Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts de fevereiro 2014

Amanhã é dia de ZH Zona Sul!

20 de fevereiro de 2014 0

ZS

Nesta edição, você confere:

— Com início das obras atrasado há quatro meses, duplicação da Wenceslau Escobar depende de conclusão de processo judicial para virar realidade

— Gastronomia: Temakeria Japesca prepara abertura de loja na Zona Sul

— Batalha contra a falta de luz: comunidade se mobiliza em encontro com representantes da CEEE para cobrar conserto de postes e fornecimento de energia adequado

— UniRitter abre novo campus na Zona Sul, voltada aos cursos de pós-graduação

— Minha turma: crianças levam boas lembranças da colônia de férias do Veleiros do Sul

E mais! Não percam!

Coruja surpreende morador da Zona Sul

19 de fevereiro de 2014 1

Vejam o que o morador José Augusto Roth encontrou em casa e resolveu compartilhar com os leitores do ZH Zona Sul, narrando os detalhes da surpresa:

Coruja-2

“Na sexta-feira pela manhã, recebemos a visita inusitada de uma coruja. Depois de passear por canteiros e andar pelo pátio, ela foi para um galho seco em um vaso, onde ficou empoleirada toda a noite. Ela fica imóvel, não pia e apenas vira o pescoço. Quando alguém se aproxima, a ave incha e abre as asas como faz um pavão.
Por tratar-se uma ave silvestre, consultei o Batalhão Ambiental da Brigada, que me informou que esse é o comportamento normal desse tipo de animal: assim como chega, vai embora em busca de outros lugares.”

Promessa de melhorias no Parque Zeno Simon

17 de fevereiro de 2014 1

parque

Publicada no ZH Zona Sul em 24 de janeiro, a reportagem A orla esquecida retratou a deficiente estrutura enfrentada por aqueles que frequentam a beira do Guaíba nos bairros Espírito Santo e Guarujá. Menos de 20 dias depois, um encontro entre representantes da prefeitura de Porto Alegre e a comunidade local selou o comprometimento de melhorias para a região do Parque Zeno Simon.

Entre os serviços prometidos, está a instalação de fradinhos para impedir a entrada de veículos na área verde, a limpeza da orla, a poda de árvores, o reforço na iluminação pública e, futuramente, a instalação de uma academia ao ar livre. Conforme o assistente do gabinete do vice-prefeito Luiz Severo, as demandas foram encaminhadas para os departamentos responsáveis: Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smam) e Divisãode Iluminação Pública (DIP).

— O que estamos fazendo é refazer os serviços públicos e reforçar a parceria com a comunidade para que a população vigie a área porque, sem isso, não damos conta sozinhos — reforça o vice-prefeito, Sebastião Melo.

Representantes do Centro Administrativo Regional (CAR) Sul e da Associação Comunitária dos Moradores e Amigos da Zona Sul (Acomazs) também estiveram na reunião e agendaram um novo encontro para organizar a demanda de serviços.

Conclusão da reforma no posto de saúde da Tristeza atrasa mais uma vez

14 de fevereiro de 2014 0

10223368-_BRU2526.JPG-11_02_2014-19.06.31

Débora Ely | debora.ely@zerohora.com.br

Prometida para dezembro, adiada para fevereiro e atrasada para março, a reforma do posto de saúde da Tristeza custa a se tornar realidade. Iniciada em 1º de julho do ano passado, as obras deveriam levar seis meses para a conclusão. Mais de sete já se passaram e, mesmo assim, outros 30 dias ainda serão necessários para a finalização dos serviços.

Com inauguração prevista para dia 15 de fevereiro, a Unidade Básica da Saúde (UBS) repaginada deve ser entregue à comunidade em 15 de março. Conforme a Secretaria Municipal da Saúde (SMS), a nova data não corre o risco de ser novamente prorrogada. A explicação é que obstáculos normais em uma reforma provocaram os atrasos.

— Quanto mais se avança em uma obra, mais contratempos novos surgem. Por isso, não vamos conseguir cumprir o prazo de inauguração em fevereiro. Nas últimas semanas, com a greve dos ônibus, muitos operários não conseguiram ir ao trabalho, e, com o forte calor, a equipe rende menos. Tivemos de refazer o cronograma — explica o coordenador da assessoria de projetos da SMS, Elmo Raupp Viegas.

A parte externa da casa localizada ao número 2442 da Avenida Wenceslau Escobar já está praticamente concluída e, a partir deste sábado, o mobiliário começará a ser instalado. Foram refeitas as redes elétricas, hidrossanitárias e hidráulicas, além da readequação do ambiente para cumprir normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), como a melhoria na área de esterilização e modernização da sala de odontologia. Nos próximos 30 dias, será finalizada a área externa do prédio, que inclui a pintura da construção e a recuperação de calçadas.

Desde o fechamento da unidade para a revitalização, o atendimento à população ocorre em um salão aos fundos da Igreja Nossa Senhora das Graças — cedido temporariamente pela paróquia à secretaria. Com a operação provisória e improvisada, a falta de espaço e o calor excessivo — já que não existem aparelhos de ar condicionado no local — se tornaram novos problemas aos pacientes do posto.

— Está difícil para os trabalhadores porque a localização, o tamanho e o espaço são ruins. O pessoal faz o que pode para nos atender da melhor forma possível, mas o local é um porão, fica muito abafado. Não sei como eles aguentam, mas o atendimento não está comprometido _ relata a comerciária Sandra Ramos, 59 anos, que frequenta a unidade semanalmente para retirar remédios.

Devido à estrutura deficiente, pacientes que necessitam de curativos grandes são encaminhados para outros postos da Zona Sul. Em janeiro, o secretário municipal da Saúde, Carlos Henrique Casartelli, afirmou não ser viável investir dinheiro público, instalando ar condicionado e fazendo uma reforma, em um local usado para um período curto de tempo. No salão da igreja funcionam os serviços de clínica geral, ginecologia e pediatria. Já as consultas de odontologia foram remanejadas para a Unidade Básica de Saúde Camaquã (Rua Doutor Pitta Pinheiro Filho, 176) e para a Estratégia Saúde da Família São Vicente Mártir (Avenida Wenceslau Escobar, 2.442). A central de marcação de consultas e atendimentos relativos ao cartão SUS operam na Capela Nossa Senhora dos Navegantes (Avenida Guaíba, 26).

Antiga reivindicação dos moradores da Zona Sul, a reforma do posto foi prometida pela SMS no começo de 2012 — mas levou mais de um ano e meio para deixar de ser projeto e se concretizar. A desistência da empresa vencedora da licitação foi a justificativa dada em março do ano passado pelo então secretário adjunto, Marcelo Bósio, para explicar o atraso.

Linha do tempo da demora

— No início de 2012, a reforma do posto de saúde da Tristeza — reivindicação da comunidade por meio do Centro Comunitário de Desenvolvimento da Tristeza, Pedra Redonda, Vilas Conceição e Assunção (CCD) — foi prometida pela Secretaria Municipal da Saúde

— Em março de 2013, a desistência da empresa que venceu a licitação para realizar a obra foi apontada pela secretaria como o motivo do atraso no início das obras

— Em julho de 2013, começou a revitalização da unidade, e os atendimentos gerais foram transferidos para um salão da  Igreja Nossa Senhora das Graças. A previsão era que a obra ficasse pronta em dezembro

—Em janeiro de 2014, foi anunciado que os trabalhos só seriam concluídos em fevereiro. A entrega da unidade revitalizada ficou marcada para dia 15 deste mês

— Agora, em função de novos contratempos no projeto, a conclusão foi adiada para 15 de março

O antigo veraneio nas praias da Zona Sul

14 de fevereiro de 2014 3

“Na primeira metade do século 20, as novas formas de usufruir o tempo livre, associadas ao conforto proporcionado pelos investimentos, tornaram alguns balneários da Zona Sul lugares de veraneio, de descanso e de entretenimento. O Guaíba foi o grande impulsionador do desenvolvimento da região. A população descobriu o veraneio em águas doces e próximas ao centro da cidade. Criou-se um hábito agradável nos meses mais quentes entre aqueles que não podiam viajar até o litoral.

Os locais escolhidos para atenuar o forte calor foram, primeiramente, os balneários da Tristeza, cujo acesso era facilitado por uma linha de trem. Depois, o fluxo maior de banhistas se deu na praia vizinha, Ipanema. Entre os bairros praianos da Zona Sul, a Tristeza foi o primeiro que surgiu, ainda no século 19. A partir do desenvolvimento impulsionado pelo trabalho de colonos italianos e, posteriormente, alemães, a região se desenvolveu. A Tristeza abrangia uma área maior do que a atual, pois incluía os bairros Vila Conceição, Vila Assunção e Pedra Redonda. Um pouco mais tarde, surgiu o balneário Ipanema a partir do loteamento idealizado e concretizado por Oswaldo Coufal, o qual se inspirou nas praias do Rio de Janeiro.

Gradativamente, a paisagem antiga da zona balneária sul de Porto Alegre foi se alterando, desdobrando-se em outras formas. Seguindo uma linha do tempo, da antiga sesmaria e das fazendas dos grandes estancieiros, a região cedeu espaço para lindas chácaras e luxuosas vivendas de veraneio,principalmente nas vizinhanças, como a Pedra Redonda e a Vila Conceição. Nesses locais, desenvolveu-se uma infraestrutura voltada ao turismo e ao veraneio, com a construção de hotéis, restaurantes, clubes e a melhoria nos meios de transporte, como otrem e o automóvel. Aliado a esse cenário moderno, o espaço começou a ser recortado por uma arquitetura de influência europeia que contemplava residências deluxo — as imponentes vivendas com praia particular. Eram novos moradores, os quais se configuravam em uma elite residente, muitas delas vindas de famílias tradicionais e ricas, as quais desenvolveram suas sociabilidades e negócios à beira-rio.

A história do veraneio na orla do Guaíba não se esgota. É necessário que as histórias dos antigos veraneios sejam reveladas, não apenas as da Zona Sul, mas também de outros lugares.

Berço no Guaíba

A importância do Guaíba remonta aos primórdios de Porto Alegre, pois significou a permanência em sua margem, a solução para garantir a sobrevivência por meio da pesca e a construção de barcos, oportunizando o alargamento do universo conhecido pelo acesso a outras vias fluviais. Foi com o Guaíba que começou o povoamento, e dali partiu a demarcação da cidade. Por isso, o Guaíba e sua cidade marcam a sensibilidade e a memória dos porto-alegrenses, vivendo juntos desde os tempos mais remotos, quando os índios aqui chegaram.

Já naqueles tempos, o curso d’água foi nomeado assim, pois os guaranis o entendiam, sabiamente, como “águas do lugar redondo” ou “Gua-ybe” na língua tupi, que tem o sentido de “baía
de todas as águas”. O Guaíba, portanto, está presente na história da cidade e de seu povo, pois por ele chegaram os primeiros colonizadores sesmeiros, açorianos, viajantes, forasteiros e imigrantes. Navegando em seus afluentes, fez-se a comunicação com o mar, desenvolvendo toda a Província”.

Texto enviado pela blogueira Janete da Rocha Machado

Amanhã é dia de ZH Zona Sul!

13 de fevereiro de 2014 0

Zona Sul

Nesta edição, você confere:

— Prevista para dia 15 de fevereiro, entrega do posto de saúde da Tristeza atrasa e deve ficar somente para a metade de março

— Animais que viviam engaiolados em residência da Rua Landel de Moura são resgatados

— Blogueira Janete da Rocha Machado resgata a história dos antigos veraneios à beira do Guaíba

— Gastronomia: Restaurante Mex Box traz a culinária mexicana e texana à Zona Sul

E mais! Não percam!

Nova iluminação da orla de Ipanema começa a ser instalada

12 de fevereiro de 2014 0

orla

A obra de instalação da nova iluminação no calçadão de Ipanema já está em andamento desde a semana passada. Nesta primeira etapa, estão sendo construídas as redes subterrâneas e as caixas de comando — o que deve se estender até o início de março. A partir daí, deve começar a instalação dos novos postes e luminárias. Em até 60 dias, a obra deve estar concluída.

Além do calçadão, serão montadas luminárias no lado esquerdo da avenida. Mais moderno e funcional, o novo projeto promete dar mais luminosidade para o passeio público, a ciclovia e o Guaíba. Serão 230 pontos de iluminação, com investimento de R$ 515 mil.

Artigo do leitor: Arte no cotidiano de quem vive Ipanema

11 de fevereiro de 2014 0

217486.1 (10197168)-1915100695.jpg-03_07_2009-19.15.09

“Atualmente, a orla de Ipanema oferece ao morador e ao visitante do bairro a exposição permanente de três obras de arte. São obras de importantes artistas que participarão da ação cultural Arte e Artista na Orla, em 16 de março deste ano – um evento promovido por moradores locais junto a sua entidade representativa.

Estas obras foram criadas por três apaixonados pelo bairro Ipanema: Maria Tomaselli, Beto Babão e Zorávia Bettiol. A obra projetada pela artista Maria Tomaselli: Para namorar ao pôr do sol, é uma escultura em concreto revestida em mosaico de azulejos. Foi escolhida a partir do concurso “Espaço Urbano-Espaço Arte” promovido pelo município de Porto Alegre, em 1993). Na execução desta obra, primeiro, montou-se a estrutura em concreto para a mesa do conjunto, depois os bancos e as figuras. O conjunto pronto foi revestido depois de seco. Ao final, foi feito o contra piso, o piso e o ajardinamento. Anos depois, em 8 de dezembro de 1999, foi inaugurada a obra Representação de Oxum. Uma escultura de cinco metros de altura, construída em ferro pelo artesão Beto Babão (Gilberto Silveira), artista morador de Ipanema, em homenagem à divindade africana Oxum.

A obra foi oferecida à população pela Federação da Religião Afro-Brasileira (Afobras) e pela AMBI. Oxum corresponde a Nossa Senhora da Conceição no sincretismo afro católico. Na mitologia africana, é a divindade que governa as águas doces e representa a força dos rios, a maternidade, a fartura, o ouro, a beleza e o amor.

Liberdade é uma escultura da artista Zoravia Bettiol, criada para o projeto Artemosfera, realizado em  2011. Com o esforço da Associação dos Moradores do Bairro Ipanema (Ambi) e de Zorávia – que doou a obra ao bairro, a escultura permaneceu no local. Na obra de Zorávia está escrito: “Água, Terra e Ar todos precisam amar! Para o futuro nos garantir vida melhor”, autoria do escritor Carlos Urbim. Esses três importantes trabalhos artísticos representam a identidade de Ipanema, um lugar em que se valoriza a natureza, a arte e a liberdade de ser e de se expressar.”

Texto enviado por Marcia Morales Salis

Leitor repórter: moradora pede explicação sobre poda de árvores

10 de fevereiro de 2014 0

10200556-arvore01.JPG-04_02_2014-15.52.16

“Estou enviando este e-mail com fotos para denunciar o corte de várias árvores em meu condomínio no Jardim Cristal, Rua Upamaroti, 380. São oito ou nove árvores. O corte foi autorizado pela prefeitura e decidido em reunião condominial por uma meia dúzia em um condomínio de 12 blocos e com mais de 200 apartamentos.

Eu estava fora do Brasil e não tive conhecimento disso. Independentemente de qualquer coisa, é um absurdo em nossos dias o corte de árvores de 30 metros de altura onde os sabiás cantavam toda a primavera! Falta de consciência ecológica para dizer o mínimo. A legalidade não justifica o dano”.
Texto e foto enviados por Ana Maria Bazerque

Contraponto
O que diz a Secretaria Municipal do Meio Ambiente, por meio de sua assessoria de imprensa.

Informamos que foi realizada uma ação fiscal no condomínio em 21 de janeiro e foi constatado que as podas estavam devidamente autorizadas. A autorização de poda é dada por técnico competente que avalia a necessidade ou não da intervenção. No caso, como foi autorizada, é porque havia necessidade de poda.

DEP testará tratamento para resíduos retirados de valas

07 de fevereiro de 2014 0

O leitor Wladimir Dolado da Silva descreve com indignação sua preocupação com a limpeza de uma vala de esgoto pluvial na Estrada Retiro da Ponta Grossa. Desde setembro, ele pede providências ao Departamento de Esgotos Pluviais (DEP).

Pelo menos até 31 de janeiro, quando enviou um pedido de socorro ao ZH Zona Sul, nada havia sido feito para resolver a questão. Semanas atrás, a leitora Flavia Bertaco, moradora da Estrada Francisca de Oliveira Vieira, no Belém Novo, também recorreu ao caderno para que fossem retirados os resíduos da limpeza de uma vala depositados ao longo da via.

As duas situações refletem a dificuldade da prefeitura em fazer a manutenção adequada nos chamados valões, algo bastante comum na Zona Sul, especialmente por ser uma região ainda com características rurais em alguns pontos e áreas de preservação ambiental. O DEP reconhece o problema e anunciou a contratação da empresa alemã Sapotec Sul Soluções Ambientais, com unidade em Nova Santa Rita, para a realização de testes de tratamento desses resíduos, basicamente lodo e areia.

Segundo o diretor-geral do departamento, Tarso Boelter, nesta semana será assinada a ordem de serviço para que a empresa comece a retirada de cem toneladas de resíduos de valões e arroios, como o Dilúvio e do Salso. O material recolhido será levado para uma unidade de tratamento, onde passará por testes para que seja definida a melhor tecnologia para tratá-lo e, de preferência, reaproveitá-lo. Hoje, o lixo que sai de arroios e valões é destinado de acordo com o tipo de material. Plásticos, madeiras e objetos jogados nesses locais são encaminhados ao Departamento Municipal de Limpeza Urbana (DMLU). O lodo e a areia são depositados às margens dos valões, motivo da reclamação da moradora do Belém Novo.

— A gente sabe que não é uma solução para a falta de um local adequado, mas é o que podemos fazer. A Zona Sul é a que mais sofre com isso — reconhece Boelter.

Se os testes da empresa de Nova Santa Rita forem aprovados, a ideia é implantar o serviço de tratamento para que a areia retirada de valas e arroios seja reaproveitada até na construção de tampas de bueiros. De acordo com o DEP, são gastos R$ 2 milhões em areia para a construção dessas peças em concreto anualmente. A fase de testes deve durar aproximadamente 90 dias.

Vias da Zona Sul que receberão o serviço da Sapotec Sul

— Estrada Dorival Castilho Carvalho
— Rua 1, na Ponta Grossa
— Estrada Retiro da Ponta Grossa
— Vila Castelo, na Restinga

Amanhã é dia de ZH Zona Sul!

06 de fevereiro de 2014 0

zonasul
Nesta edição, você confere:

— DEP contrata empresa alemã para testar medidas de tratamento do lodo e da areia retirados de valões e arroios

— O nome: Jornalista e produtora cultural, Marilourdes Franarin fala da sua relação com o bairro Ipanema

— Leitor-repórter: Moradora do Cristal pede explicação sobre poda de árvore em condomínio

— Minha turma: Ex-aluno do Colégio Marista Assunção faz homenagem à instituição de ensino que completou 63 anos

E mais! Não percam!