o trem lá de cima do fosso, se é que era possível isto. Muito bom. Será que existem mais fotos deste caminho do trem?

  • Alex Lourenço diz: 25 de março de 2010

    Eu gostei muito desse post e acho interessante realizar uma reportagem sobre o Trenzinho e a Pedra Redonda, que fazem parte de uma linda história em nosso Estado.

  • Enoe da Rosa diz: 25 de março de 2010

    Acho importante publicaram estas histórias sobre Porto Alegre para mantermos a memória sobre o seu passado . Principalmente nesta semana em que se comemora os 238 anos desta Cidade.

  • Igor diz: 25 de março de 2010

    Onde está esse fosso hoje? É onde fica aquela pequena ponte de acesso para a Vila Conceição, ao lado da Wenceslau? Nunca consegui ver sobre o que passava a ponte devido à vegetação.

  • Jefferson Terra diz: 26 de março de 2010

    Muito Legal Janete.
    Ótimo texto e ótima foto.
    Minha única dúvida é saber se a maior emoção seria fazer esse caminho dentro do trem ou aventurando a pé e se espremendo pelas paredes no lado de fora.
    Obs. Ainda aguardo aquele o texto sobre o falecimento que ocorreu nos trilhos do trem.

  • Délcia Prates diz: 27 de março de 2010

    olhando a foto e não sabendo que é em Porto Alegre,diria ser uma daquela estradas de flmes americanos de bang-bang onde o Zorro pergue bandidos.
    Ter um olhar assim da capital é ficar orgulhosa de ver o progresso da cidade e agradecer o passado.
    Parabéns Janete continue a nos mostrar o passado pra que possamos valorizar o presente.

  • Janete diz: 27 de março de 2010

    Ok Jefferson, estou preparando aquele texto com carinho. Abração e obrigada pelos elogios. Janete Machado

  • Catarina Tolotti diz: 29 de março de 2010

    É interessante que esse período da história do trenzinho seja publicada integralmente, pois é uma oportunidade para os mais jovens ficarem informados a respeito dos antigos costumes dos porto-alegrenses. Assim, a memória não se perde. Catarina

  • Carlos Arce diz: 30 de março de 2010

    O fosso esta cheio de lixo e até carro já tem caido dentro, em meus sonhos o dia que sair as duas vilas, imagino um parque com muitas plantas, passeando entre as pedras, brinquedos de crianças, um dia quem sabe!!!!

    A propósito a rua Picasso ( entre a Av Wenceslau Escobar e Prof Emilio Meyer) e a única rua que não mora niguém…

Envie seu Comentário