Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
clicRBS
Nova busca - outros
Capa ZH ZH Blogs Assine agora

Posts com a tag "Juca Batista"

O empreendedorismo de Juca Batista

04 de julho de 2012 7

A historiadora e blogueira ZH Zona Sul Janete Rocha Machado fez uma entrevista com Theresa Terra Magalhães, descendente de Juca Batista, e escreveu este texto:

Juca Batista | Foto: Arquivo Pessoal

Na segunda metade do século 19, as terras onde hoje fica o bairro Ipanema faziam parte de uma imensa zona rural de Porto Alegre. Originária da primeira sesmaria doada ainda no século 18, a região sul da Capital vai se constituir em grandes extensões de terras, em cujas fazendas se cultivavam arroz, milho, aipim e frutas, além da criação do gado leiteiro. E isso só era possível devido à irrigação pelo Arroio Capivara, que proporcionava fertilidade à região. Era o arrabalde de uma Porto Alegre bucólica e solitária, margeada pelas águas do Guaíba.
Durante muitos anos, o Arroio Capivara foi a fronteira entre as escassas fazendas e o rio. Entre elas encontrava-se a gleba de João Batista de Magalhães, mais conhecido por Juca Batista, um próspero comerciante e estancieiro de origem portuguesa que empreendeu nas terras deixadas por seu pai, cerca de 80 hectares, um império fundamentado no trabalho e na ajuda ao próximo. Era a vida organizando-se em torno das

estâncias, símbolo do gaúcho e do Estado.
Nascido em 29 de setembro de 1870, Juca Batista soube aproveitar a prodigiosa natureza da região, desenvolvendo a plantação de árvores frutíferas e a criação de gado leiteiro. A extensão de suas terras abrangia desde o Belém Velho até o atual Ipanema. Sua residência ficava nas imediações da avenida que hoje leva seu nome, estrada que, no passado, apesar do chão batido, era a única possibilidade de deslocamento entre o Centro e a Zona Sul. O asfalto viria bem mais tarde, na década de 1930, uma iniciativa do então vereador Flores da Cunha, na época, padrinho de Juca. Também eram limites de suas terras a Lomba do Capitão Alexandre, atualmente conhecida por estrada da Cavalhada, e as terras de Bernardo Dreyer, onde hoje está a Pedra Redonda, o Jardim Isabel e o Morro do Osso.
Durante muitos anos, Juca Batista empreendeu ações em prol da comunidade carente, tanto do seu bairro como dos vizinhos. Deslocando-se de barco pelo rio, fornecia produtos oriundos de sua fazenda a outras regiões da cidade. Em 1896, forneceu as primeiras mudas de árvores frutíferas e verduras aos pioneiros colonos da Vila Nova. Também mantinha, por meio de um trabalho social, algumas instituições de caridade, entre elas a Santa Casa de Misericórdia, o Pão dos Pobres e o Asilo Padre Cacique, desenvolvendo, assim, seu lado filantrópico.
Fundador da primeira casa comercial no bairro, local em que se podia comprar desde o alfinete até alimentos como açúcar e café, Batista doou uma parte de suas terras para a construção do cemitério da Vila Nova e para a Escola Estadual Odila Gay da Fonseca em Ipanema. Atualmente, o nome Juca Batista é lembrado em avenida e linha de ônibus que liga Ipanema ao Centro, uma forma de lembrar pelas realizações e homenagear aquele que foi um dos primeiros empreendedores da região.

Família de Juca Batista | Foto: Arquivo Pessoal

Família de Juca Batista | Foto: Arquivo Pessoal

Nova sinaleira na Juca Batista

11 de dezembro de 2011 3

Começa a funcionar na segunda-feira, às 15h, um novo semafóro para pedestres na Avenida Juca Batista, em frente ao supermercado Zaffari. O local recebeu algumas melhorias viárias, como acesso facilitado de cadeirantes no canteiro central, realizadas pela Secretaria Municipal de Obras e Viação (Smov). Com lâmpadas que reduzem em 85% a energia consumida, o semáforo será acionado por botão.

A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) está atendendo um dos pedidos dos moradores da região, que clamam por segurança na travessia da movimentada avenida.

O diretor de trânsito da EPTC, Carlos Pires, já adianta que serão concluídos estudos para implantar um conjunto de semáforos na rótula da Juca Batista com a Avenida Eduardo Prado e um pardal próximo ao número 8.200, que regulará a velocidade máxima de 60 km/h permitida nesse trecho da Juca.

Dica ZH

Pedidos para instalação de sinaleiras podem ser feitos no Atendimento ao Cidadão da EPTC (Avenida Erico Verissimo, 100). Outras informações no fone 156.

Semáforos na rótula da Juca com a Serraria

15 de novembro de 2011 4

Neste sábado, às 9h, devem começar a funcionar os semáforos na rótula da Avenida Juca Batista com a Avenida da Serraria. Segundo o diretor de trânsito da Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC), Carlos Pires, a mudança ocorre no final de semana porque o movimento de veículos é menor e, assim, os motoristas tem mais tempo para se adaptar.

Em setembro, com o alerta do leitor Jorge Luiz Prestes Braga sobre a necessidade de um reforço na sinalização deste e de outros pontos da Juca Batista, a EPTC informou que estava sendo realizada as contagens de veículos e pedestres em ambos os sentidos da via. Agora, dois meses depois, Pires confirma que o órgão está atendendo uma reivindicação dos moradores.