Pular a barra do clicRBS e ir direto para o cabeçalho.
 

Nada de dinheiro e pé na estrada

14 de abril de 2015 1

* Por Guto Kuerten
00acf25a
Fotos: Leonardo Macieira, Divulgação

Quem está em Santa Catarina é o fotógrafo, aventureiro e sempre sorridente Leonardo Maceira, 23 anos, que viaja o Brasil de carona com nenhum dinheiro no bolso. O curitibano partiu da cidade natal no começo do ano sem trajeto definido nem data para terminar. Batizou a aventura de “Os lugares de cada um” e criou uma página no Facebook onde posta atualizações e fotos. Conta que nunca tinha pegado carona, mas que agora já tem a manha. Para ele o dinheiro causa estresse.

- A partir do momento em que fiquei realmente sem dinheiro notei que estava livre. Posso fazer o que quiser. Tenho todo tempo do mundo – diz.

00acf259

Por enquanto o pior momento foi quando contraiu dengue em Recife. Com muita febre chegou a pensar que iria morrer. Leonardo se hospeda na casa de desconhecidos, estudantes e de outras pessoas com quem faz contato pelo Couchsurfing (site que oferece hospedagem gratuita pelo mundo). As refeições e as conexões para atualizar as informações na internet são doações dos anfitriões.

Pelo caminho, além de registrar imagens da natureza, fotografa mulheres nuas na natureza. Passou por 34 cidades brasileiras. Em SC, conheceu Joinville, São Francisco do Sul, Balneário Camboriú, Florianópolis, Garopaba, Tubarão e atualmente está em Criciúma. Caso queira se inspirar e partir para a estrada, acompanhe as aventuras do fotógrafo em @oslugaresdecadaum ou @numondo.

* O colunista Rafael Martini retorna ao Visor dia 17 de abril, durante o período, as publicações serão feitas pelo interino, o fotojornalista Guto Kuerten, que também publica no Blog De Olho nas Ruas, e pela redação.

comentários

Comentários (1)

  • João Schorne de Amorim diz: 14 de abril de 2015

    Olá,

    Calma meus amigos. Nem tudo é o que parece ser.

    A aventura é algo que eleva o espírito humano. Viagens, escaladas, acampamentos sempre liberam o ser humano do cotidiano e renovam as suas energias.

    Mas a assertiva do distinto viajante da reportagem de que “se tornou livre quando viu que não tinha mais dinheiro” é uma falácia e até mesmo uma hipocrisia.

    Mas por que você diz isso?, alguém me perguntaria.

    Ora, vejam só: quando o cidadão da reportagem ficou doente com dengue lá em Recife, ele foi tratado em um hospital público, pago por todos nós que estamos trabalhando e recolhendo impostos; quando ele para com o objetivo de repousar e tomar um banho quente, o dono da casa paga a energia elétrica; quando ele usa o computador para atualizar o seu blog, alguém está pagando o custo da internet.

    Ou seja, ser um homem livre com o dinheiro e com o suor dos outros é coisa muito fácil.

    Não sou contra o seu estilo de vida. Até o invejo. Sou contra o seu discurso de que não precisa de dinheiro para viver. Balela.

    Grande abraço.

    João Schorne de Amorim.

Envie seu Comentário