Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de maio 2013

Da Inglaterra para a Zona Sul

31 de maio de 2013 5

A história de um comandante inglês que desbravou a Pedra Redonda

Por Janete da Rocha Machado

Historiadora e blogueira

Na segunda metade do século 19, integrando o grupo de ingleses recém-chegados ao Rio Grande do Sul, Charles Edward Booth descobre a Zona Sul. Egresso da Marinha Mercante Inglesa, ele ficou conhecido por Comandante Booth. Sua bisneta Rita Brugger conta que ele residiu também no Partenon antes de se mudar para a Pedra Redonda. Na realidade, Booth comprou uma área que ia desde a beira do Guaíba até a Cavalhada. Toda a região onde hoje se situam os bairros Pedra Redonda e Jardim Isabel pertencia aos Booth.

- Nosso bisavô Charles foi o primeiro na Pedra Redonda, ele comprou muitas terras aqui – conta Rita.

Após descobrir uma mina de argila (atualmente, as imediações da AABB, na Avenida Coronel Marcos), Charles fez ali a sua olaria. Os tijolos fabricados eram transportados até o Centro pelo Guaíba. Para o escoamento da produção havia, à beira do rio, nos fundos do clube Macabi, um trapiche (foto acima) construído para esse fim.

- Os tijolos Três Estrelas (marca Booth) eram transportados sobre trilhos até a ponta de um trapiche, onde eram carregados em chatas (tipo de embarcação), que os levavam ao Cais do Porto. Quando a olaria encerrou suas atividades, a madeira do trapiche foi vendida para um cidadão que tentou arrancar as colunas. Como elas não cederam, e o guindaste usado virou, o tal cidadão resolveu serrar as colunas no nível da água. Os tocos estavam lá até a década de 1960 e causaram vários acidentes com lanchas – conta a bisneta.

Rita relembra que ela, amigos, os irmãos e veranistas da Pedra Redonda, cada um tinha o seu toco. Ficavam durante horas pendurados dentro d’água, conversando, rindo e colocando as fofocas em dia.

- No verão, às vezes, dava pé no último toco do fim do trapiche, era o maior, o mais grosso. Mas, geralmente a gente tinha de nadar até lá – diverte-se.

Era comum as famílias estrangeiras frequentarem os mesmos locais, como os clubes, as festas e, no verão, a beira do Guaíba. Foi isso que ocorreu com os Booth e os Bromberg, como relata Rita:

- No século 19, as colônias alemã e inglesa em Porto Alegre se davam muito bem, o que fez a ‘alemoada’ frequentar a residência dos Booth nos fins de semana. Assim, Waldemar Bromberg conheceu Dorothy Booth, uma das filhas de Charles, com quem se casou e teve cinco filhos.

Tijolos foram usados no Paço Municipal em 1898

Os tijolos Três Estrelas



Abrangendo mercados do Brasil e também do Exterior, a firma Bromberg & Cia, e posteriormente Bromberg SA, figura entre as mais importantes e antigas no ramo das indústrias de máquinas do Estado.

Toda a área ao longo da antiga Travessa Pedra Redonda, pertencente a Charles, foi loteada por descendentes do comandante e empregados da olaria. Os tijolos de Charles ficaram famosos. Foram usados na construção do Paço Municipal em 1898, sede da Intendência de Porto Alegre.


O casal Charles e Adelina


Dorothy em um passeio de charrete com Helga e Ambrosina




Projeto revitaliza muros

29 de maio de 2013 0

A Tintas Coral coloca em prática mais uma etapa de seu projeto socioambiental Tudo de Cor para Você. A partir desta quinta-feira, ações da iniciativa integrarão o Aproximação, festival de arte urbana em que serão criados murais pela cidade e serão oferecidos workshops, palestras e bazares, além de eventos culturais.

O mutirão desta quinta e sexta-feiras será na Restinga e deve reunir artistas locais e convidados para colorir os muros do bairro. Nos dias 1º e 2 de junho, a Fundação Pão dos Pobres receberá a pintura, realizada por profissionais convidados do Brasil e do Exterior. A Coral pretende distribuir mais de 400 litros de tintas para a pintura de dois quilômetros de muros. O festival Aproximação é organizado pelo Núcleo Urbanóide com a Secretaria da Juventude.

Placa nova na José Gomes

24 de maio de 2013 0

Um exemplo de resposta rápida do poder público:

Atento, o blogueiro Cláudio Gall registrou a dificuldade de se visualizar uma placa que indica escola na Rua José Gomes, esquina com a Avenida Otto Niemeyer. A reclamação foi publicada nesta sexta-feira no ZH Zona Sul.

Logo depois do contato da reportagem com a equipe de assessoria de imprensa da EPTC, a troca da placa foi agendada e, na quarta-feira mesmo, após o fechamento da edição do caderno, foi providenciada uma nova sinalização. O olhar atento do blogueiro ajudou a solucionar um problema da comunidade.

Nas curvas da Avenida Coronel Marcos

09 de maio de 2013 0

Veja o Antes e Depois que a blogueira Janete da Rocha Machado descobriu em suas pesquisas sobre o passado da Zona Sul: as duas imagens foram feitas em uma curva da Coronel Marcus.


Por Janete da Rocha Machado

Blogueira

Consegui uma foto do comandante Charles E. Booth fazendo um passeio pela Avenida Coronel Marcos, antiga Estrada da Pedra Redonda, nos idos de 1900. O ponto da foto é hoje a curvinha do Clube Macabi, antigo Campestre, ali nas imediações da Associação Atlética Banco do Brasil (AABB). O local tem muita história, pois foi ali que o comandante, de origem inglesa, teria edificado sua olaria após descobrir uma grande reserva de argila.

A mina foi encontrada nas imediações onde hoje existe uma casa geriátrica. Bem, os tijolos fabricados na olaria eram transportados até o centro de Porto Alegre pelo Guaíba. Havia um trapiche (particular) nos fundos do Clube Macabi para escoar a produção da olaria. Toda a região era propriedade dos Booths.

- Charles Booth tinha olaria na Pedra Redonda. Os tijolos eram embarcados em chatas (tipo de embarcação de pequeno calado), nomeadas Helga, Normam e Thelma, para a cidade de Porto Alegre. O trapiche (em madeira de lei) foi cortado, mas os tocos ainda existem – contou Rita Brugger, 86 anos, bisneta do comandante Charles E. Booth.

Abaixo-assinado em Ipanema

04 de maio de 2013 2

A mobilização dos moradores de Ipanema pela ordem e fiscalização na orla do Guaíba ganhou força e deve chegar ao terceiro final de semana de ações neste domingo. O grupo Ipanema: Eu Moro, Eu Cuido _ que tomou a frente da luta por providências das autoridades quanto ao barulho de carros de som na Avenida Guaíba, badernas e consumo de drogas _ está organizando um abaixo-assinado para levar aos órgãos da prefeitura e do Estado o pedido formal de mais segurança e fiscalização na orla.

A coleta de assinaturas será no calçadão de Ipanema, na esquina com a Rua das Laranjeiras, onde os manifestantes também distribuirão panfletos expondo as principais queixas que motivam a mobilização.

- Não queremos privatizar a orla, mas queremos mostrar aos frequentadores que estamos aqui. Não podemos mais dormir. No final de semana, entramos em estado de pânico. Isso já virou um problema de saúde. Em Ipanema, termina o pôr do sol, acabou a beleza – comentou a moradora Waneza Vieira, uma das integrantes do grupo.

Desde o começo dos protestos dos moradores, o grupo já notou alguns avanços. Há mais policiais militares circulando pela região, e a Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) realizou, logo após o primeiro protesto, em 21 de abril, blitze para fiscalizar carros e motos que circulam na região. Ainda assim, os moradores não querem que os problemas caiam no esquecimento e prometem pressionar as autoridades por soluções permanentes organizando manifestações periódicas no bairro.

Participe

Abaixo-assinado e manifestação

Quando: sábado e domingo, das 10h às 11h30min

Onde: Avenida Guaíba, esquina Rua das Laranjeiras, em Ipanema

Roda de chimarrão do grupo Ipanema: eu Moro, Eu Cuido

Quando: domingo, às 16h

Onde: Avenida Guaíba, esquina Rua das Laranjeiras, em Ipanema

No facebook

Para entrar em contato com o grupo Ipanema: Eu moro, Eu Cuido acesse facebook.com/ipanemaeumoroeucuido

Sábado tem lançamento de livro infantil no Atelier do Bonde

03 de maio de 2013 0


A professora, escritora e poeta Lisete Johnson lança neste sábado, às 16h, o livro infantil Buuu… Bruxas!, no Atelier do Bonde (Avenida Otto Niemeyer, 1.173), com direito a sessão de autógrafos aberta ao público. A obra conta com ilustrações de Carla Pilla e contracapa de Carlos Urbim. O livro traz uma história divertida e mágica sobre o susto, em versos simples e que remetem ao universo das brincadeiras infantis de faz-de-conta.
Nascida em Butiá, Lisete é pós-graduada em Supervisão Escolar pela Fapa e fez especialização em espanhol na Universidade Internacional Menendez y Pelayo, na Espanha. A escritora também é vice-presidente de cultura do UBT e ministra oficinas de trovas e saraus em escolas do Estado.



Encontro debate motivação para aprender

02 de maio de 2013 0

Neste sábado, às 8h30min, o Colégio Marista Assunção promove o 1º Encontro Família e Escola para discutir o tema a Motivação para Aprender. O encontro é aberto à comunidade e ocorre no auditório do colégio (Rua Dom Bosco, 103, Glória). Pais e educadores poderão debater ações que envolvam o aprendizado dos estudantes e estimulem o hábito de estudar.

O convidado especial do eventos é o psicólogo Fernando Elias José, mestre em Cognição Humana pela PUCRS com 16 anos de experiência. Mais detalhes sobre o encontro no site colegiomarista.org.br/assuncao