Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Estaleiro Só"

Novo projeto para a área do Estaleiro Só

07 de agosto de 2012 5

Área às margens do Guaíba recebe nova proposta | Foto: Lauro Alves

Três anos depois de uma consulta popular rejeitar um projeto para a construção de um empreendimento residencial no Pontal do Estaleiro Só, Porto Alegre voltará a encarar um plano para o futuro de uma das porções de terra mais nobres da cidade.

Assunto no município durante meses entre 2008 e 2009, o projeto para a área do antigo estaleiro foi remodelado: extirpado o setor residencial, agora prevê um estabelecimento comercial e uma torre de serviços que pode chegar a 26 andares. O estabelecimento comercial teria uma base com cinco pavimentos, estacionamento, praça de alimentação, supermercado e cinemas, além da torre. Haveria ainda uma alameda e um parque, que deverá ser construído em frente ao Guaíba. Os prédios não poderão ficar a menos de 60 metros da orla.

A presidente da Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge) e assessora especial do prefeito José Fortunati, Rosane Zottis, informou que o projeto está sob análise e, certamente, sofrerá adequações. Sobre a torre de 26 andares, Rosane afirma que as duas leis complementares — 470/2002 e 614/2009 — que versam sobre a região não estipulam altura máxima.

— A altura será definida conforme o Estudo de Viabilidade Urbana. A gente tem tido cuidado com isso porque é uma área nobre. Mas imaginamos que a questão já tenha ficado clara para a comunidade, pois ela se pronunciou que não queria uso residencial ali. Vedado o uso residencial, as demais atividades previstas na lei são permitidas — afirma Rosane.

Ela destaca que o projeto será interessante se permitir uma reaproximação do orla com a população. Daqui a 15 dias, a comissão deverá emitir o parecer. A etapa seguinte é o estudo de impacto. O processo ainda deverá levar meses para ter uma previsão de que saia do papel. As mesmas empresas que propuseram as habitações no pontal são responsáveis pelo novo projeto, a BM Par Empreendimentos, dona da área, e o escritório de arquitetura Debiagi.

Diretrizes são aguardadas

Por causa do desgaste sofrido em 2009, a BM Par Empreendimentos e o escritório Debiagi preferem não dar detalhes, agora, sobre o novo projeto. Aguardam, para isso, as diretrizes que a Comissão de Análise Urbanística e Gerenciamento (Cauge) formulará.

Ao lembrar da mobilização contra a construção de imóveis residenciais na orla em 2009, o vereador Beto Moesch (PP) comentou sobre a oportunidade perdida, no início dos anos 2000, de se impedir outras construções no local. Na época, foi aprovada lei que criava regras próprias para a região do pontal. Devido à preocupação com os trabalhadores herdeiros da massa falida do Estaleiro Só, o texto tramitou em regime de urgência, não teve audiência pública nem passou por comissões, observou o vereador:

— Árvore que começa crescendo torta, fica torta. Agora, pode construir. A sociedade vai ter de encarar isso, querendo ou não. Claro, há pré-requisitos que eu espero que a Cauge tome, vai ter praça, preservação ambiental. Só se impediria com um projeto de lei alterando a norma de 2001. Ou com desapropriação da área pela prefeitura.

Outros ângulos do estaleiro

15 de fevereiro de 2010 4

Desde a demolição dos galpões do antigo Estaleiro Só, a paisagem na área chamada de Ponta do Melo mudou. Após a foto aérea enviada por José Augusto Roth, integrante do Conselho de Blogueiros do ZH Zona Sul, veja dois novos ângulos dessa área no bairro Cristal:

Vista a partir da Vila Assunção, com o centro de Porto Alegre ao fundo – Foto: Arivaldo Chaves

Vista a partir do morro atrás da Fundação Iberê Camargo, na Padre Cacique – Foto: André Mags

A região vista de um ultraleve

01 de fevereiro de 2010 18

Essas são fotos tiradas ontem, a bordo de um ultraleve.

Destaque para a área do Estaleiro Só, a Avenida Diário de Notícias e o Parque Marinha.

O dia não estava muito propício, nublado e com uma névoa seca.

Mesmo assim, dá para ter uma noção de outros ângulos de nossa cidade vista do alto.

*Por José Augusto Roth, Conselho de Blogueiros

Área do Estaleiro Só após a demolição dos galpões - Foto: José Augusto Roth, Conselho de Blogueiros

Área do Estaleiro Só, BarraShoppingSul e Hipódromo do Cristal – Foto: José Augusto Roth, Conselho de Blogueiros

Avenida Diário de Notícias, em primeiro plano, e bairro Cristal – Foto: José Augusto Roth, Conselho de Blogueiros

Parque Marinha – Foto: José Augusto Roth, Conselho de Blogueiros

Sem vestígios do estaleiro

25 de janeiro de 2010 5

Agora que foram demolidas as carcaças dos velhos pavilhões do Estaleiro Só, descobrimos uma nova visão do Guaíba, há muitos anos escondida da população.

A foto acima mostra como ficou o local e nos leva a imaginar o que seria um parque bem cuidado às margens do Guaíba.

*Por José Augusto Roth, Conselho de Blogueiros

Estaleiro Só na lembrança

11 de janeiro de 2010 2

Passei ontem pelo terreno do antigo Estaleiro Só e achei curioso conseguir enxergar o Guaíba de forma tão ampla. Nos primeiros segundos, não consegui me dar conta do que poderia ter tornando aquela paisagem tão conhecida em algo estranho. Era como se estivesse faltando alguma coisa. E estava.

Sabemos o quanto é comum não nos darmos conta de como a cidade se modifica. Passamos o tempo todo pelas mesmas ruas, fazemos muitas vezes os mesmos trajetos, e ainda assim, muito nos escapa.

Sou uma turista na minha própria cidade. É assim que gosto de vivê-la.

Gosto de conhecer novos locais e redescobrir lugares já conhecidos, assim me sinto permanentemente atraída por suas ruas, bairros, avenidas e paisagens.

Para mim, a Zona Sul tem muito disso. Passamos muito tempo sem ver as mudanças ocorrerem, e, quando ocorriam, eram poucas ou lentas. Muito mudou por essas bandas ao longo da história, todos sabemos, mas ainda levantamos a bandeira de que aqui a loucura da cidade não chegou. Ainda.

Mesmo assim, vivendo na correria que todos vivemos, há dias que algo nos pega de surpresa.

Pois naquela paisagem que tanto vi ao longo da minha infância e vida adulta, algo faltava, e era ele, o Estaleiro Só.

Parei o carro para fotografar o que jazia desse que foi um imponente marco de outros tempos da nossa cidade. Tijolos, madeiras e estruturas de ferro foram as sobras que quem passava a pé ou de bicicleta não conseguia deixar de olhar.

Fundado em 1850, trocou muitas vezes de endereço e sócios, desempenhava atividades como ferraria e fundição de ferros, sinos, tachos e artefatos utilizados na Guerra do Paraguai e, posteriormente, executou reparos em navios da Marinha Brasileira. Nas suas últimas décadas de atividade, consolidou-se como estaleiro, produzindo muitos modelos de navios, como pesqueiros, navios-tanque, rebocadores, entre outros. Contudo, os anos 1980 trouxeram a decadência ao Estaleiro forçando-o a encerrar suas atividades na década de 1990.

Importante local para os habitantes da Zona Sul e de Porto Alegre como um todo, o terreno e os usos propostos para a área do Estaleiro Só desencadearam fortes manifestações, das mais variadas opiniões. Porém, quando parei em frente aos montes de restos daquilo que um dia foi o estaleiro, não pensei sobre quais os melhores usos para o local. Tinha só uma coisa na minha cabeça, e era o fato de que independente do que se faça ali, das lutas políticas e suas polêmicas, o Estaleiro Só foi abaixo. Nunca mais poderemos vê-lo, já não podemos mais considerar restaurá-lo. O que poderia ter sido mantido, ainda que digam que ele não possuía o perfil de tombamento, já não se pode mais.

Parte indiscutível da história da indústria porto-alegrense e característica da Zona Sul, foi por terra.

O Estaleiro Só, agora, só na memória.

*Por Karina dos Reis Kerpen, Conselho de Blogueiros