Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts do dia 18 junho 2012

Da Zona Sul ao Everest

18 de junho de 2012 0

Texto e fotos enviados por Carmencita Hessel, blogueira do ZH Zona Sul

Em 19 de maio de 2012, o administrador de empresas Danilo Amorim Schultz, 29 anos, e sua prima Paula Kaap Amorim embarcaram rumo ao Nepal para realizar um de seus grandes sonhos: conhecer de perto o monte Everest, na fronteira do Nepal com a China. Depois de 22 horas de voo, a dupla chegou à cidade de Katmandu para organizar os últimos detalhes e se preparar para essa grande aventura de 17 dias pela cordilheira do Himalaia.
Segundo o morador do Guarujá, a capital do Nepal é uma cidade muito bagunçada e suja, porém dominada por um povo extremamente religioso e muito acolhedor.
— Ficamos encantados com simpatia e a boa energia dos nepaleses, mesmo vivendo num local com tanta miséria — conta Danilo, que conheceu em 2009 o monte Kilimanjaro, a 5.985 metros de altitude, na Tanzânia.
Após visitar templos e conhecer um pouco mais sobre a fé da população local, ele e a prima embarcaram em um pequeno avião com destino a Lukla, um vilarejo localizado a 2,8 mil metros de altitude que tem um dos aeroportos mais perigosos do mundo. Danilo relata que foram 17 dias caminhando por vales maravilhosos e lugares espetaculares, com paisagens surreais. 
— Alta adrenalina subindo e descendo montanhas, respirando o mais puro ar já senti — destaca.
Conforme o montanhista, a decisão que já havia sido muito bem estudada no Brasil era percorrer uma trilha de aproximadamente 200 quilômetros, partindo de Lukla até Gokio (4,7 mil de altitude), passando por Namche Bazar (3,3 mil metros), subir o monte Gokio Ri (5.483 metros), cruzar o glaciar Ngozumba, desafiando o frio intenso e a erosão constante do local para poder realizar a passagem do Cho La Pás (5.370 metros).
A trilha seguiu em direção ao acampamento base do Everest (5.364 metros), subindo o Monte Kalapathar (5.545m) para enfim descer até Dingboche (4.530 metros), descansar e começar a escalar o Monte Island Peak (6.180 metros). Danilo e Paula conseguiram realizar 80% da viagem. O próprio Danilo relata o desfecho da incrível aventura asiática:
— Infelizmente o Island Peak ficou para uma próxima. Foram diversos os fatores que nos levaram a tomar a triste decisão: mal-estar, tempo ruim e cansaço psicológico! Sim, nunca acreditei que meu psicológico me derrubaria num local como esse, mas após 12 dias comendo comida de sherpa (a pessoa encarregada de levar comida e equipamentos, para o acampamento mais alto), passando frio, sentindo falta de um bom banho quente, dormindo mal, sem ter comunicação com familiares e amigos e sentindo algum desconforto causado pela altitude, o seu corpo começa a reclamar aos poucos.
Costumo dizer que os momentos em que passei no Nepal, foram com certeza os melhores da minha vida em termos de aventura, coloquei meu corpo, espírito e mente à prova e realizei um baita sonho de ver o Everest a poucos metros. Obrigado a todos pela motivação, apoio e carinho.
Danilo está organizando um livro detalhando a experiência que deverá ser lançado até junho de 2013.